quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Traição total: quase 100 autarquias "tugas" querem acolher os "refugiados"!


«Quase uma centena de autarquias já se disponibilizou para receber refugiados, mas afirmam esperar indicações do Governo e do Conselho Português para os Refugiados, enquanto grupos de cidadãos e instituições civis se desdobram em iniciativas.

O Conselho Metropolitano de Lisboa, por exemplo, questionou o Governo sobre o que se espera da Área Metropolitana no processo de acolhimento e integração de refugiados.

A norte, muitas autarquias e entidades do terceiro setor contactadas pela Lusa afirmam esperar serem contactadas pelos responsáveis para traduzirem em atos as promessas de colaboração que já divulgaram.

A Câmara de Paredes ofereceu-se para angariar, nas empresas do concelho, mobiliário para os alojamentos de refugiados.

A Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade espera recolher até ao final do mês a disponibilidade de todas as Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS).

"Refugiados": em breve também num local perto de si!

«Para integrar e coordenar as respostas públicas da sociedade civil, o Grupo de Trabalho dos Refugiados está a realizar reuniões com a Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) e a Plataforma de Apoio aos Refugiados (PAR), que inclui várias organizações civis e religiosas, entre as quais a Comunidade Islâmica de Lisboa.

A Cáritas vai canalizar para os refugiados parte da verba da campanha de Natal e a União das Misericórdias Portuguesas (UMP) fez saber que estas instituições estão em condições de acolher "grande parte" dos refugiados que cheguem a Portugal.

A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa vai ajudar na coordenação da resposta na capital, a do Porto também anunciou estar disponível, a de Bragança tem capacidade para acolher "entre 10 a 12" refugiados e a de Évora pode receber "algumas dezenas".

A delegação de Vila Viçosa da Cruz Vermelha Portuguesa (Évora) está disponível para acolher oito refugiados na sua casa abrigo.

A Conferência Episcopal Portuguesa disse estar disponível para colaborar numa resposta integrada, o Santuário de Fátima está disponível para receber refugiados e a Comunidade Islâmica em Portugal vai receber 250 refugiados num terreno em Palmela.

A Diocese de Portalegre e Castelo Branco enviou uma nota a todas as paróquias a solicitar o seu empenho para a disponibilização de casas paroquiais disponíveis e a Diocese de Bragança-Miranda tem alojamento para duas ou mais famílias de refugiados.

Uma iniciativa que surgiu nas redes sociais, a Caravana Aylan Kurdi, parte, este sábado, em direção à fronteira da Croácia com a Sérvia, com dois camiões TIR com 50 toneladas de bens para doar a refugiados que precisem.

Também a Ordem dos Médicos se disponibilizou para receber refugiados em Lisboa e a associação Renovar a Mouraria espera hoje angariar dinheiro com uma visita guiada a este bairro lisboeta "com 51 nacionalidades presentes".

A Universidade Europeia, em Lisboa, vai receber cinco estudantes sírios que frequentarão nos próximos três anos licenciaturas de gestão e turismo.

Também estão disponíveis para receberem estudantes refugiados a Universidade de Coimbra, o Instituto Politécnico de Castelo Branco (15 a 20 estudantes) e o Instituto Politécnico de Leiria.

Já o Instituto Politécnico de Santarém está a preparar um conjunto de cursos que permitam a integração de refugiados, entre os quais o de Língua e Cultura Portuguesa.

Alguns cidadãos disponibilizaram-se para emprestar temporariamente casas desocupadas, em Nelas (Viseu), Redondo (Évora), Cadaval e Alenquer (Lisboa).

Com receitas destinadas ao apoio a refugiados, a Companhia Chapitô e o Teatro da Trindade Inatel vão apresentar o espetáculo "Édipo" na próxima quinta-feira, em Lisboa, e o teatro municipal São Luiz organiza o concerto "Lisboa Acolhe", a 28 de setembro, com a participação de vários artistas como Camané, Carlão, Jorge Palma, Rita Redshoes, Sara Tavares e Sérgio Godinho.

O Marítimo, da I Liga portuguesa de futebol, tem disponibilidade para receber cinco crianças e o F. C. Porto doou um euro por cada bilhete no jogo com o Chelsea, da Liga dos Campeões de futebol, uma iniciativa seguida pelos clubes de futebol participantes nas competições europeias em 2015/16.

Ainda sem medidas concretas, o Governo Regional da Madeira declarou que vai "acompanhar o esforço de acolhimento" de refugiados, e, nos Açores, o Governo Regional convidou entidades públicas e particulares para um encontro, na segunda-feira, de preparação do processo de acolhimento.»
  
Comentário do blogueiro: recapitulando, temos organizações políticas, autarquias, universidades e institutos politécnicos, a ordem dos médicos, instituições religiosas (católicas), governos regionais, clubes de futebol, cidadãos particulares, companhias de teatro e artistas do mundo do espectáculo, todos unidos para consumar a substituição étnica do povo português!

Onde estiveram todas estas entidades ao longo dos anos em relação aos portugueses? Porque é que nenhuma se prontificou a ajudar os sem-abrigo portugueses, ou os portugueses que ficaram desempregados na sequência da crise da dívida soberana, ou os portugueses a quem o banco ficou com a casa?

Lembrem-se bem de todas as colectividades e individualidades que eu realcei a cor-de-laranja no texto da notícia, caros leitores. Cabe a nós, cidadãos, dar-lhes o devido troco, boicotando-os.

