domingo, 15 de abril de 2018

Mais uma sondagem deprimente (5)...


     Como os meus caros leitores bem sabem, eu sempre fiz por ter, nestas coisas do Nacionalismo, a atitude de que "a raiva é mais útil do que o desespero". Nunca simpatizei minimamente com o espírito derrotista dos nacionalistas que já dão o Ocidente como irremediavelmente perdido, a raça branca como inevitavelmente extinta e que, demasiado frequentemente, caem no paradigma niilista de acreditar que nada nesta vida vale realmente a pena.

Sempre achei essa forma de estar altamente contraproducente, mas até eu tenho limites para o meu optimismo. Talvez seja a idade que me está finalmente a apanhar e a quebrar gradualmente o espírito, mas tenho de vos confessar, com toda a sinceridade, que ultimamente tenho dado comigo a pensar muitas vezes se isto do Nacionalismo não passará de uma fantasia ou, se preferirem, de uma quimera. Senão, repare-se:
  • Em Março de 2016, descobrimos que uns assombrosos 94% dos portugueses aprovavam as modernices anticatólicas do escroque Bergoglio, incluindo o seu vergonhoso lavar e beijocar dos pés dos refujiadistas. Posso estar enganado, mas desconfio que a percentagem não deve ter mudado grande coisa desde então.
  • Em Outubro desse mesmo ano, ficámos a saber que, se os portugueses tivessem podido votar sozinhos nas eleições presidenciais nos Estados Unidos, a pérfida bruxa Hilária teria vencido Donald Trump de uma forma contundente: 85% dos votos, contra 5% de Trump.
  • Apesar dos problemas estruturais de Portugal persistirem (baixa industrialização, forte dependência face ao exterior, endividamento galopante, corrupção endémica, cultura do compadrio...), os "tugas" continuam a dar a sua preferência de voto aos partido do Arco da Tragédia; na mais recente sondagem para as próximas legislativas, publicada no último 16 de Março, o PS estava perto da maioria absoluta, com 41,5% das intenções de voto, e o PSD recolhia 28,4% das intenções de voto.

 
"Ahahahah! Eu só queria era que o resto do mundo fosse como os portugueses!..."


...E como se tudo isto ainda não fosse suficientemente deprimente, o al-público informa-nos que:
«Portugal é o segundo país da União Europeia onde a percepção sobre a integração dos imigrantes é mais positiva, revelou um estudo publicado pelo Eurobarómetro.
A sondagem indica ainda que os portugueses estão entre aqueles que mais defendem que a inclusão com sucesso dos imigrantes na sociedade é um processo de dois sentidos. Para 83% dos portugueses, a inclusão bem-sucedida é uma responsabilidade partilhada entre sociedade e imigrantes, uma ideia que, a nível comunitário, é partilhada apenas por 69% dos cidadãos.
O estudo Integração de imigrantes na União Europeia dá ainda conta que os portugueses acreditam que fomentar a sua inclusão é um investimento necessário a longo prazo para o país (85% contra 69% da média comunitária), e que consideram que a imigração é mais uma oportunidade (32%) do que um problema (26%).»

 A imigração é uma oportunidade? Uma oportunidade para quê, exactamente??? Para termos salários ainda mais baixos? Para que os partidos de esquerda tenham cada vez mais votos? Para acabar de vez com o nosso Estado Social? Para erodir ainda mais a nossa já reduzida coesão comunitária e acentuar os conflitos internos? Para fazer aumentar o risco de atentados terroristas? Para que os portugueses se tornem cidadãos de segunda categoria no seu próprio país graças às novas políticas de acção afirmativa?! Como podem os portugueses ver benefícios na imigração?!?! Não entendo... sinceramente, não entendo!!!

12 comentários:

João José Horta Nobre disse...

«Em Outubro desse mesmo ano, ficámos a saber que, se os portugueses tivessem podido votar sozinhos nas eleições presidenciais nos Estados Unidos, a pérfida bruxa Hilária teria vencido Donald Trump de umas forma contundente: 85% dos votos, contra 5% de Trump.»

