sábado, 17 de fevereiro de 2018

Alberto Gonçalves sobre o caso das agressões no Hospital de S. João (Porto)


     Confesso que fiquei extrema e agradavelmente surpreendido com a coragem evidenciada por esta crónica do Alberto Gonçalves. É inacreditável que o Observador da direitinha tenha permitido a sua publicação, porque os escritos que se seguem são do mais politicamente incorrecto que eu já li na "nossa" imprensa. Um grande bem-haja, Sr. Gonçalves!
«Em teoria, eu deveria achar certa graça à fúria com que os ciganos investem contra o Estado. Na prática, a graça perde-se no zelo com que reclamam os respectivos benefícios.
Durante o Estado Novo, os jornais fintavam a censura mediante palavras ou expressões que diziam mais do que o explícito: ainda que tosco, o “código” permitia ler o que não estava escrito. Hoje, no Estado Novíssimo a que chegámos, pouco mudou. A censura e os “códigos” mantêm-se, simplesmente a primeira é obra dos próprios jornalistas e os segundos, sempre toscos, pretendem ocultar em vez de revelar.»
------> continua a ler aqui <------
 

NOTA: quem não estiver ao corrente do que se passou no Porto, pode ler sobre o caso aqui e também este comentário do João no Livro das Imagens.

Sem comentários: