segunda-feira, 15 de maio de 2017

Três vídeos que vale a pena ver (43): Richard Spencer e Mike Enoch em Charlottesville


    Houve alguém que me disse há uns meses, nas caixas de comentários deste blogue, que considerava o Richard Spencer como o melhor líder nacionalista da actualidade. Já não sei quem foi essa pessoa, pelo que lhe peço desculpa, mas parece-me que terá alguma razão.

Procissão de nacionalistas com tochas em Charlottesville, Virgínia (EUA), 13 de Maio de 2017

Tal como o Tommy Robinson, Spencer está longe de ser uma pessoa eloquente, refinada e intelectualmente irrepreensível. Mas tal como Tommy Robinson, o Richard Spencer parece ter compreendido que é mais importante aparecer e dar a cara do que "falar bonito", como dizem os brasileiros. Ou como bem escreveu o Padre António Vieira (1608-1697), "para falar ao vento bastam palavras, para falar ao coração são necessárias obras", outra velha máxima que demasiados nacionalistas teimam em não conseguir enfiar na cachola.

Não sei se os leitores do TU estão ao corrente, mas tem havido uma forte pressão, por parte da esquerda e da antifaria militante norte-americana, de remover (leia-se destruir) símbolos e monumentos históricos que evoquem figuras da Confederação (ou Estados Confederados da América). Eu abordei este tema muito ao de leve aquando da polémica em torno da interdição da bandeira da Confederação na Carolina do Sul. 

Ora, em mais uma cedência grotesca aos dogmas do politicamente correcto, o município de Charlottesville, uma cidade de média dimensão no estado da Virgínia, decidiu recentemente remover todos os monumentos deste género, em particular estes dois:

1. Estátua equestre do General Robert E. Lee (1807-1870)

 2. Monumento ao soldado da Confederação

E é aqui que entra o Richard Spencer e o seu grupo de "neonazis", como lhes chama os grandessíssimos mé(r)dia, em mais uma emissão de fake news. Ontem, 13 de Maio de 2017, Spencer & C.ª foram até Charlottesville para protestar contra a destruição destes e de outros monumentos pela escumalha universalista, que insiste em querer reescrever a história de forma a remover as partes que não lhe interessam. Um pequeno contingente de antifas foi ao seu encontro... e os "neonazis" deram uma lição de como se deve lidar com a escumalha esquerdista: sem violência (a não ser em legítima autodefesa), sem vergonha e sem papas na língua! Muito bem, rapazes!... Será que algum dia veremos uma coisa destas aqui na Europa?

Aqui ficam alguns vídeos tão divertidos quanto inspiradores (há mais aqui). Sim, este género de "peixeirada" é mesmo necessária! Uma parte muito significativa do jogo político é feita nas ruas embora, mais uma vez, haja demasiados nacionalistas incapazes de perceber esta realidade.

1. Uma "jovem" furiosa não aguenta ouvir os "neonazis" a gritar "white lives matter"! As coisas aquecem por volta dos 4m10s, quando um antifa tenta roubar uma bandeira aos nacionalistas... 😂





2. A "jovem" irritante acaba por se afastar, dando lugar a outros dois protagonistas: um valentaço antifa que cedo é posto no seu lugar e uma mulher absolutamente repugnante que não usa sutiã (mas devia) e que tem mais barba na cara do que um jovem de 16 anos!... 😱




3. Depois deste pequeno confronto, os nacionalistas começam a marchar pela cidade, sempre com os hilariantes e subhumanos antifas atrás deles... 



A marcha terminou junto a estátua equestre do General Lee, onde Spencer e Enoch discursaram. Seguiu-se uma bonita procissão de tochas pela noite dentro. É reconfortante ver os brancos finalmente a acordar e a organizar-se de uma forma consequente! Venham mais destas, camaradas!

Sem comentários: