segunda-feira, 11 de junho de 2018

Privilégio branco e masculino


      Se a raça branca é a mais privilegiada de todas e se os homens brancos, em particular, usufruem dos maiores privilégios deste mundo, então alguém faça o favor de me explicar o gráfico abaixo, porque eu, muito sinceramente, não o consigo entender!...


____________
Ver também:

Charlie Kirk: «O privilégio branco é uma ideia racista» (com legendas)
"O racismo anti-branco não existe, pá!"
Lauren Southern: «o "Privilégio Branco" é um mito perigoso»
A realidade do multirracialismo no Brasil
Os horrores do "Privilégio Branco" no Canadá
O Jogo do Privilégio

4 comentários:

Anónimo disse...

Sabe como é a vida na modernidade ocidental é tão boa e enriquecedora para toda a gente e o privilégio é tanto que a pessoa até quer ir ter mais cedo com o criador só para lhe agradecer pelo privilégio :p

Ass:FdT

Afonso de Portugal disse...

LOL! Pelo visto, a vida na modernidade até é boa, mas não para os brancos, especialmente se forem homens: de acordo com os números da imagem, os homens brancos matam-se 2,6 vezes mais do que os homens negros e 11,5 vezes mais do que as mulheres negras!

O que vale é que os andamos a oprimir a todos, porque senão seria o descalabro! ;)

Leitora disse...

Não existe nenhuma tabela de motivos para esses suicídios?
Pensei que os asiáticos se matassem mais, pensei errado.

Afonso de Portugal disse...

Essa é uma excelente pergunta, cara Leitora... infelizmente, tanto quanto eu sei, as pessoas que compilaram estes números não procuraram explicar o fenómeno de os brancos se matarem tanto. Aliás, nem sei se será possível sabermos ao certo, uma vez que muitos daqueles e daquelas que se matam nunca deixam os seus motivos escritos ou têm alguém próximo que possa avançar uma explicação.

Entrando no domínio da especulação, se eu tivesse de apostar, diria que os brancos são aqueles que se sentem mais alienados da sua sociedade e menos motivados para contribuir para ela. As mulheres brancas têm cada vez menos filhos e cada vez mais "carreiras". Os divórcios abundam em todo o mundo ocidental, havendo agora milhões de adultos brancos que foram educados apenas por um dos progenitores. Entre os homens brancos mais novos há também o fenómeno do declínio da masculinidade, do não saber agir de forma decidida e arrojada e nunca ter aprendido a lidar com a rejeição. Tudo isso contribui para a depressão e, eventualmente, para o suicídio.