quinta-feira, 23 de junho de 2016

Brexit D-1: Nigel Farage e Daniel Hannan encerram as hostilidades


     É já amanhã!!! Já só falta 1 dia para aquele que pode ser o referendo mais importante da nossa geração: o Brexit, o referendo à permanência ou saída do Reino Unido da (des)União Europeia. Excitante! Independência vs. Submissão! Tirania vs. Liberdade! Democracia vs. Eurocracia! Elite vs. Povo!!! A batalha trava-se amanhã, nas urnas do Reino Unido!

Ao longo deste mês, publique aqui no TU vinte e cinco vídeos que explicam o que está em causa no Brexit, cumprindo o objectivo de publicar um novo vídeo sobre o tema todos os dias até ao "dia D":
...hoje encerro com os três últimos vídeos. Escolhi precisamente os dois homens que, nos últimos 20 anos, mais se bateram para que o Brexit acontecesse: os eurodeputados Nigel Farage (UKIP) e Daniel Hannan (Partido Conservador).

Começamos precisamente pelo último, que gravou este segmento para a British Broadcasting Communism (BBC), onde começa por expor cinco razões para abandonar a UE. O Sr. Hannan é depois interrogado pela esquerdalhista Emma Reynolds, demonstrando ter estudado a lição e saber muito bem do que está a falar.




Passamos agora para aquele que é, muito provavelmente, o político mais eloquente de toda a Europa contemporânea, o já lendário Nigel Farage. E este é precisamente o seu último discurso antes do referendo, pronunciado ontem na sessão de encerramento da campanha pelo Brexit. A mensagem central do Sr. Farage é tão simples quanto isto: por ter aderido à UE, o Reino Unido perdeu a sua soberania e a sua capacidade de negociar com o resto do mundo. As instituições europeias sobrepõem-se ao Parlamento Britânico e os eurocratas são nomeados, não eleitos, não podendo ser demitidos. O Bremain é dominado sobretudo pelos interesses das grandes corporações multinacionais que se apropriaram da máquina burocrática de Bruxelas para eliminar a concorrência. Em suma, a escolha é entre a continuação de um projecto de dominação global -a UE- e entre a Liberdade. Entre o totalitarismo e a Democracia. Entre a auto-determinação e a submissão.




A este breve discurso, seguiu-se uma sessão de perguntas e respostas com os mé(r)dia lá do sítio. Os canalhas começam por voltar à carga com o cartaz alegadamente racista que o UKIP publicou há uns dias (ver Brexit D-05). O Sr. Farage volta a ser claro: «Jamais pedirei desculpa por dizer a verdade.» O Sr. Farage critca também o facto de terem sido usados dinheiros públicos na campanha do Bremain, como se o Bremain não tivesse dinheiro suficiente das doações da grandes multinacionais.


Preste-se ainda atenção ao que o Sr. Farage diz acerca de Portugal a partir 9m48s dos quando um jornalista português lhe dirige uma pergunta e o Sr. Farage lhe responde com uma dura verdade.

7 comentários:

FireHead disse...

O Bremain é capaz de ganhar, não sei porquê... Espero estar enganado.

Afonso de Portugal disse...

Tudo é possível. Vamos aguardar pelos resultados pacientemenete... ao menos hoje não joga Pretogal...

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
A-24 disse...

Caro Afonso, parece que (a esta hora) será mais uma derrota para os nacionalistas e mais uma vez vindo daquela ilha. Como se já não bastasse o Não à independência da Escócia ano passado, agora é o Remain à frente nas sondagens. A Nova Ordem tem realmente muito poder.
Mais uma batalha perdida, mas como diz o nosso amigo Farage, "perdemos uma batalha mas vamos ganhar a guerra". Assim espero.

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Afonso de Portugal disse...

Meu caros FireHead e A-24, as contas fazem-se sempre final, embora tenha sido de facto muito renhido! :) Um abraço a cada um!


Trolls anónimos, voltem para o buraco de onde saíram! E não, o tal comentário não era meu! Que a rameira Lá Lá Cardina e/ou o Brunácio Galináceo vos acompanhem!