segunda-feira, 25 de junho de 2018

A 'geringonça' insiste em tentar destruir Portugal: (des)governo quer 75 mil imigrantes por ano!


      Em Abril deste ano, o monhé das Índias a quem os estúpidos dos portugueses permitiram ser primeiro-ministro disse: «Portugal precisa de imigração para resolver o problema demográfico». Só foram precisos dois meses para que o seu executivo passasse das palavras aos actos! Um muito obrigado! ao Raghnar, ao G, o cigano e ao Fuas Roupinho por nos terem trazido aqui a pior notícia do ano (que ainda só vai a meio):

«O (des)governo vai regularizar a situação dos imigrantes ilegais que trabalhem em Portugal há pelo menos um ano: serão 30 mil. E vai apostar na atracção de estrangeiros para combater problema demográfico.»

Mas qual é o "problema demográfico", exactamente? Os globalistas não andam sempre a dizer que o mundo já tem gente a mais? Os ambientalistas não andam sempre a dizer que "estamos a gastar mais recursos do que a terra consegue repor?" Os intelectuais da sustentabilidade e  pseudocientistas afins não andam sempre a dizer que "é preciso encontrar alternativas aos modelos económicos baseados no crescimento demográfico"?! Então qual é o nosso "problema demográfico", exactamente?!?!

Nota para imbecis: eu não estou  dizer que não há problema nenhum, apenas a apontar a falta de coerência no discurso dos nosso (des)governantes; por um lado, temos que ter menos filhos porque o planeta está em risco; por outro lado, é preciso importar mais e mais iminvasores porque já não temos filhos suficientes para assegurar o "equilíbrio demográfico"! Bardamerda para esta "gente"!!!

«O objectivo é inverter a tendência de perda de população activa e quebra da natalidade. O governo vai abrir as portas a cidadãos estrangeiros, apostando em mecanismos de atracção de imigrantes para áreas qualificadas, e vai regularizar a situação de todos os imigrantes que já estejam inseridos no mercado de trabalho há pelo menos um ano — independentemente de terem entrado no país de forma ilegal, avança o semanário Expresso. “Se precisamos de imigrantes, não vamos impor limites”, diz o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, ao mesmo jornal.»

 Eduardo Cabrita: traidor e genocida do povo português!


Que lindo, "independentemente de terem entrado de forma ilegal"! O (des)govertno "tuga" recompensa os criminosos ao invés de os castigar! Isso só pode dar bom resultado a longo prazo, não é?...

E "precisamos de imigrantes" porquê, exactamente? Como é que o Cabrita quantificou essa "necessidade"? Com base em que critérios? Para resolver exactamente que problemas? É evidente que este Cabrita e demais pulhíticos que nos (des)governam não estão minimamente preocupados com as consequências de escancarar as fronteiras de Portugal ao terceiro-mundo, sem "impor limites", porque a lata desta gente é directamente proporcional à estupidez do povo que vota neles, ou pior, que nem sequer vota, garantindo que eles continuam a ser eleitos repetidamente!

E continuam a insistir descaradamente na falácia da imigração para "áreas qualificadas", como se isso fosse possível com o perfil de imigração que Portugal tem! Os mais talentosos têm geralmente poucos filhos. É tão simples quanto isto: quem trabalha a sério, sobretudo em áreas que constituem uma mais-valia para o país (tecnologia de ponta, automação, empreendedorismo,...) não tem nem tempo, nem um estilo de vida propício a ter muitos filhos. É por isso que a imigração para efeitos de sustentabilidade demográfica é uma pescadinha de rabo na boca: se importarmos gente realmente competente e qualificada, dificilmente importaremos gente com elevado potencial reprodutivo; mas se importarmos gente com elevado potencial reprodutivo, dificilmente essas pessoas serão competentes e qualificadas!


Mas atenção, caros leitores, que agora vem a "melhor" parte do artigo:
«De acordo com o governante, a solução para o problema demográfico passa pelos imigrantes: é preciso que entrem no país 75 mil estrangeiros por ano para a população activa portuguesa não sofrer quebras significativas, bastando a entrada de 50 mil para que a população portuguesa estabilize nos 10,4 milhões de habitantes. A ideia do governo é apostar em novos circuitos de captação de imigrantes para áreas como startups, educação e agricultura. “Temos de ter circuitos de imigração legal, que tenham em conta as necessidades da indústria, do turismo, da agricultura. O que existe tem de ser claramente melhorado e programado com as empresas, com objetivos claros”, explica o ministro ao Expresso, garantindo que não haverá imposição de quotas nos setores de atividade para acolherem imigrantes.»

Leram bem? A 'geringonça' quer que entrem 75 mil imigrantes por ano em Portugal. 


 >>>> 75 mil imigrantes por ano!!! <<<<


É preciso pôr estes números em perspectiva: 75 mil equivale a cerca de 15% da população residente no concelho de Lisboa em cada ano (uma Lisboa a cada 6,67 anos)! Cerca de 35% da população residente no concelho do Porto em cada ano (um Porto a cada 2,86 anos)! Cerca de 55% da população residente no concelho de Braga a cada ano (uma Braga a cada 1,82 anos)! Cerca de 71% da população residente no concelho de Coimbra (uma Coimbra a cada 1,41 anos)! Cerca de 84% da população residente no concelho de Viana do Castelo (uma Viana do Castelo a cada 1,19 anos)!


 Novos "portugueses": foi você que os trouxe, ao votar PS/PSD/CDS/CDU/BE/PAN!
(ou ao não votar de todo, garantindo a eleição destes partidos ao longo dos anos...)


75 mil é um número superior à população das seguintes capitais de distrito: Bragança,  Beja, Castelo Branco, Faro, Évora, Guarda, Portalegre, Santarém e Vila Real!!! 75 mil imigrantes são 375 mil habitantes ao fim de 5 anos, 750 mil habitantes ao fim de 10 anos e 1,5 milhões de habitantes ao fim de 20 anos! Se a isto juntarmos o facto de que, aqui em Portugal, já temos actualmente cerca 1,5 milhões de alógenos, só em imigrantes de primeira e segunda geração, estamos a falar da possibilidade de virmos a ter pelo menos 3 milhões de alógenos a viver no nosso país até 2039!!!

Isto é o fim dos portugueses, é o fim de Portugal! E agora vejam bem, caros leitores: estes cabrões esquerdalhistas -e grande parte da direitinha merdosa também- passaram as últimas quatro décadas a incentivar o aborto, o divórcio e a emigração (entre muitas outras obscenidades). Resultado? Temos actualmente cerca de 70 divórcios para cada 100 casamentos, 150 mil abortos só entre 2008 e 2016, quase 745 mil emigrantes só entre 2008 e 2016 e um índice de fecundidade de apenas 1,36! Será que alguém ainda tem dúvidas de que tudo isto foi não apenas deliberado mas sobretudo cuidadosamente planeado? Ainda haverá alguém que seja assim tão ingénuo que não veja que tudo isto só podia acabar assim???

É que, para minha grande surpresa, continua a haver autoproclamados nacionalistas que acham que não devemos ter filhos porque "o planeta já tem gente a mais, pá" ou outra imbecilidade do género!

«O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras vai divulgar na próxima quarta-feira os dados mais recentes do último relatório de imigração, mas os números provisórios apontam para a existência de um saldo migratório positivo em 2017, pela primeira vez desde o início da década. Em 2017 Portugal terá recebido mais de 61 mil novos residentes, que é o valor mais elevado desde 2009, tendo deixado o país apenas 32 mil pessoas, um valor bastante mais baixo do que o registado nos anos da crise económica.
Ainda segundo o Expresso, esta ideia de apostar numa política demográfica assente na imigração não é partilhada pelo PSD. A ideia foi, de resto, anunciada pelo primeiro-ministro António Costa no congresso do PS, quando disse que Portugal tinha de receber mais imigrantes para contrariar o envelhecimento da população e aumentar a população activa, mas, ao contrário do que acontece noutras áreas, aqui não merece a concordância do presidente do PSD — que prefere a aposta nas políticas de incentivo à natalidade do que na imigração como prioridade.»

