quinta-feira, 22 de março de 2018

Três vídeos que vale a pena ver (58): Lauren Southern na África do Sul II (com legendas)


     Aqui ficam mais três vídeos em que a corajosa canadiana Lauren Southern recolhe, durante a sua recente viagem a África do Sul, vários testemunhos sobre o crescente racismo contra os brancos na África do Sul.

1. A realidade dos assassinatos nas fazendas sul-africanas; mais um testemunho aterrador do quotidiano dos brancos no país de Mandela. A menina Southern entrevista uma funcionária dos serviços criminais cuja função é limpar as "cenas de crime", i.e. os locais onde são deixadas as vítimas dos carniceiros negros sul-africanos. Desde unhas a olhos arrancados, de membros decepados a violações que duram dias, passando pela tortura sádica cruel de bebés e de crianças brancas, a funcionária descreve um pouco de tudo, numa narração que mais parece saída do Inferno de Dante do que de um lugar terreno.

Todos os grandes filhos da puta que dizem que o racismo contra os brancos não existe deviam pôr os olhos neste vídeo e morrer de vergonha! Ah, esperam lá... esqueço-me sempre que não se pode morrer do que não se tem!




2. Genocídio e guerra civil na África do Sul; este vídeo é uma espécie de trailer da série 'Farmlands' que pode ser vista (para já, sem legendas), no canal de YouTube da Lauren.




3. "Farmlands": perseguição aos brancos na África do Sul; um breve trecho do tal documentário, em que uma mulher branca fala do terror anti-branco que se vive cada vez mais na ex-colónia britânica.


____________
Ver também: 


Três vídeos que vale a pena ver (57): Lauren Southern na África do Sul (com legendas)
Parlamento sul-africano aprova proposta para roubar terras aos brancos e dá-las aos pretos
Podes tirar o negro da selva; mas nunca tiras a selva do negro (Algol Mínima)
'Miss' sul-africana usa luvas em orfanato. Inquisição anti-racista não perdoa!
"O racismo anti-branco não existe, pá!"  

2 comentários:

Leitora disse...

Ainda não tive coragem de ver esses vídeos. Não sei se vou aguentar, viu. Mas fico me perguntando, num lugar onde 90% da população é "gente como a gente" como diria o Afonso, e onde a caça aos brancos é liberada, porque eles continuam lá? Se depois eu ver, talvez volte aqui para comentar algo.

Afonso de Portugal disse...

O primeiro vídeo é de facto um bocado difícil de ver, mas os outros não, cara Leitora. Sugiro que comece pelo do meio, que é o mais fácil de todos. Por muito duro que seja, nós tempos obrigação de saber o está sendo feito aos nossos irmãos de raça naquele lugar, para tentar evitar que seja feito noutros lugares.

Quanto ao facto de os brancos permanecerem na África do Sul, eu sei por experiência própria que é muito difícil abandonar o lugar onde crescemos. Eu nunca saí de Portugal, mas, tendo vindo do interior, nunca me habituei completamente à vida no litoral cosmopolita. Alguém que viveu sempre numa quinta (fazenda) vai ter certamente muitas dificuldades para se adaptar à cidade... e os sul-africanos brancos sabem disso.

Mesmo assim, alguns estão saindo. A Austrália já acolheu várias famílias brancas que fugiram do inferno sul-africano, para raiva do governo de Pretória, que já acusou a Austrália de racismo!