sábado, 29 de agosto de 2015

Uma pergunta para os meus leitores...


Tenho lido na imprensa cá do burgo que há "vários" portugueses interessados em receber os refujiadistas em sua casa. 

Ora, eu já perguntei a várias pessoas, tanto familiares como outras com quem lido diaramente, e ainda não encontrei nenhuma que estivesse para aí virada. E mais, a maioria das pessoas a quem pergunto o que pensa disto acha que é revoltante, sobretudo numa altura em que tantos portugueses têm de partir para o estrangeiro.

 E você? Também está disposto a levar um destes "jovens vibrantes" para sua casa?

Aliás, a esmagadora maioria dos comentários que tenho lido nos jornais online são do género: «Mas então, com tanto mendigo e pobre neste país, estas pessoas precisam de acolher gente do resto do mundo?!»

Portanto, gostaria de fazer uma pergunta sincera a quem passa regularmente por aqui:

- Algum de vocês conhece alguém que queira mesmo acolher os "refugiados"?

7 comentários:

João José Horta Nobre disse...

Não!

Anónimo disse...

É a primeira vez que comento neste blogue, e relativamente a esta questão, também não conheço ninguém que queira acollher estes "refugiados", e também acho completamente revoltante que possa haver portugueses? dispostos a isso, quando temos tanta da nossa gente na pobreza, na miséria, tantos sem-abrigo e tantos portugueses que foram empurrados para a emigração!Por mim, não viria nem um, mas como infelizmente isso não é possível, acho que Portugal deveria fazer como a Eslováquia e a Polónia, e dizer que apenas aceita refugiados cristãos, assim seria um mal menor, muçulmanos é que nem pensar!

Bruno

Anónimo disse...

Deixo-te aqui a lista de apoios para os "migrantes": O Centro de Acolhimento oferece, à chegada, os seguintes apoios:
Serviço de informação jurídica e social;
Apoio monetário (serão 80 euros por semana);
Pequeno Almoço;
Distribuição de produtos alimentares (fornecidos pelo Programa Comunitário “Ajuda Alimentar a carenciados” e pelo Banco Alimentar);
Assistência medicamentosa;
Passe social ou senhas de transporte;
Cartão de telefone;
Banco de roupa;
Lavandaria e engomadoria;
Aulas de português e de informática;
Acesso à Internet;
Encaminhamento para o Instituto de Higiene e Medicina Tropical para a realização de um diagnóstico médico.
Encaminhamento para outros serviços e instituições;
Actividades sócio-culturais
APOIO SOCIAL APÓS A ADMISSÃO DO PEDIDO
Os apoios prestados pelo Centro Distrital de Segurança Social e pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (na cidade de Lisboa) permitem cobrir o pagamento das despesas de:
Habitação;
Subsistência;
Transportes;
Saúde* ;
Educação.
São, ainda, assegurados pagamentos pontuais (por exemplo: livros, óculos, etc.) de acordo com as necessidades específicas dos utentes e após avaliação da situação do utente em concreto.
se quiseres ver mais passa em refugiados.net-sr.hamsun

Arauto disse...

Olha-me para esta, camarada:

http://www.dn.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=4751755

Lura do Grilo disse...

Eu apoiaria financeiramente (alimentação e necessidades fundamentais) apenas refugiados cristãos pelo prazo de um ano a ano e meio: tempo suficiente para aprenderem a língua e conseguirem trabalho.

Afonso de Portugal disse...

Obrigado a todos pelas respostas, que vêm precisamente ao encontro daquilo que tem sido a minha experiência. Hoje voltei a fazer esta pergunta novamente a várias pessoas e a resposta foi sempre a mesma: "nem acolho nem conheço quem esteja disposto a acolher".

A única conclusão que consigo tirar neste momento é que haverá, em cada cidade portuguesa, apenas um punhado de pessoas dispostas a abrir as suas casas aos "refugiados"... mas os mé(r)dia fizeram logo eco desta atitude de poucos, fazendo parecer que ela é assumida por muitos.

Afonso de Portugal disse...

Arauto disse...
«Olha-me para esta, camarada»

Obrigado, camarada. Vou fazer um postal imediatamente.



Sr. Hamsun disse...
«se quiseres ver mais passa em refugiados.net

Obrigado, camarada!