quinta-feira, 20 de agosto de 2015

A traição aos Portugueses em números concretos (80)


«A economia portuguesa está cada vez mais endividada. Entre Abril e Junho, o endividamento do Estado, famílias e empresas ultrapassou a fasquia dos 702 mil milhões de euros, um valor que não tem em conta o sector financeiro.

A economia está mais endividada e a culpa é das administrações públicas e das empresas privadas, segundo dados avançados esta quinta-feira este Joves pelo Banco de Portugal. As famílias até podem estar a recorrer mais a empréstimos, mas não são as responsáveis pelo aumento do endividamento nos últimos meses.»

 Não somos responsáveis, mas é sempre a nós que cabe pagar a conta no fim!
(porque os lucros são privados, enquanto os prejuízos são colectivos)

«Segundo os dados do Banco de Portugal, há dois responsáveis por este agravamento. Um deles é o Estado, mas não toda a máquina, apenas a administração pública, uma vez que as empresas, tanto as que estão incluídas na administração como as que funcionam à margem, reduziram a respectiva dívida.


No segundo trimestre, e já com o Governo em final de mandato, as administrações públicas agravaram o endividamento em 821 milhões de euros. As empresas privadas não ficam atrás. Microempresas, pequenas, médias e grandes, todas aumentaram o endividamento entre Abril e Junho: Devem agora mais mil milhões de euros. No total, a dívida das empresas privadas ultrapassa já os 267 mil milhões. 

Neste caso a expectativa é que sejam opções de investimento, o que será uma boa notícia para a economia.»


Quanto às famílias, apesar de estarem a recorrer mais a empréstimos para consumo, conseguiram diminuir o valor em dívida no segundo trimestre, tanto o valor total como os créditos para habitação.


Ainda segundo o Banco de Portugal, a dívida pública recuou para 128,6% do PIB no segundo trimestre, na óptica de Maastricht, a que conta para Bruxelas, desceu um ponto percentual. Ronda agora os 225 mil milhões de euros

Comentário do blogueiro: gostei especialmente da parte em que se fala da "expectativa que sejam opções de investimento"! É assim que se diagnostica e planeia o futuro dos portugueses, com base em "expectativas"!!! É um bocado como a taxa de desemprego, que também é calculada com base em "estimativas"! E no meio de tantas "expectativas" e "estimativas", quem se acaba por f**** somos nós, os portugueses, a quem os números reais aparecem sempre no fim a pedir contas!

Sem comentários: