sexta-feira, 23 de março de 2018

O Mamadão Babá que preside ao SOS Racistas diz que as “instituições portuguesas estão em negação"!


     Em negação? Hum... em relação a quê? Ao marxismo cultural? À iminvasão? À erosão gradual da democracia portuguesa? Nada disso, pá! Segundo o Mamadão Babá que preside ao SOS Racistas, uma organização que recebe dinheiros dos contribuintes portugueses para perseguir activamente o povo português, "as instituições portuguesas estão em negação quanto à profundidade do racismo no país"!!!
«Hoje, Anteontem, 21 de Março, Dia Internacional da Luta pela Eliminação da Discriminação Racial, relembramos alguns dados que colocam o dedo na ferida. De acordo com o estudo “Os Afrodescendentes no Sistema Educativo Português”, realizado por investigadores do CIES-IUL (Centro de Investigação e Estudos de Sociologia do Instituto Universitário de Lisboa), a taxa de reprovação escolar dos alunos com nacionalidade dos PALOP é três vezes superior aos que têm nacionalidade portuguesa – no secundário chega aos 50% –, a que se junta uma taxa de acesso ao ensino superior a rondar os 16%, contra os 34% registados nos estudantes portugueses.»

E, como não podia deixar de ser, a única explicação para isto é... o raciiiiiiiiiiiismo dos brancos!!!!
«Além dos mais, a investigação, cujos resultados foram revelados em 2016, mostra que 37,1% dos trabalhadores em profissões de baixa qualificação também têm nacionalidade dos PALOP, além de, no geral, ganharem muito menos e terem uma taxa de desemprego bem superior. O destaque, pela negativa, vai para as taxas de encarceramento em Portugal deste grupo, sendo 15 vezes superior aos de nacionalidade portuguesa.»

Aleluia! ALELUIA!!! Finalmente alguém confirma aquilo que os nacionalistas vêm denunciando há décadas, literalmente há décadas! Os "jovens" estão grosseiramente sobre-representados entre os presos nas cadeiras portuguesas porque -e é isto que os "investigadores" do CIES-IUL não dizem- estão grosseiramente sobre-representados na criminalidade!
«Contudo, o cenário deverá ser bem pior, pois as conclusões incidem sobre um universo estudado que é inferior à realidade. Melhor explicando, não existem informações, em Portugal, sobre a cor da pele dos seus cidadãos, uma vez que a recolha de dados sobre a etnia são proibidos, inclusive para os censos demográficos. Logo, quando se limita, para estes estudos, o conceito de afrodescendente a quem tem nacionalidade dos PALOP é deixado de fora uma multidão de descendentes, de segunda ou terceira geração, que apenas têm nacionalidade portuguesa.»

 Mamadão Babá: parasita despudorado,  papagaio neomarxista e idiota útil da superclasse globalista.

Reparem bem na hipocrisia verdadeiramente cínica desta "gente", caros leitores: durante décadas, repito, !!!DÉCADAS!!!, os nacionalistas foram pedindo que se fizessem e divulgassem estatísticas por raça/etnia, apenas para esbarrar na velha acusasão de "isso seria raciiiiiiiiiiiiiismo, pá!". Mas agora que os líderes da indústria da vitimização perceberam, olhando para o que se passou em países como os EUA e o Reino Unido, que essas estatísticas podem ser usadas para forçar a narrativa de que "os coitadinhos dos negros são vítimas das instituições racistas dos brancos" e assim exigir quotas nas nossas polícias, forças armadas, serviços de saúde e de educação, então já é imprescindível divulgar essas estatísticas! A falsidade destas criaturas é de bradar aos céus!!!
«Mamadou Ba, presidente da associação SOS Racismo em Portugal, aponta o dedo aos principais problemas que estão na origem destas desigualdades e indica soluções.
Que medidas específicas, de apoio ao afrodescendentes em Portugal, defende que deveriam ser implementadas pelo Estado?
São precisas medidas políticas de acção afirmativas, nomeadamente nas áreas da educação, do emprego e da habitação. Ou seja, para além de quotas de acesso ao ensino secundário e universitário, são precisos programas específicos no acesso ao emprego e à habitação, através de bolsas ou outros apoios equiparáveis. Mas isto tudo só será possível se houver a possibilidade de recolha de dados étnico-raciais, capazes de identificar as carências e o universo de cidadãos abrangidos, para depois desenhar políticas públicas transversais de combate às desigualdades sociais.»

