sábado, 29 de agosto de 2015

Cruz Vermelha está pronta para construir campo de refugiados no Algarve


Agradecimentos ao camarada Arauto que aqui trouxe esta notícia por demais sintomática:

«A delegação de Moncarrapacho-Fuzeta da Cruz Vermelha está pronta para construir campo de refugiados num terrenos de 1700 metros quadrados na Fuzeta, no Algarve.

O presidente da delegação, António Palma, disponibilizou o terreno num ofício enviado em Julho ao Conselho Português para os Refugiados (CPR), avança o semanário Expresso. Uma oferta que chegou dois dias depois de o primeiro-ministro Pedro Passos Coelho ter anunciado que Portugal iria acolher 1400 refugiados.

 Cá vêm eles, prontos para "enriquecer" os algarvios!

«A Cruz Vermelha salienta que o terreno tem projecto de construção aprovado, já que estava destinado à construção de um infantário que a queda da natalidade tornou desnecessário. Numa primeira fase os refugiados poderiam ser acolhidos em instalações provisórias.

A presidente do CPR, Teresa Tito de Morais, revelou ainda aos semanário que há a possibilidade de se criar um outro centro no norte, em Matosinhos, embora ainda não existam certezas.

As ofertas para ajudar os refugiados não chegam apenas das instituições já que dezenas de pessoas estão a disponibilizar-se para acolher famílias ou crianças refugiadas, tinha já revelado a presidente do CPR esta semana.

Em breve, Portugal deverá começar a receber cerca de 1500 refugiados, na sua maioria da Síria, e o Governo diz que está em curso uma estratégia para auxílio humanitário, que inclui os ministérios dos Negócios Estrangeiros, Defesa Nacional, Administração Interna, Saúde, Segurança Social e Educação.»

Comentário do blogueiro: o que pensarão as gentes do Algarve acerca deste campo de refugiados? E os habitantes de Matosinhos sobre a hipótese colocada pela inenarrável Teresa Tito Morais? Então temos tantos portugueses desempregados e outros tantos a emigrados porque o Passos e o Relvas mandaram, e agora vamos gastar os nossos já escassos recursos a auxiliar "refugiados"?!?!...

Além disso, como é possível que um terreno destinado inicialmente para um infantário possa ser reconvertido em campo de refugiados assim, sem mais, nem menos? Ondem é que estão os fundamentalistas do Ordenamento do Território e dos Planos Directores Municipais, sempre tão lestos a multar famílias portuguesas só por contruírem um assador no quintal?

Por último, veja-se a triste realidade: o infantário deixou de ser necessário porque a queda da natalidade assim o determinou... mas venham daí os "refugiados", substituir os nativos que deveriam ter nascido! E ainda há quem diga que "a substituição étnica é um mito perpetuado pelos racistas"...

9 comentários:

João José Horta Nobre disse...

Eu sou algarvio e sinto-me absolutamente revoltado com isto!

Há tantos jovens que têm de ser vir embora do Algarve, abandonar a sua terra porque ninguém lhes dá emprego e a pobreza alastra.

Não há dinheiro para ajudar as gentes do Algarve, mas para estes refugiados já há todo o dinheiro do Mundo...

Mandar toda a classe política à bardamerda ainda é pouco, muito pouco!

Gaius Octavius disse...

Há tempos li um marxista dizer que a " migração de massas é o internacionalismo proletário afirmado na prática", portanto calculo que estes invaso...err... "migrantes" do terceiro-mundo sejam proletários que vêm para a Europa fazer a Revolução que os proletários europeus não querem fazer.

Quando a criminalidade começar, saberemos que começou a "Revolução proletária".

Afonso de Portugal disse...

«Não há dinheiro para ajudar as gentes do Algarve, mas para estes refugiados já há todo o dinheiro do Mundo...»

