terça-feira, 29 de setembro de 2015

Querem mesmo chorar por criancinhas? Então chorem pelas nossas, seus hipócritas!


Via Adrian Azzopardi (Google+)

Apresento-vos o Zolika, de 8 anos. O Zolika é um menino sérvio que vive Horgoš, uma localidade da Sérvia próxima da fronteira com a Hungria.


Desde há algumas semanas, o Zolika e a sua avó adoptaram uma nova rotina. Todos os dias, depois de o Zolika sair da escola, vão os dois juntos recolher as roupas e a comida deixada para trás pelos "refugiados", os tais coitadinhos que são maioritariamente homens em idade militar e que, supostamente, "fogem à guerra".

A ajuda "humanitária" da UE aos imigrantes não chega à família do Zolika. E nem o Guterres, nem o Papa Chico, nem a Federica Mogherini, nem a Angela Mer(d)kel, nem as ONGs da caridadezinha universalista pedem o que quer que seja aos governos europeus para dar ao Zolika e à sua família.

Ele é apenas mais um entre milhões de meninos europeus deixados à sua sorte...

...Se queremos evitar que os nossos recursos deixem de ir para os refujiadistas parasíticos e vão antes para os meninos europeus como o Zolika, então só nos resta mesmo optar pelo Nacionalismo. Porque só mesmo Nacionalismo dá prioridade ao nativo sobre o alógeno!

12 comentários:

Lura do Grilo disse...

Muito bem! A hipocrisia saiu à rua.

Afonso de Portugal disse...

É... de repente descobrimos que há uns quantos portugueses que são umas almas "caridosas"!

Mas só descobriram este seu "coração mole" recentemente, esteve adormecido durante anos, apesar de haver milhares de crianças portuguesas a passar fome!

...Vá-se lá entender esta caridadezinha selectiva!

Bruno Dias disse...

"de repente descobrimos que há uns quantos portugueses que são umas almas "caridosas"!" Como aquele grupo que eu ouvi falar que iam pessoalmente buscar "refugiados" de avião.

Afonso de Portugal disse...

Grupo de portugueses? Eu já tinha ouvido falar em alemães que alugaram autocarros para ir buscar os "coitadinhos" à Hungria... mas haver portugueses a fazer o mesmo de avião é pura e simplesmente estupidificante!!!

Anónimo disse...

É mesmo estupidificante, hipócrita, gente sem valores nem princípios, almas "caridosas" como tu dizes, que aproveita esta questão dos "refugiados" para "cavalgar a onda", e assim ter protagonismo mediático com o sua suposta solidariedade e humanismo, sabendo como todos sabem, que podem ganhar muito dinheiro com isso, mas sabendo também que estando esta iniciativa destinada ao fracasso por questões legais, de segurança, etc, o "mérito" da iniciativa fica registado para a posteridade tal como a exposição mediática conseguida!

Bruno

Afonso de Portugal disse...

«o "mérito" da iniciativa fica registado para a posteridade tal como a exposição mediática conseguida!»

Era giro sabermos exactamente onde vão ser "acolhidos" os "refugiados" que vierem para Portugal agora em Outubro. E depois verificar o que lhes aconteceu daqui a 1 ou 2 anos.

Lembras-te dos brasileiros de Vila de Rei?

http://www.dn.pt/inicio/interior.aspx?content_id=648581

Anónimo disse...

