quarta-feira, 15 de maio de 2019

Tempo de Antena do PNR para as Eleições Europeias de 2019
- e um comentário do vosso blogueiro


    Um muito obrigado! ao Filho da Truta e ao João Rodrigues por me terem alertado para este Tempo de Antena do PNR:




Peço aos leitores do TU que prestem bem atenção às palavras do cabeça-de-lista do PNR por volta dos 24 segundos do vídeo: "queremos servir de ligação com o Brasil e também com África".

Ora bem, o que é que se entende exactamente por "servir de ligação"?... Gostava realmente de saber, porque estas palavras de João Patrocínio deixam-me bastante desconfortável. Em todo o programa político do PNR, a única vez que as palavras "Brasil" e "África" aparecem é no ponto 2 (Renegociar, reposicionar e produzir):

«(...) o PNR defende:   (...)
– Estabelecer acordos económicos, com o Brasil e África fazendo de charneira com a Europa;»

Tudo isto é bastante vago, mas a meu ver preocupante. É evidente que seria uma estupidez se Portugal pura e simplesmente desperdiçasse o enorme potencial que África e o Brasil representam em termos de oportunidades de negócio. Isso seria entregar de bandeja esse grande potencial a outros países europeus, ou pior, aos EUA e à China.

O problema é que tudo isto tem mesmo de cingir-se apenas ao plano económico... e eu não sei, muito sinceramente, se isso será possível. É que a história mostra-nos que os "acordos económicos" tendem a propiciar acordos de carácter demográfico e (i)migratório em paralelo.

Seja como for, o mais importante nesta altura do campeonato é o seguinte: desde a sua fundação, o melhor resultado que o PNR já obteve foi 0,50% (27 269 votos). Nas últimas eleições europeias de 2014, o PNR obteve 0,46% (15 036 votos). Apesar do optimismo dos seus dirigentes, não é expectável que o PNR faça muito melhor do que isso nestas eleições. Portanto, uma vez que não há a possibilidade matemática de o PNR fazer a diferença, seja de que forma for, a prioridade dos nacionalistas deve ser fazer crescer e dar mais visibilidade ao movimento.

Recomendo por isso aos nacionalistas que, apesar deste "servir de ligação", votem no PNR no próximo dia 26. Até porque (ainda) não há alternativa...

10 comentários:

  1. Silvino de Portugal15 de maio de 2019 às 15:36

    É ABSOLUTAMENTE URGENTE o Patrocínio clarificar o que quer dizer com a ligação a África e Brasil. É daqueles pontos que têm potencial para desencorajar o eleitorado, que o PNR não se pode dar ao luxo de desbaratar! O movimento nacionalista precisa de união e não de divisão/ambiguidade!

    Se o plano é mandar vir mais africanos e brasileiros então POR FAVOR NÃO!

    "Até porque (ainda) não há alternativa" -- se calhar chegou a hora de falar em alternativas. Onde é que andam as Legas e as RN de Portugal?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «É daqueles pontos que têm potencial para desencorajar o eleitorado, que o PNR não se pode dar ao luxo de desbaratar! O movimento nacionalista precisa de união e não de divisão/ambiguidade!»

      Sem dúvida, mas receio que tenhamos de esperar sentados. Um dos maiores problemas do PNR é que tem muitos minho-timoristas nas suas fileiras, mas também tem bastantes racialistas. Por conseguinte, os dirigentes do partido têm de fazer uma espécie de jogo de póquer e tentar agradar a gregos e a troianos. Esta "ligação a África e ao Brasil" é claramente uma tentativa de agradar aos primeiros sem desagradar em absoluto aos segundos. Confesso que tudo isto me deixa bastante desconfortável.


      «Se o plano é mandar vir mais africanos e brasileiros então POR FAVOR NÃO!»

      Mas é que mesmo NÃO, em absoluto! Para isso já temos os outros partidos do arco da tragédia abrilina, não precisamos do PNR para nada...


      «se calhar chegou a hora de falar em alternativas. Onde é que andam as Legas e as RN de Portugal?»

      Boa pergunta. Sinceramente, não sei... e a cada ano que passa tenho mais medo da resposta. É que começo a achar que os portugueses desejam a miscigenação. Há uns tempos publiquei aqui no TU uma sondagem que dava conta que 88,6% dos portugueses estavam de acordo com a vinda de mais imigrantes dos PALOP para Portugal. É muito duro aceitar esta realidade, mas é bem provável que não tenhamos Legas nem RN porque os portugueses pura e simplesmente não querem saber do futuro da Nação...

      Eliminar
  2. Olá Afonso,

    Já tentei e sempre falhei em levar o PNR a sério - e pelos vistos vou continuar a falhar. Já agora, sou só eu que reparo que o Patrocínio é mais escuro que muitos norte-africanos, turcos, persas, sul asiáticos e árabes? Não me surpreenderia que ele mesmo tivesse um antepassado indiano ou assim. Talvez explique afirmações que fez.

    Mas pronto, vim cá deixar mais um casalinho, se calhar com a benção do Patrocínio.

    Preto + branca, 20s.

