sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Um homem da "direitinha", pois claro!


«O Presidente da República promulgou esta quinta-feira este Joves o regime jurídico que visa combater a discriminação em função da ascendência ou território de origem, que se juntam à proibição de discriminar face à raça, cor, nacionalidade e origem étnica.»

"Esta lei tem mesmo a minha cara! Viva Pretogal!"

«Segundo a Presidência da República, o diploma hoje promulgado "estabelece o regime jurídico da prevenção, da proibição e do combate à discriminação, em razão da origem racial e étnica, cor, nacionalidade, ascendência e território de origem".

A proposta de lei do Governo tinha sido aprovada no início de Julho por maioria, com a abstenção do PSD e do CDS-PP.»

Ou seja, como as pessoas já perceberam perfeitamente que não é por se ter um papel a dizer que se é português que se passa mesmo a ser português, arranjou-se mais esta lei para que um fulano que seja apenas "português" não possa ser "discriminado", como se esse género de "discriminação" existisse sequer no nosso país!

É uma lei feita bem à medida do nosso presidente-pimba... e claro, o PSD e o CDS só podiam abster-se, que isso de tomar posições contra a "discriminação" é mesmo só para a "pavorosa extrema-direita"...

3 comentários:

Anónimo disse...

O final deste país está para breve............ com os milhares e milhares de novos 'portugueses' a quem é dada diariamente a nacionalidade, trata-se da maior traição alguma vez vista em toda a história de Portugal, toda mesmo.

Ser português vai deixar de significar algo na medidad que qualquer pessoa o pode ser, basta receber um papell... Nunca poderemos aceitar isto.

Ala Poente

Afonso de Portugal disse...

Ala Poente disse...
«(...) com os milhares e milhares de novos 'portugueses' a quem é dada diariamente a nacionalidade, trata-se da maior traição alguma vez vista em toda a história de Portugal, toda mesmo.»

Eu também estou convencido disso. Nunca em toda a nossa história houve uma época tão negra como a que estamos a viver presentemente. Do ponto de vista da nossa preservação étnica, nem mesmo as invasões muçulmanas foram tão graves, porque os mouros não eram tantos como os alógenos que agora temos cá dentro. O que está acontecer é realmente perverso, sobretudo porque o povo, i.e. a maioria das pessoas, não parece importar-se.

Eu não consigo entender como é ficámos assim. Tão apáticos, tão resignados. Ou será que sempre fomos assim mas, antigamente, tínhamos reis e nobres que impunham uma certa forma de pensar?


«Ser português vai deixar de significar algo na medidad que qualquer pessoa o pode ser, basta receber um papell... Nunca poderemos aceitar isto.»

Concordo, nunca poderemos aceitar isso. A questão é como é que vamos viver no "Portugal" do futuro, o que faremos quando formos a minoria. Porque tudo indica que vamos mesmo sê-lo, não parece haver forma de reverter esta situação.

Em Portugal, só há um partido nacionalista, o PNR. Durante muitos anos, eu estavam convencido que os seus dirigentes eram racialistas, mas que tinham a inteligência de ser comedidos e reservados porque é ilegal ser "racista". Hoje já não estou convencido de que a realidade seja mesmo assim. A maioria dos dirigentes e militantes do PNR parecem ser salazaristas e minho-timoristas... pior do que isso, ontem vi este comentário por parte de uma fulana, uma tal Vanessa Soares, na página de Facebook do partido:

«Por conta destas merdas é que o Nacionalismo é tão mal visto aos olhos dos Portugueses. É por conta destas diarreias cerebrais que, muitas vezes, nem comento a quem ofereço o voto. Nacionalismo está a tornar-se sinónimo de cabeça pequena. E eu não tenho. Parecem burros que não vêem mais além das palas!
Coerência precisa-se!
»

Afonso de Portugal disse...

A princípio, pensei que esta tipa fosse uma antifa a fazer-se passar por Nacionalista... mas depois continuou:

«(...)ultimamente, tenho lido disparates demais por aqui.
Torna-se cada vez mais difícil fazer valer os pontos positivos do partido se, de cada vez que surge uma notícia, seja ela de que âmbito for, os apoiantes fazem questão de destilar ódio. Gratuitamente.
Começo a ficar cansada de discutir a importância da política nacionalista na mesa do café porque, no fim, acabo enfiada numa saca de preconceituosos, racistas, homofóbicos, xenófobos, etc...
Quero ser associada a uma política responsável, empreendedora, sustentável. Deveríamos ser julgados por estes valores e não pela meia dúzia de putos que acha fixe ser nacionalista porque é bué alternativo e agressivo. Porque dá no focinho a pretos e ciganos..
O pessoal, na sua grande maioria, está a deturpar aquilo que deveria ser o ideal do partido.
E, às vezes, perco a paciência.
Em suma, e não desejando alongar-me mais.. vai na volta, precipitei-me no comentário. Não conheço a Sra. Não estou apta a fazer qualquer juízo de valor sobre ela.
»

Mas que merda de conversa é esta?! Uma autoproclamada nacionalista que fala em "racismo, homofobia, xenofobia" e em "política responsável, empreendedora, sustentável"?! Que raio de nacionalista é esta, que fala como se fosse comuna?! E quem ela para falar naquilo que "deveria ser o ideal do partido"?!

E o pior é que este comentário não é um caso isolado... tenho lido dezenas de comentários deste género ultimamente. Houve até um fulano que era candidato à Câmara Municipal de Torres Vedras e que desistiu porque, na manifestação de 10 de Junho, apareceram uns quantos neonazis na manif do PNR.

Quero acreditar que isto é tudo uma estratégia para ajudar o partido a crescer, mas começo a perder a esperança! Uma coisa é ter as mãos atadas legalmente, outra coisa é promover os valores do esquerdalho! :(((((