segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Enquanto os portugueses têm de fazer sacrifícios, os "refugiados" têm tudo de borla!


Esta interessantíssima notícia, aqui trazida pelo camarada Bruno Dias (obrigado!), já tem alguns dias. No entanto, ela é de uma pertinência extrema, razão pela qual decidi publicá-la:

«O apartamento está preparado para acolher a família síria composta por um homem de 33 anos, uma mulher de 25 e três crianças de 1, 2 e 3 anos. O berço do bebé, com brinquedos, já está no quarto do casal. A sala, decorada em tons de vermelho e preto, tem no centro uma mesa com três DVD do Noddy. Das cores à altura da mesa - baixa, para que possam fazer ali refeições -, tudo foi pensado para que se sintam bem naquela que vai ser a sua morada durante dez meses. O T3 fica no empreendimento da Camela, em Penela, que vai alojar ao todo quatro famílias de refugiados de guerra: três sírias e uma sudanesa.

"Sala decorada", "berço de bebé", "DVD do Noddy"... quantos portugueses é que se matam a trabalhar e não conseguem ter nada isto?

Esta sala de estar é maior do que a minha... e desconfio que é maior 
do que a maioria das salas de estar dos portugueses!

«São 20 pessoas, 12 delas crianças, que a Fundação ADFP - Assistência, Desenvolvimento e Formação Profissional, de Miranda do Corvo, espera receber no próximo dia 11, vindas do Egipto. Entre os adultos, maioritariamente jovens, há até casais de licenciados. "Estas famílias vão estrear o empreendimento", diz o psicólogo Hugo Vaz, um dos elementos da equipa técnica multidisciplinar da ADFP que as vai apoiar, ao abrir a porta da casa.»

Ou seja, numa altura em que muitos portugueses ficaram sem casa por não conseguirem pagar a sua prestação ao banco, estes "refugiados" têm casa nova de graça!

«O psicólogo fala de um "modelo mais humanizado", que passa pelo acolhimento em casas e visa a criação de laços com a comunidade local. Neste caso, uma vila no interior do distrito de Coimbra. "Queremos que eles rapidamente se integrem". A prioridade será vencer "a grande barreira que é a comunicação", explica. A equipa inclui uma tradutora tunisina que vai residir naquele empreendimento também, e haverá aulas de Português. Garantida uma boa adaptação, será tempo de avançar para o campo do emprego.»

Ou seja, numa altura em que muitos portugueses estão desempregados e outros tantos emigraram, estes "refugiados" têm prioridade nas ofertas de emprego!
«A ADFP é a entidade responsável pelo programa, que envolve a Câmara de Penela e o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras. Financiado em 75% por fundos europeus e no restante pelo Estado português, estava há mais dum ano a ser preparado. E qual é o sentimento, perto da concretização? "Por um lado, felicidade, porque vamos ter oportunidade de ajudar; por outro, muito sentido de responsabilidade, porque temos nas mãos o projecto de vida de pessoas extremamente debilitadas", responde Hugo Vaz.»

Ou seja, apesar de haver muitos portugueses que não conseguem fazer refeições adequadas por não terem dinheiro suficiente, os nossos impostos são usados para financiar casas novas para os iminvasores!

«Trata-se de "cidadãos que têm com certeza sofrido muito", e o papel da Câmara de Penela é "criar condições para que se sintam em casa", refere o vice-presidente, Emídio Domingues, adiantando que já houve uma reunião com responsáveis de entidades locais (Agrupamento de Escolas, Centro de Saúde, GNR e outros) para preparar a integração e está prevista outra em breve. Também foi criado um panfleto informativo destinado à população e até "os párocos fizeram essa divulgação nas homilias".»

Ou seja, os padrecos traidores continuam a fazer o seu papel de incentivo à "integração" dos iminvasores!

«Na Padaria Doce Penela, Salomé Branco conta que o director da escola já informou os alunos e todos "reagiram bem". A gerente do Bar Clube Penelense, Gilda Simões, também não vê inconvenientes. Nem Isabel Meireles, do bazar com o mesmo apelido: "Acho bem. Eles precisam de ajuda, são pessoas. Se nos acontecesse, não íamos gostar que alguém nos acolhesse?".»

Tirar o pão da boca dos portugueses para o dar a estes estrangeiros é, no mínimo dos mínimos, um acto de traição profundamente revoltante. E se houver justiça neste mundo, há-de ser pago bem caro!

9 comentários:

A-24 disse...

Realmente este assunto tem tomado de tal maneira as notícias que já é dificil falar noutra coisa, no entanto comecei a expor as minhas opiniões nas caixas de comentários do facebook usando a minha conta real e as reacções não se fizeram esperar.
A maioria a favor da minha e sua opinião, e alguns contra, usando argumentos bastante baixos, mas quando reparei na quantidade de likes, que representam os que ao menos leram o que escrevi, fora os que lêem e não dão likes, reparei que realmente aquilo ali é o grande auditório, onde mais facilmente se consegue dar visibilidade ás nossas opiniões, ao contrário do blogger que é um espaço muito trabalhoso e não tem expressão quase nenhuma na internet.
Para ter uma ideia disto, reparo que a maioria dos blogues onde comento, são quase sempre as mesmas pessoas, ou seja, o blogger transformou-se num espaço privado para amigos e também para inimigos, e tendo em conta a facilidade com que a informação gira no facebook, acho que até eu começarei a atacar mais por lá do que aqui, porque nesta plataforma é um esforço inglório e que não chega ao grande auditório populacional.

Fora isso e tendo em conta o que tenho lido nas caixas de comentários do facebook, são cada vez os portugueses contra a vinda de refugiados a magote para cá, e estou particularmente surpreendido com os comentários das mulheres, pois já estão a abrir a pestana e sabem que um dia que a invasão seja incontrolável serão elas as primeiras vítimas.

Afonso de Portugal disse...

«(...) A maioria a favor da minha e sua opinião»

Sim, eu também tenho reparado, apesar de não ter conta de Facebook... e confesso que estou surpreendido pela positiva!


«(...) e alguns contra, usando argumentos bastante baixos»

Tanto quanto eu me tenho apercebido, a maioria dos "argumentos" contra resumem-se a: "Tenham vergonha!", "Seus xenófobos/racistas!", "Deviam era ir para a Síria no lugar deles!", "Eles fogem da guerra!" (ignorando que a esmagadora maioria são meros imigrantes económicos), "Vocês são egoístas!"... e claro, o já tristemente mítico "Temos de os acolher porque somos um país de imigrantes!"


«(...) reparei que realmente aquilo ali é o grande auditório, onde mais facilmente se consegue dar visibilidade ás nossas opiniões, ao contrário do blogger que é um espaço muito trabalhoso e não tem expressão quase nenhuma na internet.»

Eu já estava quase convencido ao constatar a diferença no número de visualizações entre as minhas contas do blogger e do Google+ (quase 6 vezes mais do Google+, em apenas 1/8 do tempo!)... mas o Facebook é realmente de outra liga, de outra galáxia até quando comparado com o blogger.

Conseguem-se facilmente dezenas de comentários num dia, até mesmo centenas quando o tema em discussão é mesmo "quente"! Tenho pensado nisso muitas vezes ao longo das últimas semanas, desde que comecei a actualizar regularmente a minha conta do Google+, em Maio, e o número de visualizações "explodiu"! Foi aí que eu me apercebi que o blogger é como uma daquelas cidades-fantasma dos Western americanos, teve a sua era no início do século, mas foi ficando vazio à medida que as grandes redes sociais (Facebook, Twitter, Reddit, etc.) foram aparecendo e o povo abandonou a cidade.

Quanto a mim, o maior problema do blogger é que dá muito trabalho a actualizar e o sistema de edição dos textos é extremamente irritante, com problemas de formatação recorrentes que nos fazem perder muito tempo. É raro o dia em que não haja pelo menos um postal em que eu não tenha de ir ao editor html alterar manualmente as tags porque há sempre um espaço entre linhas que faltou, ou um parágrafo que não ficou bem justificado, ou uma cor que ficou trocada, ou uma imagem cuja legenda aparece mal colocada, ou uma hiperligação que não funciona... enfim, uma seca!


« (...) estou particularmente surpreendido com os comentários das mulheres, pois já estão a abrir a pestana e sabem que um dia que a invasão seja incontrolável serão elas as primeiras vítimas.»

Essa é outra das razões pelas quais eu prefiro centrar-me no Islão e menos nas conspirações sionistas preferidas por alguns nacionalistas (ou melhor, nazionaliztaz). As mulheres tendem a ser mais românticas e até ingénuas no que toca à imigração em geral... mas no que respeita ao Islão, elas estão a abrir a pestana. E mais: o Islão consegue até reconverter algumas feministas menos fanáticas, ao constatarem que as suas "camaradas", sempre tão dispostas a criticar o "patriarcado opressor do homem branco", nem sequer piam quando toca aos violadores muçulmanos…

A-24 disse...

