quinta-feira, 8 de março de 2018

A direitinha parece estar finalmente a abrir a pestana...


...ou será que isto é só mais uma tentativa de manter os indecisos cativos?
«O cosmopolitismo das elites impede-as de perceber o mal-estar que as mais recentes vagas imigratórias geraram um pouco por toda a Europa. É uma cegueira que tem aberto as portas a todos os "populismos"

6 comentários:

Anónimo disse...

Fiquei impressionado foi com a quantidade de comentários, quase 300! mas nem os li pois não quero ficar a ferver com a burrice cegueiraa dos "Tugas" nem com o analfabetismo (dis)funcional.


"...ou será que isto é só mais uma tentativa de manter os indecesisos cativos?"

Não se iluda! se for preciso para a semana o tipo está a fazer um texto sobre o "Raciiiiismo" a "xenofobia" a humanidade que temos que ter para quem nos odeia etc os "direitinhas" são mesmo assim.

Ass: FdT

Afonso de Portugal disse...

«Fiquei impressionado foi com a quantidade de comentários, quase 300! mas nem os li pois não quero ficar a ferver com a burrice cegueira dos "Tugas" nem com o analfabetismo (dis)funcional.»

Asseguro-lhe que fez muito bem, caro FdT! Apesar de haver lá muitos comentários deixados por gente que pensa como nós, também há uns quantos de globalistas receosos de perderem mais uns quantos votos (imigrantes) e trabalhadores pagos a preço de chuva (imigrantes)!


«Não se iluda! se for preciso para a semana o tipo está a fazer um texto sobre o "Raciiiiismo" a "xenofobia" a humanidade que temos que ter para quem nos odeia etc os "direitinhas" são mesmo assim.»

Sim, eu ainda há umas semanas elogiei o Alberto Gonçalves por ele ter feito uma crónica a condenar o facto de os mé(r)dia omitirem constantemente a identidade étnica dos criminosos ciganos... logo na semana a seguir, ele fez uma crónica a condenar o nacionalismo e o proteccionismo económico. A única jornalista mais ou menos constante e coerente em todo o panorama me(r)diático português é a Helena Matos. E mesmo ela não é nenhuma nacionalista...

Rick disse...

O textículo do JMF (umas no cravo e outras na ferradura-claramente com medo de desagradar e a censurar a sua própria prosa) apenas prova que ninguém anda nisto às escuras. Todos os jornaleiros e opinadeiros sabem bem a gravidade do crime que as escumalhas políticas europeias estão a cometer, a destruição das suas nações a troco de vantagens pessoais e de delírios ideológicos tardios.
Sabem disto e, como se pode ler, sabem do fosso entre a oligarquia corrupta e os seus povos contra os quais governam.
É fácil perceber que as vítimas foram suavizadas por doses massivas de manipulação desinformativa, cujas doses são administradas em todos os informativos de todos os canais televisivos, que entram em todas as casas e atingem todas as gerações. As mais jovens são as maiores vítimas. A máquina propagandística internacionalista já carbura a 100% porque está montada há 44 anos e tem raízes profundas no ME e na Universidade.
JMF é um comuna arrependido. Recebeu novo software, mas não fez reset ao anterior. Por isso consegue facilmente debater na TV com comunistas e xuxas sem colocar em causa nenhuma das barbaridades e falsidades que são debitadas diante do seu nariz. Curiosamente, a HM é outra que tal. Escreve umas quantas coisas que sendo certas, são por demais evidentes para qualquer pessoas sensata e nos debates ou programas televisivos, no frente a frente, censura-se a si própria e convive muito bem com as aldrabices.
Convenhamos que se em Portugal a direita se resume a figuras como estas, estamos fritos. E acredito sinceramente que estamos!
Durante o Filipismo, o coração dos portugueses fervia e as suas mentes estavam focadas no inimigo que era evidente, concreto, definido.
Na actualidade, a maioria dos nossos compatriotas nem percebe que a sua continuidade como nação terá possivelmente os dias contados. Que o que vão deixar aos filhos e netos já não é o Portugal que receberam dos antepassados. Que vão partilhar o seu ancestral território com povos hostis e que não partilham valores.
A psicologia de massas evoluiu, a lavagem cerebral não lhes permite ver a engenharia social de que são objecto e vítima.
Num outro post falavam de Matrix. É exactamente assim. Vivem neste Matrix e apesar dos dejà vù, nem se apercebem das falhas do sistema. Estão completamente bêbados de propaganda.
Desculpe ter-me alongado tanto.

Anónimo disse...

Concordo que a Helena Matos é a única jornalista relativamente mainstream que, não só é coerente (porque há muitos coerentes na sua parvoice), mas que diga algo que se aproveite e sem receio da tempestade de controvérsia, em nenhum assunto, tanto nos jornais como no Blasfémias.

Mas acho sintomático o facto de ter de ser uma mulher a dar a cara por ideias impopulares, enquanto os homens dobram a espinha para não perderem os seus poisos académicos/institucionais.

O Alberto Gonçalves, por exemplo, vive na sua terrinha afastado das metrópoles, o que teria ele a perder? E no entanto...

Ilo Stabet

Leitora disse...

Oi Afonso, você já viu uma das manifestações "culturais" (ou genéticas) mais recentes de imigrantes a sair na web?

https://www.facebook.com/InFormazione1/videos/1193830220748559/

Será que isso tem a ver com a eleição da Itália que você fala em um de seus posts? (sobre a qual eu possuo zero conhecimento, nem sabia que tinha eleições agora na Itália)

Ricardo disse...

Achei o coment do Rick bastante assertivo,a máquina internacionalista(sem dúvida que montada no pós guerra)tem as suas raízes no século XIX,vejamos https://planetadosprimatas1.blogspot.pt/2018/02/factores-de-decadencia.html