segunda-feira, 31 de agosto de 2015

De viquingues a maricões: a desgraça dos homens suecos continua (2)


Eu bem não queria estar sempre a bater na Suécia, mas caramba, é realmente difícil fazer outra coisa com tantos casos tão estupidificantes como este que aqui vos trago.

Um grupo de rapazes de 15 e 16 anos de uma escola secundária da Suécia está indignado por não lhes ter sido permitido tirar uma fotografia da sua turma vestidos desta forma:

 Começo finalmente a perceber porque é que as suecas preferem os homens muçulmanos...

Os jovens exigem um pedido de desculpas por parte da escola. Dizem que a "fluidez de género" é uma das liberdades da Suécia moderna! Conhecendo a sociedade sueca, estou convencido que escola vai mesmo pedir desculpas, para não se habilitar a levar com um processo movido por um dos muitos grupos de "justiça social" lá do sítio.

Este país está decididamente perdido, mesmo que os Democratas Suecos cheguem ao poder...

____________
Ver também:

De viquingues a maricões: a desgraça dos homens suecos continua

14 comentários:

FireHead disse...

E quando elas não preferem muçulmanos, são por eles escolhidos para vítimas de violação!

Anónimo disse...

Um ex-ministro das finanças sueco veio dizer que o país está a transformar-se num país africano. Não só. Graças aos imigrantes mas, sobretudo, aos suecos que há quarenta anos aceitam ser cobaias de experiências de engenharia social. Depois o resultado é este, claro. Se os antigos viquingues viessem de novo à terra não saberiam por onde começar a razia...- srhamsun.

Bruno Dias disse...

Nao sei se dá vontade de rir ou de chorar. Por esse motivo as suecas preferem homens estrangeiros. Mas a feminidade do homem sueco não é de agora, já tem muito tempo. Mas tem piada, ja na Noruega é diferente, ao que parece a postura do homem norueguês é totalmente diferente

Afonso de Portugal disse...

FireHead disse...
«E quando elas não preferem muçulmanos, são por eles escolhidos para vítimas de violação!»

Não é por acaso que eles têm aquele ditado: "Se a montanha não vem até Maomé, Maomé irá até à montanha!" Ehehe...


Sr. Hamsun disse...
«(...) há quarenta anos aceitam ser cobaias de experiências de engenharia social.»

Uma das razões para o sucesso do Marxismo Cultural é precisamente o facto de os seus promotores terem conseguido convencer o povos autóctones de que ser rico e próspero implica necessariamente ter subjugado alguém. Há demasiados suecos que aderem a esta mundivisão, vendo o sucesso do seu país como ilegítimo.

Como bem observou Pascal Bruckner, a chave está na culpa. Quem conseguir fazer com que os outros se sintam culpados, acabará também por conseguir que eles façam coisas que, em circunstâncias normais, seriam pura e simplesmente impensáveis.


Bruno Dias disse...
«(...) ja na Noruega é diferente, ao que parece a postura do homem norueguês é totalmente diferente»

Isso não sei... só sei que a Noruega está praticamente tão islamizada como a Suécia. O Breivik, apesar de lunático, diagnosticou bem essa islamização. Na véspera dos seus atentados, uma jovem norueguesa tinha sido violada por muçulmanos na escadaria do Parlamento, em Oslo.

Arauto disse...

Olha-me o absurdo a que isto chegou, camarada:

http://observador.pt/2015/08/31/refugiados-sirios-estao-entrar-na-europa-bicicleta-pelo-artico/

Afonso de Portugal disse...

Inacreditável, Arauto! Vale mesmo tudo para entrar na Europa!

Até já consigo ouvir as carpideiras esquerdistas com as suas lágrimas de crocodilo: "ai, coitadinhos dos refugiados, estão tão desesperados que até já atravessam o Árctico!"

Enfim, obrigado por mais esta pertinente notícia! Saudações Nacionalistas!

KVRGANIVS NOSTRATORVM disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
KVRGANIVS NOSTRATORVM disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
KVRGANIVS NOSTRATORVM disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
pvnam disse...

