sábado, 17 de fevereiro de 2018

O criminoso Soros volta a pressionar a UE para que "regule" (i.e. censure) as redes sociais


     Como os caros leitores do TU certamente saberão, o criminoso Soros tem passado este mês de Fevereiro a praticar uma das suas actividades mafiosas favoritas: fomentar o globalismo e o genocídio da raça branca em vários países da Europa. A criatura maléfica doou, nas primeiras semanas deste mês, mais de meio milhão de euros à organização anti-Brexit Best for Britain (é engraçado como estas ONGs antidemocráticas têm sempre nomes que sugerem que elas sabem o que é melhor para todos nós). Tendo sido criticado por uma primeira doação de 454 mil euros, o criminoso Soros doou outros 100 mil euros posteriormente.

 O especulador genocida com a sua marioneta permanentemente embriagada.

Mas, como não podia deixar de ser, o genocida dos olhos encovados não se ficou por aí. Como tinha denunciado o Nigel Farage no Parlamento Europeu, Soros tem mantido contacto directo com os membros não-eleitos da Comissão Europeia (CE), a tal do bêbado corrupto Juncker e companhia, e voltou a fazê-lo recentemente:
«O bilionário e actvista anti-fronteiras George Soros exigiu que a União Europeia regule as redes sociais porque as mentes dos votantes estão a ser controladas e "manipuladas". Soros escreveu, num artigo publicado pelo [Al-]Guaridan, que a dimensão das redes sociais faz delas uma "ameaça pública", argumentado que elas levam as pessoas a votar contra as causas globalistas, o que inclui terem votado no Presidente Trump. E acrescentou que a falta de regulação das redes sociais ameaça a democracia e a "integridade das eleições".
Os média alternativos e os movimentos "populistas" têm estado muito activos nas redes sociais, usando as suas plataformas para superar os grandes média e promover causas a que o Soros e os seus aliados se opõem.
Soros tem uma relação próxima com os membros não-eleitos da CE com quem já reuniu pessoalmente 11 vezes desde o Brexit [notar que a sua organização, sintomaticamente designada por Open Society, reuniu 42 vezes com a CE só em 2017]. A primeira-ministra Teresa May, em contraste, reuniu apenas três vezes com a CE desde o Brexit.
Soros disse ainda  que "o Presidente Donald Trump quer criar o seu próprio estado mafioso", e acrescentou que o Presidente norte-americano faz parte do mesmo problema que inclui o ditador norte-coreano Kim Jong-Un.»

Agora atentem bem nesta parte, caros leitores, porque é especialmente interessante:
«"Nos EUA, os reguladores não são suficientemente fortes para bater o pé à influência política dos monopólios. A UE está mais bem posicionada, porque não tem gigantes corporativos da mesma dimensão". Soros louvou ainda a comissária Margrethe Vestager, a dinamarquesa que visitou recentemente Cuba sem nunca condenar as violações dos direitos humanos nesse país: "a comissária Vestager é a campeã da abordagem europeia".
Soros já foi condenado por insider trading [obter lucros nos mercados financeiros graças à posse de informação privilegiada], sendo também suspeito de ter tentado interferir nas eleições presidenciais de 2016. O seu nome surge cerca de 60 vezes em emails divulgados pela WikiLeaks durante a campanha eleitoral.»

Resumindo e concluindo, o criminoso Soros está em todas! Nos grandes mé(r)dia, nos mercados financeiros, nas ONGs da caridadezinha, nos financiamento aos arruaceiros antifa e no lóbi político activo, actuando directamente sobre as pessoas mais poderosas da Europa e dos EUA. E o mais assustador é que ele é apenas a face mais visível de todas, porque há muitas outras escondidas ou mais discretas a actuar de forma semelhante!

Claro que a conversa do canalha mafioso no artigo do Al-Guardian é uma treta pegada e descarada: as redes sociais não são ameaça nenhuma, elas são a única garantia da existência de alguma Democracia e liberdade de expressão de facto na Europa; os média alternativos não manipulam as pessoas, o que eles fazem é mostrar às pessoas o outro lado da história, aquele que os grandes mé(r)dia controlados por Soros e pelos seus amiguinhos nunca mostram; e o que lixa realmente o Soros em relação aos EUA, mais do que qualquer coisa, é a existência da Primeira Emenda da notável Constituição norte-americana, que ainda vai permitindo aos americanos dizerem o que realmente pensam. Na Europa não existe essa garantia e é por isso que o criminoso Soros gosta tanto do Velho Continente.

_____________
Ver também:

Nigel Farage denuncia a influência do criminoso Soros e da sua Open Society sobre a União Europeia
Douglas Murray sobre as diferenças idiossincráticas entre o Oeste e o Leste da Europa
Bill Whittle denuncia o Black Lives Matter e a mentira de que os negros são as maiores vítimas da polícia
Ainda sobre o novo presidente da França
A Hungria mostra ao mundo como lidar com o criminoso Soros
Peitção contra o criminoso Soros e a sua agenda genocida para os povos da Europa
Criminoso Soros: «Trump é um vigarista e um aspirante a ditador!»
O criminoso Soros está a financiar a oposição às restrições à imigração impostas por Trump
Tomi Lahren: «George Soros e os seus peões do caos»
Curiosidades do reino animal

2 comentários:

João disse...

Esse fdp,como outros da laia dele, sabe perfeitamente que as redes sociais e a internet são o único lugar onde se pode aceder a informação não-controlada pelos globalistas. O que os preocupa é verem que há cada vez mais gente a abrir os olhos. Ainda agora, fiquei surpreendido com a quantidade de comentários que li à notícia do "supremacista branco". Muitos afirmavam claramente tratar-se de manipulação. Solução para os democratas? calar as vozes dissonantes.

Afonso de Portugal disse...

João disse...
«Ainda agora, fiquei surpreendido com a quantidade de comentários que li à notícia do "supremacista branco". Muitos afirmavam claramente tratar-se de manipulação. Solução para os democratas? calar as vozes dissonantes.»

Eu também já reparei que parece haver uma tendência para o aumento dos dissidentes nas caixas de comentários nos jornais. Não é por acaso que muitos dos grandes jornais dos EUA, do Canadá e do Reino Unido aboliram os comentários dos utilizadores. Aos poucos, a mensagem vai passando e os Soros deste mundo não têm forma de continuar a abafar a verdade. O que os leva inevitavelmente ao último reduto dos covardes e dos totalitaristas: a censura pura e simples.