sábado, 17 de fevereiro de 2018

Triste futebol: adeptos do Liverpool entoam cânticos pró-islâmicos


     Um muito obrigado! ao Filho da Truta (FdT) por me ter dado a conhecer este vídeo que, em menos de 30 segundos, consegue ser deixar qualquer nacionalista que se preze deprimido. Um grupo de adeptos do Liverpool, aparentemente embriagados e muito saltitantes, cantam alegremente em homenagem ao seu novo ídolo, o egípcio Mohamed Salah (ou simplesmente Mo Salah), que actua como avançado desse clube (cada vez menos) inglês.

É realmente muito triste, mas o europeu médio não dá para mais do que isto: basta aparecer um alógeno que se destaque um bocadinho nalguma área inútil para a sociedade, que o paspalho europeu fica logo  todo inebriadinho e desata a prostituir-se alegremente... e até canta entusiasmadamente ao mesmo tempo que oferece o rabinho de bom grado, porque a Europa "moderna" e "progressista" é isso mesmo, levar por trás e celebrar!



Deixo aqui uma tradução do cântico repugnante:
Mo Salah lah lah lah lah
Se ele é suficientemente bom para ti,
ele é suficientemente bom para mim!
Se ele marcar outros tantos [golos],
então eu serei muçulmano também!
Se ele é suficientemente bom para ti,
ele é suficientemente bom para mim!
Sentado numa mesquita
é onde eu quero estar!
Mo Salah lah lah lah lah

E então, nazionaliztaz? O que me dizem a isto? Sim, vocês, que juram constantemente que "o futebol é um desporto identitário"? A culpa aqui também é dos judeus? Foram os judeus que obrigaram estes macacos imbecis brancos a entoar loas ao avançado muslo e à sua desumana religião do deserto? Foram?!?!...

Enfim, vou concluir esta posta reproduzindo este comentário certeiro que o FdT deixou aqui no TU e que eu subscrevo a 100%:
«Estes otários bêbados dão tanta importância a ver uns gajos vestidos de vermelho, azul ou roxo marcar uns golos, que até são capazes de vender o próprio país, a própria religião, a própria mulher, o próprio cu...cambada de tristes, vermes sem espinha dorsal absolutamente nenhuma merecem tudo de mal que aconteça à Europa!»

7 comentários:

João disse...

O futebol sempre foi campo de ensaio para muitas medidas globalistas. O curioso é que o processo acelerou imenso nos últimos dez anos. Basta exemplificar com o caso do FC Porto, aqui falado há dias. No jogo contra o Liverpool havia 3 portugueses na equipa inicial, um deles preto. A equipa que ganhou a Liga dos Campeões em 2004 jogava, em média, com 8 ou 9 portugueses de início, sendo que um dos estrangeiros era europeu- o russo Alenichev.

Pedro disse...

Nunca vi um nacionalista ou nacional-socialista gostar de futebol ou achar que é identitário, pelo contrário todos falam que é alienação e pão e circo. Que tipo de gente o Afonso encontra?

Afonso de Portugal disse...

João disse.
«No jogo contra o Liverpool havia 3 portugueses na equipa inicial, um deles preto. A equipa que ganhou a Liga dos Campeões em 2004 jogava, em média, com 8 ou 9 portugueses de início, sendo que um dos estrangeiros era europeu- o russo Alenichev.»

Muito bem observado. Eu julgo que esse fenómeno da aceleração da mestiçagem nos clubes portugueses se deve à confluência de dois fenómenos:

1. A descida na taxa de fecundidade portuguesa para níveis abaixo do valor mínimo de substituição populacional. O índice sintético de fecundidade ficou abaixo de 2,1 filhos/mulher em 1982 e nunca mais recuperou. Isso significa que, a partir desse ano, a população portuguesa de facto começou a diminuir, mesmo que a população total do país tenha aumentado em termos absolutos por via da imigração. O impacto desta mudança demorou pelo menos 20 anos a manifestar-se na composição étnica dos jogadores de futebol, mas é bem evidente na actualidade.

2. O aumento generalizado da imigração em toda a Europa. Eu conheci Lisboa no início anos 90 por ter lá família e, exceptuando certas zonas da cidade, não se via sequer uma fracção dos invasores que se vêm lá agora. O relaxamento das restrições legais à imigração, bem como dos critérios de atribuição da nacionalidade, aliados à melhoria dos meios de comunicação a nível mundial, levaram a que cada vez mais invasores quisessem vir para a Europa. O resultado está a vista, não apenas no futebol, mas também no futebol.



Pedro disse...
«Nunca vi um nacionalista ou nacional-socialista gostar de futebol ou achar que é identitário, pelo contrário todos falam que é alienação e pão e circo. Que tipo de gente o Afonso encontra?»

Aqui em Portugal há muitas claques de futebol nacionalistas. Com o passar dos anos, elas foram perdendo alguma da sua influência mas, até aos anos 90, o futebol era um dos poucos meios em que era possível aos nacionalistas portugueses associar-se e evitar a repressão do Estado. Nessa altura, as equipas portuguesas eram maioritariamente brancas, pelo que fazia todo o sentido associar o futebol ao Nacionalismo.


O problema é que os clubes de futebol portugueses já não são maioritariamente brancos, são maioritariamente alógenos. E os membros dessas claques, alegadamente nacionalistas, não se importaram minimamente com essa mudança. Continuaram a ir todos aos estádios, onde torcem e a vibram com os invasores em campo.

Ao longo dos anos, tive muitas discussões com nacionalistas que se recusam a abdicar do seu fascínio pelo futebol, todas elas francamente improdutivas. O futebol é encarado por muitos como uma forma de rebeldia contra o sistema, por mais absurdo que pareça. Fica aqui um exemplo, só para o caro Pedro ter a noção:

http://hyperborea-land.blogspot.pt/2014/07/o-futebol-e-o-que-dele-for-feito.html

Anónimo disse...

https://www.memecreator.org/meme/allahu-akbar-mein-freund-deus-vult-infidel/

Afonso de Portugal disse...

Anónimos, assinem os vossos comentários. Não é preciso um nome, basta uma alcunha.

Pedro disse...

Afonso disse ...
" até aos anos 90, o futebol era um dos poucos meios em que era possível aos nacionalistas portugueses associar-se e evitar a repressão do Estado. Nessa altura, as equipas portuguesas eram maioritariamente brancas, pelo que fazia todo o sentido associar o futebol ao Nacionalismo."
Então deve ser por isso que alogenizaram o futebol europeu. Faz sentido.

"Fica aqui um exemplo, só para o caro Pedro ter a noção:"
Lol, o argumento dele a favor do futebol é muito ruim. Ele diz que é neutro, o cara esta fora da realidade. É obvio que é usado como pão e circo e para adoração de alógenos.

Afonso de Portugal disse...

«Então deve ser por isso que alogenizaram o futebol europeu. Faz sentido.»

Sim, também foi por isso. Foi uma tempestade perfeita: quebra demográfica dos europeus, relaxamento das leis de imigração e promoção dos "jovens" como atletas superiores.


«Lol, o argumento dele a favor do futebol é muito ruim. Ele diz que é neutro, o cara esta fora da realidade. É obvio que é usado como pão e circo e para adoração de alógenos.»

Exacto, basta a ver a paixão irracional que o "deporto-rei" (da selva) desperta nalgumas pessoas. Aliás, eu desconfio que o verdadeiro problema desse indivíduo cujos escritos linkei é ter sido jogador de futebol semi-profissional ou algo do género. Ele leva muito a sério as críticas ao futebol, a coisa parece quase pessoal!