Caro Afonso, verdade seja dita, eu sei que a vitória de Trump foi um boom na auto-estima de muitos nacionalistas e nunca me vou esquecer da loucura que foi o dia em que Trump venceu as eleições, mais os dias seguintes com a esquerda a chorar 24/7 nos merdi@, no entanto, hoje podemos dar Trump como morto para o movimento nacionalista em geral. Depois do que aconteceu ontem na Síria, ficou mais do que patente como Trump é inútil para nós e não só não cumpre, nem vai conseguir cumprir quase nada daquilo que prometeu, como ainda nos prejudica a imagem com o seu comportamento errático que roça já na demência.

Anónimo disse...

Bem vindo ao clube dos desiludidos com o povo portugues! Percebe porque é que eu não me considero propriamente 1 nacionalista? Porque 1 povo que não quer sobreviver ao rolo compressor da globalização (entenda-se terceiro-mundizacão) não me merece uma atitude politica tão vincada e marginalizada! 1 povo que olha para os nacionalistas como se fossem cães cheios de doenças e apelida os nacionlaistas de "ignorantes"...ser nacionalista em Portugal tem muito de masoquista.

E depois ainda há os verdadeiramente populistas que dizem que isto é tudo "culpa das elites" o o povo bom, só com virtudes e inocente, coitadinho, é so uma vitima disto tudo. É claro que as elites cheias de tarados têm uma grande "culpa" sou o primeiro a dizê-lo, mas quem é que segura as elites? Quem é que as apoia? Quem é que concorda com elas e quer ser como elas? Quem é que é absolutamente inerte á mudanca para melhor? alias, muita malta das "elites" vem do povo. Tanto "povo" como "elites" são de carne e osso e conduzem orgulhosamente este barco.

Ass:FdT

Afonso de Portugal disse...

João José Horta Nobre disse...
«(…) no entanto, hoje podemos dar Trump como morto para o movimento nacionalista em geral. Depois do que aconteceu ontem na Síria, ficou mais do que patente como Trump é inútil para nós e não só não cumpre, nem vai conseguir cumprir quase nada daquilo que prometeu, como ainda nos prejudica a imagem com o seu comportamento errático que roça já na demência.»

Mesmo admitindo que isso é tudo verdade, o povo português não tinha forma de o saber aquando das eleições. A sondagem reflecte por isso a confiança acéfala dos “tugas” na narrativa dos mé(r)dia: a Hilária, uma personagem execrável e demonstravelmente corrupta (Líbia, Bengazi, etc.), que era apoiada em peso pela alta finança, por Hollywood e pelos globalistas, que representava a continuação do desastre que tinha sido Obama foi, ainda assim, considerada pelos portugueses como preferível a um homem que afirmava querer cortar com tudo isso.

Quanto ao Trump, eu bem fui avisando que ele não era nenhum Messias. O Trump é apenas um homem. Enquanto a máquina globalista estiver no poder (e faço notar que o verdadeiro poder nem sequer está na política, mas sim nos seus bastidores), os homens não poderão fazer ou kudar grande coisa. O mérito da vitória de Trump, quanto a mim, foi outro. Foi mostrar aos nacionalistas e identitários que, contrariamente ao que prega muita boa gente, vencer o jogo democrático é possível, desde que se saiba fazer a coisa como deve ser.

Afonso de Portugal disse...

FdT disse…
«Bem vindo ao clube dos desiludidos com o povo portugues! Percebe porque é que eu não me considero propriamente 1 nacionalista? Porque 1 povo que não quer sobreviver ao rolo compressor da globalização (entenda-se terceiro-mundizacão) não me merece uma atitude politica tão vincada e marginalizada!»

É uma grande verdade, mas é preciso ver que ser nacionalista não tem apenas a ver com o povo, também tem a ver connosco. Por mais ingrato que o nosso povo seja, a alternativa ao nacionalismo é o tal rolo-compressor da globalização que o caro FdT mencionou. Eu não quero viver num Portugal que seja apenas uma província do império global da superclasse, já me sinto um pouco alienado neste Portugal, se tiver que viver num Globugal acho que vou acabar como um daqueles malucos da América que um dia saem de casa e desatam a disparar sobre tudo o que se mexe!


«1 povo que olha para os nacionalistas como se fossem cães cheios de doenças e apelida os nacionlaistas de "ignorantes"...ser nacionalista em Portugal tem muito de masoquista.»

