sábado, 13 de maio de 2017

Terão entrado na Europa 3,5 milhões de falsos refugiados só entre 2013 e 2016!


Um muito obrigado! ao Rick por nos ter trazido aqui esta notícia:

«Pelo menos 3,5 milhões de terceiro-mundistas terão entrado na Europa desde 2013, fingindo-se de refugiados. Este número (3,5 M) supera largamente as populações do Luxemburgo, Chipre, Estónia, Letónia, Eslovénia e Lituânia. De acordo com um comunicado de imprensa da Comissão Europeia, houve um total de 1204300 de pessoas que fingiram ser refugiadas sem o serem, só em 2016.»

E o mais impressionante, caros leitores, é que este número ficou apenas ligeiramente abaixo do número total de imigrantes que entraram na Europa em 2015:

«De acordo com o Eurostat, 1,325 milhões de pessoas entraram na Europa em 2015 a partir do terceiro-mundo.»




E atenção que esta estimativa do Eurostat poderá ser conservadora: o Frontex aponta para que possam ter entrado mais de 1,8 milhões de iminvasores na Europa em 2015!

«Já em 2014, pelo menos 625 mil falsos requerentes de asilo tinham chegado à Europa, enquanto em 2013 esse número se ficava pelos 435 mil "refugiados". Isto significa que, no período entre 2013 e 2016, terão entrado na Europa pelo menos 3,5 milhões de imigrantes oriundos do terceiro-mundo, vigarizando muitas vezes as regras de asilo para abusar do Estado Social europeu.

A dimensão desta fraude torna-se clara quando se leva em conta que os invasores atravessaram vários países, alguns dos quais relativamente seguros, antes de chegarem sequer às fronteiras da Europa. Isto deia por terra a narrativa de que eles são refugiados e que fugiram para salvar as suas vidas.»

Nos grandes mé(r)dia, este número (3,5 M) tem sido escondido. E sublinho que o número pode pecar por defeito! Mas a classe "jornalixística" europeia parece ter abdicado de reportar os números da iminvasão, muito provavelmente por ter recebido ordens dos seus donos. Pelo contrário, as poucas notícias sobre a iminvasão têm sido no sentido de escamotear o problema e dar a sensação de que há uma inversão da tendência imigratória. Só que não há inversão nenhuma, quando muito, poderá haver uma pausa. Como Geert Wilders bem denunciou aqui:

«Espera-se que a população africana cresça quatro vezes até ao fim deste século. De 1,1 mil milhões, para 4,4 mil milhões. Há estudos que mostram que, em vários países do sul de África, um em cada três adultos deseja emigrar. E mesmo no norte de África e no Médio Oriente, um em cada cinco adultos deseja imigrar. Muitos deles desejam vir para a Europa. E a grande questão -a questão que nenhum dos nossos políticos actualmente no poder se atreve sequer a formular- é como é que protegemos a nossa terra e a nossa identidade desta imigração massiva?»

5 comentários:

Leitora disse...

É preciso chamar o Tommy Robinson !
Ele vai fazer uma petição pública e assim as fronteiras serão fechadas.
Caso não dê certo por essa via democrática de petição pública, ele organizará protestos democráticos e abordará muçulmanos aleatórios ou atores no meio da rua para fazer um teatro. Afinal na democracia quem manda é o povo, não o próprio demo como diz no nome.
Depois, o martir será preso. Quem sabe se elege pra alguma coisa.
Com certeza, daí, tudo estará resolvido.
Mas caso não der, ele vai fomentar uma guerra, dizendo que está lutando pelos povos "autócnes" (como diz o Afonso), e assim, alguns milhões de pessoas irão morrer . Com certeza a elite e o Tommy , que assistirão tudo de casa, ou da Austrália, irão ficar muito tristes com isso.
Eles odeiam quando milhões de pessoas morrem!
Mas dai, aí sim, tudo ficará resolvido.

Leitora disse...

Só esqueci de dizer que nessa guerra, a terceira guerra mundial, ou qqr outro nome que seja, serão os brancos lutando contra os pretos e os muçulmanos. Sim, pela identidade ! Pelo território! Quem não vai estar lutando nem sendo atacado serão os François Hollands, os Macrons, os Rotschilds, os maçons. Depois que um lado lutar contra o outro, a MESMÍSSIMA elite vai refazer de novo os países, para acabar com isso. Criarão mais leis repressivas, provavelmente pra acabar logo com o "racismo", talvez criminalizem a direita que é apenas um fantoche.
Ah, daí tudo estará resolvido.

Afonso de Portugal disse...

«(...) dizendo que está lutando pelos povos "autócnes" (como diz o Afonso)»

Mentira! O Afonso não diz "autócnes", o Afonso diz autóctones, como poderá confirmar rapidamente qualquer pessoa que faça uma pesquisa por essa palavra (autóctones) neste blogue. Quando muito, o Afonso poderá ter escrito a palavra "autócnes" por lapso, sem se aperceber, por estar cansado. Acontece a quem actualiza um blogue quase todos os dias ao fim de um dia de trabalho. Quando a Leitora (partindo do princípio que a Leitora existe mesmo e não é o Direita/Santon ou outro palhaço do género) tiver um blogue, talvez consiga escrever sempre na perfeição, de tão intleligente que é. Já o Afonso, infelizmente, é apenas humano.


«(...) serão os brancos lutando contra os pretos e os muçulmanos. Sim, pela identidade ! Pelo território!»

Pura fantasia! A esmagadora maioria dos brancos não quer saber de raça para nada, muito menos de guerrear em nome da raça. E a culpa é precisamente de pessoas como você, que preferem falar de coisas que não interessam para nada, ao invés de denunciar os abusos dos invasores.

Leitora disse...

ahaha, Afonso, peço perdão se o irritei, não é minha intenção. Eu não conhecia a palavra autóctones, por isso a estranhei e não a guardei direito.

". Quando a Leitora (partindo do princípio que a Leitora existe mesmo e não é o Direita/Santon ou outro palhaço do género)"
Eu existo sim, não conheço essa pessoa q vc citou.
Vc não consegue ver isso por algum programa de blog? A localização aproximada das pessoas que postam aqui?

"E a culpa é precisamente de pessoas como você, que preferem falar de coisas que não interessam para nada, ao invés de denunciar os abusos dos invasores."

Aí é que discordamos. Sobre a maçonaria é algo que interessa para tudo, já que é assim que eles conseguem controle em todo lugar, através dos 'puppets' maçons.

Afonso de Portugal disse...

«Vc não consegue ver isso por algum programa de blog? A localização aproximada das pessoas que postam aqui?»

Sim, eu consigo ver o número de IP de quase toda a gente que acede a este blogue. A excepção são os usuários que acedem via Dark Net, quase sempre usando o Tor. Eu consigo ver os seus acessos, mas não consigo identificá-los.

No entanto, ver os números de IP não é garantia nenhuma: há vários programas que podem ser utilizados para esconder o IP, fazendo aparecer um IP falso em seu lugar. Por exemplo, tem um brasileiro que vem aqui quase todos os dias e cujo número de IP aparece sempre como sendo da Alemanha... mas eu sei que essa pessoa está no Brasil!

Quanto à Leitora, o seu número de IP aparece como sendo de uma capital estadual do Sul do Brasil... mas e daí? A Leitora pode ter forjado o seu IP!


«Aí é que discordamos. Sobre a maçonaria é algo que interessa para tudo, já que é assim que eles conseguem controle em todo lugar, através dos 'puppets' maçons.»

Não digo que não seja importante denunciar a maçonaria, saber quem são os seus membros e seus objectivos... mas como é que isso vai fazer as pessoas unir-se em torno da causa nacionalista? O grande problema em nossas mãos é convencer as pessoas a juntarem-se a nós, Leitora. É isso que tem falhado ao longo das últimas décadas, o povo não está do lado dos nacionalistas. E não é porque o povo é estúpido, ao contrário do que demasiados nacionalistas dizem... é porque os nacionalistas não sabem apelar aos anseios do povo.