quinta-feira, 10 de maio de 2018

Amnistia Internacional volta a dar um ar da sua (des)graça...


     Para quem eventualmente não se recorde, a Amnistia Internacional (AI) é aquela organização não-governamental da 'caridadezinha' que:
  1.  é presentemente presidida por um monhé indiano;
  2.  já teve um director que disse que "a imigração não podia ser vista como uma questão de números";
  3. Tem um historial de convocar manifestações a favor da iminvasão do Ocidente, como por exemplo estas aqui no Reino Unido ou estoutra aqui em Portugal;
  4. Diz que Portugal tem uma polícia violenta e que os africanos e os ciganos no nosso país "são discriminados".
Ora, anteontem, a AI decidiu dar novamente um ar da sua (des)graça e condenar a compilação, por parte da polícia metropolitana de Londres, de uma lista de membros de gangues -logo, potenciais criminosos- daquela cidade. E porque é que a AI condena? Porque como bem saberá quem segue assiduamente este e outros blogues nacionalistas, os "jovens" estão grosseiramente sobre-representados nas estatísticas do crime britânico, sobretudo no que respeita aos "gangues", pelo que a AI acha que as listas da Scotland Yard são "racialmente discriminatórias":
«A polícia compilou uma base de dados secreta, contendo os nomes de milhares de membros de gangues e incluindo crianças de 12 anos.»

Reparem bem como a Sky News começa a notícia de forma intencionalmente manipulatória, incluindo uma referência às "pobres criancinhas" de 12 anos, como se elas não andassem armadas e não matassem pessoas, que é para deixar logo o público de pé atrás em relação à lista!!!
«A 'Matriz dos Gangues', compilada pela Scotland Yard, é partilhada pelas delegações locais e outras agências. Mas de um total de 3 806 pessoas registadas, 1 500 são avaliadas como 'não oferecendo risco de violência'.»

Quem fez essa avaliação? E mediante que critérios? Quantos terroristas e criminosos já foram avaliados como "não oferecendo risco" no passado e depois cometeram atentados ou crimes violentos?!
«Um relatório da Amnistia Internacional descrveu a 'Matriz dos Gangues' como "racialmente discriminatória" e disse que violava a lei internacional em matéria de direitos humanos.
A AI afirma que o número de homens negros na Matriz é desproporcionado.»

 Segundo a AI, a probabilidade destes três gangsters serem "jovens" é a mesma de serem "velhos"!
(será que eles acham mesmo que alguém acredita nisso? 😕)


Ou seja, o problema da AI com a lista da polícia não é tanto a lista em si, a questão da privacidade ou ela conter "criancinhas", mas sim o facto de ela ser constituída maioritariamente por "jovens"!!! Só que, como vimos aqui no TU recentemente, na série 'O declínio acentuado do Londristão', os "jovens" estão mesmo sobre-representados nas estatísticas do crime e isso não é nenhuma "discriminação racial", é mesmo a realidade!
«Dados de Julho de 2016 mostravam que 87% das pessoas na 'Matriz dos Gangues' eram negros, asiáticos ou de outras minorias étnicas. 78% dos listados eram negros. A população negra de londres representa apenas 13% do total, mas os números da polícia mostram que 27% dos acusados de violência são negros.»

Ou seja, é inegável que os negros em Londres cometem muito mais crime do que as outras raças!  Mas perante as evidências, qual é a reacção da AI? Atacar o mensageiro:
«A directora da AI no Reino Unido, Kate Allen, disse: "há claramente um enorme problema com o crime com facas em Londres, mas a 'Matriz dos Gangues' não é a solução". Faz parte de um foco inútil e racializado do conceito de gangues. É a ferramenta errada para o problema errado.»