Eheheheheh… se só fosse o povo, meu caro! Em tempos tive uma namorada que odiava que eu fosse nacionalista. Odiava mesmo, chegava a ter autênticos ataques de raiva e a berrar-me os seus protestos indignados aos ouvidos, furiosa! Dizia que era uma vergonha que “uma pessoa formada” pensasse como eu. Eu ria-me (o que só a deixava ainda mais fula) e dizia-lhe que, se aquilo que ela realmente queria era um antinacionalista, havia muitos à nossa volta por onde escolher! :P
Conto-lhe isto porque me parece que temos de ter a mesma atitude em relação ao nosso povo. Não podemos levá-lo a sério, a não ser em determinadas situações que representem perigo para a nossa integridade física. Às pessoas razoáveis, respondemos com argumentos razoáveis. Às outras, respondems com _trollagem_ , como é agora moderno dizer-se! ;)


«E depois ainda há os verdadeiramente populistas que dizem que isto é tudo "culpa das elites" o o povo bom, só com virtudes e inocente, coitadinho, é so uma vitima disto tudo.»

Sim, quanto a isso estamos de acordo, essa é uma das atitudes mais imbecis e irritantes no movimento nacionalista. Houve um caramelo aqui no TU que chegou mesmo a vaticinar que eu “só podia ser judeu” porque eu lhe tinha chamado filho da puta depois de ele me provocar. Na lógica dele, “um verdadeiro ariano jamais insultaria a mãe de outro ariano”.


«É claro que as elites cheias de tarados têm uma grande "culpa" sou o primeiro a dizê-lo, mas quem é que segura as elites? Quem é que as apoia? Quem é que concorda com elas e quer ser como elas? Quem é que é absolutamente inerte á mudanca para melhor?»

É incontornável. Eu próprio demorei algum tempo a aceitar isso, mas as elites e os seus abusos são o reflexo do povo.


«alias, muita malta das "elites" vem do povo. Tanto "povo" como "elites" são de carne e osso e conduzem orgulhosamente este barco.»

Há efectivamente muita gente no povo que é demasiado humilde e pouco instruída para perceber tudo o que se está a passar, sobretudo no interior. Todavia, a partir do momento em que mostramos a verdade ao povo e ele continua arrogantemente a desprezar-nos enquanto perpetua as “elites” no poder, deixa de haver desculpa. O nosso povo, em geral, prefere o conforto da mentira ao mal-estar responsável da verdade. E isso tem que mudar, ou Portugal continuará a afundar-se cada vez mais…

Anónimo disse...

"...hoje podemos dar Trump como morto para o movimento nacionalista em geral."

Concordo com estas palavras de João José Nobre e vou mais longe: é um cretino! continuo a ter uma réstia de admiração pela valentia que teve em aguentar, ainda por cima já com 70 anos de idade, a maior campanha de ódio e difamação da história politica mundial, mas está mais que visto que não passa de 1 "neo-con" que faz o jogo do chamado "depp state" dá até vontade de dizer: "volta Obama estás perdoado". Pelo menos com o mulato já se sabia o que contar, e verdade seja dita o mulato ao ser meio "esquerdista" só está a ir de encontro á sua própria natureza meio judaíca meio Africana, não está a trair ninguém. Já o Trump que durante a campanha eleitoral fez crer que não ia combater o Assad, aliás, disse e repetiu que os EUA faziam mal em apoiar rebeldes que mal conheciam e que o Assad "Não é assim tão mau" é 1 cem por cento Europeu que para além de aparentemente fazer o jogo do inimigo ainda é mais deselegante que o seu antecessor mulato...eu não consigo imaginar o Obama a chamar "Animal" ao Assad, é uma vergonha.

Mais! disse-me na Pascoa 1 familiar emigrante português nos EUA (já há décadas) que o Obama falava pouco mas expulsava mais imigrantes ilegais que o Trump. Não sei se é verdade ou não mas foi isto foi me dito por alguém que conhece os "States" por dentro há já muitos anos.

Ass: FdT

Titan disse...

Com a lavagem cerebral que os portugueses levam todos os dias é natural que pensem assim.

Afonso de Portugal disse...

FdT disse...
«Concordo com estas palavras de João José Nobre e vou mais longe: é um cretino!»