    Ilo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado, caro Ilo! Devo dizer que estou em falta para consigo, uma vez que lhe tinha dito que iria passar pelo seu blogue para deixar um comentário e nunca o cheguei a fazer. Imperdoável! Vou tratar disso até à hora de jantar.

      Quanto ao PNR e ao tom de pele do cabeça-de-lista, sim é verdade, ele é bastante escuro para português. Eu sempre quis acreditar que isso se devia ao facto de ele andar constantemente na rua, mas nestas coisas nunca há certezas, nem mesmo com os testes de ADN (há empresas que fazem testes que já admitiram falsificar os resultados para "chatear os racistas").

      Infelizmente, julgo que o problema não é o João Patrocínio, é o próprio PNR. Uma coisa de que não nos podemos esquecer é que o PNR nunca passou por um processo de legalização no Tribunal Constitucional, foi antes "reconstruído" a partir do velho PRD. Isto fez com que, desde a sua fundação, o PNR tivesse nas suas fileiras muitos salazaristas e, bem pior do que isso, saudosistas do "Portugal do Minho até Timor".

      As coisas pioraram muito com a saída do Mário Machado. O caro Ilo sabe bem o que eu penso acerca dessa personagem e da sua enorme toxicidade para o movimento nacionalista, mas a sua saída teve como efeito arrastar muitos racialistas para fora do PNR. É verdade que esses racialistas eram quase todos nazis mas... quantos racialistas haverá que não perfilhem o nacional-socialismo? 5%? 10%? Este é um dos maiores dramas da preservação racial, pouca gente acredita em raça fora do contexto nazionalizta.

      Eliminar
  3. Silvino de Portugal15 de maio de 2019 às 19:59

    Qual é o blog do Ilo?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Portugal Integral. O caro SdP pode encontrá-lo na "Blogosfera Relevante", ali à direita. ;)

      Eliminar
  4. «Ligação» alude a intermediar e aproveitar elos históricos em condições de reciprocidade. Que utilidade têm essas reservas mentais aqui e agora ?
    Patrocínio é o mais nacionalista e português de todos os candidatos nº1 ao Parlamento Europeu, em 26 de Maio.

    [Nuno]

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. <«Ligação» alude a intermediar e aproveitar elos históricos em condições de reciprocidade.>

      Certo, mas há "elos históricos" que foram erros históricos. Eu tenho a certeza de que não falo só por mim quando digo que não quero preservar "elos" (i)migratórios com os países da CPLP. Nesse sentido, recomenda-se mais cuidado e clareza na linguagem empregue neste género de intervenções. Entre os nacionalistas, a questão racial é um tema demasiado sensível para ser tratado de ânimo leve.


      «Que utilidade têm essas reservas mentais aqui e agora?»

      Do ponto de vista estratégico, nenhuma, evidentemente. Mas estas "reservas mentais" estão a ser levantadas por outros nacionalistas, um pouco por todo o país, pelo que me pareceu adequado fazer uma posta a relembrar que, no presente momento, não temos alternativa ao PNR.


      «Patrocínio é o mais nacionalista e português de todos os candidatos nº1 ao Parlamento Europeu, em 26 de Maio.»

      Sem dúvida. Por isso é que eu apelei aos nacionalistas que votassem nele.

      Eliminar
  5. O PNR parece que abandonou a bandeira nacionalista, infelizmente. Concorrem a umas eleições europeias, para se ligarem ainda mais ao brasil e a africa, AINDA MAIS, porque já não chega termos milhares e milhares, talvez centenas de milhares deles cá, em telenovelas, no desporto, em todo o lado e o único partido que se diz nacionalista ainda quer mais ligações, isto até daria para rir se não fosse tão grave, é uma tragicomédia que nunca tinha visto na Europa ocidental. É que nem o PCP faz campanha a dizer coisas destas.

    Apenas um comentário ao que disse o Ilo, o Patrocinio parece-me parece ser autóctone português branco:

    https://i.ytimg.com/vi/3P7QFOlEWTU/maxresdefault.jpg
    Mas tem de facto uma fenotipo daqueles mediterranicos carregados (mais que o normal).


    Assinado:
    Fuas Roupinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É preciso termos calma, caro Fuas Roupinho, porque a verdade é que não sabemos ao certo quais são as intenções dos dirigentes do PNR. A ligação a África e ao Brasil faz todo o sentido do ponto de vista económico, porque não podemos ficar eternamente dependentes dos fundos comunitários, temos de diversificar as fontes de rendimento de Portugal. Se nos fecharmos completamente ao resto do mundo, Portugal voltará a ser paupérrimo e isso dará mais força ao comunismo e aos restantes cancros de índole marxista. O problema aqui é que as ligações económicas tendem a trazer consigo ligações demográficas. É dessa parte que eu tenho algum receio.

      Mas, para já, o PNR é tudo o que temos. Não faz sentido votar noutro partido no póximo dia 26 e também não faz sentido não ir votar.

      Eliminar

TODOS os comentários têm de ser assinados. Além disso, os comentadores deverão observar as regras do blogue.