segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Ainda em França: Assembleia Nacional aprova lei que impede os "racistas" de ocupar cargos políticos


Via A Diversidade Liberta! (Blogger)

«Na noite de segunda-feira Lues, 24 de Julho de 2017, a Assembleia Nacional da França introduziu efectivamente no direito penal, sob a forma de uma emenda, a inadmissibilidade do exercício cargos públicos por parte pessoas condenadas por "acções relacionadas com o racismo, anti-semitismo, negação do holocausto, homofobia e qualquer forma de discriminação ".»

Pensem bem no que isto significa, caros leitores: aquelas pessoas que deixaram postas no Facebook a denunciar a iminvasão -e foram processadas por isso- já não poderão ser deputados, autarcas, ministros ou desempenhar qualquer outro cargo político em França! Isto é Democracia? Isto é Liberdade? Não, isto é totalitarismo, puro e duro!



«As consequências desta alteração são incalculáveis, aumentam ainda maus o medo e reduzem a liberdade de expressão em França. As pessoas condenadas pelos seguintes crimes serão, na ausência de uma decisão fundamentada do tribunal, declaradas inelegíveis para cargos públicos por um período de até 10 anos:
  • insulto público de carácter racial
  • insulto público de carácter homofóbico
  • difamação pública de carácter racial
  • difamação pública de carácter homofóbico
  • incentivo público à discriminação
  • ódio ou violência de carácter racial
  • ódio ou violência de carácter homofóbico
  • relativização de crimes contra a humanidade
  • negação de crimes contra a humanidade
  • discriminação 
"Se uma lei como essa tivesse sido aprovada no momento da lei de Pleven em 1972, Jean-Marie Le Pen nunca teria podido disputar os votos dos franceses", disse Alain Jakubowicz [um dos promotores da lei] com entusiasmo, acrescentando: "A França é sem dúvida o primeiro país do mundo a implementar leis que declaram que o nome de racistas, antisemitas, negadores de holocausto, homofóbicos não tem lugar no sufrágio.

Os franceses têm votado sempre em lacaios globalistas... eis o resultado! E infelizmente, a coisa dificilmente ficará por aqui!

22 comentários:

João disse...

É mais um passo na direcção da guerra civil ou da submissão. Das duas uma: ou os franceses se submetem de vez (e futuramente o resto da Europa Ocidental) ou resistem e recorrem à força. No segundo caso avançamos para a guerra civil que a esquerda persegue desde Lenine. Conseguiram-na em Espanha, querem agora experimentar a Europa.

CENSURADO AGAIN disse...

7 de agosto de 2017 às 00:18

a unica chance da europa é ser invadida pelo leste pois poitiers ja caiu e a oceania golem ta por tras disso

Afonso de Portugal disse...

João disse...
«Das duas uma: ou os franceses se submetem de vez (e futuramente o resto da Europa Ocidental) ou resistem e recorrem à força.»

Os franceses, resistirem? Eles não resistem a nada, conforme nos mostra a história... se o Ocidente depender deles, estamos lixados!

Quanto à guerra civil, também estou pessimista... travada por quem? Por estes europeus efeminados, castrados e acomodados? Não me parece...

O que eu desconfio e temo seriamente, é que estejamos mesmo a caminhar para um regime como a União Soviética. Conforme lhe tinha dito, estou (finalmente) a ler o "Arquipélago Gulag" do Aleksandr Soljenítsin. O livro tem passagens verdadeiramente memoráveis mas, até agora, nada me impressionou mais do que o comportamento dos presos políticos soviéticos que, mesmo depois de terem sido presos e acusados de serem traidores burgueses, continuavam a acreditar piamente no socialismo.

É-me impossível deixar de traçar paralelos entre o que se passou nos gulags e o que se está a passar na Europa: mesmo depois de tantos atentados islâmicos, alterações demográficas e descaracterização das suas cidades, os franceses votaram em Macron porque continuam a acreditar na utopia do multiculturalismo. Com gente assim não há guerra civil, caro João... com gente assim só há totalitarismo!


