sábado, 17 de agosto de 2019

Em Carcavelos: "artista" cigano lança o pânico em anima feira local


É um milagre! Os mé(r)dia mencionaram a etnia de um criminoso! Aleluia! Aleluia!!!...

«Um homem, 27 anos, de etnia cigana, armado com uma navalha de grandes dimensões, lançou o pânico no recinto da feira de Carcavelos, na quinta-feira [15-Ago-2019], colocando em debandada centenas de pessoas. Foi neutralizado e detido depois de agentes da PSP terem efectuado disparos de intimidação para o ar.»

Não se sentem orgulhosos de serem portugueses, caros leitores? Basta aparecer um ciganito com uma faca e fugimos logo às centenas!... Mas é precisamente com esta gente que alguns nacionalistas querem fazer uma revolução para acabar com a terceira república e insituir uma "aristocracia meritocrática"!!! 😂

«Completamente descontrolado e em fúria, o homem ameaçou e colocou em causa a integridade física de dezenas de pessoas, que conseguiram escapar às tentativas de agressão. Na origem dos incidentes terão estado desentendimentos com outros "feirantes".»

Comparem esta situação com o que aconteceu na Austrália há alguns dias, caros leitores. No país dos cangurus, bastou meia-dúzia de homens para travar e prender o muslo psicopata. Mas aqui na tugalândia, basta um ciganito mas afoito para fazer correr centenas de tuguinhas amedrontados! "Heróis do mar, nobre povo, nação valente" e tal...

«Agentes da PSP, em serviço remunerado no recinto, intervieram mas perante a agressividade do homem acabaram por ter que efectuar alguns disparos de intimidação para o ar para o desarmar e neutralizar.»

"Eu sou uma pessoa razoável! Se deixarem de respirar, eu não esfaqueio ninguém!"
(Nota para imbecis: esta é uma imagem ilustrativa genérica, não se trata do cigano em causa)

«Residente na freguesia de São Domingos de Rana, o homem acabou por ser algemado e detido, com os agentes policiais a terem que usar da força muscular estritamente necessária para o dominar, adianta o jornal online "Cascais24".»

O melhor é mesmo usarem apenas "a força muscular estritamente necessária para o dominar", senão ainda aparece o paspalho do Mamadou a mover-lhes um processo por "racismo"...

«Foi submetido a primeiro interrogatório judicial, esta sexta-feira, junto dos Serviços do Ministério Público de Cascais, mas não é conhecida a medida coacção.

A tradicional feira de Carcavelos, realiza-se todas as quinta-feira e é frequentemente procurada pela classe média-alta para fazer compras, sobretudo adquirir todo o tipo de vestuário e objectos de marca a preços relativamente acessíveis.»

"Classe média-alta"... deve ser constituída por pessoas como aqueles velhos de Queluz que se queixavam da insegurança e da falta de polícia, mas que depois votam sobretudo no PS e no PSD!

quinta-feira, 15 de agosto de 2019

Portugal Desintegrado: Episódio 12: Relações Odiosas


     Este mês de Agosto vai ser o mês do podcast 'Portugal Desintegrado' aqui no TU. Vou publicar um episódio diferente a cada dia (mais ou menos), desde o início até ao fim da série.

No episódio de hoje, o décimo segundo da série, o Ilo Stabet denuncia o estado absolutamente deprimente em que se encontram muitas das relações amorosas dos portugueses. Desde as rameiras "tugas" que, com o consentimento dos cornudos dos seus namorados ou maridos viajam sozinhas pelo mundo (ou vice-versa), até aos degenerados dos "poliamorosos", gente com uma visão completamente distorcida e doentia daquilo que é o Amor. Os caros leitores deverão prestar especial ao comportomento e às declarações dos vários psicólogos mencionados pelo Ilo neste episódio: têm aqui mais alguns exemplos clamorosos do quão pervertida, putrefacta e indigna é cada vez mais essa especialidade de saúde mental. E para quem não estiver convencido, relembro também que a maior associação de psicologia dos EUA considera agora que a masculinidade tradicional é uma patologia.

Recordo mais uma vez que o Ilo Stabet também é autor do blogue Portugal Integral, onde foram publicadas várias postas excelentes.


Crescimento da população mundial entre 10 000 a.C. e 2019 d.C.


Encontrei este gráfico por acaso e decidi partilhá-lo aqui:




Já sei que certas alminhas perdidas -incluindo algumas que até se dizem nacionalistas- são muito bem capazes de olhar para este gráfico e ver nele a confirmação de que o mundo gente tem gente a mais e que não devemos ter filhos. A pensar nessas pessoas, vou incluir aqui mais alguns gráficos, que é para ver se abrem a pestana de uma vez por todas. O primeiro mostra o crescimento populacional em cada continente em termos absolutos, i.e. a evolução do número de habitantes em cada continente:




Reparem que este gráfico é algo enganador: como os números do crescimento populacional usados são absolutos (e não relativos), fica-se com a sensação de que  o problema reside sobretudo na Ásia, o que não é verdade. A Ásia tem de facto muita população mas, quando se pensa em termos de crescimento populacional, o mais importante aqui é observar o declive das curvas! E é aqui que saltam à vista sobretudo dois casos: a África subsariana e o Sul da Ásia.

Este segundo gráfico mostra exactamente o que eu quero dizer. Trata-se de um mapa de cores consoante a taxa de fertilidade (número de filhos por mulher). Reparem como praticamente todo o Ocidente está a cor azul (apenas 1 a 2 filhos/mulher), abaixo da taxa de fertilidade mínima que assegura a substituição populacional (2,1 filhos/mulher). Reparem também que todos os países com elevado crescimento demográfico estão fora do Ocidente, com especial destaque para a África subsariana:





Em sentido contrário, estes são os países do mundo em que a população menos cresceu. Vejam lá se reconhecem algum!...





E para quem mesmo assim não estiver convencido, aqui ficam as percentagens por continente:




E também o crescimento populacional separado por nível de desenvolvimento dos países (reparem como o crescimento da população praticamente estagnou nos países desenvolvidos, mas continua imparável nos países em vias de desenvolvimento):




Porque é que eu fiz questão de colocar todos estes gráficos aqui? Por um motivo muito simples: estou farto, farto, mas realmente FARTO de ouvir autoproclamados nacionalistas a desvalorizar constantemente a questão da natalidade. Isto é tão simples quanto isto: não é minimamente realista pensar que podemos fechar as fronteiras do Ocidente num futuro próximo; pelo que, se não tivermos filhos, os filhos dos outros povos acabarão por tomar o lugar dos filhos que devíamos ter tido. Não me venham com histórias da carochinha sobre o Japão, porque até mesmo o "país do sol nascente" está a receber cada vez mais imigrantes. É certo que ainda são muito poucos comparados aos que a Europa e  a América do Norte têm recebido. Mas nestas coisas da demografia, tudo muda de repente e há indicadores de que a abertura dos japoneses à imigração poderá ser apenas uma questão de tempo e de deixar morrer a geração actualmente no poder.