10 comentários:

Anónimo disse...

É absolutamente revoltante tanta "solidariedade" com os "refugiados" e tão pouca com os portugueses, mas esta é uma "solidariedade" hipócrita na maior parte dos casos, havendo um interesse em ganhar dinheiro com os "refugiados", já que como é sabido, vai haver verbas atribuídas pela UE/Comissão Europeia, às quais muita gente vai tentar deitar a mão gastando o mínimo possível com os "refugiados" para assim poder ficar com o restante que não fôr gasto!
Há muita gente e muitas instituições com demasiada sede de protagonismo, e que usam a questão do acolhimento de "refugiados" mais para aparecer, para ficarem bem na "fotografia", ou seja, querem associar-se ao acolhimento dos "refugiados" mais para seu benefício próprio do que propriamente por genuína preocupação e solidariedade com os "refugiados"!
De qualquer forma, dessa lista de ajudas disponibilizada, li hoje que por exemplo, o terreno de Palmela não vai poder ser utilizado para acolher "refugiados" e outras ajudas provavelmente foram disponibilizadas e divulgadas apenas para terem atenção mediática, um pouco ao estilo de treinadores de bancada que dizem o que querem, até os maiores disparates, mas sabem no fundo que nunca vão ser poder entrar em campo ou em acção!

Afonso de Portugal disse...

Peço à pessoa que deixou o comentário anterior o favor de o assinar. Obrigado.

Anónimo disse...

Desculpa, nem tinha reparado que não tinha assinado!

Bruno

Afonso de Portugal disse...

Não há problema, eu desconfiava que tinhas sido tu e percebi que tinha sido um lapso. Quis apenas confirmar. Obrigado pela resposta rápida!

Bruno Dias disse...

Li na capa de uma jornal qualquer no domingo que a vinda dos "refugiados" era boa porque iria equilibrar as contas da segurança social, e falavam em números astronómicos (acho que 150 000), mas é pena não me lembrar qual jornal foi.

pvnam disse...

Não stresses... toda a ente sabe que nazis é coisa que há por aí aos montes.
NOTA: Nazismo não é o ser 'alto e louro', bla bla bla,... mas sim... a busca de pretextos com o objectivo de negar o Direito à Sobrevivência de outros.
.
Os 'globalization-lovers' que fiquem na sua... desde que respeitem os Direitos dos outros... e vice-versa!
Existem 'globalization-lovers'... e existem 'globalization-lovers' nazis (estes buscam pretextos para negar o Direito à Sobrevivência das Identidades Autóctones).
.
.
P.S.
Pelo Direito à Sobrevivência:
-> http://separatismo--50--50.blogspot.com/
(antes que seja tarde demais)

Anónimo disse...

Hoje já vem num jornal que são 144 autarquias interessadas nisto, a continuar assim daqui a uns tempos são todas as autarquias interessadas, numa espécie de "7 cães a um osso", sendo os cães todos aqueles que se disponibilizam para acolher os "refugiados" e o osso, os milhões que vão ser disponibilizados para esse acolhimento, que torna esta questão num negócio muito apetecível.....ou então, isto são apenas números que saem cá para fora sem correspondência com a realidade, o que não me surpreenderia minimamente dada a manipulação gigantesca que tem havido com esta questão dos "refugiados" para que haja uma maioria de pessoas a favor desse acolhimento!

Bruno

Afonso de Portugal disse...

Bruno Dias disse...
«Li na capa de uma jornal qualquer no domingo que a vinda dos "refugiados" era boa porque iria equilibrar as contas da segurança social»

Ah, os mé(r)dia, sempre com a sua lavagem cerebral incessante... e no entanto, a Senhora Realidade desmente-os categoricamente:

http://totalitarismouniversalista.blogspot.pt/2015/09/estatisticas-sobre-integracao-dos.html


pvnam disse...
«Não stresses... toda a ente sabe que nazis é coisa que há por aí aos montes.»

Estes tipos não são "nazis", são traidores, capitalistas selvagens! Os nazis, com todos os seus defeitos, não traíam o seu povo a troco de dinheiro. Até nisso se vê o desprezível que é esta escumalha!


Bruno disse...
«(...) que torna esta questão num negócio muito apetecível.....ou então, isto são apenas números que saem cá para fora»

Parece-me que é um misto das duas coisas, infelizmente...

Kruzes Kanhoto disse...

A maior parte dos que anunciam que vão "ajudar" os refugiados na realidade só querem é aparecer. É capaz de ter piada, daqui por uns anos, vê-los fugir à frente daqueles a quem agora dão as boas-vindas...

Afonso de Portugal disse...

Kruzes Kanhoto disse...
«É capaz de ter piada, daqui por uns anos, vê-los fugir à frente daqueles a quem agora dão as boas-vindas...»

Se não fosse pelo resto dos portugueses, eu até pagava para ver! Mas como sempre nestas coisas, os justos vão pagar pelos pecadores e o mais provável é que os invasores destruam a vida de alguém inocente antes de destruírem a vida de um desses traidores.

O povo que trabalha tem que andar na rua e expor-se aos perigos... já a elite que fomenta esta aberração vive dentro de uma redoma invisível, longe dos bairros, dos transportes públicos e dos locais de trablho onde se encontra o "povinho malformado". Ou como dizem os brasileiros: "pimenta no cú dos outros é refresco!"