Censurado Novamente disse...
«a unica chance da europa é ser invadida pelo leste pois poitiers ja caiu e a oceania golem ta por tras disso»

Não me parece que a Europa de Leste tenha capacidade para isso... se a Europa Ocidental cair, a Europa de Leste terá de lidar sozinha com a Rússia, ou quase sozinha. Nessa altura, os europeus de Leste não vão querer saber de nós para nada e nós não poderemos censurá-los. Tornámo-nos fracos demais, covardes demais. A Europa Ocidental mete nojo, temos tudo e não temos nada, tanta prosperidade material e nem um resquício de alma, de vontade, de espírito!

João disse...

Esse fenómeno dos gulags é muito interessante, é. São inúmeros os casos em que sucedeu a manutenção da fidelidade à causa. E houve situações em que os acusados, no tempo do Zé Estaline, sabiam estar inocentes mas aceitavam a imolação porque no futuro o socialismo triunfaria.
Esta mentalidade foi muito bem retratada, creio eu, por Eugene Ionesno na peça O Rinoceronte. A história de uma sociedade em que todos têm um fascínio pela figura do rinoceronte, a ponto de se quererem parecer e ser um. No final há só um gajo que resiste e recusa ser rinoceronte. Os outros estão todos capturados. É o retrato dos nossos dias. Não nos podemos queixar de falta de avisos face ao totalitarismo e seu espírito.

Afonso de Portugal disse...

João disse...
«Esta mentalidade foi muito bem retratada, creio eu, por Eugene Ionesno na peça O Rinoceronte.»

Mais um obra para eu deitar as mãos! Obrigado! :)


«Não nos podemos queixar de falta de avisos face ao totalitarismo e seu espírito.»

Essa é a parte que me é mais dolorosa em todo este processo. Não se pode culpar ninguém por não saber, mas quando se sabe as coisas de antemão e, mesmo assim, se persiste em prosseguir o caminho do engano, perde-se inclusivamente o direito a lamentar o inevitável destino que se segue. De entre todas as ciências, a História é aquela que eu sempre presumi ser a mais acessível à população em geral. Erro crasso! Pelo contrário, as pessoas tendem a processar apenas as partes da História que corroboram a sua mundivisão e idiossincrasia, rejeitam todos os factos e acontecimentos que as obriguem a abdicar do seu sistema de valores, mesmo que esse sistema se baseie na ausência de valores.

E quando, ainda por cima, há uma política de ocultação da História e promoção da "estória" por parte do poder instituído, então tudo se torna muito mais difícil.

Parece-me que a única esperança do Ocidente continua a ser os EUA, precisamente por serem o único país do Ocidente onde a Liberdade de Expressão continua a ser geralmente assegurada. Ainda há algumas semanas atrás, o Supremo Tribunal daquele país decidiu por unanimidade que o "discurso de ódio" faz parte da liberdade de expressão, apesar de alguns dos juízes desse tribunal terem sido nomeados pelo Partido Democrata.

Também é isto que distingue os países de primeira dos países de segunda: nos países de primeira, as pessoas entendem que as ideias existem para serem confrontadas, por piores que sejam algumas dessas ideias. Já em países como o nosso, estabeleceu-se a priori que há ideias boas e más... e que as ideias más não devem ser confrontadas, mas sim removidas totalmente do discurso público, nem que seja preciso encarcerar as pessoas que as expressam!

Leitora disse...

"insulto público de carácter homofóbico" Que ?
E que coisa seria "homofobico" ? Falar sobre a realidade é homofobia e negação do que nunca aconteceu, como o Holocausto. Era só o que faltava.
Vivemos num mundo saído de algum livro de ficção totalitário mesmo, completamente absurdo.
Daqui a pouco promovem lei de "não pode ser de direita pra concorrer". Se bem que não existe eleição mesmo, apenas seleção.
Eleição já é uma farsa.

Mas essa lei vai ser boa pros negros sádicos (redundância) no futuro, quando se tornar uma África do Sul, é possível que seja França a primeira África do Sul na Europa. Negros desapropriando propriedades de brancos, proibindo brancos de abrir negócios, eu já té imagino isso ocorrendo no futuro.

Leitora disse...

O bom é que os "jovens" costumam ter menos tolerância com aberrações. Muitos das vítimas de "islamofobia" e raxismo são também homofóbicas. Ahahah Quando as minorias se atracam. :,)

Leitora disse...