Reparem, caros leitores, esta víbora da Karen Allen critica a lista, mas:
  1. Não apresenta alternativas;
  2. Parte do presuposto de que a lista tem como base um critério racial, quando a polícia de Londres é a força de segurança mais multirracial de todo o mundo;
  3. Diz que o conceito de gangues foi "racializado", sem nunca apresentar números que mostrem que os gangues não são um fenómeno tipicamente "jovem".
  4. Diz que "há claramente um enorme problema com o crime com facas em Londres", mas não dá uma única sugestão de como poderá ser resolvido.

Resumindo e concluindo: a Amnistia Internacional mantém-se fiel aos seus donos globalistas. E a Sky News, com este excelente trabalho de manipulação e distorção da realidade, também.

____________ 
Ver também:

O declínio acentuado do Londristão (Parte IV e final)
Director da AI diz que a imigração "não pode ser vista como uma questão de números"
Amnistia Internacional homanegeia as "vítimas do Mediterrâneo" em Lisboa
Para que servem afinal as ONGs?

5 comentários:

Anónimo disse...

Caiu completamente a mascara da AI, quer dizer se eles fossem brancos não havia problema nenhum em revelar a etnia mas como são negros...e depois este tipo de organizações ainda dizem que são "anti-racistas" são é claramente "anti-brancos".

O mais triste é que pela minha experiência de vida não só em Portugal como noutros locais da Europa, em média aí uns cerca de 20% dos brancos são "anti-brancos" depois uns 60% são complacentes, ou seja, não têm coragem para defender a raça branca e também engoliram a cassete de os negros serem uns "coitadinhos" e dos brancos serem "racistas maus", por outra palavras estes 60% são a "carneirada", e depois por fim temos para aí uns 20% de pessoas brancas conscientes do mundo em que vivem (em Portugal nem 20% são). E atenção: isto é gente mesmo branca, não são "judeus".

p.s: só é pena que nos programas de debate da SIC, TVI etc não comentem esta lógica da AI

Ass: FdT

Anónimo disse...

Aproveito para lhe deixar aqui 3 links que me chamaram a atenção nos últimos dias:

O primeiro ainda é sobre a "epidemia de crimes" em andamento no Londistão :

https://www.express.co.uk/news/uk/956195/UK-violent-crime-statistics-liverpool-stabbing-weekend-london-shootings

Chamo a atenção para o facto de a beleza exótica do jovem que aparece na foto e da sua família ser qualquer coisa de fascinante!

"Last night, the teenager's heartbroken mother Pretana Morgan said her son had been a "good boy"."

Já aprenderam a garantir a pés juntos que os seus rebentos são todos "good boys" como a malta dos "guetos" norte-americanos :D

Depois temos esta noticia que me deixou extremamente chocado:

https://www.jn.pt/mundo/interior/mae-deixava-homens-violarem-filhas-de-5-e-6-anos-em-troca-de-dinheiro-9322595.html?utm_source=jn.pt&utm_medium=recomendadas&utm_campaign=beforeArticle&_ga=2.178509089.463175240.1525535138-1699428958.1525443269

Um caso de violação de meninas com menos de 10 anos de idade que envolve uma mãe solteira branca, um senhor "jovem" e outros senhores provavelmente também "jovens" ou senhores "indivíduos". Isto deixou-me em estado de choque pois nunca me passou pela cabeça existirem casos de violação em que o agressor, ou agressores, não fossem "homens brancos patriarcais".

Quer dizer já tinha ouvido qualquer coisa sobre os "grooming gangs" no Reino Unido etc mas isso deve ser tudo "fake news"!

Por fim fica aqui esta "noticia" curiosa:

"https://www.cmjornal.pt/cm-ao-minuto/detalhe/beija-homem-em-direto-e-e-surpreendida-por-marido?ref=DET_noticiasSeccao_MaisLidasDia"

Depois de uma noite na discoteca uma mulher branca alcoolizada é assediada por 1 "jovem" e acaba por ir alegremente na conversa do jovem. Acontece que a branca era casada com 1 branco que apareceu no local e os apanhou em flagrante, no final tanto o jovem como a esposa ainda gozaram com ele e o "jovem" ainda foi para casa a rir...

