domingo, 17 de janeiro de 2016

Damas e cavalheiros, eis o "homem" ocidental! (2)


   Os homens holandeses mostraram que ainda os têm no sítio! Decidiram fazer algo em relação aos ataques sexuais perpetrados pelos iminvasores muçulmanos! Não, não se ogranizaram em patrulhas para vigiar as ruas... não, não decidiram votar massivamente na "extrema-direita"... não, não ofereceram armas às sua mulheres...

...o que eles fizeram foi marchar em grupo, envergando mini-saias de várias cores em solidariedade para com as vítimas! Que visionários! Que progressistas! Que modernaços!!! Tenho a certeza que os homens muçulmanos ficaram envergonhadíssimos e nunca mais voltarão a violar uma mulher branca!!!!!


____________ 
Ver também: 

Damas e cavalheiros, eis o "homem" ocidental!
Robert Specner: o "homem moderno" e a defesa do Ocidente contra a jihad
Racialismo e masculinidade: uma reflexão
Maravilhas do Islão (XVIII): jovem dinamarquesa "enriquece" a sua própria mãe!
Sobre a adolescente "austríaca" que se juntou ao ISIS e acabou espancada até à morte...
Entretanto, na Alemanha... (2)
Paul Joseph Watson: «porque é que os homens têm medo do casamento?»
Insanidade feminista: "não deixar a sua mulher ter sexo com outros homens é sexista!"
De viquingues a maricões: a desgraça dos homens suecos continua (2)
O poder do Islão da verdadeira masculinidade: mãe australiana abandona os seus filhos de 2 e de 7 anos para lutar pelo ISIS seguir o seu macho!
Não é verdade para todas as mulheres, mas... A hipocrisia das feministas dos nossos tempos (4)
Professora da Universidade de Chicago defende a castração dos homens que "assediam" as mulheres
A hipocrisia das feministas dos nossos tempos (3)
Marxismo Cultural para Totós (3): a Insanidade Feminista
Feministas radicais "tugas" querem "inverter o ónus da prova"
"As Sereias" - Peça de teatro feminista, progressista e pós-modernista 

10 comentários:

João José Horta Nobre disse...

Isso é o Marxismo Cultural a avançar no seu pleno...

Afonso de Portugal disse...

Sem dúvida, mas atenção: ainda há muita boa gente, inclusivamente no meio nacionalista, que acha que o actual estado da masculinidade ocidental não é nada preocupante, é apenas "uma fase" ou "uma moda" e não tem nada a ver com aquilo que se está a passar um pouco por toda a Europa...

...é uma das característcas que mais me impressiona nalgumas pessoas que se dizem de "direita": preocupam-se muito com os mercados, com a dívida pública, com a manutenção da propriedade privada, com a subsídio-dependência, com o salário mínimo, com o excessivo peso da função pública e do estado social...

...mas depois esquecem-se completamente que não é em nenhuma dessas questões que a esquerda nos tem vencido. Tem sido sobretudo nas escolas, na televisão, na música, nos jornais e no cinema que se tem travado a batalha decisiva. E como é que nos tem vencido? Inculcando nos mais jovens valores e ideias que conduzem à simpatia pelo marxismo, à aversão aos valores tradicionais, à promiscuidade sexual, à aversão ao nacionalismo e à abertura à imigração.

A esquerda está a vencer porque a "direita", na sua miopia política e arrogância, nem sequer compareceu ao campo de batalha! Ao longo dos últimos cem anos, a "direita" permitiu que a esquerda se apoderasse de todas as formas de formatar as pessoas!!! E agora, reverter "a longa marcha" Gramsciana não vai ser nada fácil. Eu já não sei sequer se será possível...

João José Horta Nobre disse...

A promiscuidade sexual é uma coisa relativa. Na antiga Grécia também havia muito disso e não foi por isso que os antigos gregos caíram em desgraça.

Há uma coisa de que as pessoas se esquecem quando falam da "promiscuidade sexual", é que na Idade Média era comum as pessoas casarem-se com apenas 12, 13 ou 14 anos de idade. Isso sim, é que era promiscuidade sexual a sério.

A obsessão com os "valores tradicionais" e a "promiscuidade sexual" é uma coisa muito vitoriana, típica do século XIX e que de certa forma, vai contra o espírito de Liberdade que a Europa, especialmente a pagã, sempre teve.

