sexta-feira, 28 de abril de 2017

Muçulmanos "explicam" às nativas italianas como se devem vestir


    Aqui fica mais uma reportagem deprimente que ilustra bem a arrogância despudorada dos iminvasores islâmicos. Uma repórter italiana decidiu ir a várias zonas muçulmanas de Milão e arredores para entrevistar alguns "pobres coitadinhos" e tentar perceber as suas opiniões acerca das mulheres e dos valores ocidentais. As respostas que obtém são deveras esclarecedoras!...

3 comentários:

Leitora disse...

Observe como eles têm plena consciência de si mesmos. Eles se reconhecem como animais irracionais, que costumam agir motivados unicamente por um instinto primitivo.
Só falta agora as outras pessoas vê-los como eles são! E eles nem negam que assim o são!

Lura do Grilo disse...

Nem imagina as quantidades de mulheres de Burqa na parte mais nobre de Milão! São dezenas e a entrar nas lojas mais caras.

Afonso de Portugal disse...

Leitora disse...
«Eles se reconhecem como animais irracionais, que costumam agir motivados unicamente por um instinto primitivo.»

É verdade. Mas a questão é que, aqui no Oeste, nós culpamos os homens -e culpamo-los bem- por não se conseguirem controlar. Mas os muçulmanos vêem as coisas ao contrário. Como o Corão diz que o homem é superior à mulher, eles vêem a agressividade sexual dos homens como natural e até desejável... e o comportamento da mulher como "provocador". Assim, se uma mulher for violada, a culpa não é do violador, é dela, por ter sido demasiado "provocadora".

O mais surreal nisto tudo é que há juízes ocidentais que têm atribuído penas de prisão reduzidas a violadores muçulmanos invocando esta "diferença cultural". Já aconteceu no Reino Unido, na Suécia e na Alemanha: «a cultura do réu é diferente da nossa, temos de compreender o contexto específico dessa cultura no seu crime». Evidentemente, isto é pura e simplesmente inaceitável. Não se pode relativizar uma violação, independentemente do contexto de formação do indivíduo que viola!


Lura do Grilo disse...
«Nem imagina as quantidades de mulheres de Burqa na parte mais nobre de Milão! São dezenas e a entrar nas lojas mais caras.»

:((( Isso é bastante desanimador e preocupante, porque significa que as classes islâmicas mais abastadas da cidade são aquelas provavelmente ligadas ao sunismo vaabaista. A experiência da Bósnia diz-nos que isso não augura nada de bom para o futuro de Milão e da Itália...