quinta-feira, 22 de março de 2018

Da série «somos todos da mesma raça, pá!» (2)


Só existe a raça humana, pá! Quem disser o contrário é raciiiiiiiiiiiiiiiiiiiiistaaaa!!!


Actualização: o nosso amigo e camarada nacionalista Grego, sempre muito atento, fez-me notar que os números são ainda são mais graves do que se pode ler acima, uma vez que, nas estatísiticas oficiais, muitos mestiços são incluidos na categoria "branco" sem o serem de facto! O Grego trouxe-nos aqui este exemplo de uma violação em grupo seguida de uma tentativa de homicídio bárbara perpetrado por mestiços "hispânicos" (notar as aspas, porque os verdadeiros hispânicos somos nós, os descendentes dos nativos da província romana da Hispânia). Nas estatísticas oficiais, os criminosos foram contabilizados como brancos!!! 😡
____________
Ver também:


Ser africano é factor de risco para contrair cancro da próstata
Na Holanda - marroquinos e turcos particularmente afectados pela falta de vitamina D (via Gladius)
Sobre o tuíte incorrecto de Donald Trump...

4 comentários:

Anónimo disse...

Mas mas... é da educação! mas mas mas... é da opressão! ...do sangue é que não pode ser!

Agora a sério: na minha opinião nem a cultura/educação nem o sangue explicam a 100% a criminalidade violenta de forma geral, mas sim 1 misto das duas coisas.

Se só a "educação" fosse explicação para o fenómeno da criminalidade violenta então como explicar que a maioria das pessoas que nascem em meios sócio-económicos pobres leva uma vida de trabalho e é cumpridora?

E se só o sangue explica a coisa, como explicar a violência gratuita cometida por elementos de raças menos "expansivas" e como explicar que haja elementos de raças "expansivas" que são uns paz de alma?

Tem que ser 1 misto das duas coisas, o problema é que a retórica oficial não é realista e desculpa esta trampa toda com a "falta de educação e bens materiais" e somente isso, levando-nos a todos para a desgraça civilizacional.

Prova de que o sangue conta e não é pouco é o facto de proporcionalmente as mulheres cometerem bem menos crimes violentos do que os homens, e se o sexo é 1 factor a raça obviamente também o é, mas vivemos na época de "só se pode falar em raças para criticar os malvados dos brancos!"

Ass: FdT

Afonso de Portugal disse...

FdT disse...
«Agora a sério: na minha opinião nem a cultura/educação nem o sangue explicam a 100% a criminalidade violenta de forma geral, mas sim 1 misto das duas coisas.»

Eu também sou dessa opinião. Em África, as atrocidades mais bárbaras são cometidas quando há conflitos entre grupos étnicos diferentes, o que sugere que há outros factores para além da raça. E também temos o fenómeno dos jiadistas brancos, europeus convertidos ao Islão e que decidem matar os seus irmãos de raça em nome da religião do "profeta" pedófilo.

Eu entendo que a coisa andará na casa dos 70-30. 70% raça e 30% cultura.


«Prova de que o sangue conta e não é pouco é o facto de proporcionalmente as mulheres cometerem bem menos crimes violentos do que os homens, e se o sexo é 1 factor a raça obviamente também o é, mas vivemos na época de "só se pode falar em raças para criticar os malvados dos brancos!"»

O mais curioso é que a ciência já demonstrou que os negros têm, em média, níveis de testosterona mais elevados do que os brancos. E também já demonstrou que, em média, os detidos têm níveis de testosterona mais elevados do que a população em geral. Mas a conclusão lógica das duas premissas anteriores nunca é enunciada pelos cientistas... a testosterona potencia a agressão e os negros têm mais testosterona, mas não vamos relacionar as duas coisas, pá!

um Grego disse...

Muitos mestiços são incluido em a categoria "branco" quando são criminosos:
Fotografias por exemplo:
https://www.vdare.com/articles/hispanic-sex-offenders-listed-as-white-in-wisconsin-why



Afonso de Portugal disse...

Bem lembrado, caro Grego! Essa sua adenda é tão importante que eu vou adicioná-la ao texto da posta! Obrigado!