Pois eu acho que vocês não estão a ver bem a coisa. Reparem:
▪ O homem só tomou posse em Janeiro de 2017; ou seja está no poder há apenas 1 ano e 3 meses.
▪ O homem é apenas um homem, está rodeado de víboras que pertencem ou trabalham para a superclasse mundialista; por conseguinte, ele tem de gerir essa “gente”.
▪ E também tem que gerir a sua popularidade, alvo de ataques constantes por parte dos mé(r)dia; ele tem de encontrar um equilíbrio entre a diabolização dos mé(r)dia e o apoio da sua base.
▪ O homem já mandou atacar a Síria duas vezes mas… fez alguns estragos relevantes? Mudou alguma coisa no terreno? Não!!! Assad e os seus militares foram muito pouco afectados pelas acções do exército norte-americano e seus aliados.


«"volta Obama estás perdoado". Pelo menos com o mulato já se sabia o que contar, e verdade seja dita o mulato ao ser meio "esquerdista" só está a ir de encontro á sua própria natureza meio judaíca meio Africana, não está a trair ninguém.»

Não é bem assim. Com Obama:
▪ O ISIS, a Frente Al-Nusra e todos os “rebeldes moderados” estavam a levar a melhor, tanto na Síria como no Iraque.
▪ O mulato estava a trabalhar activamente pelo desarmamento civil e a revogação da Segunda Emenda. Trump já disse várias vezes que, com ele, a Segunda Emenda jamais será revogada.
▪ O mulato estava a trabalhar activamente pela penalização financeira dos bairros norte-americanos que não fossem suficientemente diversos:

http://totalitarismouniversalista.blogspot.pt/2013/07/a-administracao-obama-e-o-exodo-branco.html

▪ O Obama transferiu o controlo da internet para fora dos EUA. Trump quer (ou pelo menos diz que quer) recuperá-lo.


«Já o Trump que durante a campanha eleitoral fez crer que não ia combater o Assad»

É verdade, mas como disse acima, ele tem de gerir as víboras. E a verdade é que, a seguir às intervenções na Síria, os ataques dos mé(r)dia e das prostitutas do deep state amainaram temporariamente.


«eu não consigo imaginar o Obama a chamar "Animal" ao Assad, é uma vergonha.»

Esse tipo de bravado é para consumo interno, caro FdT. E a verdade é que o Assad não é nenhum santo, a questão é que já sabemos que é preferível termos alguém como ele no poder, mesmo sendo um tirano, do que as alternativas “democráticas”...


«Mais! disse-me na Pascoa 1 familiar emigrante português nos EUA (já há décadas) que o Obama falava pouco mas expulsava mais imigrantes ilegais que o Trump. Não sei se é verdade ou não mas foi isto foi me dito por alguém que conhece os "States" por dentro há já muitos anos.

Isso é uma meia-verdade. De facto, o Trump tem expulsado menos ilegais do que o mulato, mas também tem impedido a entrada de mais ilegais e imigrantes em geral. O blogue Refugee Resettlement Watch, que eu tenho na coluna “Blogosfera Relevante” já publicou várias postas a mostrar que o número de pedidos de asilo nos EUA já não estava tão baixo há várias décadas. Ou seja, quem critica o Trump por causa das deportações só estar a olhar para um dos lados da questão (as saídas) e é preciso olhar também para o outro (as entradas). A verdade é que, com Trump, o saldo entre entradas e saídas é, apesar de tudo, inferior ao de Obama.

O grande problema aqui é que, de facto, as pessoas criaram muitas expectativas em redor de Trump e o fulano não pode correspoder a todas, ele é apenas humano. Eu bem fui alertando os crentes que ninguém pode chegar ao poder e mudar tudo de repente, muito menos num país com a dimensão e os numerosos lóbis que tem os EUA! É preciso deixar o mandato dele chegar ao fim... então, sim, poderemos fazer o balanço!

Afonso de Portugal disse...

Titan disse...
«Com a lavagem cerebral que os portugueses levam todos os dias é natural que pensem assim.»