Curiosamente a conversa de engate dos "jovens" é igual em todo o lado e é extremamente romântica e complexa, veja e aprenda:

jovem: dá-me um beijo, dá-me 1 beijo, dá-me um beijo vá lá...

branca: ai não sei...

Jovem (a agarrar a branca de forma a que ela não fuja): dá-me lá um beijo muuuhhhhhaaa só um beijo

Branca: mas... (e antes que acabe a frase o jovem já a papou).

Isto se a branca não estiver alcoolizada...caso esteja alcoolizada provavelmente nem vai resistir sobretudo se for uma Inglesa ou Americana branquíssima e com uns quilos a mais...mas os nazionalistas com certeza juram a pés juntos que estes espécimes têm "genes judeus" :D

Ass: FdT

Afonso de Portugal disse...

Muito obrigado, caro FdT! Graças a si tenho material para as próximas postas sem ter que mexer uma palha! :P


«O mais triste é que pela minha experiência de vida não só em Portugal como noutros locais da Europa, em média aí uns cerca de 20% dos brancos são "anti-brancos" depois uns 60% são complacentes, ou seja, não têm coragem para defender a raça branca e também engoliram a cassete de os negros serem uns "coitadinhos" e dos brancos serem "racistas maus"»


Deve andar por aí deve, embora eu tenha a sensação de que quanto mais para Ocidente, pior (a demência terminal da Suécia é a excepção). Os países mais permissivos para com a iminvasão parecem ser Portugal e o Reino Unido, onde a "extrema-direita" nem sequer tem expressão, seguidos pela França, a Bélgica e o Luxemburgo. Depois vêm a Holanda, a Grécia, a Áustria, a Alemanha e a Itália e só depois a Dinamarca, a Noruega e a Finlândia. A Espanha e a Irlanda parecem ser um pouco mais resistentes, mas só isso, um pouco.

O que mais me impressiona é o seguinte: em várias sondagens de opinião, os portugueses surgem como um dos povos mais "racistas" da Europa. Mas depois somos um dos países mais iminvadidos, em que os nativos menos se opõem de facto à imigração massiva!


«por outra palavras estes 60% são a "carneirada", e depois por fim temos para aí uns 20% de pessoas brancas conscientes do mundo em que vivem (em Portugal nem 20% são). E atenção: isto é gente mesmo branca, não são "judeus".»

É isso. Em Portugal, nem 10% são... aliás, tudo indica que nem 1%! O PNR nunca passou dos 0,5% e mesmo assim tem muitas pessoas que não são racialistas.


«O primeiro ainda é sobre a "epidemia de crimes" em andamento no Londistão»

Não se preocupe, caro FdT, o "mayor" Sadicão anunciou hoje que vasi tomar medidas contra... os cheeseburgers! Porque a vida é feita de prioridades, pá! :P


«Já aprenderam a garantir a pés juntos que os seus rebentos são todos "good boys" como a malta dos "guetos" norte-americanos :D»

É espantoso como certos padrões se repetem, não é?... E aqui em Portugal, quando teremos mães "jovens" a garantir que os seus filhos são todos "bons moços"?


«Isto deixou-me em estado de choque pois nunca me passou pela cabeça existirem casos de violação em que o agressor, ou agressores, não fossem "homens brancos patriarcais".»

Confesso que também estou chocado! A minha mundivisão ficou totalmente estilhaçada, já nem sei o que é real e o que não é! Como diria a Floribela: "oh, estou tão confusa"!!!


«Curiosamente a conversa de engate dos "jovens" é igual em todo o lado e é extremamente romântica e complexa, veja e aprenda»

Ahahahahahah o mais surreal é que resulta! Infelizmente, os "velhos" não aprendem a lição...