"Eu já estava quase convencido ao constatar a diferença no número de visualizações entre as minhas contas do blogger e do Google+ (quase 6 vezes mais do Google+, em apenas 1/8 do tempo!)."

Acho que é propositado o facto do Google estar a dar previlégio ao Google+ em vez do blogger porque é para isso que a rede social do google existe. Também dizem em tom de brincadeira "que é a rede social dos anti-sociais".

Outra coisa que tenho verificado é o enxame esquerdista em peso no facebook, prontos a atacar qq comentário que fuja ao politicamente correcto e sempre contra os nacionalistas e na sua eficácia face aos leigos que vão lendo os comentários, e é aqui que julgo que os nacionalistas falham tremendamente. A maioria deles ou não participa activamente na internet porque 1) Não percebe a sua importãncia 2) Não sabe usar as ferramentas 3) Acha que não vale a pena e prefere continuar em silêncio, já os esquerdistas estão lá todos e assim evitam perder tempo em ferramentas trabalhosas que só têm visibilidade para meia-duzia.

Acho que o blogger só poderia servir de suporte a quem por exemplo crie uma página no facebook e linke posts do blogger ali. De outra maneira é uma perda de tempo e paciência.

Tenho visto sim muitos nacionalistas "escondidos" no blogger, a falarem para meia-duzia e isso é contra-producente e até contra mim falo. É chegado o momento dos nacionalistas se apoderarem do facebook, que mesmo não permitindo (julgo eu) saber quantas paginas ou posts são consultados num dia, tem um raio de propagação imbatível. Não fazer daquilo o reinado dos esquerdalhos. Seja em comentários ou criando páginas para serem partilhadas pelos demais há muito por onde explorar. Estamos a menosprezar as grandes redes em deterimento das que não causam comichão a ninguém.
Criarei uma em breve, com notícias e comentários e enviarei atempadamente o link para ti.

Afonso de Portugal disse...

« (...) é aqui que julgo que os nacionalistas falham tremendamente. A maioria deles ou não participa activamente na internet porque 1) Não percebe a sua importãncia 2) Não sabe usar as ferramentas 3) Acha que não vale a pena e prefere continuar em silêncio, já os esquerdistas estão lá todos e assim evitam perder tempo em ferramentas trabalhosas que só têm visibilidade para meia-duzia.»

Em cheio! Sobretudo o ponto número 1 (não percebe a sua importância). É um problema cultural transversal a toda a direita portuguesa, mas particularmente grave no caso dos Nacionalistas. Temos demasiados autistas nas nossas fileiras, gente que é incapaz de compreender a realidade mais óbvia: sem falar com as pessoas, é impossível convencê-las a aderir a uma causa.

Os esquerdistas aprendem desde cedo que a propaganda é tudo. É um dos frutos do ensino e aplicação da Teoria Crítica nas jotas comunistas e socialistas. Eles interiorizam logo aos vinte e poucos anos que a mensagem tem de chegar a muitos, tantos quanto possível. Quando não há forma de a fazer chegar a muitos, mais vale não divulgar a mensagem e concentrar os esforços em descobrir como aumentar a audiência. Esta é a chave do seu sucesso, a par do controlo do sistema (des)educativo e dos mé(r)dia.

A maior parte das pessoas da direita não compreende isto. Acham que o simples facto de divulgarem a sua mensagem política é suficiente, mesmo que seja apenas a meia-dúzia de autistas como eles. Acreditam que, pelo facto de a mensagem ser "a verdade", as pessoas acabarão por aderir. E depois claro, é a miséria que se vê! Como nunca recebem nenhum feedback, a sua capacidade de argumentação é muito fraca, revelam uma impreparação crónica em certas área-chave, como as finanças e a economia e, sobretudo, não sabem apelar às emoções das pessoas.

Como o povo costuma dizer, "longe da vista, longe do coração". Ainda há demasiados Nacionalistas que não percebem esta realidade.


«Acho que o blogger só poderia servir de suporte a quem por exemplo crie uma página no facebook e linke posts do blogger ali. De outra maneira é uma perda de tempo e paciência.»

Eu estou cada vez mais convencido disso! É isso que eu tenho tentado fazer em relação ao Google+. O blogger tem a vantagem de permitir armazenar textos longos, que podem ser localizados com relativa facilidade. Mas esta é mesmo a sua única grande vantagem em relação às outras redes sociais.


«Tenho visto sim muitos nacionalistas "escondidos" no blogger, a falarem para meia-duzia e isso é contra-producente e até contra mim falo.»