As preferências sexuais não é assim tão importante.
-> Há é que mobilizar aqueles nativos (homossexuais, heterossexuais) que se interessam pela sobrevivência da sua Identidade.
.
Muitas mulheres heterossexuais não querem ter o trabalho de criar filhos... querem 'gozar' a vida.
Muitos homens heterossexuais não querem ter o trabalho de criar filhos... querem 'gozar' a vida.
É preciso pessoas (homossexuais e heterossexuais) com disponibilidade para criar crianças!
--> Promover a Monoparentalidade - sem 'beliscar' a Parentalidade Tradicional (e vice-versa) - é EVOLUÇÃO NATURAL DAS SOCIEDADES TRADICIONALMENTE MONOGÂMICAS.
{ver blogs http://tabusexo.blogspot.com/ e http://existeestedireito.blogspot.pt/}
.
.
.
P.S.
Uma NAÇÃO é uma comunidade duma mesma matriz racial onde existe partilha laços de sangue, com um património etno-cultural comum.
Uma PÁTRIA é a realização de uma Nação num espaço.
-> http://separatismo--50--50.blogspot.com/.

Anónimo disse...

Acertaste. Já li um comentário de um leitor a dizer isso!-srhamsun.

Lura do Grilo disse...

São anos de doutrinação. Dentro em breve vou postar o programa da disciplina de "Inglês" do meu filho (12º ano): é um livrinho vermelho autêntico.

Afonso de Portugal disse...

pvnam disse...
«As preferências sexuais não é assim tão importante.»

Discordo em absoluto. Crianças que crescem fora da família tradicional têm muito mais probabilidades de se tornarem adultos disfuncionais. Além de que as mães solteiras ficam muito mais dependentes dos apoios do Estado, argumento que tem sido muitas vezes utilizado para aumentar os impostos sobre toda a sociedade.


«Há é que mobilizar aqueles nativos (homossexuais, heterossexuais) que se interessam pela sobrevivência da sua Identidade.»

A esmagadora maioria dos homossexuais é de esquerda. Pensar que pessoas que subscrevem a luta de classes num contexto marxista-cultural estarão interessadas em preservar a sua identidade autóctone não é minimamente realista. A esmagadora maioria dos homossexuais odeia a Civilização Ocidental tanto ou mais do que o marxista médio.

Afonso de Portugal disse...

Sr. Hamsun disse...

«Já li um comentário de um leitor a dizer isso!»

Pois... aliás, a propaganda pelo acolhimento dos refujiadistas tem sido tão implacável que até mesmo algumas pessoas que, inicialmente, têm reservas em relação aso refugiados, acabam por ceder à culpa que lhes é incutida. A este respeito, vale a pena denunciar uma das personagens mais execráveis dos mé(r)dia portugueses:

http://www.publico.pt/mundo/noticia/que-fizeste-ao-teu-irmao-1706514

É suposto este cretino ser um homem de direita (PSD). Mas escreve exactamente com um indivíduo de extrema-esquerda, chegando mesmo a citar o Rui Tavares do "Livre".

Aliás, os “valores” sociais dele são indistinguíveis dos valores dos marxistas, como já denunciei em tempos aqui no TU a propósito da sua condenação de um referendo ao casamento guei (eu sei que tu já leste, mas o link fica aqui para outras pessoas que eventualmente leiam estes comentários):

http://totalitarismouniversalista.blogspot.pt/2014/01/sobre-aprovacao-do-referendo.html


Lura do Grilo disse..
«São anos de doutrinação. Dentro em breve vou postar o programa da disciplina de "Inglês" do meu filho (12º ano): é um livrinho vermelho autêntico.»

Acredito, porque já os meus livros do secundário o eram! Lembro-me até de um exame do 10º ano, precisamente dessa disciplina, inglês, que tinha um texto para analisar e comentar. O texto em causa centrava-se num proprietário de terras da Cornualha que "explorava" os seus trabalhadores até ao tutano... uma das perguntas do exame solicitava aos alunos que dissertassem acerca da opressão exercida pelo proprietário e sobre "a necessidade de dar a terra a quem a trabalha"...

Na altura não me apercebi do forte pendor ideológico da coisa, mas reencontrei esse exame recentemente numa passagem pela casa dos meus pais. Fiquei estupefacto, sobretudo por perceber que tudo aquilo que hoje percebo claramente no teste como manipulação ideológica, via na altura como justiça. É assim que se criam escravos que julgam ser livres, desde tenra idade.