quinta-feira, 2 de junho de 2016

Ingrid Carlqvist: «Para onde é que a Suécia foi?»


    A nossa já conhecida Ingrid Carlqvist, directora do jornal sueco Dispatch International, que é considerado "islamófobo" pelas elites apátridas lá do sítio, explica neste vídeo como é que a Suécia o Suedistão se transformou no segundo país com mais violações do mundo, superado apenas pelo pequeno Lesoto, para além de ter centenas de áreas de exclusão (áreas onde certos grupos étnicos não são bem-vindas) e pelo menos 55 "no-go zones" (áreas onde a polícia tem receio de entrar e até as ambulâncias são apedrejadas).

Recordo que a Sr.ª Carlqvist é filha de pais sociais-democratas e teve por isso uma educação liberal. Foi casada com um marroquino durante dois anos, experimentando em primeira mão as "maravilhas" do Islão. A experiência foi obviamente enriquecedora: hoje em dia, Carlqvist é uma feroz crítica do Islão e do multiculturalismo, para além de antifeminista.


____________
Ver também:
O resultado prático da utopia multiculturalista
O fabuloso destino da jovem sueca "progressista" Elin Krantz (Blogue do FireHead)
Surge um novo super-herói: o Capitão Suécia, campeão da tolerância!
O genocídio branco prossegue a bom ritmo na Suécia...
Alunos de uma escola primária sueca... 
Uma em cada quatro mulheres suecas será violada
Norueguesa suicida-se depois de ter sido violada por dois negros muçulmanos
Na Suécia: pais furiosos conseguem travar imposição de comida Halal
De viquingues a maricões: a desgraça dos homens suecos continua 
Democratas Suecos mais que duplicam votação, mas a Suécia escolhe o suicídio étnico 

3 comentários:

Mr. Gay disse...

O Lalá Cardo em breve vai sentir o terror que é ter uma picha de um nigeriano a entrar-lhe pelo cano de esgoto acima...

Afonso de Portugal disse...

Cuidado, da forma como ele escreve, é bem capar de gostar dessas coisas! E depois nunca mais ter larga!

FireHead disse...

Macau é um sítio super seguro e até é das localidades com mais polícias em termos proporcionais...