terça-feira, 25 de julho de 2017

A valente merda que é a nossa "direita" (2)


Mais um dirigente laranjinha a criticar o Prof. André Ventura:

«O ex-líder do PSD, Marques Mendes, comentou na noite deste domingo Soles, as polémicas em torno das declarações anti-ciganos ["anti-ciganos"? Mas que raio de 'jornalismo' é este?!] de André Ventura.

Marques Mendes afirma que André Ventura conseguiu a notoriedade e visibilidade que desejava. "Era pouco conhecido, estava mal nas sondagens, arranjou uma polémica e passou a ser falado. É uma táctica muito conhecida. É a tradução daquela ideia – não interessa se falam bem ou mal de mim, preciso é que falem", referiu.



"Não interessa se falam bem ou mal", diz o pigmeu Marques Mendes... devemos estar perante um caso de projecção psicológica, porque não interessa é pouco! Se o que o Prof. André Ventura disse não fosse verdade, dificilmente o pigmeu Marques Mendes estaria tão irritadinho!

«O ex-líder do PSD diz que o candidato à Câmara de Loures está certo quando diz que há problemas com comunidades ciganas. Marques Mendes adiantou que já o antigo Presidente da Câmara de Loures (PS), em 2008, o tinha dito.

Marques Mendes defende que é errado generalizar e dizer que os ciganos não cumprem as leis. "É um disparate tão grande quanto dizer que o PSD é um partido de desonestos só porque um ou outro militante esteve envolvido no BPN. Não se pode generalizar", acrescentou.»

A velha falácia do "é errado generalizar" porque "maçãs podres há em todo o lado". Ora, a maioria dos ciganos cumpre as condições enunciadas pelo Prof. André Ventura pois, segundo o que se diz aqui, pelo menos 50% dos ciganos estão mesmo a receber RSI. O que significa que não é apenas legítimo "generalizar", é absolutamente necessário! Sobretudo quando se tem em conta que apenas 2% dos portugueses recebem o RSI!!! Por outras palavras, "maçãs podres há em todo o lado", mas há lados com muitas mais maçãs podres do que outros!

«"Se algumas famílias ciganas não cumprem a lei, a culpa é do Estado. Das polícias, dos tribunais, das autarquias. Esta instituições do Estado é que têm de aplicar as leis.", adiantou.»

O grande problema com este "raciocínio" é que, para este efeito em concreto, o Estado não existe. Não, não existe, o que existe são dirigentes políticos que representam o Estado, o que é totalmente diferente, porque os dirigentes políticos têm uma cor partidária que, na maioria dos casos, tem todo o interesse em manter os ciganos dependentes do RSI. Porquê? É muito simples: quem recebe RSI tende a votar em que lho garante. Chama-se a isto subsidiodependência e é um verdadeiro círculo vicioso, porque nem os políticos, nem as "minorias" estão interessados em quebrá-lo!

Entretanto, recupero aqui esta posta do vice-presidente do PNR João Pais do Amaral que, no Facebook,  dencuniou o descaramento do "direitinha" Marques Mendes, perante a passividade resignada do povo português. Não admira que o MM não goste de criticar os ciganos: é que ele também anda a mamar à custa do contribuinte "tuga":
«São estes os "aclamados" comentadores da nossa miséria. Gente que vive e ganha dinheiro, a criticar o sistema que os amamenta. Um exemplo de pensionista prematuro!
Aos 50 anos de idade e com 20 anos de descontos como deputado, Marques Mendes acaba de requerer uma pensão, no valor mensal vitalício de 2.905 euros mensais. Contudo, um trabalhador normal tem de trabalhar até aos 65 anos e ter uma carreira contributiva completa durante 40 anos para obter uma reforma de 80% da remuneração média da sua carreira contributiva. Somos um povo imbecilizado e resignado, humilde e macambúzio, fatalista e sonâmbulo, burro de carga, besta de nora, aguentando pauladas, sacos de vergonhas, feixes de misérias, sem uma rebelião, um mostrar de dentes, a energia dum coice, pois que nem já com as orelhas é capaz de sacudir as moscas…»

6 comentários:

Anónimo disse...

