domingo, 25 de fevereiro de 2018

Bill Whittle: «As armas previnem entre 800 mil a 2 milhões de crimes por ano»


«Alguns dias após a eleição presidencial de 2012, Bill Whittle fez um discurso em que mostrava o que um candidato conservador que de facto acreditasse nos princípios conservadores deveria ter dito para vencer as eleições. Este discurso ficou muito famoso e foi traduzido por nós em 2015. A partir do sucesso do discurso nasceu a ideia da série "Presidente Virtual". Falando como o Presidente Virtual dos Estados Unidos, Whittle responde com bom senso, de maneira sólida e baseado nos princípios conservadores, as questões que os EUA enfrentam diariamente.

A série é um manual de instrução em 11 partes sobre como salvar a nação americana. Ela está disponível em sua versão completa e em Inglês no site BillWhittle.com Nesse vídeo específico, Whittle faz seu Discurso ao Estado da União e explica porque políticos preferem falar sobre controle de armas ao invés de controle do crime. Esse discurso seria histórico se proferido por um presidente real, pois ele apresenta evidências e fatos históricos que defendem a 2ª emenda e torna sua importância auto-evidente.»

10 comentários:

Anónimo disse...

De facto tem argumentos interessantes. A questão das armas é daquelas questões em que ambas as medidas (restringir ou "liberalizar") têm prós e contras mas a ideia de o cidadão comum poder em situação limite defender-se a ele e à sua familia de 1 ataque de uma escumalha qualquer ou do próprio Estado, devido ao porte de armas de fogo, é uma ideia que agrada a qualquer pessoas que tenha o mínimo de amor próprio.

A maior objecção que eu tenho à liberalização do porte de arma é que de facto o senso comum diz que isto aumenta substancialmente as chances de as pessoas se alvejarem por questões ridículas.

É claro que no caso do ataque vir do Estado, mesmo que o cidadão tenha um rifle em casa isso pouco ou nada adianta, quanto muito fica mais fácil colocar termo à própria vida. Mas sempre é 1 recurso de defesa pessoal à disposição e eventualmente o próprio Estado pensa duas vezes antes de perseguir o povo.

No caso de ataques vindos de escumalha aí pode ajudar bastante, até porque em principio se a escumalha souber que a maioria dos cidadãos se faz acompanhar na rua por uma glock, também vai pensar duas vezes antes de fazer das suas. Agora também é importantíssimo que a legislação seja adequada, por que se a legislação permitir aos senhores juízes enviar para a prisão pais de família que protegem a sua casa de 1 grupo de assaltantes ou mulheres que se defendam do ataque de uma besta, então aí de pouco ou nada adianta ter armas.

Mas enfim, nos States discute-se desarmar a população, na Europa isso nem está em cima da mesa porque a população já está desarmada e armar a população está completamente fora da agenda politica dos partidos. Em Portugal nem 1 gás pimenta se pode transportar.

Ass: FdT

Afonso de Portugal disse...

FdT disse...
«A maior objecção que eu tenho à liberalização do porte de arma é que de facto o senso comum diz que isto aumenta substancialmente as chances de as pessoas se alvejarem por questões ridículas.»

Sim, esse é um facto incontornável. Mas repare-se: grande parte das pessoas nas aldeias do interior português tem armas de caça, mas é raro haver mortes causadas por essas armas. Porquê? Porque apesar de haver muitos analfabetos portugueses, ou perto disso, toda a gente é obrigada a fazer exames regularmente para obter e para manter a sua licença de caça. Eu julgo que o problema nos EUA é que qualquer badameco pode ter uma arma e isso é que não pode ser.


Vários exemplos: uma pessoa que seja apanhada a conduzir bêbada não devia poder ter uma arma nos dez anos seguintes, porque demonstrou não ter autocontrolo, disciplina e responsabilidade suficientes. Idem para os consumidores de drogas, os condenados à prisão, as pessoas com historial de perturbações psiquiátricas, etc.


«É claro que no caso do ataque vir do Estado, mesmo que o cidadão tenha um rifle em casa isso pouco ou nada adianta, quanto muito fica mais fácil colocar termo à própria vida. Mas sempre é 1 recurso de defesa pessoal à disposição e eventualmente o próprio Estado pensa duas vezes antes de perseguir o povo.»

Sobretudo porque o povo pode e deve associar-se em milícias. Esse é, aliás, o verdadeiro espírito da segunda emenda. Não se trata de ter uma pessoa armada, mas sim de grupos de indivíduios armados que, em caso de abuso por parte do Estado, possam contra-atacar na forma de guerrilha. Há grupos e clubes de cidadãos nos EUA que treinam para situações de guerra... e fazem muito bem! O exército pode ter tanques, forças especiais, mísseis e armas nucleares... mas, como ilustra o caso das FARC na Colômbia, todo esse material e recursos humanos são difíceis de usar no terreno quando a guerra dentro do próprio país.


«No caso de ataques vindos de escumalha aí pode ajudar bastante, até porque em principio se a escumalha souber que a maioria dos cidadãos se faz acompanhar na rua por uma glock, também vai pensar duas vezes antes de fazer das suas.»

Exacto e só por má-fé é que se pode negar isso. Repare-se, por exemplo, nos crimes violentos contra idosos: eles tendem a acontecer muito mais frequentemente nos centros urbanos do que nos meios rurais... porquê? Porque a esmagadora maioria dos idosos das cidades não tem armas, enquanto no meio rural há sempre um reformado com uma caçadeira no armário ou até -como eu já vi- debaixo da cama!

«Mas enfim, nos States discute-se desarmar a população, na Europa isso nem está em cima da mesa porque a população já está desarmada e armar a população está completamente fora da agenda política dos partidos. Em Portugal nem 1 gás pimenta se pode transportar.»

Mas nós é que somos livres, hããã! Já os americanos são uns broncos analfabetos (apesar de nos comerem as papas em termos de IDH), retrógrados e fanáticos!!!

Anónimo disse...

"Mas repare-se: grande parte das pessoas nas aldeias do interior português tem armas de caça, mas é raro haver mortes causadas por essas armas."

Bom por acaso já ouvi várias histórias, tanto nas noticias como nas ruas (diga-mos assim), de casos de discussões parvas em cafés da aldeia etc que terminaram com 1 individuo a ir buscar a caçadeira ao carro ou ao jipe (o que seja) e a alvejar o rival.

"Sobretudo porque o povo pode e deve associar-se em milícias. Esse é, aliás, o verdadeiro espírito da segunda emenda."

Pois eu pensei nisso mas nem escrevi...só mesmo com recurso a milícias é que podiam tentar enfrentar o exercito ou parte de 1 exercito.

"Há grupos e clubes de cidadãos nos EUA que treinam para situações de guerra... e fazem muito bem! "

Ah pois! mais vale prevenir que remediar. Mas os clubes de cidadãos Europeus preferem juntar-se para desfilar com cartazes a dizer "refugees welcome" ou "liberdade para as sluts" ou para "swings" e outras acções de sodomização colectiva etc...coisas que desgraçam povos. Agora estar preocupado em estudar e praticar métodos e acções que nos podem salvar o coiro em situações limite oh! isso é para grunhos do Texas ou assim ;)

Ass: FdT

Anónimo disse...

Já agora deixo aqui esta interessante noticia:

https://www.dn.pt/mundo/interior/policia-adverte-holanda-esta-a-transformar-se-num-narcoestado-9131959.html?utm_source=dn.pt&utm_medium=recomendadas&utm_campaign=beforeArticle&_ga=2.1690033.1265294890.1519246460-1958582068.1519246460

Ass: FdT

Afonso de Portugal disse...

«Bom por acaso já ouvi várias histórias, tanto nas noticias como nas ruas (diga-mos assim), de casos de discussões parvas em cafés da aldeia etc que terminaram com 1 individuo a ir buscar a caçadeira ao carro ou ao jipe (o que seja) e a alvejar o rival.»

Sim, claro, mas também se ouve falar de muitas pessoas que foram vítimas de tiros provenientes de armas ilegais. E seria até interessante averiguarmos quantas pessoas morreram vítimas de armas de fogo legais e quantas pessoas morreram vítimas de armas de fogo ilegais...


«Mas os clubes de cidadãos Europeus preferem juntar-se para desfilar com cartazes a dizer "refugees welcome" ou "liberdade para as sluts" ou para "swings" e outras acções de sodomização colectiva etc...coisas que desgraçam povos. Agora estar preocupado em estudar e praticar métodos e acções que nos podem salvar o coiro em situações limite oh! isso é para grunhos do Texas ou assim ;)»

Eehehehe... pois é: nós, europeus, somos civilizados, sensíveis e cultos. Também os etruscos, os gregos e os egípcios o eram antes de serem conquistados pelos "inferiores" romanos. E também os romanos o eram antes de serem invadidos pelos "inferiores bárbaros". E também os suevos, visigodos e afins o eram antes de serem invadidos pelos "inferiores" mouros... é realmente curioso que tenha sido um europeu a escrever "quem quer a paz, prepara a guerra", mas que apenas os norte-americanos (e mesmo assim nem todos) pareçam ser os únicos a perceber o significado desta máxima intemporal hoje em dia.

Afonso de Portugal disse...

P.S. Obrigado por mais esse link! Não deixa de ser curioso que tenha sido publicado no DN...

Anónimo disse...

Caro Afonso, não sei o que é que o medicamento me fez mas é que eu estou tão indeciso, sou um zombie! Ando há dias a tentar comentar no TU e no História Maximus mas desisto porque com este nevoeiro mental ainda faço figura de parvo com comentários à Caps Louco. Vou agora experimentar chá de Hipericão, na Internet dizem que isso ajuda. E eu prometo que se um dia tiver capacidade para tal, vou ajudar pessoas que estejam a sofrer o mesmo que eu.

OK, isto é embaraçoso mas... não entendo a resposta do Mestre Nobre nesse post aí em baixo. Acha que escrevi alguma coisa idiota? Ehehe, desculpe lá.

http://historiamaximus.blogspot.pt/2018/02/os-sirios-estao-dar-uma-licao-ao-mundo.html

Ass.Rui

Afonso de Portugal disse...

Não, caro Rui, não escreveu nada de mais! O Mestre Nobre às vezes responde de uma forma algo ríspida, mas não é para levar a sério, faz parte do charme dele! ;)

Quanto a hipericão, recomendo algum cuidado... as pessoas em geral pensam que os chás são inofensivos mas, quando tomados em grandes quantidades, podem ter efeitos secundários consideráveis! Por exemplo:

«Quem estiver a tomar produtos à base de hipericão pode sentir ou experimentar tonturas, boca seca, dores de estômago, diarreia, náuseas, cansaço e aumento da sensibilidade à luz solar, sendo muito importante nessa altura que as pessoas com pele clara usem protetor solar e evitem totalmente o bronzeamento em solários, devido ao perigo de um maior efeito das radiações ultravioleta sobre a pele.

Interações com medicamentos convencionais:
Apesar da sua aparente inocuidade, o hipericão pode diminuir ou anular a ação de medicamentos, tais como:
- anticoncecionais, aumentando o risco de uma gravidez indesejada;
- antidepressivos, podendo aumentar os sintomas resultantes dos mesmos, como confusão mental, ansiedade, enjoos ou dores de cabeça;
- anticoagulantes, usados para diluir o sangue e prevenir tromboses;
- imunossupressores, usados para evitar a rejeição de órgãos transplantados;
- drogas usadas para fortalecer o músculo cardíaco;
- Medicamentos anticancerigenos (de quimioterapia);
- Medicamentos para controlar infeção por HIV;
- Antigripais.
»

https://www.educare.pt/opiniao/artigo/ver/?id=11834

Portanto, caro Rui, use... mas não abuse! ;)

Anónimo disse...

"O Mestre Nobre às vezes responde de uma forma algo ríspida, mas não é para levar a sério, faz parte do charme dele! ;)"

Que bom, então acho que não vale a pena responder-lhe. Aquilo pareceu-me bastante depreciativo.

"Quanto a hipericão, recomendo algum cuidado... as pessoas em geral pensam que os chás são inofensivos mas, quando tomados em grandes quantidades, podem ter efeitos secundários consideráveis! Por exemplo: ..."

Bem, o Afonso já tinha isso na ponta dos dedos! Envio o comentário e em poucos minutos responde-me com esta informação. É um homem muito conhecedor! :)
E olhe, acabei de experimentar o chá e já estou a sentir algo a acontecer. Veremos como isto vai evoluir!

Ass.Rui

Afonso de Portugal disse...

«Que bom, então acho que não vale a pena responder-lhe. Aquilo pareceu-me bastante depreciativo.»

LOL! Garanto-lhe que não era... eu já conheço o Mestre Nobre há algum tempo e posso garantir-lhe que no dia em que ele tiver alguma coisa contra o caro Rui, ele será claríssimo nas suas palavras. De resto, o caro Rui sabe como é, na blogosfera nunca podemos levar as outras pessoas demasiado a sério. Às vezes, as pessoas passam por aqui a correr e escrevem a primeira coisa que lhes passa pela cabeça! :)


«Bem, o Afonso já tinha isso na ponta dos dedos! Envio o comentário e em poucos minutos responde-me com esta informação.»

Ahahahah obrigado pelo elogio, mas o meu problema com os chás é mesmo ter tido uma má experiência: uma vez tive um familiar que tinha pedras nos rins e eu bebia do mesmo chá que ele fazia. O chá era supostamente para desfazer as pedras mas, passado um tempo, comecei a ter de ir à casa de banho mais vezes do que era normal... muitas mais vezes!... E o efeito durou vários dias!!! A partir daí, comecei a ter muito respeitinho para com os chás!

Vamos ver o que acontece consigo! Boa sorte! :)