"Parece-me que a única esperança do Ocidente continua a ser os EUA, precisamente por serem o único país do Ocidente onde a Liberdade de Expressão continua a ser geralmente assegurada"
Eu vejo os EUA como o último bastião de resistência e de liberdade. Tenho impressão que todo resto (ou quase todo) já sucumbiu à opressão do politicamente correto. Quando os EUA caírem (perderem acesso as armas, perderem a liberdade de expressão) acho que é aí que é instaurado o totalitarismo supremo de vez. Apesar dos EUA, infelizmente, também estarem mudando, com gente aparentemente perdendo emprego por "raxismo", ou até tendo medo de falar a verdade para não serem atacados pelos "anti racistas". Mas ainda há um fio de liberdade por lá.

Afonso de Portugal disse...

Leitora disse...
«O bom é que os "jovens" costumam ter menos tolerância com aberrações. Muitos das vítimas de "islamofobia" e raxismo são também homofóbicas. Ahahah Quando as minorias se atracam. :,)»

Alguns gueis parecem estar a acordar... muitos confessaram votar Le Pen em França e Trump nos EUA. Ainda não decidi se isso é bom ou mau: por um lado, é sempre bom termos mais votos; mas, por outro lado, os partidos podem ficar reféns do lóbi homossexualista e tornar-se permissivos em relação ao "casamento" guei e à adopção por parte dos "casais" guei.


«Eu vejo os EUA como o último bastião de resistência e de liberdade. Tenho impressão que todo resto (ou quase todo) já sucumbiu à opressão do politicamente correto. »

Sim, eu sou da mesma opinião. Aliás, os EUA têm alguns dos maiores radicais de esquerda e alguns dos maiores radicais de direita. É um país assombroso, em termos de liberdade política... a Europa é quase terceiro-mundista nesse aspecto. Por exemplo, há vários países europeus onde negar o holocausto dá pena de prisão!


«Quando os EUA caírem (perderem acesso as armas, perderem a liberdade de expressão) acho que é aí que é instaurado o totalitarismo supremo de vez.»

Concordo. E a verdade é que não é preciso muito para que isso aconteça, basta que os brancos se tornem minoritários e as outras raças se juntem para acabar com a Segunda Emenda (direito à posse de armas) e com a Primeira Emenda (liberdade de expressão).


«Apesar dos EUA, infelizmente, também estarem mudando, com gente aparentemente perdendo emprego por "raxismo", ou até tendo medo de falar a verdade para não serem atacados pelos "anti racistas". Mas ainda há um fio de liberdade por lá.»

Hoje veio à luz um caso muito interessante: um Eng.º da Google terá feito circular um documento interno no qual denunciou a falta de liberdade dentro daquela empresa, acusando a Google de ter um "viés liberal" (liberal no sentido esquerdista). Como não podia deixar de ser, o esquerdalho já está pedindo sangue, i.e. que o tal Eng.º seja despedido! E conhecendo a a Google, que agora até se juntou à ADL para fazer censura no YouTube, o mais provável é que o Eng.º seja mesmo despedido!

Pedro disse...

E se um muçulmano falar "Morte aos judeus" ou dizer que homossexuais devem ser jogados de prédio ele vai poder se candidatar?

Leitora disse...

"E a verdade é que não é preciso muito para que isso aconteça, basta que os brancos se tornem minoritários e as outras raças se juntem para acabar com a Segunda Emenda (direito à posse de armas) e com a Primeira Emenda (liberdade de expressão)"
É, e essas pessoas contra as quais lutamos (caso o Afonso não seja parte do clube deles, não é mesmo :,/ ) são muito pacientes. Todos aqueles tiroteios falsos nos EUA com o passar dos anos, desde Columbine (ou algo assim), o do cinema do Batman, e outros, apenas pra chegar o momento em que os cidadãos já não poderão portar armas livremente. E eles são tão pacientes que realmente são capazes de aguardarem gerações passarem, pra forçar a doutrinação na cabeça de ainda crianças, aguardar elas crescerem para terem cidadãos com outra mentalidade que não seja a atual.

Leitora disse...

E eles tem toda a máquina de propaganda à mão. Até parei de ver uma série que eu tava assistindo, "Designated Survivor" porque simplesmente começaram a fazer propaganda de restrição à armas na série. Não aguentei.

PERGUNTADOR disse...