Uma coisa é certa: a abertura dos europeus e dos norte-americanos à imigração não vai  diminuir significativamente nos próximos tempos. Nesse sentido, apelar ao aumento da natalidade dos países ocidentais não se trata de "competir demograficamente com os povos de outras paragens", como alguns nacionalistas me têm dito, a meu ver estupidamente. Trata-se única e exclusivamente de assegurar que a população autóctone não continua a diminuir, dando assim argumentos aos capitalistas selvagens, ao esquerdalho universalista e aos representantes das religiões abraâmicas que insistem em querer importar mais e mais imigrantes. Mais do que isso, se perdermos a corrida demográfica nos nossos países, tornar-se-á impossível vencer eleições. Notem que nem sequer é necessário que os iminvasores nos ultrapassem em número, basta que votem nos partidos globalistas de forma concertada, uma vez que a maioria dos brancos não vota fielmente nos partidos nacionalistas, para não mencionar aqueles imbecis que se abstêm por "princípio". E depois, o que é que nos restará? A guerra? Não me façam rir! Não é possível fazer guerra -quanto mais vencê-la- quando a esmagadora maioria da população nunca pegou numa arma!

Termino com um gráfico que todo o bom nacionalista já deverá conhecer, o das projecções de crescimento populacional em cada continente até 2050:

 


Só há um continente com uma curva descendente (diminuição populacional) em todos os cenários, que é precisamente Europa! E não haja ilusões: o reduzido crescimento da população da América do Norte será conseguido à custa de população não-branca, porque todos os estudos feitos nos EUA e no Canadá apontam para que as populações brancas se tornem uma minoria até meados deste século! 

Portanto, vejam se acordam de uma vez por todas e deixam de fazer o jogo dos globalistas. Se queremos mesmo que a raça branca sobreviva, então temos de ter mais filhos, muitos mais filhos do que estamos a ter presentemente! Isto é matemática simples, não é engenharia aerospacial. A redução da percentagem relativa da população branca em cada país do Ocidente levará ao declínio da sua influência política, administrativa e, finalmente, militar. A partir de um certo nível de redução, atingiremos o ponto de não-retorno, o limite a partir do qual só nos restará o abrasileiramento, ou pior do que isso, a africanização.

quarta-feira, 14 de agosto de 2019

Portugal Desintegrado: Episódio 11: Frutos de Más Árvores


     Este mês de Agosto vai ser o mês do podcast 'Portugal Desintegrado' aqui no TU. Vou publicar um episódio diferente a cada dia (mais ou menos), desde o início até ao fim da série.

No episódio de hoje, o décimo primeiro da série, o Ilo Stabet começa por falar no estado lastimável em que se encontra a instituição da família no Ocidente, para depois diagnosticar a causa da maleita: o declínio moral dos ocidentais. Depois disso, o Ilo faz uma incursão pela forma como a tecnologia, em particular os telemóveis e as redes sociais, está a afectar negativamente o desenvolvimento das nossas crianças.

A meio do vídeo, o Ilo lê-nos um artigo verdadeiramente ridículo da revista 'Delas', outro panfleto do feminismo neomarxista e pós-modernista militante (a propósito, não existe outro feminismo, por mais pessoas pouco lúcidas que haja na Direita a dizer o contrário). Nesse artigo defende-se, mais uma vez, que a masculinidade e a feminidade são apenas construções sociais. Sem apresentar quaisquer provas nesse sentido, é claro, porque à escumalha das "ciências" sociais basta apenas argumentar e especular, nunca é preciso provar nada!

Recordo mais uma vez que o Ilo Stabet também é autor do blogue Portugal Integral, onde foram publicadas várias postas excelentes.


Os frutos da ideologia de "género": anúncio da Volkswagen banido no Reino Unido por não ser suficientemente feminista


      Mais um dia, mais uma prova de que o feminismo e a sua irmã bastarda ideologia de "género" são doutrinas criminosas. O anúncio que se  segue (só tem 30 segundos, por isso ninguém tem desculpa para não o ver), foi banido no Reino Unido. E porque é que foi banido? Vejam o anúncio e tentem perceber. Se não conseguirem -devo dizer que é algo preocupante se não conseguirem, porque nesta altura do campeonato já deviam ser capazes de o fazer, sobretudo tendo em conta o título desta posta- leiam o que eu escrevi a seguir ao vídeo.




Então, conseguiram? É isso mesmo, o anúncio foi banido porque mostra homens a fazerem coisas tipicamente masculinas e mulheres a fazerem coisas tipicamente femininas! Se conseguiram perceber, parabéns, vocês entendem como funciona o marxismo cultural. Se não conseguiram, aqui vai a explicação. Nem sequer a vou traduzir, que é para vocês não acharem que eu inventei alguma coisa:


«The commercial was banned by the UK Advertising Standard Authority (ASA) after just three people complained, with the ASA asserting that it violated gender stereotyping rules.

“By juxtaposing images of men in extraordinary environments and carrying out adventurous activities with women who appeared passive or engaged in a stereotypical care-giving role, we considered that the ad directly contrasted stereotypical male and female roles and characteristics in a manner that gave the impression that they were exclusively associated with one gender,” said the ASA. “We concluded that the ad presented gender stereotypes in way that was likely to cause harm and therefore breached the Code.”»


Isto é tão surreal que até parece uma mentira de 1 de Abril! Palavra, ao ler esta "justificação", eu dei comigo a esfregar os meus olhos de incredulidade! Mas não há engano, estamos em pleno mês de Agosto, isto é mesmo é verdade! Notem bem, caros leitores, bastaram apenas três queixas -que podem muito bem ter sido feitas por cadelas raivosas feministas, sem ofensa para as cadelas- para o anúncio ser banido! Um anúncio que não tinha nada de anormal, chocante ou insultuoso, pelo contrário! 

Mas neste cada vez menos nosso Ocidente, o maior inimigo da elite reinante é a família, a verdadeira família, em que o homem é homem e a mulher é mulher. É com ela que os globalistas querem acabar de uma vez por todas. Porquê? Porque só a família tradicional produz homens e mulheres brancos saudáveis e politicamente conscientes da sua identidade. Ou seja, os únicos homens e mulheres com o potencial de se virem ao opor ao projecto globalista. É por isso que eu desconfio cada vez mais de todos aqueles que se dizem nacionalistas mas depois também se dizem feministas e chegam até ao ridículo de papaguear os chavões neomarxistas da luta de classes. A guerra cultural é o domínio mais importante da luta pela preservação das nações. Se perdermos essa guerra, acabaremos por perder também a guerra demográfica e logo a seguir a guerra política, o que só nos deixará a guerra propriamente dita, a guerra civil, que dificilmente poderemos vencer, uma vez que nem sequer estamos armados.

___________
Ver também:


Os frutos do feminismo (5): a Gillette acumula perdas de milhares de milhões!
Observador, o "jornal" que comprova que a direitinha é tão má ou até pior do que o esquerdalho
O James Bond vai passar a ser uma preta "empoderada"!
«Filhos do feminismo» - o novo livro da Doutora Janice Fiamengo
Mais merda feminista na sociedade "tuga"
A última machadada na credibilidade da psicologia: APA declara guerra à "masculinidade tradicional"
Sobre os movimentos feministas (inclui uma entrevista concedida pela Drª Rocío Monasterio, do Vox)

«O povo unido jamais será vencido!»...