O problema é que não tens visto muitos, meu caro... tens visto quase todos! Os dois maiores blogues da área nacionalista são o Gladius e o Blogue do FireHead. O Gladius tem uma média de 300 visualizações/dia, quando o seu autor actualiza o blogue regularmente. O Blogue do FireHead tem bastante mais (700/dia), mas é um blogue demasiado moderado nalgumas questões, sobretudo na questão étnica/racialista. A sua audiência deve-se em grande parte, aos postais sobre futebol e noticias cor-de-rosa.

Excluindo esse dois, é a razia total. O TU, por exemplo, mal passa das 200 visualizações por dia. E se eu deixar de o actualizar durante um fim-de-semana, na segunda-feira seguinte a audiência cai para metade, levando o resto da semana para recuperar!

Afonso de Portugal disse...

«Estamos a menosprezar as grandes redes em deterimento das que não causam comichão a ninguém.«

Tens toda a razão. Eu não gosto nada do Fuçaslivro, mas estou cada vez mais tentado a "dar o salto".


«Criarei uma em breve, com notícias e comentários e enviarei atempadamente o link para ti.»

Excelente! Fico à espera!

A-24 disse...

É verdade sim tudo o que dizes sobre a diferença entre os esquerdistas e os nacionalistas no que respeita às novas tecnologias, com a agravante de que os esquerdistas sempre dominaram a maior parte dos meios de comunicação social, e ainda dominam nas redes sociais, portanto está na hora de sair da toca e falar no outro lado.

Eu no passado frequentei alguns foruns nacionalistas mas lá também encontrei alguns ignorantes, na blogosfera conheço poucos que realmente o sejam, é o caso do teu, o blogue Marxismo Cultural, embora aborde assuntos de conteúdo internacional mas muito valiosos e também os vários espaços do srhamsun, que sabe tocar na ferida como ninguém. Quanto ao resto são falsos nacionalistas. Esse firehead é um exemplo, nunca lá comentei mas já li alguns posts e a conclusão que chego é que não basta ser beato para ser nacionalista, até porque tu sabes as grandes religiões são mais que multiculturais e fazem também o jugo da globalização que destroi o nacionalismo todos os dias.
Depois a defesa dele face à mestiçagem também é bastante ilucidativa de que com "nacionalistas" destes, quem precisa de multiculturalistas?

Essa questão das visitas também é interessante. O meu espaço tem uma média de 50 visitas por dia, e quando nao o actualizo desce para metade, mas reparemos numa coisa, o grosso das visitas, exceptuando a dos amigos e inimigos de estimação devem-se sobretudo à pesquisa por imagens ou palavras-chave feitas no google (e o mesmo google tem imensas páginas a explicar isso) e que redirecionam o utilizador a um determinado espaço. Em mais de 90% dos casos, o utilizador copia a imagem, ou, caso esteja a procurar informação, repara logo que não é ali que pretende retirar algo isento e fehca a página em menos de 10 segundos, mas, para todos os efeitos é contabilizada uma visita.

Os dois grandes blogues nacionais de politica, O Insurgente (9000v/dia) e o Blasfémias (4000v/dia) sao publicitados em vários lugares e citados por muita gente, desde politicos a académicos e não têm um page view muito significativo, por isso é muito pouco provável que o Gladius tenha 300 ou o Firehead 700 visto que não são conhecidos em lado nenhum nem citados na comunicação social.

O futuro está mesmo no facebook e no Google + e há que começar ou continuar a lutar lá!

Afonso de Portugal disse...

«(...) a conclusão que chego é que não basta ser beato para ser nacionalista, até porque tu sabes as grandes religiões são mais que multiculturais e fazem também o jugo da globalização que destroi o nacionalismo todos os dias.»

Tocaste num ponto crítico, infelizmente. Digo infelizmente não por teres tocado nele, mas porque é um dos grandes problemas do Nacionalismo português: a esmagadora maioria dos Nacionalistas é constituída por cristãos e católicos.

E é notória a dificuldade que muitos deles têm em conciliar as duas coisas, Cristianismo e Nacionalismo. Quando eu cheguei à blogosfera Nacionalista, comecei por adoptar uma atitude semelhante à do Caturo, autor do blogue Gladius: via o Cristianismo como inimigo visceral do Nacionalismo e todos os cristãos como idiotas úteis ou até traidores.