Palavras para quê ?
The lawyer Alain Jakubowicz was re-elected for three years at the head of Licra (International League Against Racism and Antisemitism), which he has presided over since 2010, the organisation announced today. Mr. Jakubowicz, 62, was-re-elected in his functions at the 48th congress of LICRA which was held this week in Paris. "The context is difficult but our responsibility is only the greater," he underlined in a statement, calling for LICRA to face a "tormented" period "with lucidity and determination".

Emphasising that antisemitism "has become commonplace and is now displayed without inhibitions," LICRA deplored "the demonisation of Islam" that has "given birth to a hatred of Muslims that is day-to-say, frontal and without nuance." "It is appropriate to combat the supposed metamorphosis of the Front National into a Republican party," added LICRA, because "although the facade of the far-right party has been haltingly cleaned up, its stock in trade has only been renewed," and "the worst is the dissemination of its ideas in large sectors of public opinion."


LICRA is one of the main multicult organisations in France, involved in pushing immigration and diversity and stigmatising patriotism as evil. It was founded - as the League Against Pogroms - by a Jew in 1927 to justify the murder in Paris of an expatriate Ukranian by another Jew who blamed him for pogroms in the Ukraine. The accused Jew confessed to the crime but said it was justified. He was acquitted and walked free. After that, LICRA, under various names, morphed into a general Jewish ethno-activist organisation, before broadening out to embrace anti-racism and diversity propaganda. It is one of the main anti-free speech organisations in France, lobbying for laws that criminalise free expression and routinely bringing legal actions against goyim who say the wrong things.

Afonso de Portugal disse...

Pedro disse...
«E se um muçulmano falar "Morte aos judeus" ou dizer que homossexuais devem ser jogados de prédio ele vai poder se candidatar?»

Boa pergunta. Daquilo que se percebe desta lei, se ele tiver sido condenado por dizer "Morte aos judeus", não poderá candidatar-se. Mas se não tiver sido condenado, poderá candidatar-se... ou seja, tudo depende da vontade dos juízes!


Leitora disse...
«É, e essas pessoas contra as quais lutamos (caso o Afonso não seja parte do clube deles, não é mesmo :,/ )»

Olhe, Leitora, até vou rir à brasileiro: kkkkkkkkkkkkkkkkkkk hué hué hué! :P

O que "eles" ganhariam comigo? Em que medida é que este blogue os ajuda?


«apenas pra chegar o momento em que os cidadãos já não poderão portar armas livremente.»

Mas isso só depende dos cidadãos! Uma das razões pelas quais Trump venceu foi precisamente porque os norte-americanos viram nele um adepto da Segunda Emenda. O que os norte-americanos com armas precisam fazer é continuar a comprar mais e mais armas, apelar a todos os seus familiares e amigos para se armarem, apostar em organizações e colectivos de defesa das armas e, sobretudo, não votar em políticos que favoreçam o desarmamento!

Todo o bom cidadão deve andar armado. Todos temos o dever de tomarmos as medidas necessárias para nos defendermos. E ser mulher não pode servir de desculpa para não andar armada, antes pelo contrário! As mulheres são mais frágeis fisicamente, portanto devem andar armadas! É esta cultura que tem de continuar imperando nos EUA...


«E eles são tão pacientes que realmente são capazes de aguardarem gerações passarem, pra forçar a doutrinação na cabeça de ainda crianças, aguardar elas crescerem para terem cidadãos com outra mentalidade que não seja a atual.»

E sabe qual tem sido o grande problema do Nacionalismo, Leitora? Nós não temos aprendido nada com eles!!! Não temos sido capazes de enfiar em nossas cabeças ocas que este género de guerra é multigeracional, que só se ganha a muito longo prazo! Não estou falando de mim ou de você, evidentemente, mas é deveras confrangedor quão ESTÚPIDO é o militante nacionalista médio, totalmente incapaz de perceber a dinâmica sociopolítica e de aprender com o seu inimigo!

Não sei se a leitora sabe disto mas, no séc. XIV, a luta com espada na Europa sofreu uma autêntica revolução. Em Itália, surgiu uma defesa tão poderosa que todo o espadachim incapaz de a reproduzir pereceu em combate! É precisamente nesse ponto que o combate nacionalista moderno se encontra: o inimigo usa um conjunto de técnicas e estratégias que o nacionalista médio não consegue reproduzir. Pior do que isso, ele se recusa a fazê-lo!

