sábado, 19 de maio de 2018

Sobre a deprimente "marcha LGBTI" do orgulho panasca de Bragança


     Como vos tinha prometido na última posta, deixo aqui um artigo escrito por um padre da diocese de Bragança acerca da vergonhosa marcha LGBTI que teve lugar hoje na pequena cidade transmontana. Sublinho: o artigo foi escrito por um padre, não por um militante do Bloco de Esterco!
«Há rótulos que se colam às pessoas e às cidades e que perduram mesmo quando a realidade os desmente. Bragança continua a ser considerada uma cidade remota e longínqua, apesar de estar cada vez mais perto de tudo, graças à melhoria das acessibilidades nos últimos anos. Tem até, no contexto da Península Ibérica, uma posição única: como afirmou o primeiro-ministro, António Costa, Bragança "tem à sua volta, num raio de 150 a 200 quilómetros, cinco milhões de habitantes do lado de lá da fronteira", o que "dá uma centralidade absolutamente extraordinária a esta região".»

O padre Rodrigues começa da pior forma possível, com um exercício patético de autocomiseração e provincianismo. Sim, porque não há maior forma de provincianismo do que dar valor àquilo que os outros pensam a nosso respeito. Porque havia um transmontano de ficar incomodado com os "rótulos" das elites de Lisboa e Porto? Porque havia de imitar pessoas que descaracterizaram e mutilaram as suas próprias cidades?

Para além de que a suposta "centralidade absolutamente extraordinária" de Bragança assenta numa falácia demográfica gritante: não é por haver milhões de pessoas à volta de Bragança que a cidade passa a ser central, porque para isso era preciso que esses milhões de pessoas, ou pelo menos uma parte significativa desses milhões, interagisse com a cidade e os seus habitantes. Ora, o padre Rodrigues, tal como os habitantes do distrito de Bragança em geral, sabe perfeitamente que isso não é verdade. Exceptuando umas pequenas trocas comerciais que se vão fazendo junto à fronteira com Espanha, a interacção dos habitantes e das empresas de Bragança com Espanha é ainda menos significativa do que a interacção que outras regiões portuguesas têm para com o país vizinho. Proximidade geográfica não implica necessariamente interacção entre as partes. Perguntem a Braga e a Guimarães, por exemplo.


«Apesar disto, Bragança continua a ser considerada uma cidade fechada e pouca aberta à diversidade, mesmo sendo uma das cidades onde convivem mais culturas e credos diferentes em Portugal. Cerca de um décimo dos seus habitantes são estrangeiros, oriundos dos cinco continentes! Só estudantes no Instituto Politécnico são dois mil, os quais se sentem em Bragança acolhidos e respeitados, seja qual for a sua cor de pele, a sua cultura ou a sua religião.»

"Contiua a ser  considerada uma cidade fechada e pouco aberta à diversidade" por quem, exactamente? E por que motivo é que ser aberto à "diversidade" é uma coisa desejável? Os credos e culturas de que o padre fala "convivem" mesmo ou apenas coexistem? Quanto aos estudantes "jovens" do Instituto Politécnico de Bragança, cuja presença eu já tinha denunciado aqui no TU, como é que o padre Rodrigues sabe que todos os habitantes da cidade estão contentes, e não apenas os professores do IPB e os comerciantes que prosperam com o dinheiro deixado pelos "jovens", muitos dos quais recebem bolsas de estudo pagas com o dinheiro dos contribuintes portugueses?
«Vem isto a propósito de o movimento LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgénero) ir organizar em Bragança o que anuncia como "a primeira marcha do orgulho LGBTIQ" deste distrito transmontano. Esta iniciativa é apresentada pelos organizadores como sendo uma lança em África, ou seja: também eles assumem Bragança como uma "cidade conservadora" e que ainda "não está aberta a este tipo de movimentos".»

"Uma lança em África", pá! É realmente engraçado como estes cretinos da "justiça social" dizem abominar o colonialismo, mas depois não se coíbem de empregar expressões colonialistas quando se trata de impor aos outros as suas mundivisão, perversões e degredos! Gente hipócrita e sem vergonha nas trombas!!

Prestem atenção agora, caros leitores, em especial os leitores católicos:
«Certamente haverá quem experimente alguma resistência em aceitar pessoas com uma orientação sexual diferente da heterossexual, mas essa não deverá ser a atitude da maioria. Os católicos, por exemplo, e são muitos em Bragança, têm aprendido com o Papa Francisco a desenvolver uma atitude de tolerância e de aceitação dessa diversidade.

Logo no dealbar do seu pontificado, no regresso do Brasil, a sua primeira viagem fora de Itália, Francisco afirmou a bordo do avião: "Se uma pessoa é gay e procura o Senhor e tem boa vontade, quem sou eu para a julgar? O Catecismo da Igreja Católica explica isso muito bem, dizendo: "Não se devem marginalizar estas pessoas por isso, devem ser integradas na sociedade"

Se isto for mesmo verdade, então boa merda de católicos tem a cidade de Bragança, bastou um herege comuna apoderar-se do Vaticano e mandar umas larachas que mudaram logo todos de ideias! E a que 'Catecismo' é que o padre ser refere, exactamente? Eu já não sou católico há quase 20 anos, mas não me lembro de a doutrina da ICAR ser favorável ao homossexualismo em nenhum momento! Ter-me-á escapado alguma coisa? Ou será este 'Catecismo' mais uma modernice imposta pelo canalha do Bergoglio?...
«Se Bragança soube abrir-se à interculturalidade e acolher pessoas de diferentes credos, não há razão para rejeitar a diversidade de orientações sexuais e desenvolver agora atitudes de rejeição daqueles que publicamente querem assumir essas suas opções manifestando-se na rua. Pelo contrário, esta é até mais uma oportunidade para demonstrar que não é a cidade provinciana e tacanha que se supõe, mas antes uma realidade cosmopolita, tolerante e aberta a toda a diversidade que nela queira conviver.»

Leram bem, caros leitores? Bragança é uma cidade aberta ao multiculturalismo e a todos os tipos de desvios sexuais, não é "tacanha" nem "provinciana", pá, é toda cosmopolita! E não é o líder do Bloco de Esterco local que o afirma, é um dos padres católicos da diocese local!
«Em vez de ter medo que se lhe cole o rótulo de "gay friendly", ou "LGBTIQ friendly", Bragança deveria estar atenta aos benefícios de ser considerada uma cidade acolhedora em todas as dimensões, incluindo todos os que vivem a sua sexualidade com as mais diversas orientações, desde que respeitadores da sensibilidade dos outros. Uma cidade de sadia e harmoniosa convivência entre todos os que pensam e vivem de forma diferente uns dos outros. Sem preconceitos, crispações ou menosprezo.»

Não é "medo", seu padreco ridículo, é mesmo NOJO, um conceito que tu claramente não entendes! Que "benefícios" são esses que mencionas, mas não chegas a nomear? Queres transformar Bragança numa Meca guei? Olha que ao contrário dos preticos de Cabo Verde e de São Tome e Príncipe, os rabetas não vão encher as igrejas da cidade!
«Bragança precisa de todos. Precisa de crescer e de ser cada vez mais uma cidade aberta ao Mundo.»

Não, burro do caralho! Bragança precisa é de postos de emprego que permitam dar sustento a mais famílias portuguesas! Só isso permitirá contrariar o acentuado declínio demográfico do distrito! E não é com marchas de invertidos NOJENTOS que vamos atingir esse objectivo, mas sim com mais empreendedorismo, mais respeito pela família e pela sua santidade, mais incentivos e recompensas àqueles que criam riqueza e que têm filhos!!! 

Mas que raio de padres "católicos" são estes, que até mesmo nas localidades mais remotas de Portugal apelam à normalização do que é aberrante e contranatural? Já não bastava haver tantos clérigos católicos a defender a imigração, agora também defendem os invertidos?!?! Mas que diabo está a acontecer à ICAR?!...

8 comentários:

João disse...

Essa padralhada comuna está a destruir a Igreja, mas a culpa é também dos católicos. Aceitamos esta merda toda sem protestar como deve ser. No caso português, infelizmente, junta-se ao problema uma enorme falta de conhecimentos doutrinários por parte dos que se dizem católicos. Não tivemos reforma protestante e isso permitiu uma homogeneidade em termos religiosos, mas também deu azo a um relaxamento enorme. Nunca se fez uma catequese como deve ser e o catolicismo da maioria sempre foi um catolicismo de superfície. Raspa-se e surge logo a confusão e o "multiculturalismo" religioso-ideológico que faz com que o "católico" português não tenha problemas em ir à bruxa, em ler a página de astrologia das revistas, em participar em todo o tipo de celebrações não-católicas. Depois, estes padres aproveitam-se também disto para espalharem a agenda maligna. Mas hão-de responder por isso.

Anónimo disse...

Faço minhas as palavras de...

http://o-tradicionalista.blogspot.com.br/2018/05/cao-atrofiado.html

Depois de uma semana inteira sintonizado na TV a ver canais portugueses...

Eduardo - Brasil

JoseSilva disse...

Os padrecos de agora andam todos doidos e já nem sabem o que dizem. Do Papa Chico, que é um grande comuna já não me admiro, mas dos outros...
Não sou homem de muita igreja, mas deixo abaixo um excerto retirado da Bíblia, só para lembrar a lei aos crentes católicos e principalmente aos padres:

[...Com varão te não deitaras, como se fosse mulher: abominação é. ] Levítico 18:22.

Nota:
Abominação é. - Acto Sexual com alguém do mesmo sexo, é abominação ao Senhor. Isto é, tal acto é sobrenatural, detestável e repulsivo a Deus.

[...Não haverá rameira dentre as filhas de Israel; nem haverá sodomitas dentre os filhos de Israel.] Deuteronomio 23:17.

Transcrevi só para que a paneleiragem fique bem esclarecida!...

Saudações,

José Silva

Anónimo disse...

Estive quase para vomitar caro Blogueiro! Quase para vomitar! O que é que este idiota quer a seguir? Terrorismo islamico na cidade para depois escrever "hoje Bragança evoluiu de nivel atingindo o seu esplendor cosmopolita, tal como nos maiores centros urbanos da Europa tambem hoje caros fieis tivemos o prazer de acolher 1 individuo com "problemas mentais" que ao som de "allah ahkbar" esfaqueou meia duzia de pessoas no centro da cidade incluindo uma crianca no colo da mãe. Como é bela a diversidade! Como são progressistas estas novas sínteses culturais tal como diz o papa francisco. Já na biblia vem escrito que devemos acolher as pessoas com "problemas mentais" e dar-lhes todo o nosso amor independentemente do credo e da raça"

Que mal terá feito Bragança para ter que levar num curto espaço de tempo com padrecos imbecis, camiões de "jovens" e provincianos que querem ser cosmopolitas?

Ass:FdT

Anónimo disse...

Ao longo dos anos fui me apercebendo que grande parte dos padres são gays, daí que esta tomada de posição da parte do padre até seja admissível, afinal ele comenta sobre o grupo onde provavelmente se insere.

Ataíde

Ilo Stabet disse...

nojento. mas acho que o padre, além de provavelmente ser sodomita (como disse o Ataíde acima), está apenas a responder às pressões de mercado. da mesma forma que querem angariar todos os alógenos possíveis, também querem angariar todos os desviantes. provavelmente com indicações específicas do Vaticano nesse sentido (o Papa promoveu o "católico" mais apologista dos LGBT a consultor no departamento de comunicação do Vaticano).

Um exemplo de como esta cultura já está a infiltrada em todo o país, entre os mais jovens (e ignorado entre os outros - afinal, se cometerem aberrações em privado não há mal nenhum):

https://www.youtube.com/watch?v=mOXaUHloDRU&feature=youtu.be&a

o rapaz é de Peso da Régua, tem uma namorada, mas está convencido que é uma rapariga (e que por isso é gay - além de trans). este é o impacto da abertura ao capitalismo internacional, e da tecnologia. sem estas duas, não havia isto. é algo que já disse várias vezes: estes miúdos vêem aquilo que é elevado ao topo da nossa hierarquia social e arranjam maneira de lá pertencerem. eventualmente vai mesmo cometer o erro de mutilar-se e provavelmente suicidar-se pouco depois.

Anónimo disse...

LGBTI? Eu só conhecia LGBT. O que raio é um intersexual!?

Comentei para que o Afonso saiba que ainda estou vivo ;)

Ass.Rui

João José Horta Nobre disse...

Só faltou o Lá Lá Cardo na marcha panasca, ahahahhahahahhaha.