Mas comecei a mudar de opinião quando percebi que a maioria dos Nacionalistas que dão a cara pela causa são precisamente os cristãos, a começar pelo próprio presidente do PNR. Uma pessoa que muito contribuiu para essa mudança de opinião foi o Sr. Hamsun, do blogue "O Regresso da Primavera". Foi ele que me fez perceber que os militantes nacionalistas são maioritariamente cristãos e, consequentemente, não faz sentido atacar frontalmente o cristianismo porque isso pode levar à alienação dos nacionalistas cristãos e à perda de uma grande parte do nosso eleitorado.

Recentemente, eu tenho optado por denunciar o padralhame corrupto que apoia activamente a imigração, mas salvaguardando os cristãos -os crentes- das minhas críticas.


«(...) com "nacionalistas" destes, quem precisa de multiculturalistas? »

A grande virtude do FireHead é a sua denúncia constante da islamização do Ocidente. É essencialmente por isso que eu tenho o blogue dele na minha "blogosfera relevante". E tenho de confessar que gosto bastante da forma como ele escreve, não obstante os muitos aspectos em que discordo. Infelizmente, ele não está connosco na questão da miscigenação, talvez por ter um antepassado chinês recente, não sei. Mas quanto a isso eu não tenho ilusões: das 17 mil e tal pessoas que votaram no PNR nas últimas legislativas, já será uma sorte se 5 mil forem racialistas. Para mim, o maior defeito do FireHead é mesmo ele votar no CDS.


«(...) grosso das visitas, exceptuando a dos amigos e inimigos de estimação devem-se sobretudo à pesquisa por imagens ou palavras-chave feitas no google »

Sim, eu também tenho essa ideia, até porque a esmagadora maioria das pessoas que vem ao TU só vem uma vez e nunca mais volta. Tenho realmente muito poucos leitores regulares, i.e. pessoas que venham cá pelo menos de dois em dois dias. Aí uns 20, se tanto!


«é muito pouco provável que o Gladius tenha 300 ou o Firehead 700 »

Eu citei esses números com base nos contadores que eles têm nos seus blogues. Mas, conforme tu bem observaste, muitas dessas contagens serão de indivíduos que apenas retiram imagens ou pouco mais do que isso.

A-24 disse...

Verdade. Eu também não "bato" nos cristãos, muito menos nos católicos, pois são a única face visível e sensata do nacionalismo, e como tu também fazes, a única coisa que critico é mesmo as posições da igreja face à iminvasão - quando vejo o Papa a pedir para as paróquias receberem mais invadores, lamento que ele não fale nos cristãos mortos no médio oriente, que já estão em vias de desaparecimento, enquanto, ao contrário a invasao islâmica continua a crescer em número e em juventude. Já os racialistas preferem usar o argumento estúpido dos judeus e isso para mim é coisa de acéfalos, pois basta verificar que Israel é um tampão naquela zona bárbara do mundo, e espero que eles vençam sempre os islâmicos e que permaneçam lá para sempre, pois em relação aos europeus, os islãmicos somam sempre vitórias, mas com os judeus somam derrotas. Que o exemplo de Israel, de resistir, seja um exemplo para o que os europeus devem fazer.

Felizmente que nem tudo o que o Papa diz me representa, e eu prefiro falar somente nas coisas positivas que o cristianismo trouxe ás sociedades europeias, cujos politicos ateus/esquerdistas estão a destruir.

Afonso de Portugal disse...

«(...) preferem usar o argumento estúpido dos judeus e isso para mim é coisa de acéfalos, pois basta verificar que Israel é um tampão naquela zona bárbara do mundo»

Eu nem sequer lhe chamaria argumento. É uma teoria da conspiração! Eles partem da observação de que há uma sobre-representação de judeus em certas áreas (alta finança, cinema, média)... e a partir daí conlcuem automaticamente que o multiculturalismo é uma maquinação dos judeus!

Ora, basta passar os olhos pelas caixas de comentários às petições que eu coloquei aqui no TU para perceber que a esmagadora maioria dos que apoiam os "refugiados" são portugeses étnicos. Mas quando confrontados com esta realidade, os nazionaliztaz vociferam: não é culpa deles, pá, eles foram todos manipulados pelos judeus!

Eles não são racialistas, são mesmo racistas... o racialismo é a separação com vista à preservação das diferenças... eles vão muito para além disso: para eles, os brancos são todos santos e inocentes, nunca podem ser tradiores! Como se o Sócrates ou o Passos Coelho fossem judeus!


«Felizmente que nem tudo o que o Papa diz me representa, e eu prefiro falar somente nas coisas positivas que o cristianismo trouxe ás sociedades europeias, cujos politicos ateus/esquerdistas estão a destruir.»

É a melhor estratégia. Critiquemos as más acções e louvemos as boas... o resto acabará por vir a seguir!