Ouço constantemente nacionalistas imbecis que dizem que os judeus controlam tudo e manipulam tudo... mas quando eu retruco: "Mas então porque não fazemos o mesmo? Somos muitos mais do que eles, se usarmos os seus métodos venceremos facilmente!", esses nacionalistas respondem, estupidamente: "O quê?! Mentir e manipular como um judeu?! Nunca, eu sou puro, eu sou superior, eu tenho carácter!"»

Ora, como explica Maquiavel, esta atitude é de crianças, não é de homens. Toda a gente mente e manipula, a humanidade sempre foi assim. Como explicou o Ben Shapiro no vídeo que publiquei anteontem, mesmo as pessoas boas têm de mentir em determinadas circunstâncias! E se os judeus estão vencendo é sobretudo porque têm sido melhores na arte da mentira e da manipulação, enquanto os "bons" e "puros" arianos têm agido como amadores nesse campeonato.

Ninguém é bom, se for inofensivo. E não digo inofensivo fisicamente, digo intelectualmente. O grande problema do Nacionalismo é que, intelectualmente, temos sido muito inocentes!


PERGUNTADOR disse...
Palavras para quê ?

Eu evito criticar os judeus abertamente, mas contra factos não há argumentos. A LICRA é uma organização judaica. Retiremos as devidas conclusões…

Ivan Baptista disse...

« Ora, como explica Maquiavel, esta atitude é de crianças, não é de homens. Toda a gente mente e manipula, a humanidade sempre foi assim. Como explicou o Ben Shapiro no vídeo que publiquei anteontem, mesmo as pessoas boas têm de mentir em determinadas circunstâncias! »

A mentira pode ser interpretada como um acto de sobrevivência. Ás vezes pergunto, se i.e a diplomacia não é um pouco disso.. Quer dizer, a não ser que seja preciso, não é preciso mentir á descarada, mas pelo menos omitir :/ Relacionamentos conflituosos podem por em causa a razão, ou pelo menos parte dela, cria bastantes ressentimentos,vinganças e etc...
E eu também costumo dizer muitas vezes, de que não há amigos, o que há mesmo,mas mesmo, é conhecidos. É que pela pouca experiencia que eu tenho, é mais isso no que reparo. É tudo uma grande ilusão de inicio, é, dão-se todos bem, mas só até o primeiro espetar uma faca nas costas XD

Quanto aos judeus Afonso, bom, secalhar a posta da entrevista do Stefan Molyneux ao Olavo de Carvalho é muito explicita.

pvnam disse...

Inquisição Anti-Racista, Brigada Anti-Racismo das Esquerdas, blá, blá, blá o cªrªlho!... -» um bando de mercenários (camuflado) ao serviço da alta finança (capital global).
.
A alta finança, capital global, está apostada em terraplanar as Identidades... dividir/dissolver as Nações... para reinar...
.
O bando de mercenários camuflado:
- tal como a alta finança, capital global, também anda a trabalhar para a dissolução das Identidades...;
- tal como a alta finança, capital global, SÃO NAZIS: são intolerantes para com os povos autóctones que procuram sobreviver pacatamente e prosperar ao seu ritmo;
[nota: nazi não é ser alto e louro, blá, blá, blá... mas sim, a busca de pretextos com o objectivo de negar o Direito à Sobrevivência de outros]
- tal como a alta finança, capital global, têm um COMPLETO DESPREZO pelo holocausto massivo cometido sobre povos nativos na América do Norte, na América do Sul, na Austrália, que tiveram o «desplante» (apesar de serem eram economicamente pouco rentáveis) de quererem ter o SEU espaço no planeta, e de quererem prosperar ao seu ritmo.
.
.
O caminho a seguir é, antes que seja tarde demais, CORTAR COM O BANDO DE MERCENÁRIOS ao serviço da alta finança, capital global.
Leia-se: Separatismo-50-50.

Afonso de Portugal disse...

Ivan Baptista disse...
«A mentira pode ser interpretada como um acto de sobrevivência. Ás vezes pergunto, se i.e a diplomacia não é um pouco disso.. Quer dizer, a não ser que seja preciso, não é preciso mentir á descarada, mas pelo menos omitir :/ Relacionamentos conflituosos podem por em causa a razão, ou pelo menos parte dela, cria bastantes ressentimentos,vinganças e etc...»