Mas não se pense que o PSD é uma alternativa viável só por causa disto! O PSD, tal como CDS não fez nada -rigorosamente nada!- para combater a imigração sempre que esteve no governo, só um perfeito imbecil pode achar que vai começar a fazê-lo agora! A única diferença entre o PS e  PSD é que o primeiro quer levar-nos para o abismo da mestiçagem a 200 km/h, enquanto o segundo quer que cheguemos lá apenas a 100 km/h... mas não haja dúvidas: ambos PS e PSD querem levar-nos a esse abismo, é garantido!

E é importantíssimo que percebamos isto de uma vez por todas: os partidos com assento par(a)lamentar são todos globalistas, fazem parte integrante do projecto mundialista, não estão minimamente interessados em combater a imigração! Lembrem-se, caros leitores, todos os líderes políticos portugueses torceram activamente pela vitória da bruxa Hilária contra o Trump! Todos os líderes políticos portugueses foram e continuam a ser contra o Brexit! Vários dos líderes políticos portugueses são ou foram membros do Clube de Bilderberg!

É preciso insistir nesta mensagem junto das pessoas: não existe alternativa ao Nacionalismo! Porque o grande combate político dos nossos tempos é entre os que querem manter a inviolabilidade do estado-nação e a integridade do Ocidente e aqueles que querem criar um mundo sem fronteiras e sem identidades, i.e. é entre o Nacionalismo e o Globalismo! Tudo o resto é irrelevante, é distracção contraproducente, é areia para os nossos olhos!

Ou acordamos de uma vez por todas ou vai ser mesmo impossível reverter o que está a acontecer, a menos que haja uma guerra civil sem precedentes! Notem bem, se chegarmos a esse ponto, nada garante que sairemos vitoriosos, ao contrário do que julgam demasiados no movimento Nacionalista! Pelo contrário, a probabilidade de vencermos essa guerra diminui à medida que os alógenos vão entrando na Europa... não é realista pensarmos que podemos vencer hordas de homens mais jovens e mais fortes do que nós e que, ainda por cima, são apoiados financeira e militarmente pela superclasse! Metam isto nas vossas cabeças: ou resolvemos a coisa agora, pela via política, ou as nossas hipóteses de sucesso reduzir-se-ão muito, mas muito significativamente!

____________
Ver também:

Bosta das Índias: «Portugal precisa da imigração para resolver problema demográfico»
Arrogância alógena: imigrantes exigem ainda mais facilidades na Lei da Nacionalidade!
Obsceno: filhos de imigrantes passam a ser "portugueses", mesmo sem terem nascido em Portugal!
Par(a)lamento "tuga" aprova acção afirmativa para os "jovens" em Portugal!
Nova lei da imigração levou a um aumento recorde dos pedidos de residência em Portugal!
(des)Governo "tuga" facilita ainda mais a legalização de imigrantes!
O Costa nas Índias: "venham todos para Portugal, manos!"
Portugal já recebeu 1402 refujiadistas. Todos os meses continuam a chegar mais!
Dois em cada cinco "refugiados" abandonaram Portugal 
Ainda sobre os "refugiados" que vieram para Portugal e decidiram dar de frosques...
«O povo português está a desaparecer»
Escolhem-se nomes cada vez mais exóticos em Portugal
ATAPENC (96): já haverá 1,4 milhões de imigrantes de primeira e segunda gerações em Portugal

6 comentários:

Anónimo disse...