«mas os nazionalistas com certeza juram a pés juntos que estes espécimes têm "genes judeus" :D »

É isso... ou então "foram manipuladas pela propaganda judaica e não conseguem pensar pela sua própria cabeça". Culpa delas é que nunca é! Os arianos são puros e meigos, ingénuos até... somos muito inteligentes, mas só para a ciência e para artes! Na espertice de saber viver, toda a gente nos engana facilmente...

Anónimo disse...

"Deve andar por aí deve, embora eu tenha a sensação de que quanto mais para Ocidente, pior (a demência terminal da Suécia é a excepção). Os países mais permissivos para com a iminvasão parecem ser Portugal e o Reino Unido, onde a "extrema-direita" nem sequer tem expressão, seguidos pela França, a Bélgica e o Luxemburgo. Depois vêm a Holanda, a Grécia, a Áustria, a Alemanha e a Itália e só depois a Dinamarca, a Noruega e a Finlândia. A Espanha e a Irlanda parecem ser um pouco mais resistentes, mas só isso, um pouco."

Sim sim quanto mais para Ocidente pior mas não se iluda que até nos países mais resistentes (Polónia, Hungria etc) há malta de "diretinha" e sobretudo de esquerda que é igual ou pior! se eu lhe conta-se e mostra-se algumas imagens e textos de propaganda esquerdista nos países acima referidos o caro Blogueiro até caía de joelhos no chão!

E não me venham com desculpas que são organizações financiadas pelo Soros etc ok até podem ser, mas o Soros não coloca uma arma na cabeça dos BRANCOS que militam nessas organizações e os obriga a fazer propaganda pela (falsa) diversidade.

"...em várias sondagens de opinião, os portugueses surgem como um dos povos mais "racistas" da Europa. Mas depois somos um dos países mais iminvadidos, em que os nativos menos se opõem de facto à imigração massiva!"

pois não sei se somos de facto mais ou menos "racistas" que os outros europeus, isso tem muito que se lhe diga...o que eu sei é que estamos no grupo dos europeus que têm menos "tomates" e vontade para travar, democraticamente claro, o processo de "iminvasão"

"o "mayor" Sadicão anunciou hoje que vai tomar medidas contra... os cheeseburgers!"

Esperar que esse tome medidas contra o verdadeiro problema de Londres é como esperar que o Pinto da Costa tome medidas contra o FC Porto, não vai acontecer pois ele é parte do problema.

"É espantoso como certos padrões se repetem, não é?"

é mesmo parece que já nasceram ensinados!

"Como diria a Floribela: "oh, estou tão confusa"!!!"

Ahahahaha do que se foi lembrar...curiosamente essa também gosta de carne fumada...

"Culpa delas é que nunca é!"

Pois não pá! isto é como 1 puzzle: a culpa dos brancos serem xenofilos é dos judeus, a culpa dos pretos serem criminosos é dos brancos e por aí fora...

Ass: FdT

Afonso de Portugal disse...

«e eu lhe conta-se e mostra-se algumas imagens e textos de propaganda esquerdista nos países acima referidos o caro Blogueiro até caía de joelhos no chão!»

Acredito, ainda há uns dias vi uma entrevista com um pugilista "polaco" no YouTube e o "jovem" dizia que nunca se tinha sentido em desvantagem face aos autóctones, apenas que tinha ouvido uma boca ou outra esporadicamente.



«E não me venham com desculpas que são organizações financiadas pelo Soros etc ok até podem ser, mas o Soros não coloca uma arma na cabeça dos BRANCOS que militam nessas organizações e os obriga a fazer propaganda pela (falsa) diversidade.»

É isso, é exactamente ISSO que demasiados nacionalistas se recusam a ver! Continuam a insistir, estupidamente, que o inimigo é única e exclusivamente o judeu, como se os judeus tivesse entrado pela Europa adentro sozinhos, sem a permissão e por vezes a bênção de quem já cá estava!