Eu juro-vos, caros leitores, juro-vos que quando falei em quotas mais acima, ainda não tinha lido estas declarações do Mamadão!!! Estes vigaristas sem vergonha no focinho são tão tristemente previsíveis que até metem nojo! NOJO!!! Aliás, reparem que o Mamadão ainda foi mais longe do que eu tinha sugerido: ele também quer quotas na habitação!!!
«Olhando para os relatórios feitos pelo Estado português, e conforme já criticou o Comité das Nações Unidas para a Eliminação da Discriminação Racial, verifica-se que a sociedade civil está ausente dos debates sobre a discriminação racial e as medidas a tomar para o grupo dos afrodescendentes. Encontra algum motivo para isto suceder?

Isto acontece porque, no meu entender, o racismo é estrutural. A sociedade portuguesa e as suas instituições estão inscritas numa profunda negação quanto à profundidade do racismo na sociedade portuguesa e, consequentemente, estão politicamente paralisadas e sem iniciativa consequente no combate contra o racismo. As iniciativas legislativas sobre a matéria estão desfasadas da realidade e a orientação estratégica para esta matéria não tem nenhuma centralidade política. Sem uma mudança de paradigma, continuaremos a alavancar as soluções políticas com medidas avulsas, o que significa adiar a solução e densificar o problema.
»

Reparem mais uma vez, caros leitores, esta conversa de merda do Mamadão é exactamente a mesma conversa de merda que se ouve há décadas noutros países do Ocidente ("as sociedades dos brancos são intrinsecamente racistas"), mas que agora chega finalmente a Portugal! Isto podia ter sido evitado se tivéssemos aprendido com o exemplo de países como os EUA ou o Reino Unido! Mas não, pelo contrário, preferimos imitar os governos corruptos e traidores desses países... e agora vamos pagar caro por isso!
«O que podem fazer os grupos de cidadãos, a sociedade civil, de modo a conseguirem que as suas ideias sejam escutadas e tidas em conta?
Primeiro, terão de fortalecer a sua capacidade política de apresentar soluções e mobilizar as comunidades, para que o nível de pressão [exercida] possa aumentar e forçar os decisores políticos a assumir com maior empenho e seriedade a agenda da luta contra o racismo. Também será preciso dotar o Estado de organismos independentes de combate ao racismo, como recomendam as directivas europeias e as directrizes da ONU e outras entidades internacionais. Isto implica acabar com a confusão entre os afrodescendentes e os migrantes. São duas categorias políticas diferentes.  Ou seja, a gestão política do racismo não pode ser confundida com políticas migratórias.

Nazionaliztaz e idiotas úteis afins, leiam bem a parte que eu sublinhei a vermelho no último parágrafo: o Mamadão, apesar de ser burro como um calhau, é capaz de perceber perfeitamente o que vocês imbecis não têm conseguido perceber ao longo dos últimos 60 anos! Para haver mudanças a sério na nossa sociedade, é necessário que haja uma massa política que faça pressão nesse sentido! Não basta mandar umas larachas na internet, não é suficiente sair à rua com mais umas dezenas de camaradas de braço estendido ao alto! É preciso associar-se em partidos e convencer os eleitores, porque as pessoas não se convencem com meia-dúzia de tretas mal-amanhadas sobre os judeus e sobre a democracia que leram na internet!
«O racismo e a discriminação estão bastante presentes no dia-a-dia dos afrodescendentes em Portugal ou, como se costuma muitas vezes ouvir, manifestam-se de forma “branda” na sociedade portuguesa?
O mito dos brandos costumes assenta numa falsa excepcionalidade lusitana em relação à história colonial. Este mito, que bebe do luso-tropicalismo, é uma quimera histórica e um embuste político, pois procura encontrar uma certa grandeza na pequenez que foi a aventura colonial. A manutenção de uma cultura de tabu sobre o racismo, a violência da segregação espacial e o sentimento de impunidade que grassa nas instituições são a prova de que Portugal é tão racista como qualquer outro país com passado colonialista e esclavagista.»

