sexta-feira, 20 de abril de 2018

Obsceno: filhos de imigrantes passam a ser "portugueses" de pleno direito, mesmo sem terem nascido em Portugal!


    Se o jus soli já era uma obscenidade, isto é pura e simplesmente inqualificável! Portugal caminha a passos largos para a sua destruição. Um muito obrigado! ao Filho da Truta (FdT) por nos ter trazido aqui a notícia mais deprimente da semana:
«Os filhos de estrangeiros que residam em Portugal há dois anos vão ser considerados portugueses originários, excepto se declararem que não querem ser portugueses, “invertendo a actual regra”. Isto irá encurtar o prazo na lei até agora em vigor, que exigia aos pais que estivessem a viver em Portugal há pelo menos cinco anos.»

A notícia foi redigida de uma forma confusa: os dois anos são para os filhos; os pais têm que estar em Portugal há pelo menos cinco anos, como ser verá mais adiante; seja como for, os filhos passam a ser "portugueses" de pleno direito, sem sequer terem nascido em Portugal! 
«Outra alteração significativa é o pedido de nacionalidade pela via da ascendência: pais de portugueses de origem podem vir a ter acesso à nacionalidade dos filhos desde que residam há pelo menos cinco anos em Portugal, independentemente da sua situação legal.»

Ou seja, depois de terem obtido a nacionalidade portuguesa para os seus filhos em apenas dois anos, os pais podem pedir a nacionalidade portuguesa para eles próprios! Que bonito!!!
«Estas são algumas das alterações à lei da nacionalidade que o Parlamento aprovou nesta sexta-feira e que vão facilitar aos filhos de estrangeiros nascidos em Portugal o acesso à nacionalidade, quer pela via originária, quer pela naturalização. Quem é português de origem tem plenos direitos, para quem se naturaliza os direitos encurtam. Os naturalizados estão impedidos, por exemplo, de se candidatar à Presidência da República ou à presidência da Assembleia da República.»

Naturalmente, porque os promotores desta aberração,os animais do Partido Xuxalista, só querem é os votos dos imigrantes, mais nada!

Não nascemos em Portugal, mas os nossos pais passaram por lá e decidiram registar-nos!
Agora somos tão portugueses como vocês, "tugas" cornudos e impotentes! Uéuéuéué!

«Por outro lado, será possível a naturalização de menores não necessariamente nascidos em Portugal desde que um dos progenitores aqui viva durante pelo menos cinco anos antes do pedido. Poderá ser assim mesmo que o progenitor esteja em situação irregular, e desde que o menor tenha concluído “pelo menos um ciclo de ensino básico ou secundário” no país – na lei anterior era necessário o progenitor ter título de residência válido e viver em Portugal há seis anos.»

Sublinho: "mesmo que o progenitor esteja em situação irregular"!
«Fica também definido na lei algo que o mais recente regulamento previa: a dispensa de prova de conhecimento de português para quem nasceu em países de língua oficial portuguesa.»

Pois claro! Desde quando é que é preciso falar português europeu para se ser português europeu?! Qualquer favelado bostileiro ou africano fala e escreve tão bem como o Camões ou como o Pessoa, pá! Sim, pá, porque português só há um, o globalista e mais nenhum!...
«Toda a esquerda (PS, BE, PCP e PEV) votou a favor, assim como o PAN, num total de 118 votos.»

"Assim como o PAN"?! Desde quando é que PAN não é de esquerda?!?!
«Os 16 deputados do CDS-PP presentes votaram contra e os 79 do PSD abstiveram-se


 Outra vez, para quem estiver a esfregar os olhos de incredulidade:
«(...) os 79 do PSD abstiveram-se

Só mais uma vez, para os mais cépticos:

«(...) os 79 do PSD abstiveram-se.»!!!

É... a "nossa" direitinha invertebrada nunca desilude! O que será que os deputados do PSD acham que vão ganhar com esta sua abstenção? Será que eles são mesmo tão estúpidos que acreditam que os imigrantes vão votar laranja no futuro? Será possível que sejam mesmo assim tão estúpidos?!?!...

Meus caros, marquem bem o que vos digo: isto ainda não fica por aqui! A esquerda sabe muito bem que os imigrantes votam massivamente nos seus partidos, por isso vai fazer por naturalizar cada vez mais iminvasores! Se isto continuar, em breve não adiantará haver partidos nacionalistas, porque a própria demografia nacional impedirá o Nacionalismo de chegar ao poder!

Renovo mais uma vez o apelo a todos aqueles que não querem viver numa Venezuela portuguesa: leiam bem esta posta do João n'O Livro das Imagens! Ou travamos a entrada de imigrantes nos próximos anos, ou só nos restará mesmo a guerra civil!!!

____________
Ver também:
 

Com o actual regime político, Portugal não tem qualquer hipótese de existência futura (Algol Mínima) 
Par(a)lamento "tuga" aprova acção afirmativa para os "jovens" em Portugal! 
Ainda sobre a aprovação da "acção afirmativa" em Portugal
Portugueses Primeiro: «Racismo no ensino?»

3 comentários:

pvnam disse...

Esquece a guerra civil!!!
Urge, isso sim, é trabalhar para o SEPARATISMO!!!

Afonso de Portugal disse...

Mas separatismo como, se até nas terras mais recônditas do interior estão a entrar iminvasores às carradas? Separatismo como, se não há nenhuma força política organizada que o defenda activamente? Separatismo como, se as escolas e os mé(r)dia estão cheios de propaganda pró-mestiçagem?!

mensagensnanett disse...

Perante a globalização, a resposta tem que ser global:
- há que reivindicar/divulgar o legítimo Direito à sobrevivência em todos os locais aonde existem pessoas que valorizam mais a sua condição autóctone do que a sua condição globalization-lover; isto é. ou seja:
---»»» Todos Diferentes, Todos Iguais... ou seja, todas as Identidades Autóctones devem possuir o Direito de ter o SEU espaço no planeta -» inclusive as de rendimento demográfico mais baixo, inclusive as economicamente menos rentáveis.
-» Os 'globalization-lovers', UE-lovers e afins, que fiquem na sua... desde que respeitem os Direitos dos outros... e vice-versa.
-»»» blog http://separatismo--50--50.blogspot.com/.
.
Obs: PRIMEIRO tem que ficar bem claro o legítimo Direito à sobrevivência das Identidades Autóctones... ULTERIORMENTE é que serão discutidos pormenores de como será organizado o separatismo.