Ainda por cima o povo do Algarve é duplamente penalizado porque a maioria dos portugueses acha que os algarvios são ricos! Como se o turismo enriquecesse o povo algarvio que não trabalha na restauração e na indústria hoteleira! Aqui no Norte, ouvi ontem este "argumento": «ai, o Algarve é uma região muito rica, por isso faz todo o sentido que o centro de refugiados seja construído lá!» Arre porra, que estupidez!!! Como se o processo de iminvasão não fosse gradual e estas "pequenas" cedências não fossem precisamente o que descaracterizou várias capitais europeias e norte-americanas!

Aliás, esse é um dos maiores problemas dos portugueses, não somos capazes de pensar como um povo uno e indivisível, os problemas "regionais" dos outros nunca são nossos... só que aquilo que hoje afecta o quintal do nosso vizinho vai acabar por afectar-nos amanhã! É urgente compreender isto. Se hoje Lisboa, por exemplo, está transformada num pardieiro multicultural, cabe a todos os portugueses protestar e lutar contra isso, sob pena de amanhã passar a ser o Porto, e depois Coimbra, e depois Faro, e depois o resto de Portugal!


«Mandar toda a classe política à bardamerda ainda é pouco, muito pouco!»

Infelizmente, precisamos de bem mais do que isso... precisamos urgentemente de os tirar de lá! Nada mais poderá inverter o processo de substituição demográfica actualmente em curso.

A propósito, o seu último artigo acerca do Marxismo Cultural é excelente! É precisamente esse tipo de denúncias que precisam de ser feitas...

Afonso de Portugal disse...

Gaius Octavius disse...
«a "migração de massas é o internacionalismo proletário afirmado na prática"»

Essa é outra realidade que muita gente na "direita" não consegue (ou não quer) entender. A esquerda quer que os imigrantes venham pelos motivos mais sinistros: constituição de uma base de oposição ideológica. E a verdade é que resulta, basta olhar para a reeleição do Obama, em que a esmagadora maioria dos eleitores das "minorias" votaram no mestiço que diz ser havaiano.

Ora, a direita ocidental, a que eu e outros na blogosfera nacionalista portuguesa chamamos "direitinha do sistema", é quase tão má quanto os marxistas que fomentam a iminvasão. Porque a direita também favorece a imigração, embora por motivos diferentes daqueles da esquerda (mão-de-obra barata).

É por isso que um capitalista selvagem jamais poderá servir os interesses dos povos autóctones... "o capital não tem pátria" e isso é por demais eviente na atitude dos empresários e economistas ocidentais.


«Quando a criminalidade começar, saberemos que começou a "Revolução proletária".»

A avaliar pelas estatísticas dos homicídios nos EUA, em que os negros estão grosseiramente sobre-representados como assassinos e os brancos como vítimas, eu diria que ela já começou!

Gaius Octavius disse...

"A avaliar pelas estatísticas dos homicídios nos EUA, em que os negros estão grosseiramente sobre-representados como assassinos e os brancos como vítimas, eu diria que ela já começou!"


Referia-me à futura criminalidade a que estes "migrantes" darão origem aqui na Europa.

Afonso de Portugal disse...

Sim, eu percebi... mas o que eu quis dizer é que nem sequer precisamos desses, já temos cá dentro outros tantos que nos têm dado vários problemas ao longo dos anos!

Lura do Grilo disse...

É triste. Tanto português precisa de ajuda, tanta mulher que poderia ser demovida de abortar, tanta família que poderia ter e dar mais educação aos filhos e para estes há sempre dinheiro e apoios.

Afonso de Portugal disse...

Ah! E para quê ajudar portugueses quando podem ajudar pessoas muito menos instruídas e civilizadas e, por isso mesmo, mais facilmente manipuláveis?!

Maquiavel bem nos avisou sobre a política, mas os ocidentais acharam que ele era demasiado cruel e desumano...

João José Horta Nobre disse...

"A propósito, o seu último artigo acerca do Marxismo Cultural é excelente! É precisamente esse tipo de denúncias que precisam de ser feitas..."

Muito obrigado!