Esses sindicalistas semianalfabetos e vociferantes, como o Arménio da “precaridade”, tinham a obrigação de avisar aqueles que descontam no salário para que eles possam andar à boa-vida, que todo o trabalhador por conta de outrem ao votar em partidos pró-imigracionistas comete grossa asneira. Esse voto serve, na realidade, para impor a agenda dos partidos que favorecem a substituição do trabalhador através do “dumping” social e laboral que tanto convém à governança neoliberal e globalista.
Esta invasão tem como resultado baixar os salários e os direitos de quem trabalha, ao mesmo tempo que cria uma enorme bolsa de trabalhadores inactivos, subsidio-dependentes, que servem de reservistas da força laboral (aqui o capital globalista esfrega as mãos). Por outro lado, com a socialização da miséria, a esquerda julga ter garantida a sua clientela eleitoral, que lhe dará o poder para sempre (e, obviamente, também a esquerda esfrega as mãos).
(Stonefield)

Anónimo disse...

Incrível aquilo que estão a fazer ao nosso país, a maior traição de sempre ao nosso povo.

Excelente post Afonso de Portugal, dos melhores que já li.

ass.
Paulo

pvnam disse...

Urge arrepiar caminho:
-> urge trabalhar para o SEPARATISMO!

Anónimo disse...

Aterrador...é o que dá o povo português andar 20 anos atrasado em relação a grande parte dos países europeus no que ao Nacionalismo diz respeito...até a complexada Alemanha tem um movimento anti-imgração mais robusto.

Ass: FdT

Ilo Stabet disse...

tentei não reagir a frio a esta notícia, e depois de matutar um pouco, foram estas as conclusões:

- nenhuma novidade em relação a estes vermes serem traidores (e ao destino que os espera eventualmente). já sabiamos isto. é apenas mais uma manifestação de que não passam de lacaios internacionalistas. mas que esperar quando temos um primeiro ministro que nem português é? de certa forma, o Passos Coelho (de quem há rumores que seja cidadão de Sodoma, se me faço entender) é ainda pior: sendo português (e possivelmente um desviante sexual, em que, volto a repetir, não se pode confiar) casou com uma alógena e é suposto ser o grande paladino da direita moderada. sobre esta corja está tudo dito.

- tal como quase tudo o que é declarado pelo governo é whishful thinking. a maioria dos 'refugiados' não quer vir para cá. para que estes números se realizem é preciso que o tumulto comece na Europa Central e eles fujam de lá para cá e os barcos das NGOs comecem a atracar aqui. mesmo assim, ainda vão para Espanha antes de virem para cá. continua a ser preocupante, mas quando as coisas rebentarem para lá o pêndulo vai virar muito rápido, e não acho que se passe sequer pelas deportações, mas que se vá directamente para as execuções. é terrível, porque na realidade os alógenos são apenas peões, não os verdadeiros culpados. mas acho que é inevitável.

- o verdadeiro problema está nas ex-colónias. quase ninguém tem problemas com isto porque supostamente vêm de 'culturas lusófonas'. é daí que vem o principal problema, a meu ver. aliás, quase todos os portugueses consideram-nos portugueses. por isso é que considero o 'minho-timorismo' como o Afonso lhe chama, tão perigoso. às vezes vejo turmas da primária em visitas de estudo, e são dois portugueses no meio de 28 pretos. assustador.

- acho que é fácil de explicar o fenómeno mencionado pelo FdT: a Alemanha tem um movimento nacionalista mais visível porque receberam alógenos de uma cultura completamente antagónica sem sequer terem colónias propriamente ditas, ou seja, sentiram muito mais a diferença e nem se pode argumentar o mesmo que se argumenta aqui (o tal minho-timorismo).

