quarta-feira, 26 de agosto de 2015

"O Monstro está em nós", diz um triste doutrinador...


Ontem, o Observador da "direitinha", esse jornal curioso onde vão parar todos aqueles que são conservadores nos aspectos económicos e liberais nos aspectos sociais (como se a economia pudesse ser sustentável numa sociedade cujos "valores" são os do feminismo, do homossexualismo, do multiculturalismo e afins) presenteou-nos com um artigo absolutamente asqueroso do Presidente da Comissão Europeia, o inenarrável Jean-Claude Juncker. Já teci algumas observações sobre esse artigo nesta caixa de comentários.

«Europeus, ordeno-vos que abram os vossos corações, as vossas casas e os vossos mealheiros!
Ah, e já agora, as pernas das vossas filhas, que os pobres refugiados são quase todos homens!»

Já hoje, o Correio da Mamã publicou esta "crónica", escrita por um tal Francisco Gonçalves, que consegue ser ainda mais repugnante e desonesta do que o artigo do Juncker (texto original a branco e itálico, comentários do blogueiro a cor verde).

«Berlim é uma cidade cosmopolita. Nela residem pessoas de todo o Mundo. Esse multiculturalismo, louvado durante décadas, foi desacreditado pelo fracasso que a Alemanha e a generalidade dos países europeus revelaram na integração de estrangeiros.»

Primeira observação: o "Mundo" foi escrito assim, começando por um "M" maiúsculo, como quem afirma logo à chegada "eu sou um cidadão do mundo!"

Segunda observação: o multiculturalismo foi louvado durante décadas!? Por quem exactamente? Pelos povos europeus não foi, de certeza! Só ouvi louvores ao multiculturalismo por parte de políticos, professores universitários, grandes empresários e jornalistas. Com excepção dos marxistas convictos, nunca ouvi um cidadão vulgar dizer que o multiculturalismo era louvável, nem sequer desejável, embora muita gente tenha aceitado a mentira de que "é inevitável devido à globalização".

Terceira observação: como não podia deixar de ser, o multiculturalismo falhou por culpa da "Alemanha e da generalidade dos países europeus", nunca por culpa dos iminvasores, evidentemente!

«Alguns consideram ainda xenofobia impor costumes a quem chega, o que contribui para a criação de guetos imensos de imigrantes, verdadeiras cidades dentro das cidades. 

Com a pressão migratória a subir, ganha raízes na Alemanha um movimento xenófobo violento na região de Dresden.»

Quarta observação: calúnia. O PEGIDA não é violento, os nazis ligados aos NPD que se associaram indevidamente ao PEGIDA são violentos. A forma como este "cronista" mistura tudo é bem reveladora e sintomática das suas verdadeiras intenções.

«Essa violência alastrou nos últimos dias a Berlim. Ontem, por exemplo, foi incendiado um albergue para refugiados em Nauen, arredores de Berlim e, dias antes, dois alemães insultaram imigrantes de Leste no comboio suburbano da capital, acabando por urinar numa criança de 5 anos.»

Como isto se passa na Alemanha, país ligado ao maior horror da História do século XX, é tentador falar do regresso do monstro. Mas isso, como diz o povo, é tapar o sol com a peneira. O monstro está em nós e este caldo de crise económica e pressão migratória é ideal para o despertar em toda a Europa.»

Comentário final do blogueiro: perceberam, seus europeus horríveis? O 'monstro' está em vocês!!! Este grandessíssimo #$&%£*€ que se faz passar por jornalista assim o diz, por isso é melhor vocês acreditarem! Somos piores do que Alemanha nazi, pá! Estamos apenas à espera do momento certo para fazermos pior do que o Hitler, pááá!!!!!!!!!!!!!!

O único "monstro" aqui é mesmo esta ideia absurda: «somos todos cidadãos do mundo!»
(como se as fronteiras e as identidades nacionais existessem por mero capricho dos europeus mauzões!)

Os mé(r)dia europeus não passam disto: choradinho interminável para os refujiadistas, iminvasores parasíticos que querem viver às nossas custas... e culpa irremissível para os nativos, nós que estamos em nossa casa, que descendemos directamente de pessoas que já viviam aqui há milhares de anos! Isto só tem um nome: filha da putice. E se houver justiça neste mundo, há-de ser paga bem caro...

A moral da história é esta: os europeus têm cada vez mais de rejeitar a culpa que lhes é imposta pela superclasse mundialista. Nós, europeus actuais, nascemos todos muito depois da escravatura, do colonialismo, das guerras mundiais e de todas as atrocidades que nos atribuem, como se nós fôssemos os nossos antepassados. Não, nós não temos de pagar por esses crimes, muito menos abdicar da nossa terra a favor dos iminvasores! Sobretudo quando há povos que ainda cometem os crimes de que nos acusam e não são sequer criticados! Os Franciscos Gonçalves deste mundo já nos chantagearam demasiadas vezes, está na altura de dizermos CHEGA!!!

2 comentários:

Anónimo disse...

Esses merdas do CM noticiam hoje que dois alemães terão urinado sobre um "migrante" de 5 anos num comboio. Notícia muito conveniente, por sinal. Para mais, dizem que tal sucedeu Sábado. Nâo teriam vindo logo a dar a notícia caso fosse verdadeira? em todo o caso, supondo que o é, comprova-se a desonestidade jornaleiristica: por uma agressão "xenófoba" noticiada há cem de "migrantes" não noticiadas.- srhamsun.

Afonso de Portugal disse...

Sim, eu li essa nojice! Além de a veracidade dessa notícia ser altamente duvidosa -como tu bem observaste- desconfio que jamais seria mencionada pelos mé(r)dia se fosse ao contrário. Isto é, se um imigrante mijasse numa criança europeia.

E também és absolutamente certeiro quando observas a dualidade de critérios no que respeita à publicação dos crimes dos imigrantes. Basta ver que o Al-Público quer à viva força convencer-nos que a Suécia é o Paraíso na Terra, como se nós não soubéssemos que Estocolmo é a capital das violações da Europa!