...A menos, é claro, que se trate do povo português. Todos aqueles que, no movimento nacionalista, acham possível fazer uma revolução armada num futuro próximo (ou mesmo distante) deviam ler atentamente esta posta do Pertinente, em especial o último parágrafo. Talvez lhes abra os olhinhos de criança de uma vez por todas, mas duvido muito, porque o QI dessa malta não parece chegar sequer aos três dígitos.

terça-feira, 13 de agosto de 2019

Portugal Desintegrado: Episódio 10: Banhos no Lago de Fogo


     Este mês de Agosto vai ser o mês do podcast 'Portugal Desintegrado' aqui no TU. Vou publicar um episódio diferente a cada dia (mais ou menos), desde o início até ao fim da série.

No episódio de hoje, o décimo da série, o Ilo Stabet fala de dois temas caros à Direita e à direitinha portuguesas, a imigração e o turismo, respectivamente. O Ilo explica que a maleita da imigração de fronteiras escancaradas decorre do estado (i)moral da Nação e não apenas da sua liderança (ou falta dela). "Um país são não abre as suas fronteiras", diz-nos, equanto argumenta que "a abertura das fronteiras é um sinal de que a cultura em que vivemos é suicidária". Ele aproveita ainda para falar um pouco da nova mesquita que está a ser construída em Lisboa e do que essa construção significa do ponto de vista da nossa saúde moral, espiritual e nacional.

Recordo mais uma vez que o Ilo Stabet também é autor do blogue Portugal Integral, onde foram publicadas várias postas excelentes.


Na terra dos cangurus: "maluquinho" mata uma mulher à facada e fere outra gravemente


     Para os mais distraídos, por "maluquinho" entende-se um seguidor da religião do "profeta" pedófilo, evidentemente. Ou "religião da paz", se preferirem. O caso teve lugar hoje mesmo, em Sidnei, a maior cidade da Austrália, e é apenas mais um episódio de 'intifacada' na já longa lista de casos semelhantes ocorridos um pouco por todo o Ocidente. O "ser humano como nós" esfaqueou várias pessoas, matando uma mulher e ferindo gravemente outra. Foi depois perseguido e finalmente detido por populares.

Há vários vídeos do "incidente", mas acabei por escolher este por ser relativamente curto e ter sido publicado por uma estação de televisão, a 7 News Australia, havendo por isso uma menor probabilidade de que seja removido pelos censores dimiescos do YouTube.




___________ 
Ver também:

Na Alemanha: "pobre coitadinho" mata nativo à espadada
Mais uma jovem europeia violada por norte-africanos
Em Itália: imã fanático é "convidado de honra" na Feira da Esperança de Milão
Alemães fogem em pânico durante o funeral de uma mulher assassinada por um iminvasor tunisino
As nossas mulheres continuam a ser a nossa desgraça...

Portugal Desintegrado: Episódio 9: Buraco sem Fundo


     Este mês de Agosto vai ser o mês do podcast 'Portugal Desintegrado' aqui no TU. Vou publicar um episódio diferente a cada dia (mais ou menos), desde o início até ao fim da série.

No episódio de hoje, o nono da série, o Ilo Stabet explica-nos os motivos pelos quais entende que devemos usar a palavra 'sodomita' para designar os homossexuais. Depois disso, ele lê-nos várias notícias que nos mostram que o mundo dos invertidos está longe de ser aquela maravilha romântica que os mé(r)dia nos querem à viva força impingir. Nos primeiro minutos do vídeo, podemos até ouvir um excerto de uma entrevista a um gueizola que foi vítima de abusos por parte de outro sodomita.

Recordo mais uma vez que o Ilo Stabet também é autor do blogue Portugal Integral, onde foram publicadas várias postas excelentes. 


quinta-feira, 8 de agosto de 2019

Portugal Desintegrado: Episódio 8: Romanos 1:20-32


     Este mês de Agosto vai ser o mês do podcast 'Portugal Desintegrado' aqui no TU. Vou publicar um episódio diferente a cada dia, desde o início até ao fim da série.

No episódio de hoje, o oitavo da série, o Ilo Stabet começa por nos ler um tuíte verdadeiramente asqueroso do "humorista" hipócrita Nuno Markl, para depois nos levar numa viagem deprimente, mas absolutamente necessária, pelo mundo repugnante e revoltante dos sodomitas e das suas perversões.

Recordo mais uma vez que o Ilo Stabet também é autor do blogue Portugal Integral, onde foram publicadas várias postas excelentes. 


Na Alemanha: "pobre coitadinho" mata nativo à espadada


      Sim, leram bem, caros leitores, à espadada!... E o espadachim era, como vai sendo habitual, um "refugiado" sírio que nem sequer devia estar na Alemanha! O vídeo tem legendas em inglês, mas é tão pertinente que eu sou bem capaz de o traduzir para a língua de Camões nos próximos dias...



  
O Der Spiegel, na sua cretinice politicamente correcta habitual, censurou grande parte do ataque. Por isso vou deixar aqui esta imagem que comprova o que os nossos (des)governantes dizem: de facto, "eles vêm fazer aquilo que nós não queremos"!



Porque voto no PNR e não no Chega


Razão Nº 1: porque o PNR percebe a realidade do marxismo cultural e a importância da linguagem que usamos no nosso dia-a-dia para o combater. Andam por aí muitos aleijadinhos que se dizem nacionalistas sem a perceber! Muitos deles nem sequer sabem que a palavra "género", com o significado concreto de "papel sexual" supostamente impingido à sociedade pelo "patriarcado", foi introduzida no nosso vocabulário por "cientistas" sociais de esquerda, em particular pelo animal sem carácter e sem vergonha que dava pelo nome de Erich Fromm.

A guerra que é preciso vencer para salvar Portugal e os portugueses tem de ser travada sobretudo no plano cultural e demográfico, não no plano material. "Nacionalista" que não compreenda isto não é nacionalista nenhum, é um imbecil ou um infiltrado.



Olha, olha, uma "teoria da conspiração" que, afinal, era mesmo verdade!


     O problema de muitas "teorias da conspiração" é mesmo esse, toda a gente se ri delas, até ao dia em que se finalmente se descobre que afinal não eram apenas "teorias"...

«Cremes hidratantes podem contaminar leite materno com substâncias derivadas do plástico
Um novo estudo levado a cabo em Valência, Espanha, detectou vários tipos de bisfenóis - um dos compostos orgânicos dos plásticos e seus derivados - em leite materno de mulheres que amamentam e associou-o ao uso repetido de produtos cosméticos.


Investigadores da Fundação para a Promoção da Saúde e Pesquisa Biomédica da Comunidade Valenciana (Fisabio) e do Instituto de Pesquisas sobre a Saúde La Fe (IIS La Fe) encontraram Bisfenol A, F e S no leite de mulheres que amamentavam.
A presença destes produtos no organismo humano é altamente prejudicial para o desenvolvimento físico e mental, principalmente para fetos, bebés e crianças pequenas, lê-se na introdução da investigação científica.»