Por isso mesmo é que a mentira é uma arte apenas ao alcance de alguns... e nunca convém ser mentiroso sozinho, é preciso sempre ter um grupo de amigos mentirosos que "corroborem" as nossas mentiras.


«E eu também costumo dizer muitas vezes, de que não há amigos, o que há mesmo,mas mesmo, é conhecidos.»

Sim, os amigos fazem-se sobretudo na infância. A partir daí, é muito difícil fazer amigos.


«É tudo uma grande ilusão de inicio, é, dão-se todos bem, mas só até o primeiro espetar uma faca nas costas XD»

Ora, lá está! E os nazionaliztaz bem podem vir com estorinhas ridículas de amizade e camaradagem, mas na hora da verdade todos sabemos que se traem uns aos outros!


«Quanto aos judeus Afonso, bom, se calhar a posta da entrevista do Stefan Molyneux ao Olavo de Carvalho é muito explicita.»

Hum? Ao que é que o caro Ivan se refere, em concreto? À Escola de Frankfurt?


pvnam disse...
«Inquisição Anti-Racista, Brigada Anti-Racismo das Esquerdas, blá, blá, blá o cªrªlho!... -» um bando de mercenários (camuflado) ao serviço da alta finança (capital global).»

Não é só alta finança. Os capitalistas querem acesso aos mercados de todo o mundo e mão-de-obra abundante, é verdade. MAS, a esquerda quer votos e as religiões querem crentes! É por isso que a iminvasão é muito mais difícil de combater do que muita gente julga...

pvnam disse...

Apelidas o pessoal em causa de 'esquerda'... para mim, não passam de um bando de mercenários camuflado... e: não há pachorra para os mercenários camuflados -» apenas separatismo!

Afonso de Portugal disse...

Quem acredita numa sociedade em que a riqueza é redistribuída de forma equitativa por toda a população é objectivamente marxista e, consequentemente, de esquerda. Não há volta a dar a isto. Esse tipo de estratégia exacerba a inveja, o rancor e o ressentimento... e legitima a revolta contra a "burguesia" que, como vimos na ex-URSS, na Roménia, em Cuba e em tantos outros países, tende a ser a classe média e não necessariamente os ricos.

Toda a gente tem direito a condições dignas de vida, mas ninguém tem direito a impor essas condições à custa do trabalho e do sacrifício das outras pessoas. Eu recuso-me a branquear tanto os capitalistas como os marxistas. Ambos os sistemas assentam na concentração de poder excessivo, ou no Estado (marxismo) ou nos privados (liberalismo). A história já demonstrou que nenhum destes sistemas dá bons resultados.

Resumindo, os esquerdistas até podem ser "um bando de mercenários camuflado", mas é urgente denunciar as suas patranhas se queremos combatê-los eficazmente.

Ivan Baptista disse...

Peço desculpa Afonso, queria acabar a frase em forma de interrogação com um -«Quanto aos judeus Afonso, bom, se calhar a posta da entrevista do Stefan Molyneux ao Olavo de Carvalho é muito explicita.Não é assim?»

Achei o vídeo bastante interessante, sobretudo quando o prof. Olavo afirmou que tem cuidado ao falar com certas pessoas, porque sabe-se lá quem nos aborda!
Pode não querer dizer «Judaria», mas pode dizer algo como, cuidado com quem se passa por confidente :/
Só um aparte e só por curiosidade, i.e quando vejo pessoas ligadas a algumas ceitas ou religiões, como i.e,evangélicos,Jeová,iurdes,elderes,entre outras, ás vezes pergunto se muitas dessas pessoas não levam uma vida dupla. Não me refiro a uma vida dupla no sentido de levarem as suas crenças religiosas a sério, mas no sentido de essas mesmas pessoas informarem o que se sabe, o que se passa.
Dei este exemplo, mas posso dar outros exemplos ligados a um certo tipo de profissões,ou até mesmo grupos de activistas de diversas causas.
Resta saber, se as intenções dessas informações, são-nos favoráveis ou não, seja para nosso bem, ou para o nosso mal, ou então só mesmo, sem nenhuma intenção :|

Afonso de Portugal disse...

Essa sua observação da "vida dupla" é bastante pertinente, caro Ivan. Ao longo dos anos, observei essa faceta em muitos cristãos católicos portugueses... aliás, essa "vida dupla" foi um dos factores que me levou ao ateísmo.