Em primeiro lugar, bons olhos o vejam, ou melhor, leiam, caro Titan! Como dizem os ianques, long time no see! :)

Concordo que a lavagem cerebral intensiva tem tido um peso muito grande, mas há demasiados portugueses com o defeito de serem extremamente casmurros e arrogantes, incapazes de pôr em dúvida as suas crenças, de as escrutinar e actualizar em função de informação nova. Somos um povo conservador, mas só no mau sentido. Temos uma inércia muito grande à mudança e opinião e isso, no contexto actual, é um defeito tremendo!
Um abraço! Vá passando por aqui mais vezes, meu caro, o Titan é sempre bem-vindo! :)

Anónimo disse...

De facto o caro blogueiro tem razão nalguns pontos mas continuo a achar que ele é 1 cretino, arrogante e narcisista (os esquerdistas nao estavam assim tão errados acerca dele mas pelas razões erradas). Não tenha a minima duvida que se houvesse em Portugal uma guerra civil, p/exemplo entre "extrema direita" e o resto, o senhor Trump vinha logo a correr largar bombas nos "animais" da extrema direita portuguesa. Aliás nem precisava de haver extrema direita nenhuma ao barulho, qualquer conflito interno entre portugueses era desculpa para os yankees largarem aqui umas bombas, mas duvida? Eles metem o nariz em tudo e pouco importa se é Trump Obama ou Bush.

Quanto ao facto de o isis estar em pior situacao agora que no passado, parece-me que isso é mais mérito do Putin e do governo Sírio que dos Americanos. E o facto de ele ser apenas 1 ser humano diz-me pouco, ele tem inteligencia e idade suficiente para saber o que quer e saber escolher quem o rodeia. A decisão de atacar ou retroceder é sempre dele. Quanto ao facto de o Assad não ser 1 santo:concordo, mas na politica não há santos. Agora chamar assim "animal" a outro chefe de estado pelas redes sociais e ainda colocar o mundo com medo de uma guerra aberta com a Russia, a nível dilomatico parece-me qualquer coisa proximo do aberrante. E se reparar agora os esquerdistas não o criticam tanto! É sinal que ele vai no caminho errado.

Ass:FdT

João José Horta Nobre disse...

«continuo a ter uma réstia de admiração pela valentia que teve em aguentar, ainda por cima já com 70 anos de idade, a maior campanha de ódio e difamação da história politica mundial,»

AHHAAHAH, eu desconfio que aquela energia toda advém de alguma substância que o homem toma. Tem dias em que ele parece que anda a comer ácidos ao pequeno-almoço, lool.

João José Horta Nobre disse...

«E se reparar agora os esquerdistas não o criticam tanto! É sinal que ele vai no caminho errado.»

Caro FdT, a maioria dos esquerdistas, a esmagadora maioria, são directa ou indirectamente controlados pelo cartel Mundialista/Globalista. É gente como o George Soros que finança e sustenta essa tralha e como neste momento, Trump está a cumprir de forma obediente a agenda do cartel, eles já não o atacam tanto. Longe vão os dias em que os supremacistas judeus estavam activamente a tentar fomentar uma "revolução colorida" nas ruas dos EUA contra o Presidente Trump:

https://historiamaximus.blogspot.pt/2017/01/a-judiaria-internacional-esta-tentar.html

Anónimo disse...

"Caro FdT, a maioria dos esquerdistas, a esmagadora maioria, são directa ou indirectamente controlados pelo cartel Mundialista/Globalista. É gente como o George Soros que finança e sustenta essa tralha e como neste momento, Trump está a cumprir de forma obediente a agenda do cartel, eles já não o atacam tanto."

Sim mas eu nem me estava a referir aos esquerdistas que trabalham na CNN, Publico etc estava-me a referir ao esquerdista comum e anónimo: o enfermeiro, a solicitadora, o padeiro, a estudante universitária de 20 e poucos anos de idade etc gente portuguesa que se calhar nunca ouviu falar do Soros e não responde perante nenhum Soros mas que passava metade da vida a fazer posts no facebook a ridicularizar ou insultar o Trump e desde há uns bons meses para cá nada diz sobre a referido chefe de estado...p/exemplo tenho vários "amigos" nas redes sociais de "esquerda" e "direitinha" que tinham como principal passatempo falar (mal) do Trump e agora não falam dele parece que o homem já nem existe...

Ass: FdT