Pois...mas cá para mim o senhor Andre Ventura é 1 daqueles "cucks" mais assanhados, com coragem para criticar os ciganos pois apesar de serem malucos são apenas uma pequena minoria no país, mas sem coragem para criticar os "jovens" que constituem cerca de 60% da populacao das prisões de Lisboa.

Não é que ele não tenha uma certa razão acerca do que disse sobre oa ciganos, mas o sr.Andre Ventura e ate mesmo quase todos os politicos do PNR sabem bem até onde podem ir, sabem muito nem onde está a linha vermelha das criticas a povos que podem fazer.

Assh FdT

Afonso de Portugal disse...

Não sei se ele é cuco ou não, sinceramente, não me parece... quando penso num cuco, lembro-me automaticamente de figuras como o John McCain, o Paul Ryan, o Lindsdey Graham e os cowboys do clã Bush. Julgo que o Prof. André Ventura é bem mais radical do que todos estes eunucos juntos. Aliás, em todo o Partido Republicano norte-americano, só mesmo o Presidente Trump é que disse coisas tão "racistas" quanto o Prof. André Ventura.

E há que ter bem presente que, apesar de o Prof. André Ventura não ter dito nada de mais, a verdade é que o Bloco de Esterco apresentou uma queixa criminal contra ele. Em Portugal, é muito difícil tecer críticas à "juventude" sem que haja consequências legais. Os partidos políticos existentes, sobretudo os maiores, são todos politicamente correctos... e, por conseguinte, a censura pró-universalista é muito forte. Eu aqui no TU estico-me bastante porque tenho pouca audiência... mas se algum dia começar a ter muitos seguidores, e.g. milhares de subscritores no YouTube, terei de apagar algumas postas mais antigas!

Anónimo disse...

O que o caro blogueiro afirmou sobre o TU é uma grande verdade, e é tambem por isso que eu gosto de comentar neste blog, respira-se por aqui alguma liberdade! Para pudermos dizer o que nos vai na alma nesta falsa democracia cheia de limitações.

Ass:FdT

Afonso de Portugal disse...

E eu devo dizer que estou muito grato pela sua presença, precisamente pelos mesmos motivos: ao longo dos quatro anos e meio em que este blogue esteve activo, passaram muitas pessoas por aqui, mas poucas acrescentaram alguma coisa. E ainda foram menos aquelas capazes de discordar diplomaticamente, como o caro FdT fez em relação à União Europeia. :)

Portanto, obrigado pelos elogios e pela comparência assídua. Não sei até quando conseguirei manter este blogue, porque a cada ano que passa fico com menos tempo na minha agenda... mas enquanto tiver disponibilidade, serei fiel ao modelo que mantive até agora. Que ao menos aqui possamos dizer o que realmente pensamos, já que está cada vez mais difícil dizê-lo na rua!

Anónimo disse...

"E eu devo dizer que estou muito grato pela sua presença"

Falo por mim, mas penso que também estou a falar por outros comentadores mais ou menos assíduos do TU: eu é que fico grato pela sua presença na blogosfera!

"...ao longo dos quatro anos e meio em que este blogue esteve activo, passaram muitas pessoas por aqui, mas poucas acrescentaram alguma coisa. E ainda foram menos aquelas capazes de discordar diplomaticamente, como o caro FdT fez em relação à União Europeia. :)"

Sim é verdade que discordo com algumas visões do caro Blogueiro mas isso não me tem retirado motivação para continuar a comentar neste espaço e felismente o caro Blogueiro também não fica chateado com algumas das minhas visões e isso é o que importa. Afinal de contas viva a "Diversidade"! de ideias claro :D

Mas falando a serio, penso que essas discordâncias acabam por ser uma mais valia, acredito que quando alguém vem aqui respeitosamente apresentar outro ponto de vista (como p.ex a minha visão sobre a UE) mesmo que o caro não mude de opinião sempre fica a "pensar no assunto" de outra perspectiva, tal como eu também posso mudar de ideias ou pelo menos ver o lado menos mau de certas coisas que o caro Blogueiro defende e eu á primeira vista rejeito.