Anónimo disse...

Bonitas figuras que eles fizeram.
As violações são apenas um fenómeno isolado, nada que se tivesse previsto atendendo às estatísticas que provêm da Suécia sobre esse fenómeno. Eu apoio o António Costa e quero gente vibrante que substitua o vibrador às portuguesas por homens a sério.

G, o cigano

Afonso de Portugal disse...

«A obsessão com os "valores tradicionais" e a "promiscuidade sexual" é uma coisa muito vitoriana, típica do século XIX e que de certa forma, vai contra o espírito de Liberdade que a Europa, especialmente a pagã, sempre teve.»

Não é bem assim... o caso do rei Henrique VIII de Inglaterra é um exemplo paradigmático de como a instituição do casamento era tão sagrada que até foi preciso romper com a Igreja Católica para que o rei pudesse ter a variedade sexual que desejava.

Regra geral, um casal estável produz filhos mais escorreitos do ponto de vista emocional e, consequentemente, mais capazes do ponto de vista intelectual. Aliás, a estabilidade familiar sempre foi, a par da valorização da maternidade, uma das grandes forças dinamizadoras da superior Civilização Ocidental. A promiscuidade generalizada conduz à generalização da infidelidade, relativiza o amor e compromete a longevidade dos casamentos. Há estatísticas nos EUA que sugerem que quanto mais parceiros sexuais um indivíduo tiver ao longo da sua vida adulta, maior será a probabilidade de não conseguir manter um casamento. Até vou ver se recupero esses números para fazer um postal.

Não é por acaso que as famílias "modernaças" e "progressistas" tendem a ter poucos filhos. Os filhos são o prolongamento natural de um casamento saudável. Quando o casamento não é encarado como uma coisa séria -e essa é a grande consequência da promiscuidade sexual-, os filhos apenas aparecem esporadicamente, quando não por acidente. E, ainda por cima, esses poucos filhos tendem a ser comodistas efeminados que absorvem facilmente o estilo de vida cosmopolita e aderem ao ideal do mundo sem fronteiras sem pensar nas consequências que isso acarreta para toda a sociedade. Como não cresceram no seio de uma verdadeira família, não valorizam a verdadeira família.

Quanto ao Paganismo, peço ao caro Professor que não me leve a mal, mas apenas nutro por ele uma simpatia histórica. Se o Cristianismo peca pela imposição da culpa e do amor ao inimigo, o Paganismo peca pelo antropomorfismo exagerado dos seus deuses, cujos defeitos individuais representam demasiadas vezes a falta de carácter dos seres humanos que os engendraram.

Afonso de Portugal disse...

G, o cigano disse...
«Eu apoio o António Costa e quero gente vibrante que substitua o vibrador às portuguesas por homens a sério.»

Ahahahah!... Agora que já nem sequer lhes podemos mandar uns piropos, o melhor é mesmo trazerem os violad... eer... enriquecedores para entreter as moças!

João José Horta Nobre disse...

"Regra geral, um casal estável produz filhos mais escorreitos do ponto de vista emocional e, consequentemente, mais capazes do ponto de vista intelectual."

Sim, sim, eu em nome do bem das crianças e da sociedade em geral também digo isso. A família deve ser defendida, nunca disse o contrário.

Anónimo disse...

eu nada tenho contra o marxismo na sua vertente economica. em certa medida concordo com alguns pontos de vista do marxismo, e na sua adaptação à social-democracia e ao socialismo. mas... adaptando o marxismo ha vida social, cultural, e todas as restantes dimensões, sou completamente e tenho nojo em que se transformou a sociedade europeia e ocidental no seu todo.
monhe costa

FireHead disse...

Parece que esses "gajos" estão antes a endereçar um convite aos violadores, talvez por inveja das mulheres...

Afonso de Portugal disse...

LOL!... Tens de ver que eles são muito civilizados e estão muito à frente do seu tempo! Pessoas como eu e tu é que anda estão muito atrasadas! No futuro, toda a gente será bissexual! Quem não o quiser ser, vai ter de tomar umas pílulas especiais...

...a não ser, é claro, que seja muçulmano. Nesse caso poderá ser tão heterossexual e homofóbico quanto bem enteder!