Seria giro de facto sabermos isso, mas seria ainda mais giro que eles não fossem acolhidos cá por todas as razões e mais algumas, independentemente do que lhes aconteça daqui a 1 ou 2 anos!Quanto à questão dos brasileiros de Vila de Rei, eu ouvi falar disso há uns anos atrás, sei que lhes foram dados incentivos pela Câmara local, para que se fixassem e pudessem ter filhos lá, à semelhança do que fazem outras Câmaras de concelhos do interior que infelizmente, estão na sua esmagadora maioria muito desertificados e envelhecidos por força da migração interna para os concelhos do litoral e também pela elevada emigração!Não me surpreende que não tenha dado resultado no caso de Vila do Rei, mas sei que há alguns concelhos do interior onde iniciativas semelhantes (mas com portugueses) até têm produzido pontualmente bons resultados ao nível da natalidade, só que este problema da desertificação e envelhecimento do interior do país, é de tal forma grave e complexo, que apenas pode ser combatido e minorado a médio/longo prazo com medidas e estímulos a nível nacional (por parte do governo) em várias dimensões (legal, fiscal, laboral, etc) complementadas por iniciativas a nível local e regional, o que é preciso é haver uma conjugação de vontades muito forte nesse sentido!Ainda relativamente à questão dos brasileiros de Vila de Rei, acho que faria todo o sentido criar incentivos fortes para que os luso-descendentes (comprovados) em qualquer parte do mundo se pudessem fixar nestes concelhos do interior para que assim pudessem conhecer e contribuir para o desenvolvimento do país dos seus antepassados, algo que naturalmente seria complementar ao regresso, desejavelmente, o mais rápido possível, de muitos emigrantes portugueses dos anos mais recentes, o que não será nada fáci de conseguir, mas pelo menos é preciso tentar, pois é o futuro e a sobrevivência do país que estão em causa.....

Bruno

Afonso de Portugal disse...

«(...)mas sei que há alguns concelhos do interior onde iniciativas semelhantes (mas com portugueses) até têm produzido pontualmente bons resultados ao nível da natalidade»

Só se estiveres a falar dos ciganos. E nesse caso, estamos a falar de substituição demográfica. Sei de várias aldeias na Beira Alta e em Trás-os-Montes onde a população cigana é significativa. Há até uma aldeia no concelho de Vinhais onde os ciganos já são a maioria.


«faria todo o sentido criar incentivos fortes para que os luso-descendentes (comprovados) em qualquer parte do mundo se pudessem fixar nestes concelhos do interior»

Concordo. A questão mais crítica é a do emprego. Sem emprego, é impossível fixar população. O que nos leva sempre à questão da Produção Nacional. Um país que não tem indústria não pode oferecer emprego à sua população. É por isso que desmantelamento da nossa Produção Nacional foi talvez o maior crime da corja abrilina que nos tem desgovernado desde a revolução dos cravos.


«(...) é preciso tentar, pois é o futuro e a sobrevivência do país que estão em causa»

O poblema é que os politicos do Arco da Tragédia (PS/PSD/CDS/CDU/BE) não querem o regresso dos portugueses. Eles preferem substituir-nos por populações do terceiro-mundo. Só mesmo os Nacionalistas é que têm a renovação demográfica como bandeira política. Os outros dizem que têm, mas o que realmente têm na sua agenda é a nossa substituição demográfica.

Titan disse...

É preciso haver investimento económico no interior do país, e fica tudo resolvido.

Afonso de Portugal disse...

Sim, mas investimento em quê, camarada? Não podemos simplesmente dar o dinheiro às pessoas! Isso seria um erro, porque a maioria dos autarcas e dirigentes locais portugueses é tão corrupta quanto o governo central!

O investimento tem que ser canalizado para a Produção Nacional. É a única forma de se fazer alguma coisa. Temos de criar indústria no interior português, adaptada à realidade do interior português. E responsabilizar as pessoas encarregadas de gerir o dinheiro.

E isto não é tão fácil como parece... excluindo o PNR e o PDR de Marinho Pinto, mais nenhum partido político português tem na agenda a criminalização da gestão danosa.

É por isso que temos mesmo de apostar no Nacionalismo, mais ninguém quer saber!

João José Horta Nobre disse...

Obrigado pela divulgação da história do pequeno Zolika. Aproveitei para fazer um pequeno escrito:

http://historiamaximus.blogspot.pt/2015/10/quem-se-lembra-do-pequeno-zolika.html

Afonso de Portugal disse...

Não tem nada que agradecer, caríssimo! É precisamente para isso que este blogue existe, para divulgar o que os grandes mé(r)dia querem esconder!

Abraço!