A vida tem me ensinado que ninguém é dono da razão absoluta, apenas existem ideias "menos más" ou "mais boas" do que outras. O importante, quando temos uma proposta à frente, é espremê-la, retirar-lhe o sumo, e no final perceber se a mesma tem um lado positivo mais forte que o lado negativo.

" Não sei até quando conseguirei manter este blogue, porque a cada ano que passa fico com menos tempo na minha agenda..."

Outra coisa que a vida dolorosamente me tem ensinado é que nada dura para sempre, e em principio, essa regra universal também se aplicará ao TU. Só posso é fazer votos para que o seu blog dure muitos anos e que eu esteja cá para comentar :)

Ass: FdT

Afonso de Portugal disse...

«o caro Blogueiro também não fica chateado com algumas das minhas visões e isso é o que importa.»

Era só o que faltava!... Discordar nalguma coisa é sempre inevitável, só quem não é adulto é que não percebe isso. Além disso, a discordância é muito importante, porque por vezes traz consigo novas formas de ver as coisas.

O meu único problema com a discordância é haver pessoas que insistem demasiado em discordar, que repetem os mesmos argumentos ad nauseam e que não percebem que há um ponto em que é preciso concordar em discordar e partir para outros assuntos. Mas o caro FdT não é uma dessas tristes criaturas!...


«(...) quando alguém vem aqui respeitosamente apresentar outro ponto de vista (como p.ex a minha visão sobre a UE) mesmo que o caro não mude de opinião sempre fica a "pensar no assunto" de outra perspectiva»

Exactamente, isso faz parte de ser adulto e civilizado. E de respeitar um dos maiores pilares da Civilização Ocidental, o confronto livre de ideias. Para gente dogmática, já nos chegam bem os imbecis dos guerreiros da justiça social, que dizem que "a lógica é uma construção patriarcal e opressiva"!...


«A vida tem me ensinado que ninguém é dono da razão absoluta, apenas existem ideias "menos más" ou "mais boas" do que outras. O importante, quando temos uma proposta à frente, é espremê-la, retirar-lhe o sumo, e no final perceber se a mesma tem um lado positivo mais forte que o lado negativo.»

Engraçado, o que o caro FdT escreveu vem ao encontro das ideias do Prof. Jordan Peterson da Universidade de Toronto. Ele defende que, para uma sociedade progredir, é necessário haver uma distribuição mais ou menos equitativa de pessoas em todos os sectores do espectro político. Quer dizer, equitativa não, ela deverá seguir uma distribuição normal em torno do centro do espectro político, mas o caro FdT percebe o que eu quero dizer. Tenho visto muitos vídeos do Prof. Peterson recentemente e essa foi uma das ideias que mais me deixou a pensar nos últimos tempos. A teoria dele é baseada em 40 anos de experiência como psicólogo clínico e como investigador universitário: há evidência estatística que, por parte dos conservadores, há uma tendência geral para serem mais conscienciosos, i.e. mais empenhados no trabalho e nas virtudes da ordem... já os esquerdistas, tendem a ser mais abertos às novas ideias e experiências.

No meio disto, onde é que está a virtude? A meio, como habitualmente! Uma sociedade constituída apenas por pessoas de direita tende a ser menos criativa e inovadora, e uma sociedade constituída apenas por pessoas de esquerda tende a ser menos produtiva e organizada, comparativamente às sociedades em que há um equilíbrio entre as duas forças políticas, esquerda e direita.

Isto tudo para dizer que, de facto, devemos saudar a discordância e até dar-lhe as boa-vindas, dentro de limites razoáveis, evidentemente. É que sem a discordância e a pluralidade de opiniões, a sociedade não avança, fica estagnada... ou pior, descamba no totalitarismo, que é aquilo que, infelizmente, me parece que está a acontecer gradualmente na Europa.