sexta-feira, 3 de junho de 2016

Olé, olá: Marine Le Pen ganha terreno nas sondagens das presidenciais francesas!


     Boas notícias para todos os que amam a Europa: o actual presidente francês, o traidor "xuxalista" pigmeu com cara de tarado sexual François Hollande reúne apenas 14% das intenções de voto do eleitorado, de acordo com uma sondagem publicada ontem pelo jornal Le Monde. O ainda mais pigmeu e feioso Sarkozy obteria 21%, enquanto a grande Marine Le Pen, líder da ainda maior Frente Nacional, teve 28%. As presidencias são só em 2017, mas Marine Le Pen tem subido sustentadamente a cada sondagem que passa, para desespero do esquerdalho.

Mulheres nacionalistas: sempre as mais belas!

12 comentários:

João José Horta Nobre disse...

Abençoada seja!

Afonso de Portugal disse...

Concordo, mesmo sendo ateu! :)

FireHead disse...

Não sei porque é que estás tão contente. Então tu não sabes que vai acontecer com ela o que aconteceu com o pai dela doutra vez?? Os súcias vão sacrificar-se novamente que é para colocarem o candidato do UMP no poder só para terem a alegria e o alívio de não verem a França a ser governada por uma nacionalista.

Afonso de Portugal disse...

FireHead disse...
«Não sei porque é que estás tão contente. Então tu não sabes que vai acontecer com ela o que aconteceu com o pai dela doutra vez??»

Eu estou contente pelo facto de o Nacionalismo estar a crescer em França, não tenho quaisquer ilusões quanto à inevitabilidade do desfecho que antevês.

A minha esperança é que as tácticas do esquerdalho e da "direitinha" vão radicalizar cada vez mais o eleitorado francês... até ao dia em que o barril de pólvora rebente de uma vez!

João José Horta Nobre disse...

«A minha esperança é que as tácticas do esquerdalho e da "direitinha" vão radicalizar cada vez mais o eleitorado francês... até ao dia em que o barril de pólvora rebente de uma vez!»

Não tenha duvidas! Eu ando a dizer há anos que isto vai ter de estoirar por algum lado. É inevitável, pois a loucura e a demência que estamos a viver, não pode durar para sempre.

Afonso de Portugal disse...

Pois não... mas há muita gente que ainda não entendeu isso. Ontem, um conhecido meu dizia-me, num barzinho local, que ele não tinha medo das crises económicas porque, se fosse preciso, era capaz de matar para comer!

Quando eu contrapus que, em caso de crise, ele não seria o único com essa atitude -e que assim acabaríamos inevitavelmente por nos matarmos uns aos outros- ele ficou com em silêncio, com um ar aparvalhado, a olhar para mim de olhos arregalados! Nota-se perfeitamente que a maioria das pessoas nunca pensou seriamente acerca das consequências de uma crise a sério. As pessoas estão de tal forma habituadas a viver em paz e em segurança que nem imaginam o quão baixo isto pode vir a descer quando a bomba rebentar finalmente.

João José Horta Nobre disse...

«Nota-se perfeitamente que a maioria das pessoas nunca pensou seriamente acerca das consequências de uma crise a sério. As pessoas estão de tal forma habituadas a viver em paz e em segurança que nem imaginam o quão baixo isto pode vir a descer quando a bomba rebentar finalmente.»

Mas sabe porquê? Isso deve-se muito ao facto de muitas pessoas não estarem habituadas a pensar, porque hoje em dia não se ensina a pensar nas escolas e mesmo no tempo de Salazar não se pensava muito na escola, o que se fazia era mais decorar e despejar a matéria no teste.

Ainda hoje ontem uma leitora do meu blog deixou lá um comentário onde dizia que passou muitas horas a ler o meu blog e que agora estava "intrigada" com o mesmo. Lol, o meu objectivo é mesmo esse, levar as pessoas a pensar pela própria cabeça e ajudá-las a libertarem-se da toxicidade me(r)diátca que têm na cabeça.