Conheci negociantes que enganavam os clientes à força toda de segunda a sexta-feira, mas depois iam para a Igreja ao domingo, cheios de moral, a bater no peito: "por minha culpa, minha tão grande culpa!"

Conheci uma freira que dava aulas num colégio e batia nos miúdos por tudo e por nada... depois, para não deixar marca, passava a cara deles por água fria. No final, essa freira fugiu com uma das cozinheiras do colégio, eram ambas lésbicas!

Conheci várias "moças de boas famílias" que pediam aos pais para ir aos acampamentos cristãos "rezar" e depois aviavam vários "moços de boas famílias" na tenda durante a noite.

Conheci uma cientista que negava a Teoria da Evolução da Espécies... trabalhava numa área relacionada com a genética!

Conheci vários padres que se recusavam a fazer baptizados, casamentos e funerais se não lhes pagassem antes. Em tempos, publiquei aqui no TU uma notícia sobre um padre que usava o dinheiro das esmolas para andar de porsche.

Há coisas boas no Cristianismo, mas há demasiadas coisas más para que eu o consiga levar a sério. E nestas coisas do politicamente correcto, todo o cuidado é pouco. Não podemos falar sobre o que se passa com qualquer um, muito menos com a esmagadora maioria dos cristãos, que adoram o papa Chico e a "nova igreja modernaça".

mensagensnanett disse...

Repara, existem dois tipos de bandos de mercenários camuflados:
- 1- os bandos de mercenários camuflados de LONGO PRAZO: estes mercenários camuflados [bom, no início até que existiriam dirigentes, naïfs, bem intencionados] já há muitos anos que sabem qual é o 'trabalhinho' que andam a fazer:
i) não gostam de, em nome da igualdade, premiar o mérito - acham que quem não gosta de trabalhar deve ter acesso ao passatempo de andar a ridicularizar aqueles que se esforçam/trabalham;
ii) mais, não gostam de austeridade, querem mais deficit (leia-se, quem vier a seguir que pague);
iii) Resultado: a longo prazo é implementado o caos... e depois, as riquezas do país são vendidas ao desbarato à alta finança (exemplos: ex-URSS, ex- RDA, etc).
- 2 - os bandos de mercenários camuflados de CURTO PRAZO (exemplo: os mais variados países da União Europeia):
i) vão vendendo tudo aquilo que puderem a multinacionais;
ii) vão desviando dinheiro dos contribuintes para a alta finança para... tapar buracos cavados pela alta finança (exemplo: veja-se o dinheiro enterrado pelos contribuintes nos buracos da banca);
iii) criam uma variada panóplia de leis que visam complicar a vida às micro, pequenas e médias empresas;
iv) ameaçam os pequenos e médios proprietários com uma variada panóplia de multas (e ameaças de expropriações) impelindo-os a venderem os seus bens, ao desbarato, às multinacionais;
v) Resultado (na União Europeia, e não só): analisando a evolução estatística, vê-se o óbvio -» a propriedade pública e a propriedade privada tradicional estão a desaparecer, em oposição, a propriedade das multinacionais (capital sem rosto) está a crescer avassaladoramente.
.
.
Só o separatismo é que vai permitir salvar, quer a propriedade pública, quer a propriedade privada tradicional!
.
Leia-se:
- Democracia sim, todavia, há que mobilizar aquela minoria de autóctones que se interessa pela sobrevivência da sua Identidade... para dizer NÃO ao nazismo-democrático, leia-se: é preciso dizer não àqueles que pretendem democraticamente determinar o Direito (ou não) à Sobrevivência de outros.
-» ver BLOG http://separatismo--50--50.blogspot.com/.
{ nota: nazi não é ser alto e louro, blá, blá, blá... mas sim, a busca de pretextos com o objectivo de negar o Direito à Sobrevivência de outros }
.
Leia-se:
- TODOS DIFERENTES, TODOS IGUAIS... ou seja, todas as Identidades Autóctones devem possuir o Direito de ter o SEU espaço no planeta.
[nota: Inclusive as de rendimento demográfico mais baixo... Inclusive as economicamente menos rentáveis... Inclusive as que procuram sobreviver pacatamente e prosperar ao seu ritmo]
Dito de outra maneira: os 'globalization-lovers', UE-lovers e afins, que fiquem na sua... desde que respeitem os Direitos dos outros... e vice-versa.