quinta-feira, 11 de maio de 2017

Tribunal de Justiça da UE determina que os pais de uma criança nascida na UE têm direito de residência!


Mais um passo no caminho da iminvasão total do Velho Continente: agora basta aos imigrantes não-europeus vir para cá e ter um filho -um único filho!- para que ambos pai e mãe não possam ser mais expulsos! E perante esta e outras decisões judiciais surreais do género, os europeus votam em Ruttes, Macrons e em Merkels/Schulzes!!!

«Os pais não-europeus de uma criança com nacionalidade de um Estado-membro da UE têm o direito a residir na comunidade, declarou esta quarta-feira este Mércores [o dia de Mercúrio] o Tribunal de Justiça da UE, numa decisão que poderá complicar as negociações do 'Brexit'.»

Agora basta apenas ter um filho para os pais poderem ficar por cá...
...e depois terem esta ninhada de "enriquecedores"! Eles procriam, você paga!

«A mais alta instância judicial da UE explicou que os tribunais nacionais devem dar prioridade ao bem-estar da criança e alertou para "os riscos que uma separação [dos seus pais não-europeus] poderá ter para o equilíbrio" dos menores.

A UE exige que os direitos dos cerca de três milhões de cidadãos europeus que vivem actualmente no Reino Unido continuam uma parte prioritária das negociações do 'Brexit'.O papel do Tribunal de Justiça da UE (TJUE), em particular no que toca aos assuntos de imigração, foi um dos principais  argumentos da campanha no Reino Unido pelo "não" à permanência na UE.

A decisão do TJUE surge a propósito do caso de uma venezuelana que entrou na Holanda como turista e que, pouco depois, deu à luz uma criança de pai holandês. O casal separou-se em 2011 e a mãe declarou que deveria ser a única responsável pela educação e bem-estar da criança. No entanto, como não tinha direito de residência na Holanda, as autoridades judiciais daquele país rejeitaram o seu pedido de pensão de alimentos.

O TJUE, baseado no Luxemburgo, indicou que compete à justiça holandesa decidir se a mulher venezuelana tinha ou não um "direito derivado de residência". No entanto, mesmo que a justiça determine que não tem esse direito, o TJUE considera que a situação da mãe e da criança devem ser examinados (...) à luz do artigo 20.º do Tratado Europeu", que aborda as situações em que se pode recusar o direito de residência aos membros de uma família de um cidadão europeu". Caso esta mãe, tal como outras em situação semelhante, viesse a ser obrigada a abandonar a UE, "esta decisão poderia privar os seus filhos de um autêntico usufruto dos seus direitos [enquanto cidadão da UE], ao obrigá-los a sair do território da UE", sustenta o TJUE»

Mais uma vez, fica bem patente a extraordinária anormalidade que é o jus soli, o "direito" de solo, a ideia que uma pessoa é nacional de um país só por ter nascido nele. O jus soli abre porta a outras leis e interpretações jurídicas aberrantes, como esta que o TJUE fez do artigo 20.º do Tratado Europeu: invoca-se os direitos de uma criança a quem foi concedida a nacionalidade de forma ilegítima (por jus soli) para conceder direitos adicionais aos seus pais não-nacionais! É incrível como uma falcatrua (jus soli) abre as portas à justificação de pelo menos mais duas (impossibilidade de deportar os dois progenitores)! Sublinho, pelo menos mais duas, porque já sabemos o que vai acontecer se os pais alógenos não conseguirem arranjar emprego para sustentar a família: o contribuinte europeu paga!!!

6 comentários:

Unknown disse...

Outro exemplo da decadência dos nossos sistemas. Na China por exemplo, tu mesmo que cases com uma chinesa jamais serás chinês. Por mais anos que lá trabalhes nunca obterás nacionalidade chinesa. E és expulso do país se não tiveres trabalho, ficando a tua noiva na China. Acho que mesmo que tenhas filhos, és expulso do país. Lá não há parasitismo social. Aliás, eles tem uma grande consciencia racial, ao contrário de nós, ao ponto de mesmo se um chinês nascer no estrangeiro ele poderá sempre requerer a nacionalidade chinesa (quanto a este último ponto eu não tenho certeza absoluta). Agora compare-se com o que acontece aqui na Europa.

Afonso de Portugal disse...

A questão é que os chineses têm toda a razão! O que se está a passar no Ocidente é uma aberração a todos os níveis, racial, civilizacional e até democrática!

Racial, por motivos óbvios: importar imigrantes em grandes números de uma forma continuada leva a uma inevitável diluição das características da população nativa. Civilizacional porque, por mais elogios que sejam tecidos à utopia do multiculturalismo, a verdade é que a cultura e os valores da maioria da população tendem sempre a tornar-se dominantes, sobretudo quando a cultura nativa é diabolizada e combatida pelas suas próprias elites! À medida que a população alógena crescer, esse efeito vai tornar-se cada vez mais evidente.

Mas também é uma aberração democrática, porque os imigrantes tendem a falsear a veracidade dos sufrágios: veja-se o caso de Macron (92% do voto muçulmano) e do Hollande (93% do voto muçulmano)! Com estas percentagens, as Marines e afins não terão qualquer hipótese de ser eleitas quando a população muçulmana crescer o suficiente! E isso pode acontecer ainda antes de 2030!

Nunca houve, em toda a história do Ocidente, uma período tão crítico como aquele em que nos encontramos presentemente. Todas as vantagens estão do lado dos invasores: a demografia, a política, a geoestratégia e até cultura dominante, expansionsita no caso deles, suicidária no nosso caso!



Unknown disse...

Eu não sei porque eu apareci como "Unknown", talvez pelo facto de ter apagado a minha conta no Google+, apesar de ainda manter a mesma conta no youtube.. Mas sou o Bruno Dias.

Afonso de Portugal disse...

Eu desconfiei pelo estilo de escrita. :) Seja como for, quando se clica na palavra "unknown" aparece um número de perfil do Blogger que permite identificar quem tecla. É por isso que eu publiquei o comentário à mesma! Não tenho nenhum problema com "unknowns"!

Já agora e se me permite a pergunta, porque apagou a sua conta do Google+?

Unknown disse...

Caro Afonso, simplesmente fiquei farto daquela conta. Praticamente já não a usava e a nova versão do Google+ não me agradava. Além disso eu sou agora um dos responsáveis pela página regional do Facebook do partido na área de Coimbra, por isso agora quando posto alguma coisa é lá ( e por acaso já publiquei vários posts seus há uns tempos atrás nessa página regional)

Afonso de Portugal disse...

Nesse caso, só me resta agradecer-lhe, porque eu sei que as postas de TU que têm mais visualizações são precisamente aquelas que foram partilhadas no Facebook! Força nisso, camarada! :)