Porque é que demorámos tanto tempo a perceber isto, quando muitos destes cosméticos já existem há várias décadas? E quantos outros casos de outros produtos que usamos no nosso dia-a-dia serão prejudiciais à nossa saúde sem que nós o saibamos?

«O estudo, que se baseou numa amostra de 120 mães, foi publicado na prestigiada revista científica Science of the Total Environment.
Segundo o jornal El Mundo, a descoberta feita pelos investigadores espanhóis é acompanhada por recomendações simples: "Fazer uma utilização muito intensiva de cremes (várias vezes ao dia durante a semana) aumenta o risco de contaminação do leite materno por bisfenol A". Trata-se de um alerta que, segundo os cientistas, não tem de ser alarmante porque o uso não intensivo - mesmo diariamente, mas não várias vezes ao dia - "não está associado a níveis mais altos dessa substância", esclarecem os autores da investigação.
A mensagem de saúde é clara: o leite materno "é nutricionalmente muito positivo para os bebés e os resultados do estudo actual indicam que ele também é recomendado do ponto de vista da segurança alimentar", garante um dos co-autores e director do estudo.»

Moral da história: tenham muito cuidado com o que usam e tomam, caros leitores. É tudo muito bonito no plano teórico mas, na prática, há muita porcaria no mercado que passa por legítima sem que lhe tenham sido feitos os testes devidos, mesmo que lhe tenham sido feitos todos os testes legalmente obrigatórios!

E muito respeitinho para com as "teorias da conspiração"! Com o passar dos anos, a vida ensina-nos que, demasiadas vezes, a realidade supera a mais ridícula das ficções e das "paranóias"...

quarta-feira, 7 de agosto de 2019

Portugal Desintegrado: Episódio 7: Crónicas do Esgoto


     Este mês de Agosto vai ser o mês do podcast 'Portugal Desintegrado' aqui no TU. Vou publicar um episódio diferente a cada dia, desde o início até ao fim da série.

No episódio de hoje, o sétimo da série, podemos ouvir o Ilo Stavet denunciar três projectos levados a cabo pelo "RTP Lab" para lavar muito bem os cérebros dos nossos jovens com o dinheiro dos nossos impostos. Depois disso, o Ilo denuncia também o ambiente degradante em torno da Comic Con, que atrai toda a espécie de degenerados e guerreiros da (in)justiça social. E aproveita para bater no Iniciativa Liberal, um dos novos partidos da direitinha 'tuga', a tal que apenas se preocupa com a economia e deixa a moral e os valores sociais para os "conservadores retrógrados".

Recordo mais uma vez que o Ilo Stabet também é autor do blogue Portugal Integral, onde foram publicadas várias postas excelentes.


«Quem se mete com o PS, leva!!!»


      A já mítica frase que dá título a esta posta foi em tempos proferida por Jorge Coelho, ministro-adjunto e depois ministro da Administração Interna do (des)governo do beato com cara de sapo que agora é Secretário-Geral da Nações Unidas.

A máxima, pelo visto, continua a fazer escola:


(Notícia completa no Observador da direitinha - cuidado, que a coisa é "premium")


Para quem não quiser ler tudo, o resumo é o seguinte: algures no concelho de Peniche, duas jovens mulheres ousaram resistir às investidas "românticas" de um lindo rapazinho. Justificadamente indignado, o tal rapazinho chamou uns quantos amigos, uma dezena, para ser preciso e, todos juntos, deram um arraial de porrada às duas jovens.

Ora, o tal rapazinho era nada mais, nada menos do que o presidente da Junta de Freguesia de Ferrel, o moço todo pimpão que podem ver na fotografia mais acima. Quem é que estas tipas se julgam, para ousarem rejeitar este autêntico Adónis? 😜 Só que o karma não tardou: quem se mete com o PS, leva... e as duas moças levaram: estaladas, socos, pontapés... é para aprenderem, pá, os dirigentes do PS não são para rejeitar! 

Estranhamente, ainda não ouvimos nenhuma feminista do BE, vacória da UMAR ou afins a protestar contra este caso de flagrante machismo e misoginia. O afro-Público, que é sempre tão lesto a denunciar os crimes de "violência doméstica", não publicou nada sobre esta situação! Tal como não temos visto artigos de opinião nos mé(r)dia sobre a manada de Bilbau... porque será? 😏

terça-feira, 6 de agosto de 2019

Portugal Desintegrado: Episódio 6: TRANStorno


     Este mês de Agosto vai ser o mês do podcast 'Portugal Desintegrado' aqui no TU. Vou publicar um episódio diferente a cada dia, desde o início até ao fim da série.

No episódio de hoje, o sexto da série, podemos ouvir o Ilo denunciar a aberração do transsexualismo, outro filho bastardo do neomarxismo pós-modernista, que possibilitou que uma doença mental -a transsexualidade-, passasse a ser encarada como algo perfeitamente normal na nossa sociedade. E até, nalguns casos, de incentivar!

Recordo mais uma vez que o Ilo Stabet também é autor do blogue Portugal Integral, onde foram publicadas várias postas excelentes.


«Mass Shooters 2019»


     Não sei até que ponto é que esta fotomontagem é legítima, i.e. se as pessoas que nela foram incluídas dispararam mesmo sobre 4 ou mais pessoas. Mas uma coisa é certa: mesmo que metade dos "jovens" que foram incluídos nesta montagem não sejam realmente culpados -e nada me faz acreditar que não sejam-, dá para perceber a mentira gigantesca que é culpar a "supremacia branca" ou o nacionalismo pelas mortes com armas de fogo.

Um muito obrigado! ao "Unkown" (chamemos-lhe assim 😜) por no-la ter trazido aqui!



Jared Taylor sobre a ideia de que a "diversidade" é algo de belo e grandioso



       Vou continuar a partilhar aqui no TU os vídeos sobre raça que o Dr. Jared Taylor produziu para a American Renaissance e que o nosso camarada José Silva teve a bondade de carregar para o seu canal do BitChute.

No caso de hoje, o Dr. Taylor denuncia uma das maiores mentiras perpetuada no Ocidente: «a diversidade é a nossa força». Como ele explica, não só a "diversidade" não é a nossa força, como o mais provável é que venha a ser a nossa derradeira desgraça.




Já agora, reproduzo aqui um comentário que deixei no vídeo do José Silva, bem como as repostas subsequentes:




____________
Ver também:

As raças humanas existem?
Jared Taylor: «A Realidade Biológica das Raças»
Jared Taylor: «O que é o realismo racial?»
Paul Joseph Watson tenta explicar o colapso do Ocidente. Jared Taylor discorda. 

"Jovem" astrofísico me(r)diático adorado pelo esquerdalho ousa pensar por si próprio... e o esquerdalho que o adorava cai-lhe em cima!


