sexta-feira, 27 de abril de 2018

O declínio acentuado do Londristão (Parte I)


     Um muitíssimo obrigado! ao Filho da Truta (FdT) por ter compilado os vários links e escrito grande parte dos parágrafos que constituem esta posta e a sua continuação. A posta acabou por ficar bem maior do que eu e o FdT pensávamos, pelo que a vou dividir em duas partes, senão já sei que ninguém a lê...
FdT: «Descobri há umas semanas uma notícia sobre um "aumento do número de homicídios em Londres". Parece que anda por lá uma "epidemia de assassinatos" que a polícia "não consegue explicar", sendo que, pela primeira vez na história, o número de homicídios em Londres foi superior ao de Nova Iorque... ora, como eu sou muito curioso e não gosto de ficar "assim como que sem saber", decidi recolher algumas noticias sobre o assunto na tentativa de pelo menos ter uns rostos por detrás da dita violência...»

Aqui ficam algumas das notícias que o FdT começou por pesquisar: 

1. Taxa de homicídios em Londres ultrapassa a de Nova Iorque pela primeira vez na história
«Enquanto o número de homicídios em Nova Iorque tem vindo a decrescer nas últimas três décadas, a taxa de homicídios londrina tem crescido à custa do aumento dos esfaqueamentos. A capital da Grã-Bretanha registou 134 homicídios em 2017, um aumento de 40% em três anos.»

2. Em Londres: seis adolescentes esfaqueados em menos de 90 minutos
«Em Tower Hamlets, dois rapazes de 15 anos foram levados para o hospital depois de terem sido gravemente feridos. Um outro rapaz de 16 anos foi tratado por ferimentos menores e depois detido por tentar infligir injúrias corporais graves. Ou outro indivíduo do sexo masculino foi detido por tentativa de homicídio. Noutro incidente em Newham (Este de Londres), três “juvenis” foram detidos por terem esfaqueado um rapaz de 13 anos. A vítima ficou em estado grave. Já em Ealing Boradway (Oeste de Londres), um ouro adolescente foi levado para o hospital depois de ter sido esfaqueado.»

3. Gangues de Londres "fora de controlo", dizem responsáveis políticos
«Um detective veterano da Scotland Yard chegou mesmo a afirmar que os gangsters já não temem as polícias e que as autoridades têm tido grandes dificuldades para lidar com o crime na sequência de cortes nos seus orçamentos. (…) Estes comentários surgem depois de uma jovem de 17 anos ter sido abatida a tiro provindos de um carro que passava no local.»
 A jovem (que também era "jovem") Tanesha Melbourne morreu nos braços da sua mãe.
(…) Poucos minutos depois, a polícia foi chamada para acabar com um tiroteio a apenas quatro milhas (aprox. 6,4 km) do local onde Tanesha havia morrido. Os agentes encontraram o “jovem” Amaan Shakoor, de 16 anos, com ferimentos de bala na face e um outro rapaz de 15 anos, com ferimentos de faca.»

Atenção agora, caros leitores, que está parte é particularmente interessante:
«A primeira-ministra Theresa May ordenara, quando fora secretária de estado para os assuntos internos em 2014, uma redução drástica do número de paragens e revistas [um equivalente às ‘operações stop’ aqui em Portugal, mas para peões, em que os transeuntes são mandados parar e revistados para encontrar armas ou droga], por haver receios de que o procedimento visasse os jovens africanos de uma forma injusta. Em consequência dessa ordem, o número de paragens e revistas caiu de mais um milhão para apenas 400 mil. Collin Sutton, um ex-detective de homicídios da cidade, tinha pedido que se fizessem mais paragens e revistas para responder ao aumento da violência.»

Não é fascinante? Quem anda no terreno e lida directamente com a realidade pede uma coisa, mas quem está confortavelmente instalada num gabinete e não tem a mais pálida ideia de como o mundo funciona, manda fazer exactamente o contrário, por ter dado ouvidos às ONGs esquerdistas e a outros "caridadezinhas" da treta! Mas atenção, caros leitores: o detective Sutton é 'populista', enquanto a Sr.ª May, que só tem feito asneiras e cedências nas negociações do Brexit, é uma política responsável e ponderada! 😉

4. Já houve 62 homcídios em Londres em 2018, mais do que os 50 em Nova Iorque
«Pesando as estatísticas pela população em cada caso, o número de homicídios por cada 100 mil habitantes foi maior em Londres do que em Nova Iorque nos meses de Fevereiro e de Março. Enquanto a taxa de homicídios nova-iorquina decresceu desde Janeiro, a taxa de homicídios londrina aumentou.»