- esta é talvez a tese mais estranha, mas acho que o PNR deveria começar a fazer alianças com o PCP - estou convencido que muitos no PCP não se revêem no progressismo do BE, incluindo na questão dos refugiados, e que na realidade genuinamente se interessam com o nível de vida dos portugueses verdadeiros, aqueles que não têm dinheiro para sustentar as famílias e viver com estabilidade, etc. não sei muito bem como efectuar essa aliança, mas foi o que sucedeu em Itália, de certa forma, e como já disse várias vezes, é absolutamente impossível fechar as fronteiras físicas e manter-se as fronteiras financeiras e económicas abertas.

Ilo

Afonso de Portugal disse...

Stonefield disse…
«Esse voto serve, na realidade, para impor a agenda dos partidos que favorecem a substituição do trabalhador através do “dumping” social e laboral que tanto convém à governança neoliberal e globalista.»

Sem dúvida… mas, como o caro Stonefield observou a seguir:


«Por outro lado, com a socialização da miséria, a esquerda julga ter garantida a sua clientela eleitoral, que lhe dará o poder para sempre (e, obviamente, também a esquerda esfrega as mãos).
(Stonefield)
»

Esta é a parte que muitos na direita –inclusive no Nacionalismo- continuam sem entender. A esquerda jamais, repito, JAMAIS abdicará da imigração precisamente por causa isso, a esquerda encara os imigrantes como a extensão do proletariado revolucionário na luta contra a burguesia capitalista. E encara bem: um pouco por todo o Ocidente, os resultados eleitorais mostram que essa perspectiva está correcta, as “minorias” votam sobretudo na esquerda, porque é sobretudo a esquerda que promove as políticas de subsidiodependência e de acção afirmativa que as favorecem.


Paulo disse…
«Incrível aquilo que estão a fazer ao nosso país, a maior traição de sempre ao nosso povo.»

Eu, de facto, não consigo ver um momento pior na nossa história, nem mesmo quando os Filipes se apoderaram de Portugal. Até nessa altura havia pelo menos a esperança da reconquista da independência… agora, nem isso temos. Uma vez destruída a demografia, não há retorno possível, a derrota é irreversível!


«Excelente post Afonso de Portugal, dos melhores que já li.»

Obrigado, caro Paulo, quem me dera não ter precisado de a escrever…


pvnam disse...
«Urge arrepiar caminho:
-> urge trabalhar para o SEPARATISMO!
»

Urge votar no PNR, isso sim!

FdT disse…
«Aterrador...é o que dá o povo português andar 20 anos atrasado em relação a grande parte dos países europeus no que ao Nacionalismo diz respeito...até a complexada Alemanha tem um movimento anti-imgração mais robusto.»

Somos um país de cornos mansos, por muito que alguns afirmem o contrário. O português médio preocupa-se excessivamente com a sua imagem, não se atreve a assumir nada que seja politicamente correcto ou contra a moda vigente. Só ficamos agressivos em revoltados quando o assunto é futebol, em tudo o resto somos uma cambada de cucos sem carácter nem coluna vertebral!


Ilo Stabet disse…
«(…)mas que esperar quando temos um primeiro ministro que nem português é? de certa forma, o Passos Coelho (de quem há rumores que seja cidadão de Sodoma, se me faço entender) é ainda pior: sendo português (e possivelmente um desviante sexual, em que, volto a repetir, não se pode confiar) casou com uma alógena e é suposto ser o grande paladino da direita moderada. sobre esta corja está tudo dito.»

Essa é outra das coisas que é preciso enfiarmos na cabeça (não me refiro ao Ilo e a mim, evidentemente, mas aos portugueses que não queiram imigrantes): todos, TODOS da esquerda-esquerda à direita betinha do CDS são a favor da imigração e da miscigenação! Não há aqui excepções, são mesmo TODOS! Até mesmo em certos sectores do PNR parece haver, infelizmente, uma certa simpatia por africanos, mas o PNR ao menos ainda propõe controlar a imigração, TODOS os outros insistem na falácia da sustentabilidade demográfica!