    O "jovem" cientista Neil deGrasse Tyson, conhecido do grande público sobretudo por ser o apresentador e narrador da  série "Cosmos: Uma Odisseia no Espaço-Tempo", tem sido, nas últimas horas, o alvo da revolta indignadinha do esquerdalho ianque. Porquê? Por causa deste tuíte que ele teve o "atrevimento" de partilhar:




Uau! Morre mais gente a cada 48 horas abatida por pessoas com revólveres e pistolas do que morreram nos dois ataques de El Paso e Dayton! "Quem diria, hã?" Bem, este artigo no Observador ainda vai mais longe, informando-nos que o número de homicídios desse género (revólveres e pistolas) andou na casa dos 45/dia durante as 48 horas em que ocorreram os dois ataques, e não apenas 20/dia, como tuítou o "jovem" Tyson. Porque será, já agora? 😏

Ora, como não podia deixar de ser, o esquerdalho não gostou nada desta verdade inconveniente. Como se pode ler aqui, houve logo várias reacções indignadas ao tuíte do "jovem" Tyson que, infelizmente, já cedeu à pressão e pediu desculpa.

A moral da história aqui é a seguinte: nem mesmo os "jovens" estão a salvo da ira dos seus donos quando se atrevem a sair da plantação. E também: o que o esquerdalho quer não é evitar mortes, é  tirar as armas ao povo norte-americano.

segunda-feira, 5 de agosto de 2019

Portugal Desintegrado: Episódio 5: Opiniões Académicas


     Este mês de Agosto vai ser o mês do podcast 'Portugal Desintegrado' aqui no TU. Vou publicar um episódio diferente a cada dia, desde o início até ao fim da série.

No episódio de hoje, o quinto da série, podemos ouvir o Ilo dissertar acerca do estado do ensino superior no Ocidente, bem como do ambiente de intimidação intelectual que se vive nas universidades, outrora centros de excelência e de racionalidade.  Vem mesmo a propósito do ensaio do Vicente Baltazar que reproduzi na posta anterior!

O Ilo Stabet também é autor do blogue Portugal Integral, onde foram publicadas várias postas excelentes.


Afinal, nem toda a nossa juventude (sem aspas) está perdida!


     Só resta saber quantos jovens millennials e da geração z é que pensarão como o autor do texto que reproduzo a seguir, de seu nome Vincente Teles Baltazar, estudante do ensino secundário. Não se deixem enganar pela sua falta de currículo: o rapaz ainda é novinho, mas percebe melhor o que se está a passar do que a sonsa da Cristas ou o bilderberguer Rio Risonho!

Um muito obrigado! ao Nuno por nos ter trazido os escritos do Vicente aqui ao TU!

«Acção afirmativa num mundo académico pós-modernista/neomarxista


Hoje em dia, os chamados “progressistas” estão a tentar voltar a categorizar os indivíduos e a sociedade. Defendem a política de identidade, de maneira a alcançar o seu objectivo supremo, a "justiça social".

Os factos são coisas teimosas, e quaisquer que sejam os nossos desejos ou inclinações,
ou os ditames das nossas paixões, estes não podem alterar o estado dos factos e das provas.

-John Adams, 2º Presidente dos Estados Unidos da América»

Relembrando aos mais distraídos: o pós-modernismo é a doutrina sociológica desenvolvida na segunda metade do séc. XX segundo a qual não existem verdades absolutas, colocando em causa a noção de racionalidade, de validade do conhecimento científico e até da própria realidade objectiva; já o neomarxismo é a extensão dos conceitos de luta de classes desenvolvidos por Marx, em particular da sua dicotomia cretina "proletariado vs. burguesia", ao contexto sociocultural das nações, através da incorporação da teoria crítica do marxismo cultural, da psicanálise e até do existencialismo. O resultado final é que os neomarxistas encaram a luta de classes como não apenas uma luta entre proletários e burgueses mas sobretudo entre "classes com poder" e "classes sem poder": ricos vs pobres; brancos vs negros; nativos vs imigrantes; cristãos vs muçulmanos; mulheres vs homens; etc. O neomarxismo é uma estupidez completa por motivos óbvios: o poder é circunstancial, não depende da raça, nem do sexo, nem da religião das pessoas.

Voltando ao texto:

«Neste ensaio, defenderei a tese de que a acção afirmativa (referida, muitas vezes, através da expressão “quotas para entrada nas universidades”) é moralmente errada, injusta e discriminatória e, portanto, não deve ser implementada em Portugal.
Acção afirmativa, termo cunhado em 1961 pelo então presidente dos EUA, John Kennedy, é entendida pelos seus apoiantes como discriminação positiva a favor de minorias historicamente oprimidas e deve ser usada como arma para alcançar a equidade. A acção afirmativa, posta em prática actualmente nos EUA, consiste, em sentido lato, no estabelecimento de quotas de admissão nas universidades para minorias historicamente desfavorecidas

Reparem que o Vicente escreve "equidade" e não "igualdade". E escreve muito bem, porque a diferença entre os dois conceitos é extremamente importante: por igualdade, no contexto político, entende-se o acesso universal às mesmas oportunidades, o haver as mesmas oportunidades para todas as pessoas. No entanto, a equidade consiste na obtenção dos mesmos resultados para todas as pessoas. Por exemplo, para haver equidade numa turma de alunos, é preciso que todos os alunos dessa turma tenham as mesmas notas, a todas as disciplinas! Não é preciso grande inteligência para perceber que a igualdade é desejável, enquanto a equidade é abominável!

«No entanto, esta noção é baseada numa miríade de falácias, perpetuada pelos académicos pós-modernistas/neomarxistas[1] que, actualmente, dominam as universidades norte-americanas.»

E também as universidades europeias e sul-americanas, caro Vicente!...

«Muitos dos que estão a ler este ensaio pensarão que as ideias marxistas são coisa do passado, exaltadas apenas, por volta da dupla 25 de Abril/1º de maio. Este equívoco é compreensível, contudo, não fosse os novos apologistas de Marx se terem camuflado sob o vulto do pós-modernismo, movimento político-cultural apregoado, entre outros, por uma grande parte dos millennials. Mas como e porque aconteceu o aparente cisma?
Na década de 1960, em França, progressivamente se tomava conhecimento dos horrores levados a cabo pela implementação da ideologia marxista (China, 65 milhões de mortos; URSS, 20 milhões de mortos; Coreia do Norte, dois milhões de mortos; Camboja, dois milhões de mortos; etc.).[2] Esta situação levou a que os filósofos marxistas franceses da época, porventura o mais conhecido Jean-Paul Sartre, tivessem de camuflar a sua perspectiva. Para tal, efectuaram uma troca simples: a clássica classificação marxista de opressor/oprimido foi alterada. Deixava de ser a burguesia contra o proletariado para passarem a ser os homens brancos contra todos os outros. Estava criado o neomarxismo e, consigo, a política identitária.[3]»

Em rigor, foram os marxistas da Escola de Francoforte quem primeiro alargou a dicotomia "proletariado vs. povo" para "classe sem poder vs. classe com poder", como referi mais acima. O que, por definição, redunda de facto em "homem branco vs. todos os outros", como o Vicente bem observou. Mas é importante percebermos que o problema já vem da primeira metade do séc. XX.