Agora deixo aqui uma lista com os nomes das vítimas registadas em Londressó este anos de 2018, retirada directamente da notícia do link anterior (reparem nos nomes a cor vermelha):
«Kyall Parnell, 17 anos, esfaqueado em Lambeth
Steve Frank Navarez-Jara, 20 anos, esfaqueado Islington
Elizabeta Lacatusu, 44 anos, esfaqueada em Redbridge
Vijay Patel, 49 anos, ferimento na cabeça em Barnet
Daniel Frederick, 34 anos, esfaqueado em Hackney
Oluwadamilola Odeyingbo, 18 anos, aguarda autópsia (Bromley)
Harry Uzoka, 25 anos, esfaqueamento em Hammersmith & Fulham
Seyed Azim Khan, ferimento na cabeça em Redbridge
Yaya Mbye, 26 anos, esfaqueamento em Hackney
Juan Olmos-Saca, 39 anos, esfaqueamento em Southwark
Lily-Mai Saint George, 11 semanas, aguarda autópsia (Haringey)
Khader Saleh, 25 anos, esfaqueamento em Hammersmith & Fulham
Hassan Ozcan, 19 anos, esfaqueamento em Barking & Dagenham
Kwabena Nelson, 22 anos, esfaqueamento em Haringey
Hannah Leonard, 55 anos, esfaqueamento em Camden
Sabri Chibani, 19 anos, esfaqueamento em Lambeth
Bulent Kabala, 41 anos, baleado em Barnet
Saeeda Hussain, 54 anos, esfaqueamento em Redbridge
Lord Promise Nkenda, 17 anos, esfaquemento em Newham
Mark Smith, 48 anos, múltiplos ferimentos em Waltham Forest
Lewis Blackman, 19 anos, esfaqueado em Kensington & Chelsea
Jozef Boci, 33 anos, traumatismo craniano em Greenwich
Rotimi Oshibanjo, 26 anos, esfaqueamento em Ealing
Sadiq Mohammed, 20 anos, esfaqueamento em Camden
Abdikarim Hassan, 17 anos , esfaqueamento em Camden
Amir Ellouzi, 24 anos, baleado em Westminster
Michael Boyle, 44 anos, esfaqueamento em Southwark
Christopher Beaumont, 42 anos, esfaqueamento em Hammersmith & Fulham
Laura Figueira, 47 anos, esfaqueamento em Richmond
Dois cadáveres encontrados em Sussex
Kelva Smith, 20 anos, esfaquemento em Croydon
Kelvin Odunuyi, 19 anos, baleado em Haringey
Julian Joseph, 36 anos, ferimento na cabeça em Lewisham
Nikolai Glushkov, 68 anos, estrangulamento em Kingston
Joseph Williams-Torres, 20 anos, baleado em Waltham
Forest Lyndon Davis, 18 anos, esfaqueamento em Havering
Hersi Hersi, 36 anos, esfaqueamento em Hounslow
Russell Jones, 23 anos, esfaqueamento em Enfield
Tyrone Silcott, 41, esfaqueadmento em Hackney
Balbir Johal, 48, esfaquemento em Ealing
Jermaine Johnson, 41 anos, esfaqueado em Waltham Forest
Benjamin Pieknyi, 21 anos , esfaqueado em Newham
Abraham Badru, 26 anos, baleado em Hackney
A aguardar identificação formal, 59 anos, ractura craniana em Barking & Dagenham
David Potter, 50 anos, esfaqueamento
Wandsworth Reece Tshoma, 23 anos, esfaqueamento em Greenwich
Leyla Mtumwa, 36 anos, esfaqueamento em Haringey
Devoy Stapleton, 20, esfaqueamento em Wandsworth
Tanesha Melbourne-Blake, 17, baleada em Haringey
Amaan Shakoor, 16, baleado em Waltham Forest
A aguardar identificação formal, 80 anos, à espera dos resultados da autópsia (Camden)
Henry Vincent, 37, esfaqueado em Lewisham
Babatunde Akintayo Awofeso, 53 anos, à espera dos resultados da autópsia (Hackney)
Israel Ogunsola, 18 anos, esfaqueamento em Hackney
Raul Nicolaie, 26 anos, esfaqueado em Colindale
Samantha Clarke, 38 anos, esfaqueada em Brixton
Sami Sidhom, 18, esfaqueamento em Forest Gate
Aaron Springett, 32 anos, traumatismo do esterno em Morden
A aguardar identificação formal,  20 anos, esfaqueamento em Finsbury Park»

Para além das cinco vítimas ainda por identificar, faço notar que mesmo alguns dos nomes que eu não sublinhei a cor vermelha são tipicamente "jovens" como Jermaine e Tyrone. Além disso, da mesma forma que o Nélson Évora, o João Mário e o Silvestre Varela têm nomes 100% portugueses sendo africanos, é perfeitamente possível que o Mark Smith, o  Russell Jones ou o Daniel Frederick também sejam "jovens". Basta ter em conta que o primeiro "feliz contemplado" desta lista, o Kyall Parnell, tinha um nome aparentemente insuspeito mas, como podem ver aqui, ele não era propriamente aquilo que nos vem à cabeça quando pensamos num cidadão inglês...

Vou terminar esta primeira parte d'o declínio acentuado do Londristão com esta imagenzita:


A parte mais "gira" é que estes números já estão desactualizados; como vimos acima (link 1), o crime com facas aumentou 40% e não apenas 26%; mas eu coloquei esta imagem aqui mais pelas palavras "sábias" do Sadicão e não tanto pelas estatísticas vibrantes da "diversidade"....

3 comentários:

Anónimo disse...

essa tal diversidade

ass: paulo

Anónimo disse...

eu ja imaginava a proporção mas não tanto por isso omitiram muitas fotos mas pelos nomes fora os ja anglicizados

ass: paulo

Afonso de Portugal disse...

Exactamente, caro Paulo... aliás, eu estou deveras surpreendido por eles terem publicado esta lista. A "diversidade" salta à vista!