terça-feira, 22 de setembro de 2015

Mais um prova inequívoca da desonestidade do Al-Público


O "jornal" de referência dos pseudo-intelectuais "tugas", o repugnante Al-Público, voltou hoje a demonstrar que não passa de um mero panfleto propagandístico da superclasse universalista.

No dia 7 deste mês, eu publiquei este postal, no qual denunciei que a UE iria obrigar Portugal a acolher 4775 "refugiados". No entanto, o Al-Público foi dizendo ao longo das últimas semanas que o número de refugiados a acolher se ficaria pelos 3 mil, quando todos sabíamos que era mentira.

Já hoje, o Al-Público noticia finalmente que Portugal vai acolher até 4500 refugiados que estão em Itália e na Grécia. Mas a ministra da administração interna disse claramente: "o país receberá cerca de três mil pessoas em relação aos 120 mil refugiados e no total "cerca de 4500/5000".

Portanto, houve duas tentativas claras por Al-Público de tornar os números mais pequenos. Repare-se:
  1. O Al-Público não noticiou, ao contrário do que eu fiz, que havia uma proposta da CE para acolher 160 mil "refugiados", o que implicava que Portugal teria de aceitar 4775 invasores.
  2. Mesmo agora, que finalmente reconhece que o número de "refugiados" é superior, o Al-Público continua a nivelá-lo por baixo, mencionando apenas 4500 quando o número real poderá chegar aos 5 mil.
Isto pode parecer apenas uma questão de pormenor, mas não é. Ao adiar a divulgação dos números verdadeiros durantes alguns dias, o Al-Público dá tempo à opinião pública de os digerir, acabando por minimizar o seu impacto. É esse o objectivo do Al-público e parece-me que, infelizmente, foi logrado.

O logotipo que o Al-Público teria se o seu staff fosse intelectualmente honesto.

3 comentários:

João José Horta Nobre disse...

O Al-Público: Um jornal de merda, dirigido por gente de merda.

Afonso de Portugal disse...

Mas supostamente lido pela elite intelectual portuguesa! A ser verdade, não admira que o país esteja como está!

João José Horta Nobre disse...

Ora, pois, está na merda!