«Discriminação positiva é outro dos termos imaginados pelos pensadores neomarxistas e que está na base da implementação de programas como a acção afirmativa, mas não só; veja-se o Estado-Providência no qual este termo se encontra mascarado através da designação de princípio de Solidariedade Social. Porém, a maior falha encontra-se no próprio termo: “discriminação” e “positiva” são incompatíveis:

Guerra é Paz
Liberdade é Escravidão
Ignorância é Força

É este o famoso slogan do INGSOC (Socialismo Inglês), partido que controla a Oceânia na famosa obra “1984” de George Orwell. À semelhança do Big Brother também os pensadores pós-modernistas/neomarxistas tentam controlar a nossa linguagem com termos completamente orwellianos, como “acção afirmativa” e “discriminação positiva”. Esta táctica devia ser particularmente preocupante para todos aqueles que apoiam a liberdade, já que sabemos que o controlo da linguagem é o controlo do pensamento ou como diria o INGSOC “quem controla o passado, controla o futuro; quem controla o presente, controla o passado.[4]»

É por isso que, quando me aparecem nacionalistas a falar em "patriarcado", eu fico logo muito preocupado: significa que não só não entendem a parte que sublinhei a cor vermelha, como já engoliram, digeriram e incorporaram na sua mundivisão a falsa narrativa engendrada por quem controla o presente.

«Poderia argumentar que a acção afirmativa é pura e simplesmente inconstitucional:
Constituição da República Portuguesa – Artigo 13.º
Princípio da igualdade
1. Todos os cidadãos têm a mesma dignidade social e são iguais perante a lei.
2. Ninguém pode ser privilegiado*, beneficiado*, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual.»

É curioso, eu próprio usei este argumento aqui no TU numa conversa que mantive com o Silvino de Portugal. Será que o jovem Vicente lê este blogue?  😜

«No entanto, o propósito deste ensaio não é abordar o tema de um ponto de vista jurídico. Martin Luther King Jr. proferiu, no seu famoso discurso de 28 de agosto de 1963, que “[tinha] um sonho que um dia os [indivíduos] pudessem ser julgados, não pela cor da pele, mas pelo conteúdo do carácter”. As suas palavras são tão actuais como o eram há 56 anos, num mundo hoje conduzido pela política de identidade. De facto, estamos a assistir a um retorno da segregação racial, patrocinado pelo neomarxismo: ou não são as políticas de acção afirmativa injustas para os indivíduos prejudicados em detrimento de outros, simplesmente por terem nascido com uma certa cor de pele, facto que não conseguem controlar.»

Exacto, a acção afirmativa é intrinsecamente racista, porque assenta na falácia de que todos os indivíduos de uma determinada raça são beneficiados ou, como dizem os tarados dos guerreiros da (in)justiça social, "têm privilégio".

«Por que razão terá um estudante branco de ter melhor nota de candidatura que um estudante cigano? Os defensores de tais políticas afirmam que certas raças foram/têm sido historicamente prejudicadas e que, por isso, os indivíduos que por mero acaso nasceram com essa cor de pele precisam de ajuda para entrar na universidade.[5]

Em primeira análise, este argumento parece-me ser racista, mais que não seja para com os indivíduos “historicamente oprimidos”. Não me parece que uma pessoa, no século XXI, seja menos capaz de ter um bom aproveitamento escolar devido à sua raça ou etnia. Aliás, porque é que o PS não propôs quotas para indivíduos com ascendência asiática, que são uma minoria étnica em Portugal? É bastante óbvio: porque estes têm bom aproveitamento escolar. Torna-se claro que as quotas são um instrumento para legitimar e prolongar o insucesso e o facilitismo.»

Também, mas não só: as quotas são sobretudo um instrumento para remover os homens brancos do poder: privá-los da formação académica, dos bons empregos, das forças de segurança, dos cargos públicos, etc.

«A pergunta que temos de fazer é “que características é que definem a nota que obtemos no ensino secundário e, portanto, se entramos na universidade ou não?”. Eu respondo que são o empenho, inteligência, autonomia, esforço, dedicação, competência, entre outros. E não outro qualquer factor físico.

É realmente estonteante as incoerências com que nos deparamos ao tomar conhecimento dos argumentos dos nossos opositores. Um tema tão importante como este deveria, com toda a certeza, contar com a influência de filósofos/pensadores quer de um lado como do outro. Do lado da minha tese destacaria Jordan Peterson, Ben Shapiro e Thomas Sowell, este último apresentando um argumento particularmente distintivo.»

O esquerdalho odeia o mérito, porque o mérito cria automaticamente as tais classes que eles abominam. É incontornável, os neomarxistas odeiam a competência e sobretudo a inteligência, porque as pessoas inteligentes tendem a desenrascar-se na vida, a rejeitar a cultura de vitimização e a mundivisão infantil da luta de classes. O marxismo e os seus derivados consistem, uma vez despidos da sua pretensiosidade científica, na mera exaltação da inveja e do ressabiamento, duas das emoções mais poderosas do ser humano. Mas não haja ilusões: os capitalistas também só gostam de competência e de inteligência até um determinado ponto, quando se deparam com alguém realmente inteligente e que não pode ser comprado, decretam imediatamente que essa pessoa constitui um perigo para as suas aspirações... eer... perdão, "para a sociedade".

«No outro campo, não tenho receio de dizer que não existem pessoas que se possam chamar de filósofos. Em minha opinião, são ideólogos. Existirá outro nome para pessoas que, apesar de contradições tão graves, consigam continuar a apregoar a sua doutrina? De facto, indivíduos como deputados do PS e Bloco de Esquerda e membros de “delegações” do BE, como a ILGA, SOS Racismo, OMAR e MDM não passam de activistas que pretendem passar a sua agenda interseccional[6]

É realmente muito corajoso, por parte do Vicente, escrever isto -que é inteiramente verdade- e dar a cara. Espero bem que, daqui a uns anos, não deixem de lhe dar emprego por causa disto.

«Estes sujeitos afirmam que devemos ter diversidade de pensamento nas universidades, de maneira a cada “grupo social” ser representado justamente. No entanto, não são capazes de apresentar um único estudo ou outro documento que prove que, digamos, um homem cigano tenha um modo de pensar diferente de um homem branco ou que pense sequer em assuntos distintos. De facto, a única diferença biológica a esse nível dá-se entre sexo masculino e sexo feminino.[7]»

Esse é outro problema crónico do neomarxismo: mil teorias, zero evidências. Aliás, as evidências disponíveis mostram que o marxismo falhou espectacularmente onde quer que tenha sido implementado. Não, a Escandinávia não é socialista. Tenham paciência, não é!

«O princípio da equidade (igualdade de resultados) afirma que, por exemplo, as mulheres deviam representar 50% dos canalizadores ou que metade dos educadores de infância sejam homens. Desenganem-se aqueles que pensam que o sistema de quotas ainda não chegou a Portugal: veja-se a Lei da Paridade, onde tem de haver um mínimo de 40% de mulheres e 40% de homens nas listas apresentadas por partidos políticos a eleições[8]. Na realidade, surpreende-me o facto do número não ser 50%. Estará 20% reservado para não-binários?»

