segunda-feira, 1 de maio de 2017

Um ateu egípcio que merece todo o nosso respeito


     O nome deste corajoso rapaz é Sherif Gaber. Ainda não tem sequer 30 anos mas já foi preso, julgado e condenado por "espalhar valores imorais", i.e. pelo crime de denunciar a religião do "profeta" pedófilo tal como ela é realmente.

Neste vídeo, o Sherif explica que as atrocidades cometidas pelo Estado Islâmico (ISIS) são apenas a continuação dos seus 1400 anos de conquista e de barbárie. E que, por conseguinte, é completamente absurdo dizer que o  ISIS não tem nada a ver com o Islão. E até faz uma comparação curiosa: as cruzadas fizeram cerca de 1,7 milhões de mortos... mas só a conquista islâmica da Índia fez 80 milhões!

5 comentários:

Lura do Grilo disse...

"as cruzadas fizeram cerca de 1,7 milhões de mortos" : duvido! Mas só o genocídio arménio fez muito mais.

Afonso de Portugal disse...

Mas olhe que o número citado por ele até é bastante razoável. Corresponde grosso modo à média geométrica das estimativas existentes, que variam entre 1 M e 3 M:

https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_wars_and_anthropogenic_disasters_by_death_toll#Wars_and_armed_conflicts_whose_highest_estimated_casualties_are_1.2C000.2C000_or_more


De qualquer forma, o ponto aqui é sobretudo desmistificar a falácia de utilizar as cruzadas como contraponto ao islamismo. Desde logo, o islamismo faz parte do presente, enquanto as cruzadas aconteceram no passado. Mas como o Sherif diz, os números são incomparáveis!

Rick disse...

O genocídio perpetrado pelos maomés na Índia não se resumiu à época da invasão. Decorreu por 8 séculos. Estranhamente, porque provavelmente matou mais do que a II GG, nunca é referido nos grandes meios de comunicação.
As ideias base estão no vídeo. O rapaz explica-se bem e se fossem difundidos todos estes factos, o Marcelo, a Cristas e outros hipócritas seriam ridicularizados. Para não falar do Costa, o Mesquiteiro. Quando se sabe que a Arábia Saudita e o Quatar pagam todas as mesquitas que erguem por essa Europa, tinha que aparecer esta originalidade de Portugal financiar a de Lisboa. Numa situação de défice, será o endividamento que cobrirá a fatura. Inominável!

http://infielatento.blogspot.pt/2016/07/invasao-islamica-da-india-o-maior-genocidio-da-historia.html

Deixo aqui também o link para um vídeo curioso. Uma rapariga negra dá um exemplo bonito ao reconhecer uma das grandes patranhas feminista-marxistas que levaram toda a sociedade americana a desestruturar-se e a autodestruir-se.

https://www.youtube.com/watch?v=pbccGbPKwok

Afonso de Portugal disse...

Rick disse...
«Estranhamente, porque provavelmente matou mais do que a II GG, nunca é referido nos grandes meios de comunicação.»

Ora, lá está! Então os brancos têm a fama de ser os maiores montros de sempre e a agora íamos estragar tudo com factos e números sobre o Islão? Era só o que faltava, pá!

Esse blogue é realmente fantástico! Só é pena que não seja actualizado mais amiúde.


«uma rapariga negra dá um exemplo bonito ao reconhecer uma das grandes patranhas feminista-marxistas que levaram toda a sociedade americana a desestruturar-se e a autodestruir-se.»

Há muitos negros no Ocidente que conseguem ler nas entrelinhas, mas poucos têm a verticalidade de admitir o que se está a passar. É por isso que eu admiro muito o Thomas Sowell. É incrível como um negro que nasceu na miséria foi capaz de perceber o que realmente se está a passar e de denunciar tão bem as falácias do politicamente correcto.

É realmente bonito vê-la admitir as injustiças da acção afirmativam e sobretudo, reconhecer que há uma campanha continada de diabolização do homem branco.

Afonso de Portugal disse...

*continuada