Ouviram? "A aventura colonial foi pequena" e os portugueses são uns racistas de primeira categoria, pá! O que este parasita oportunista do Mamadão não diz é que TODOS os países tiveram escravos! Alguns ainda os têm presentemente!!!
«Existe uma sub-representação dos afrodescendentes no mundo da política. A que se deve e como se inverte a situação?
Os partidos políticos não são uma ilha no conjunto da sociedade e, consequentemente, reflectem a realidade de marginalização a que estão remetidos os afrodescendentes. Os partidos continuam tão fechados à diversidade como a sociedade no seu todo. A questão da representação política continua a ser um dos maiores desafios da sociedade portuguesa, para suprir o défice de igualdade que resulta da dívida histórica de exclusão e marginalização social, económica e política com que se confrontam os afrodescendentes.»

Eu não tenho nenhuma "dívida histórica" para contigo, seu grandessíssimo filho da puta!!! Os portugueses não têm nenhuma "dívida histórica", nem para contigo, nem para com os outros pretos que estão em Portugal! Vocês não foram escravizados, nem colonizados, nem oprimidos, bando de parasitas sem um pingo vergonha no focinho! Tu provavelmente nem sequer eras nascido quando se deu o 25 de Abril, por isso não tens nada que exigir reparações pelo império colonial português!!1
«Se os afrodescendentes tivessem uma maior representatividade política acredita que, então, muitos dos problemas que os afectam começariam a ser resolvidos?
Obviamente que a possibilidade dos afrodescendentes participarem na vida política, como sujeitos políticos com capacidade de protagonizar transversalmente uma agenda que promova a igualdade, pode fazer a diferença. Isto não significa que seja suficiente para resolver todos os problemas, uma vez que aqueles que estarão envolvidos serão uma minoria, e a maioria dos afrodescendentes ainda continuam a enfrentar uma grande discriminação.
Os meios de comunicação social em Portugal ainda veiculam, mesmo que não intencionalmente, estereótipos e preconceitos racistas?
Os meios de comunicação social reproduzem narrativas fáceis, baseadas no senso comum e no preconceito racista vigente na sociedade. Com graus distintos, o tratamento deste tema pela comunicação social está cheia de agendas subliminares na reprodução de narrativas bastante conservadoras e racistas. A tabloidização da vida nos bairros periféricos é um combustível na disputa pelas audiências, o que ajuda a cristalizar a ideia de que os bairros periféricos e quem lá vive são "problemáticos", justificando assim, muitas vezes, intervenções das forças de segurança ao arrepio da lei, como se fosse uma zona de excepção jurídica. Responder a isso passará, forçosamente, por mudanças estruturais na sociedade, por uma percepção e gestão da diversidade cultural, dentro de um contexto de uma sociedade multi-étnica, com representação desta diversidade em todo o espaço público. Mas também passará pela existência de meios de comunicação alternativos, a um nível geral e, também, dentro das comunidades, pois é do seu interesse que escutem a sua própria voz em relação às várias matérias.»
Qualquer pessoa que frequente a blogosfera nacionalista sabe perfeitamente o quão ridícula é esta "denúncia" do Mamadão Babá. O grande defeito dos "nossos" mé(r)dia é precisamente omitirem a identidade étnica dos criminosos, não o contrário! E claro, tinha que vir novamente a acusação de que as forças de segurança portuguesas actuam "ao arrepio da lei", acusação que nem o Mamadão nem nenhum dos outros cretinos do SOS Racistas foi capaz de provar!

Caros leitores, como podem ver, os alógenos em Portugal estão a ficar cada vez mais exigentes e descarados e, se isto continuar assim, corremos o risco de nos tornarmos cidadãos de segunda categoria na nossa própria terra! Sim, cidadãos de segunda categoria, porque é inegável que, no dia em que um preto tiver direito a um emprego só por ser preto, os brancos ter-se-ão tornado cidadãos de segunda categoria em Portugal! É altura de lutarmos contra isto, com unhas e dentes!!! Pessoas como este Mamadão não passam de parasitas, de chulos deslavados que querem roubar os portugueses e insultar a nossa inteligência  ao mesmo tempo!