Por favor, não lhes dês ideias, Vicente...

«O argumento essencial que contradiz as teorias da equidade, justiça social e demais terminologias pós-modernistas afirma que o desejável é termos hierarquias baseadas na competência. Estas hierarquias são, pois, o melhor sistema possível para a sociedade se auto-organizar e que mais efectivamente asseguram o progresso humano. Partilho totalmente desta opinião. Na realidade, foram estas hierarquias que construíram a civilização ocidental e, portanto, as universidades.
No entanto, os ideólogos pós-modernistas pretendem destruir as bases da civilização que proporcionou ao mais alto nível a liberdade, procura da felicidade, prosperidade e que mais massas levantou da pobreza em países que adoptaram o seu sistema económico, o capitalismo, como por exemplo a Índia. O objectivo neomarxista é transformar as universidades, instituições que deviam transmitir todas as conquistas da civilização ocidental, em completos campos de doutrinação.»

Objectivo que, em grande medida, foi alcançado, sobretudo no domínio das "ciências" sociais e humanas.

«Como tenho vindo a demonstrar ao longo das últimas linhas, a acção afirmativa contribui para o fortalecimento de estereótipos, através do pensamento de que todas as pessoas de certa raça são “estúpidas” e destrói a ideia da meritocracia (as pessoas mais aptas devem receber os melhores cargos ou posições) que, por sua vez, dá origem às hierarquias.

Thomas Sowell, renomado economista [e "jovem", nunca é demais lembrar], apresentou um argumento que se concentra não na moralidade da implementação da acção afirmativa, mas antes, nos seus efeitos, ou seja, um argumento empírico. Sowell afirma que os estudantes que precisariam, em condições naturais, de ter uma média igual ou superior ao último candidato aceite em, digamos, Harvard, vão ser prejudicados se entrarem com notas inferiores. Isto acontece porque esses estudantes não estarão preparados para enfrentar o ambiente extremamente competitivo e a carga lectiva de uma instituição de topo.

Ora, esta situação originará descontentamento para o estudante porque este não se identificará com os outros colegas e, por isso, provavelmente, desistirá do curso. Conclui-se, portanto, que se esses estudantes tivessem sido tratados em condições de igualdade teriam entrado noutra universidade com menos prestígio, mas onde se sentiriam integrados e pudessem dar continuidade ao seu percurso académico e, posteriormente, profissional.[9] Do mesmo modo, possíveis empregadores não contratarão estudantes excepcionais do mesmo grupo étnico para o qual foram definidas quotas porque terá a dúvida se este entrou na universidade por mérito próprio.[10]»

A menos que os neomarxistas dêem o passo seguinte nas suas aspirações criminosas, que é impor quotas nas empresas! Parece impossível? Também o casamento guei, a adopção guei, as quotas nos partidos políticos e a acção afirmativa o pareciam ser, há apenas algumas décadas atrás! Aliás, a Comissão Europeia já tentou exigir ao estados-membros que os conselhos de administração das empresas cotadas em bolsa tivessem pelo menos 40% de mulheres! Agora que o bêbado Juncker foi substituído pela Ursula von der Leyen, uma feminista convicta, é muito provável que a Comissão volte a tentar exigir algo do género.

«Em suma, penso que se deve voltar ao pensamento desenvolvido por John Locke de que todos os Homens são iguais perante a lei[11] e têm capacidades inatas que lhes permitem a aplicar razão.

Hoje em dia, os chamados “progressistas” estão a tentar voltar a categorizar os indivíduos e a sociedade. Defendem a política de identidade, de maneira a alcançar o seu objectivo supremo, a "justiça social".

No entanto, quem preza a liberdade e a prosperidade que vivemos no Ocidente deve fazer frente a esta ideologia. Além disso, devemos tratar cada ser humano como um indivíduo único, que tem características próprias que definem o seu curso de vida. Um dos aspectos do seu curso de vida é, então, a entrada na universidade que deve ser independente de características físicas que o indivíduo não controla. Nem o Estado nem a reitoria de uma universidade pública ou privada deve através de critérios arbitrários que nada têm que ver com as capacidades de um indivíduo definir se este entrará no ensino superior.

Este ensaio foi elaborado no âmbito de um trabalho escolar e publicado à data de hoje, dia 30 de Julho de 2019, no site do Jornal Económico.»

[1] Jordan Peterson explica o fenómeno do pós-modernismo/neomarxismo
[2] Courtois, Stéphane, O Livro Negro do Comunismo, Quetzal, 1998
[3] Ver discurso inicial de Jordan Peterson
[4] George Orwell, 1984, Antígona, 2012
* Negritos são da responsabilidade do autor
[5] Ver os argumentos a favor da ação afirmativa
[6] Ben Shapiro explica a teoria da interseccionalidade
[7] Jordan Peterson nas diferenças entre homens e mulheres, que também explicam a desigualdade salarial entre os dois sexos
[8] Lei da Paridade
[9] Sowell, Thomas, Affirmative Action Around the World-an Empirical Study, 2005, Yale University Press
[10] Clarence Thomas, juiz do Supremo Tribunal dos Estados Unidos, teve dificuldade em arranjar trabalho depois de se graduar em Yale
[11] Locke, John, Dois Tratados do Governo, 2006, Edições 70»

Excelente ensaio, especialmente tendo em conta que foi escrito por um miúdo do secundário. Parabéns, Vicente! Que seja o primeiro de muitos!!!

domingo, 4 de agosto de 2019

Portugal Desintegrado: Episódio 4: A Família Moderna


     Este mês de Agosto vai ser o mês do podcast 'Portugal Desintegrado' aqui no TU. Vou publicar um episódio diferente a cada dia, desde o início até ao fim da série.

O grande Ilo Stabet teve a gentileza de me conceder a sua permissão para partilhar aqui os vídeos da sua fabulosa série 'Portugal Desintegrado' que, infelizmente, ele se viu forçado a interromper por tempo indeterminado. Relembro os leitores do TU que o Ilo teve de colocar todos os vídeos desta série -e também da sua outra série 'Verbos Malditos'- em modo privado, por ter sido alvo da censura covarde por parte dos eunucos do YouTube. Considero que a série 'Portugal Desintegrado' é demasiado boa e pertinente para permanecer na obscuridade, pelo que decidi republicar aqui -com a sua bênção- todos os vídeos que o Ilo criou ao longo dos últimos dois anos. O Ilo Stabet também é autor do blogue Portugal Integral, onde foram publicadas várias postas excelentes.

Este quarto episódio é sobre um tema que me é particularmente caro: o colapso da taxa de natalidade dos portugueses, que é agora das mais baixas de todo o Ocidente (chegou mesmo a ser a mais baixa em 2013). O Ilo lê e comenta várias notícias que nos mostram o quão grave já é a enfermidade: tal como eu denunciei em tempos este vídeo, os portugueses -e os ocidentais em geral- parecem estar a transferir o amor que a natureza neles embutiu para cuidarem adequadamente dos seus filhos para os seus animais de estimação.