O Afonso talvez já tenha reparado pelo que eu escrevo, que eu sou uma pessoa assim digamos "diferente". Isso deve-se muito ao facto de eu ter passado a minha infância nos Estados Unidos, algo que me deu uma formatação e abordagem mais prática perante a vida e os problemas.

P.S. - Sou irmão de um militar americano. O meu irmão está nos Marine Corps:

https://en.wikipedia.org/wiki/United_States_Marine_Corps

Afonso de Portugal disse...

João José Horta Nobre disse...
«Ainda hoje ontem uma leitora do meu blog deixou lá um comentário onde dizia que passou muitas horas a ler o meu blog e que agora estava "intrigada" com o mesmo.»

"Várias horas"!? Cuidado, Mestre Nobre, ainda acaba como o vocalista dos UHF! :P


«O Afonso talvez já tenha reparado pelo que eu escrevo, que eu sou uma pessoa assim digamos "diferente". Isso deve-se muito ao facto de eu ter passado a minha infância nos Estados Unidos, algo que me deu uma formatação e abordagem mais prática perante a vida e os problemas.»

Bem, de facto, o caro JJHN não parece ser um português típico. Desde logo, porque se preocupa com várias questões que, infelizmente, continuam a passar ao lado da esmagadora maioria dos portugueses.

Mas a verdade é que nenhum de nós, nacionalistas activos na blogosfera portuguesa, corresponde ao português típicos. O que chega mais perto dessa condição talvez seja o FireHead, com os seus postais desportivos e as suas notícias "cor-de-rosa". Mas todos nós temos algo de excêntrico, sobretudo os blogueiros mais eruditos, como o Sr. Hamsun, o Orlando Braga e o Caturo.


«Sou irmão de um militar americano. O meu irmão está nos Marine Corps»

É um ofício duro, mas tem as suas recompensas. Com excepção dos esquerdalhistas mais esquerdalhistas, toda a gente nos EUA respeita um Marine!

Eu tenho de confessar que, há 20 anos atrás, quando pus os pés no centro de recrutamento e mobilização de Vila Real, teria morrido facilmente por Portugal. Nessa idade é fácil servir a pátria até ao último suspiro porque, entre a pujança física, a competitividade natural da idade e a inocência ideológica, tudo acontece naturalmente.

Já hoje muito dificilmente morreria por alguém que não fosse da minha família mais próxima. Com o passar dos anos, percebemos que as verdadeiras guerras são travadas nos bastidores e que os soldados que morrem no campo de batalha não passam de idiotas úteis. Nisso, a besta do Henry Kissinger sabia perfeitamente o que dizia.

Atenção que não pretendo insultar de alguma forma o seu irmão, caro JJHN. Eu próprio poderia ter sido um Marine se tivesse nascido no lugar e nas circunstâncias certas. E vale muito mais um homem capaz de pegar numa arma para defender o seu país do que a esmagadora maioria dos nossos pulhíticos ou professores universtários! Acredite, eu sei do que falo e desconfio que o Mestre Nobre também sabe.

Mas como disse ao Sr. Hamsun a propósito da morte do soldado Mário Nunes, não basta ter vontade e coragem, é preciso saber escolher os nossos alvos com cabeça. Ir para a Síria combater o ISIS não resolve o problema. O que é preciso é combater aqueles que criaram o ISIS.

João José Horta Nobre disse...

«O que chega mais perto dessa condição talvez seja o FireHead, com os seus postais desportivos e as suas notícias "cor-de-rosa"»

LOL, o blog do FireHead é o Correio da Manhã da blogosfera nacionalista...

Afonso de Portugal disse...

Sim, sim, mas repare... também é o blogue com mais audiência da blogosfera nacionalista! E é disso que o movimento mais precisa neste momento, audiência!

João José Horta Nobre disse...

«Sim, sim, mas repare... também é o blogue com mais audiência da blogosfera nacionalista! E é disso que o movimento mais precisa neste momento, audiência!»

Tal e qual o Correio da Manhã, que também é o jornal mais vendido em Portugal!

Afonso de Portugal disse...

Pois é! Aprendamos o que resulta e imitemo-lo!