Aqui o único racista de facto é o Mamadão e todos os que pensam como ele! Racistas e vigaristas: ostentar o sofrimento de pessoas que já morreram há décadas e até há séculos como se esse sofrimento fosse deles é uma autêntica vigarice! E querer imputar aos portugueses actuais os crimes dos seus antepassados é ainda mais do que uma vigarice, é um CRIME, porque se está a atribuir aos portugueses contemporâneos actos que eles nunca cometeram para depois obrigar esses portugueses a ceder a sua propriedade e os seus direitos a pessoas que nem nunca foram oprimidas!

Haja vergonha!!! Esta intervenção do Mamadão Babá é pura e simplesmente criminosa! Está mesmo no limiar do apelo ao genocídio, este género de verborreia neomarxista  tem alimentado o flagelo da (in)justiça social nos EUA e no Reino Unido, onde já provocou ataques aos brancos! Não podemos continuar a tolerar isto! Esta gente já foi longe demais e precisa de ser travada!!!

9 comentários:

Anónimo disse...

Pois claro a aventura colonial portuguesa foi pequena, e o Mamado aprendeu com os erros dos antigos europeus e agora quer fazer uma aventura colonial Africana "em grande" na Europa.

E o caro Blogueiro escreva isto: se o António Costa amanhã viesse á TV dizer que pretende impor uma cota que obrigue todas as futuras vagas no sector publico a ser preenchidas 50% por negros, a maioria dos portugueses NÃO IA MEXER UMA PALHA contra isto, tirando a malta da "extrema-direita" ninguém ia fazer coisa nenhuma para impedir tal medida. É claro que muita gente "normal" ia criticar valentemente a medida na Internet (e passado uns dias esqueciam-se do assunto) iam escrever que "é 1 exagero e tal", alguns idiotas úteis iam ficar chocados com a medida, mas tirando uma dúzia de "Nacionalistas" ninguém ia ter coragem de ir para a rua protestar pelo simples facto de a maioria das pessoas ter uma objecção mental a criticar qualquer coisa que favoreça a figura do santo negro. O povo português está num tal estado de apatia, falta de auto-estima e servilismo perante os alogenos que aceita tudo e mais alguma coisa.

Ass: FdT

Afonso de Portugal disse...

«Pois claro a aventura colonial portuguesa foi pequena, e o Mamado aprendeu com os erros dos antigos europeus e agora quer fazer uma aventura colonial Africana "em grande" na Europa.»

LOL! Brilhante e certeiro, caro FdT! É que é isso mesmo, ele e os da laia dele estão apostados em mostrar-nos como fazer a coisa como deve ser!



«(...) e o António Costa amanhã viesse á TV dizer que pretende impor uma cota que obrigue todas as futuras vagas no sector publico a ser preenchidas 50% por negros, a maioria dos portugueses NÃO IA MEXER UMA PALHA contra isto, tirando a malta da "extrema-direita" ninguém ia fazer coisa nenhuma para impedir tal medida.»

A avaliar pelo que está acontecer com as quotas para mulheres nos partidos, tudo inica que o caro FdT tem toda a razão! Já passámos de 30 para 40% e, à maioria das pessoas, a coisa nem aquece, nem arrefece! O que significa que os "progressistas" podem continuar a impor-nos o que bem entenderem, porque nós comemos tudo e calamos, quando não agradecemos…


«(...) tirando uma dúzia de "Nacionalistas" ninguém ia ter coragem de ir para a rua protestar pelo simples facto de a maioria das pessoas ter uma objecção mental a criticar qualquer coisa que favoreça a figura do santo negro. O povo português está num tal estado de apatia, falta de auto-estima e servilismo perante os alógenos que aceita tudo e mais alguma coisa.»

E é precisamente por isso, caro FdT, que isto aqui no rectângulo já só pode acabar mesmo muito mal. Quando dermos por ela, os alógenos e os neomarxistas dominarão todos os sectores-chave do Estado e, nessa altura, poderão mudar a própria Constituição, introduzindo ainda mais leis e mecanismo de controlo social orwellianos. Estou cada vez mais pessimista. O SOS Racismo é só uma entre várias organizações globalistas a actuar no nosso país... ma está a imitar tudo o que foi feito lá fora, sendo que é preciso ver que aquilo que foi feito lá fora resultou! Nós, portugueses conscientes, não podemos continuar quietos: ou lutamos contra isto agora, ou depois não conseguiremos fazer nada, porque eles não o permitirão!

Anónimo disse...

É preciso ter descaramento, estamos a ser invadidos e a nossa liberdade colocada em causa, tal como a nossa segurança, bem-estar, qualidade de vida, tudo isso é colocado em causa, é olhar com atenção por exemplo para a terra desse senhor, a miséria que é, e a violência que por lá existe. Quem importa terceiro mundistas aos mangotes, mais dia menos dia acorda no terceiro mundo, isto é das cisas mais óbvias que qualquer português europeu devia ter em mente

assinado
Paulo

Afonso de Portugal disse...

Paulo disse...
«É preciso ter descaramento»

Ui, quando Deus o distribuiu, este Mamadou ficou com uma fatia enorme! Eu morreria de vergonha se, em terra alheia, fizesse metade das exigências que ele faz. Mas parece que o pudor e a vergonha na cara são conceitos ocidentais, porque a maioria dos africanos não parece ter dessas coisas...


« é olhar com atenção por exemplo para a terra desse senhor, a miséria que é, e a violência que por lá existe.»

Quer lá ele saber da terra dele! Ele só está interessado em parasitar-nos, seja de que forma for... infelizmente para nós, há muita gente -incluindo portugueses traidores- a apoiá-lo.


«Quem importa terceiro mundistas aos mangotes, mais dia menos dia acorda no terceiro mundo, isto é das cisas mais óbvias que qualquer português europeu devia ter em mente»

Infelizmente, parece que não é tão óbvio assim, caro Paulo, porque a esmagadora maioria dos portugueses ainda está disposta a votar nos partidos do costume, ou pior, a não votar de todo, o que vai dar ao mesmo. Nem mesmo com Lisboa toda invadida, o Porto a caminho, e até várias terras do interior português cada vez mais cheias de iminvasores, o nosso povo abre a pestana!

R P disse...

Estas instituições não fazem falta em Portugal, somos todos iguais perante a lei, estas associações apenas servem para mamões como o mamadu mamar o dinheiro dos contribuintes, esse dinheiro era prioritário p o desenvolvimento de Portugal e não p dar a estes mamões estrangeiros... O mamadu nem uma unica publicação sobre o racismo contra brancos na Africa do Sul tem no seu mural do facebook...

Afonso de Portugal disse...

«Estas instituições não fazem falta em Portugal, somos todos iguais perante a lei, estas associações apenas servem para mamões como o mamadu mamar o dinheiro dos contribuintes, esse dinheiro era prioritário p o desenvolvimento de Portugal e não p dar a estes mamões estrangeiros...»

Muito bem dito, ou melhor escrito! Os negros em Portugal não são discriminados em nada, antes pelo contrário, continua-se a fazer deles uns pobres coitadinhos, como se as outras raças não tivessem que trabalhar no duro e esforçar-se para conseguir alguma coisa da vida! Curiosamente, não vemos este género de choradinhos por parte dos milhares chineses em Portugal, por exemplo. Porque é que alguns povos, raças e etnias têm sucesso e outros não?... É um "mistério"...


« mamadu nem uma unica publicação sobre o racismo contra brancos na Africa do Sul tem no seu mural do facebook... »

Nem vai ter, acredite! O "SOS Racismo" não foi criado para combater esse género de racismo, ele foi criado para fazer valer uma narrativa e para fazer pressão para que os governos adoptem determinadas políticas. Aliás, o próprio Mamadou admite isso nesta sua intervenção…

R P disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
R P disse...

Este mamas diz q o racismo é "estrutural e mto profundo".. Ele refere-se ás nossas raízes europeias, de povos brancos que construíram uma civilização... Eu entendo, não existe similitude com as raízes dele africanas, pois somos etnicamente diferentes..este racismo estrutural que ele se queixa, deve-se à nossa herança, aos nossos ancentrais, na qual ele tem aversão...sente ofendido de seremos brancos na maioria ... Nós em Portugal não tínhamos nada disto antes de se entrar para a UE... O Q ESTA GENTE CÁ FAZ?? A queixarem-se de uma sociedade branca...

R P disse...

Estas associações são um embuste criadas por ediologia marxistas, qud não faziam falta no nosso país... O mamas tirou um curso era po-lo no seu país para contribuir p o seu desenvolvimento..