Mais uma jovem europeia violada por norte-africanos


Desta vez foi em Bilbau, no País Vasco, em Espanha. Um muito obrigado ao Filho da Truta (FdT) por nos ter trazido aqui a notícia:

«Seis homens foram detidos, esta sexta-feira [02-Ago-2019], suspeitos de violarem em grupo uma jovem de 18 anos num jardim público em Bilbau, Espanha.
De acordo com o Diário de Navarra, o crime ocorreu na quinta-feira por volta das 23h00. A vítima ter-se-á dirigido ao local sozinha, depois de combinar um encontro com um dos agressores, que havia conhecido na Internet. Ao aperceber-se da presença do grupo, a jovem ainda tentou fugir, mas sem sucesso.»

Atentem bem na parte que eu sublinhei a cor vermelha, caros leitores: esta jovenzinha foi ter com os violadores alógenos de sua livre vontade.

«Segundo o jornal espanhol, a vítima alegou que os suspeitos a violaram e, depois de consumados os actos, lhe atiraram 17 euros para cima e fugiram. A jovem acabou por se dirigir sozinha ao hospital mais próximo e os exames realizados confirmaram as agressões sexuais.
A impressa escreve que os suspeitos serão de origem argelina e magrebina e terão idades compreendidas entre os 18 e 36 anos.»

 
"Origem argelina e magrebina?... É natural, porque os melhores são os que partem!" 


Mais uma bimba europeia que foi "enriquecida" por violadores norte-africanos que, com grande probabilidade, serão seguidores do credo do "profeta" pedófilo, também conhecido aqui no Ocidente como "religião da paz". A culpa é nossa, dos nacionalistas, que temos avisado repetidamente as nossas mulheres de que estas coisas tendem a acontecer a quem se mete com a escumalha vinda do terceiro-mundo... se não fosse por nós e pelo nosso "racismo", os iminvasores jamais violariam as mulheres europeias, é claro!

____________
Ver também:

Em Itália: imã misógino é "convidado de honra" na Feira da Esperança de Milão
Alemães fogem em pânico durante o funeral de uma mulher assassinada por um iminvasor tunisino

Jared Taylor: «A Realidade Biológica das Raças»



      Na sequência deste vídeo que publiquei aqui há uns dias, e destoutro que publiquei aqui ontem, aqui fica mais uma pertinentíssima reflexão por parte do Dr. Jared Taylor no âmbito da discussão sobre a existência ou não de raças humanas.




____________
Ver também:

As raças humanas existem?
Jared Taylor: «O que é o realismo racial?»
Paul Joseph Watson tenta explicar o colapso do Ocidente. Jared Taylor discorda.

Os frutos do feminismo (5): a Gillette acumula perdas de milhares de milhões!


      A Gillette contabilizou perdas de 7 482 milhões de euros só no último trimestre, 4 699 milhões do quais se devem exclusivamente à quebra de vendas dos seus produtos! 😁



Continuemos pois a boicotar esta multinacional anti-homem, caros leitores, que estes grandessíssimos filhos da outra senhora decidiram abraçar a ideologia criminosa do feminismo e, por conseguinte, não merecem senão a falência!

____________
Ver tambem:

Uma breve nota sobre o tal anúncio misândrico da Gillette que tem dado muito que falar
Ainda sobre o anúncio imperdoável da Gillette
A Gillette volta a atacar: o seu novo anúncio é protagonizado por um negro "transgénero" a fazer a barba pela primeira vez
Lista das marcas pertencentes à Procter & Gamble (para boicotar)
A última machadada na credibilidade da psicologia: APA declara guerra à "masculinidade tradicional"

sábado, 3 de agosto de 2019

Portugal Desintegrado: Episódio 3: Concordar com a Esquerda pelas Razões Erradas


     Este mês de Agosto vai ser o mês do podcast 'Portugal Desintegrado' aqui no TU. Vou publicar um episódio diferente a cada dia, desde o início até ao fim da série.

O grande Ilo Stabet teve a gentileza de me conceder a sua permissão para partilhar aqui os vídeos da sua fabulosa série 'Portugal Desintegrado' que, infelizmente, ele se viu forçado a interromper por tempo indeterminado. Relembro os leitores do TU que o Ilo teve de colocar todos os vídeos desta série -e também da sua outra série 'Verbos Malditos'- em modo privado, por ter sido alvo da censura covarde por parte dos eunucos do YouTube.

Considero que a série 'Portugal Desintegrado' é demasiado boa e pertinente para permanecer na obscuridade, pelo que decidi republicar aqui -com a sua bênção- todos os vídeos que o Ilo criou ao longo dos últimos dois anos.

O Ilo Stabet também é autor do blogue Portugal Integral, onde foram publicadas várias postas excelentes.


O PNR condena a atribuição do nome de uma rua em Lisboa a uma falsa mártir do esquerdalho


Da página oficial do único partido nacionalista português, o Partido Nacional Renovador (PNR):

«A Câmara Municipal de Lisboa, na senda da insanidade e a reboque da agenda de extrema-esquerda, aprovou por unanimidade – ou seja, com os votos da “direitinha” cobarde, cúmplice e traidora do CDS e PSD – a atribuição de um nome de rua a Marielle Franco na nossa capital .

Quem foi afinal Marielle Franco e que tem ela a ver com Lisboa, quando nunca pôs cá os pés? Não passava de uma ilustre desconhecida – até no próprio Brasil! – vereadora no Rio de Janeiro, activista de extrema-esquerda e alinhada nas ideologias de condenação às Descobertas Portuguesas e à nossa civilização – empenhadas em reescrever a História, submetendo-a ao gueto ideológico marxista. A desconhecida Marielle vivia no meio dos gangues do crime e do tráfico de droga e, com toda a probabilidade, foi morta por um gangue rival, em Março de 2018, mas em vésperas de eleições quentes, que opunham Bolsonaro a Haddad, rapidamente se transformou em mártir da causa esquerdista, anti-”racista”, anti-polícia e pró-LGBT, fruto da eficaz máquina de engenharia social do marxismo-cultural. Acusam a direita pró-Bolsonaro de a ter assassinado. Como se alguém tivesse interesse em assassinar uma “Marielle-Ninguém” e com isso criar uma mártir para a causa esquerdopata…

Em Portugal, desde logo, essa figura atirada da obscuridade para a visibilidade, já em cadáver, teve um fortíssimo eco na extrema-esquerda, contagiando-se rapidamente, através do politicamente correcto – veículo do intelectualmente desonesto – ao habitual leque de forças políticas que vai desde a extrema-esquerda ao centro-direita: PSD e CDS. Mas o PNR, a verdadeira Direita Nacional, não cala, como de resto nunca calou, perante tamanha vergonha e prepotência esquerdista e não aceitamos que as suas agendas se imponham sem contraditório!

Perante esta situação, o PNR convoca um protesto-boicote à inauguração da tal rua e apelamos também à presença dos brasileiros de Direita que residem em Portugal. Lutemos pela nossa dignidade: querermos um ar mais respirável!
»