quinta-feira, 1 de junho de 2017

E assim vai terminando a aventura portuguesa na Venezuela...


Isto tem uma explicação lógica: "aquilo na Venezuela não era verdadeiro socialismo, pá!" 😜

«Entre 3 mil e 4 mil luso-venezuelanos regressaram à Madeira, avançou esta quinta-feira este Joves [o dia de Júpiter] na Venezuela o secretário regional dos Assuntos Parlamentares e Europeus, Sérgio Marques, admitindo que o número possa vir a aumentar. "Temos vindo a registar um número crescente de conterrâneos nossos que regressam da Venezuela, isso tem-se vindo a intensificar nas últimas semanas. É notório", disse. Sérgio Marques falava à agência Lusa, na cidade de Maracay (100 quilómetros a oeste de Caracas) no âmbito de uma viagem de quatro dias à Venezuela, conjuntamente com o secretário de Estado das Comunidades Portuguesa, José Luís Carneiro.

Não consigo compreender como é que alguém pode trocar esta maravilha socialista pela Madeira...

«"Estamos a tentar apurar o número das pessoas que tenham entrado na Madeira com rigor. Todos aqueles [cidadãos] que entram com passaporte português, não há um registo de entrada e por isso temos alguma dificuldade em apurar esse número. De qualquer forma, eu estimo que entre 3 mil e 4 mil pessoas possam ter regressado da Venezuela", disse. Por outro lado sublinhou esperar "que esse tenha sido um regresso temporário, porque o desejo das pessoas que têm chegado à Madeira, é que uma vez alterada a situação de crise política, económica e social que se vive na Venezuela possam ter condições para de novo retomar a normalidade das suas vidas aqui na Venezuela".

"Mas é um facto que temos já largas centenas de conterrâneos regressados à Madeira, e é óbvio que esta situação não é uma questão regional, é uma questão nacional, para que a Madeira possa da melhor forma apoiar o regresso de todos estes conterrâneos, tem que contar com a ajuda do Governo da República", frisou.

"Este é um problema nacional em que todos temos que assumir as nossas responsabilidades, seja o Governo da República, seja o Governo da Venezuela. O que foi dito pelo Secretário de Estado das Comunidades, em nome do Governo português, é que há uma disponibilidade do Governo da República em cooperar com o Governo regional da Madeira no sentido de serem encontradas as melhores formas para apoiar a integração dos conterrâneos que regressam da Venezuela", concluiu.»

Pois é, o azar destes emigrantes portugueses é serem apenas isso, portugueses... porque se fossem "refugiados", o nosso (des)govenro até lhes estendia uma passadeira vermelha à chegada!

____________
Ver também:

Mais um português assassinado na Venezuela (10)
A mãe de todas as dietas, só na Venezuela!!! 😆
Maravilhas do socialismo posto em prática...
As cidades mais violentas do mundo em 2015
Pérolas do comunismo: Maduro pede às venezuelanas que usem o secador de cabelo menos vezes
Amnistia Internacional denuncia repressão letal contra manifestantes venezuelanos
É curioso... estes também são náufragos, mas não são refugiados!
Porcos imperialistas!...

7 comentários:

Leitora disse...

Credo, pior q o Brasil parece considerar os venezuelanos como refugiados, já q vários já fugiram para o Brasil. Felizmente estão se instalando no Norte, e se permanecerem aqui, lá é que devem ficar pois etnicamente são mais parecidos com os do Norte mesmo, por serem meio índios e coloridos.

Afonso de Portugal disse...

LOL! Quem sabe, com o tempo, o Sul do Brasil consegue declarar sua independência em relação ao Norte! :P

Eu por acaso acho estranha essa história de eles estarem a ir todos para a Madeira. Sendo uma zona turística, a Madeira é uma das regiões mais caras de Portugal. É estranho que pessoas fugindo de uma crise económica se refugiem precisamente aí. Talvez seja porque o clima na Madeira é mais parecido com o da Venezuela? :P

A-24 disse...

Uma tragédia socialista. E sem dúvida que o país ganhava mais em trazer os filhos da diáspora de volta à terra ancestral do que trazer refugiadistas e palopianos que nem a língua portuguesa falam.

A-24 disse...

Oh caro Afonso, li a sua ultima resposta e fiquei estupefacto. Então você não sabe que cerca de 80% dos portugueses na Venezuela são oriundos da Madeira? Eles voltam sobretudo para lá pois é onde podem obter algum apoio familiar nesta fase complicada, mas até aqui em Lisboa a empresa onde trabalho já recrutou alguns, por dominarem na perfeição o espanhol, uma língua necessária na minha área e muitos também estão a ir para Espanha.

Afonso de Portugal disse...

A-24 disse...
«Então você não sabe que cerca de 80% dos portugueses na Venezuela são oriundos da Madeira? »

Tenho de confessar que realmente não sabia, caro A-24. Vivendo e aprendendo! :P


«E sem dúvida que o país ganhava mais em trazer os filhos da diáspora de volta à terra ancestral do que trazer refugiadistas e palopianos que nem a língua portuguesa falam.»

Ora, nem mais! Além de já estarem integrados, não há o risco de decidirem enriquecer-nos como fez o "jovem" de Manchester!

Raghnar disse...

É verdade, a Venezuela foi um El-Dorado para os madeirenses que fugiam à fome, como em menor medida o foram o Curaçao, Aruba ou a África do Sul. Tenho tido algumas conversas sobre isto, manifestando a mesma posição, que é muito mais saudável o acolhimento desta gente que cidadãos de zonas geográficas com culturas quasi-medievais. Ora, a reacção normal dos "não-populistas" é aquele típico desprezo por aqueles que foram bons no momento em que lhes foram sacar uns cobres para colocar no Banif, enquanto "choram" baba e ranho por uma realidade que lhes é muito mais distante.

Pode ser uma oportunidade para reabilitar habitações típicas que foram abandonadas, se bem que com esta classe política a aposta será de certeza na construção de mais alguns ghuettos, digo habitação "social", para alimentar algum empresário do regime. Já se vai ouvindo algum castelhano nas ruas, mas é música para os meus ouvidos quando comparado com um eventual chamamento para as orações dos discípulos do "profeta"...

Afonso de Portugal disse...

«Pode ser uma oportunidade para reabilitar habitações típicas que foram abandonadas, se bem que com esta classe política a aposta será de certeza na construção de mais alguns ghuettos, digo habitação "social", para alimentar algum empresário do regime.»

Pois... aqui no rectângulo só se faz obra quando há um compadre que sai beneficiado. Portanto, a menos que um ministro ou secretário de estado tenha um interesse específico em recuperar uma zona degradada, o mais provável é mais um bairro "vibrante"...


«Já se vai ouvindo algum castelhano nas ruas, mas é música para os meus ouvidos quando comparado com um eventual chamamento para as orações dos discípulos do "profeta"...»

LOL! Eu cá acho que o caro Raghnar está a ser um bocadinho "islamofóbico"! Convém não nos esquercermos que o Islão é a "religião da paz"! O problema são os "maluqinhos" que se matam em nome do Islão sem terem nada a ver com Islão! :P