quarta-feira, 7 de março de 2018

"Jovem" ex-jogador da NBA ganha Óscar apesar de ter sido acusado de violação


      Dizem as más línguas que, em tempos, a "academia" hollywoodesca considerou seriamente dar um Óscar ao actor francês Gérard Depardieu pelo seu notável desempenho no filme "Cyrano de Bergerac". Depardieu chegou mesmo a ser nomeado, mas perdeu a estatueta para o britânico Daniel Day-Lewis. Uma das razões apontadas para que Depardieu não tivesse ganhado (sim, ganhado!) o Óscar foi que a "academia" levou em consideração um episódio vivido pelo actor nos anos 80: Depardieu teria assistido impávida e serenamente a uma violação, sem nunca ter intervindo a favor da vítima. Se isto é verdade ou não, só os deuses e os membros da "academia" saberão realmente.

O motivo pelo qual vos conto esta pequena história prende-se com a notícia que se segue, trazida aquilo pelo nosso estimado Raghnar, a quem deixo aqui um muito obrigado!
«Kobe Bryant nem queria acreditar. Mas foi mesmo verdade. A antiga estrela dos Los Angeles Lakers recebeu uma das tão desejadas estatuetas douradas pela curta-metragem de animação Dear Basketball.
Escreveu e produziu este pequeno filme, de apenas seis minutos, no qual conta o seu percurso no basquetebol (jogou 20 temporadas na NBA). "Sinto-me melhor do que se tivesse ganho um campeonato, juro que é verdade", exclamou o antigo atleta. "Estar aqui a receber este prémio... Isto é de loucos!", admitiu. O norte-americano partilhou o prémio com o animador Glen Keane.
 O "jovem" Bryant com a sua estatueta fálica hollywoodesca.
Este Óscar mostra que mesmo depois de se retirar dos pavilhões, Bryant, que ganhou cinco campeonatos na NBA pelos Lakers, continua a triunfar. Mas agora no mundo do cinema.

Mas a atribuição desta estatueta dourada está a causar polémica. Tudo porque em 2003 a antiga estrela da NBA foi acusada de assédio sexual. O caso foi agora recordado por vários internautas, que condenam a atribuição do prémio pela Academia.
No verão de 2003, uma empregada de um hotel no estado do Colorado apresentou queixa à polícia por, alegadamente [reparem novamente, caros leitores: "alegadamente"; com o "jovens" é tudo sempre alegado ou suposto!], ter sido abusada sexualmente pelo antigo jogador dos Los Angeles Lakers.
Bryant chegou a ser detido, mas defendeu-se ao dizer que a relação sexual tinha sido consensual com a jovem, que na altura tinha 19 anos. Pediu, no entanto, desculpas à mulher, Vanessa, pelo sucedido e também à alegada vítima, através de um comunicado lido em tribunal. O norte-americano acabou por ser ilibado, depois da empregada ter optado por não testemunhar em tribunal. Em 2005, Bryant, na altura jogador dos Lakers, e a jovem chegaram a acordo.
A reputação do antigo basquetebolista foi fortemente afectada pelo caso, tendo até perdido patrocínios. Agora o caso volta à ribalta com a atribuição do Óscar.»

Pelo visto, a "reputação do antigo basquetebolista" não foi assim tão "fortemente afectada", porque a "academia" não teve qualquer pudor em atribuir-lhe o Óscar! É realmente curioso como as "diabruras" dos "jovens" não parecem ter o mesmo efeito negativo nas suas vidas e nas suas carreiras do que os "crimes sexuais" dos brancos!...

2 comentários:

Anónimo disse...

Mas oh caro blogueiro isto há violacões e violaçoes pá! Uma coisa é ser violado por 1 branco ou 1 judeu de meia idade e com ums quilinhos a mais, outra coisa é ser violado por um jovem atleta bronzeado! Do segundo tipo as "me too" gostam ou fingem que gostam em frente ás cameras ;)

Ass:FdT

Afonso de Portugal disse...

FdT disse...
«Do segundo tipo as "me too" gostam ou fingem que gostam em frente ás cameras ;)»

Pois, eu esqueço-me sempre dessas "subtilezas"... há violações que são mais violações do que as outras! :P