terça-feira, 19 de dezembro de 2017

Tempo de Antena Anual do
Partido Nacional Renovador (PNR)


    Aqui fica o Tempo de Antena anual do único partido nacionalista português, o Partido Nacional Renovador (PNR):


____________
Ver também:

Tempo de Antena anual do PNR (2016)
Tempo de Antena anual do PNR (2015)
Tempo de Antena anual do PNR (2014)
Tempo de Antena anual do PNR (2013)

3 comentários:

Anónimo disse...

Não ficou nada mal. É dos melhores tempos de antena que já vi.

O problema do PNR é que não poucas vezes dá uns tiros nos pés. Como quando insultaram o juiz Neto de Moura no facebook, após o acordão polémico, insultos que nem a malta do BE se atreveu a proferir. E o pior de tudo:as derivas "luso-tropicalistas" das bases do partido e de vários novos apoiantes, que sugerem que a alternativa á UE seja uma coisas bem pior, ou seja, um aumento ainda maior da cooperação "lusofona" que puderá eclodir na criação de uma "união lusofona".

O meu instinto diz-me que o PNR no futuro poderá muito bem compactuar com isto.

Ass:FdT

Afonso de Portugal disse...

«Não ficou nada mal. É dos melhores tempos de antena que já vi.»

Eu também acho. Tem até um ar profissional, como se tivesse sido feito por uma agência de publicidade, o que não seria de todo reprovável, uma vez que é isso que os grandes partidos fazem para cativar o eleitorado.


«Como quando insultaram o juiz Neto de Moura no facebook, após o acordão polémico, insultos que nem a malta do BE se atreveu a proferir. »

Esse é um dos grandes problemas de malta tradicional e conservadora, tendemos a tratar as mulheres como se elas fossem todas como as nossas mães. Atacamos impediosamente qualquer indivíduo que pareça estar a tratá-las mal. Só que a esmagadora maioria das mulheres modernas não tem nada a ver com as nossas mães. E nem sempre quem as ataca está errado, sobretudo porque o sistema está a dar às mulheres "direitos" que não são direitos de todo. Nos EUA, por exemplo, há milhares de maridos que são encornados durante anos a fio e acabam por descobrir, um belo dia, que os filhos afinal não são deles. Mas mesmo depois de um teste de ADN provar que o pai é outro homem, há juízes que obrigam esses desgraçados a criar os filhos que não são deles ou, pelo menos, a pagar uma pensão de alimentos para o sustentar! Haverá pior forma de escravatura do que essa, um tipo ser enganado, encornado e depois ser obrigado a trabalhar para sustentar os filhos dos outros?


«E o pior de tudo:as derivas "luso-tropicalistas" das bases do partido e de vários novos apoiantes, que sugerem que a alternativa á UE seja uma coisas bem pior, ou seja, um aumento ainda maior da cooperação "lusofona" que puderá eclodir na criação de uma "união lusofona".»

Infelizmente, é verdade. Durante muitos anos desculpei essa atitude com a necessidade de o PNR cumprir a lei e não ostracizar os alógenos para não ser acusado de racismo. Mas a insitência na questão de Cabinda, a admiração pelo império colonial e a presença significativa de alógenos nas manifs partido sugerem uma corrente minho-timorista muito forte.

Não me parece que haja, no entanto, uma alternativa ao PNR. Aliás, não é só que não me pareça, não há mesmo, o PNR é o único partido nacionalista legal em Portugal. Os outros não passam de projectos! Além de que a nossa prioridade deve ser dar visibilidade e fazer publicidade ao Nacionalismo, fazê-lo crescer o mais possível. O maior erro dos nacionalistas do passado tem sido precisamente desistir muito depressa, como se fosse possível conciliar todas as diferentes correntes nacionalistas sob a mesma bandeira. O resultado é que existem mil e um grupelhos nacionalistas, mas só o PNR é que tem feito alguma coisa realmente digna de ser vista.

Anónimo disse...

Concordo com vocês, a interrogação aqui é que se o Pnr faz ou fez de alógenos bandeira então nesse preciso momento deixou de ser um partido nacionalista, deixou de defender a nossa identidade nacional e de defender a Portugal, passou a ser como os restantes globalistas cegos a tudo.
Contudo eu acredito que eles ainda são de facto nacionalistas e não aprovam nada disso, talvez tenha sido apenas devido ao que o Afonso referiu. Têm que crescer bem mais pois ao menos são anti migrações.

ass FuasRoupinho