terça-feira, 23 de maio de 2017

Mais um atentado terrorista ISLÂMICO na Europa!


     Aconteceu o que ainda há-de acontecer MUITAS mais vezes: foi cometido mais um atentado terrorista ISLÂMICO em solo ocidental! De nada tem servido os nacionalistas alertarem repetidamente para a inescapável realidade da jihad, os europeus continuam a abraçar a mentira do multiculturalismo, por vezes até de uma forma arrogante, autista e orgulhosa... preferiram Rutte a Wilders, Van der Bellen a Hofer, Macron a Marine... pois bem, aqui estão os frutos merecidos pelas vossas escolhas irresponsáveis!

Desta vez foi na cidade de Manchester, amanhã pode ser na sua. Um "enriquecedor vibrante" decidiu explodir-se a meio de um concerto da Ariana Grande, "artista" muito apreciada por crianças e adolescentes. Não que você esteja preocupado com isso, evidentemente... até ao dia em um familiar seu seja feito em pedaços por um "maluquinho" ou por um "selvagem que distorceu o Islão", você não quererá saber do terrorismo islâmico para nada. Nessa altura, será provavelmente tarde demais para inverter a presente islamização da Europa, mas você terá sempre o consolo de não ter sido "racista" nem "islamófobo"... e isso é bem mais importante do que evitar que os seus filhos sejam trucidados! Afinal, você é civilizado(a) e instruído(a), não é como esse broncos analfabrutos dos nacionalistas! E a verdade é que a globalização é inevitável e somos todos cidadãos do mundo, pá! As fronteiras são um anacronismo de um passado que não mais regressará!!! Claro que depois há aquele detalhezito melindroso de que, num mundo verdadeiramente global, a força demográfica tende a prevalecer sobre todas as outras... mas não vamos deixar os detalhes estragar a nossa utopia bem-pensante, não é mesmo?

Se tiverem uma sensação de déjá vu, não se preocupem, os atentados fazem parte da vida moderna, pá!

Alguns dados "giros":
  • O ataque foi reivindicado pelo Estado Islâmico (ISIS), a que os grandes mé(r)dia continuam desonestamente a chamar 'Daesh', de forma a branquear a forte componente islâmica do grupo islamista.
  • Há a registar 22 mortos confirmados até ao momento (alguns deles crianças) e 59 feridos; mas atenção, que o contador ainda não parou!...
  • O "ser humano como nós" foi identificado como Salman Abedi, um jovem (ou seria um "jovem"?) de 23 anos;
  • O assassino islamista estava referenciado pelas autoridades britânicas que, mais uma vez, acharam que o "pobre coitadinho" não constituía uma ameaça séria...
  • O ataque ao concerto foi anunciado no Twitter algumas horas antes, mas os responsáveis pela gestão da rede social não quiseram avisar a polícia britânica para "respeitar a privacidade" dos utilizadores envolvidos;
  • Depois do ataque, vários utilizadores do mesmo Twitter celebraram; as suas contas, nas quais aparece frequentemente propaganda alusiva ao ISIS, continuam activas;
  • Como não podia deixar de ser, as "celebridades" tomaram de assalto as redes sociais para regurgitar os já habituais lugares-comuns. Este palhaço, por exemplo, garante-nos que "o ódio não vencerá!"... nem ele próprio acredita, evidentemente.
  • Em 2006, 25% dos muçulmanos no Reino Unido achavam que os ataques de 7 de Julho de 2005 eram justificados.
  • Dez anos depois, 32% dos muçulmanos no Reino Unido achavam que os actos de violência contra aqueles que gozam com o "profeta" Maomé são legítimos.
  • E depois ainda há isto:

...mas quem é que se importa? Enquanto houver futebol e telenovelas para ver, isto é tudo secundário! Quem é que quer saber de uns quantos miúdos ingleses mortos? Ou de uns franceses? Ou de uns alemães? E quem é que quer saber que há europeus a serem presos a meio da noite por emitirem opiniões que a polícia não aprova? Nada disso interessa pá, o que interessa é que o RSI chova a tempo e horas!... Até ao dia em que o chão nos fuja sob os pés...

6 comentários:

Raghnar disse...

O Afonso não pode misturar "alguns grupos islâmicos radicais", que por sinal nem são "verdadeiros muçulmanos" com o Islão. Até porque a malta do IRA era católica e é exactamente a mesma coisa. Apesar de estes não se explodirem em nome de Deus, gritando que Deus é maior ou aspirarem a impor uma teocracia como regime político, subjugando ou matando os "infiéis"...

O homem até era "cidadão britânico", com um nome de origem tipicamente anglo-saxónica, vamos o protótipo do "beef" médio. E ai de quem diga o contrário, parece que os campos de "correcção" estão aí ao virar da esquina.

Pelo lado positivo, desta vez não foi num concerto de metal, mas em cheio numa importante correia de transmissão do politicamente correcto, os "artistas" da "cultura" popular. Queria ver se o acontecimento se desse num concerto do "herói" nacional Sobralinho, tão voluntarista em cumprimentar com chapéu alheio...

Afonso de Portugal disse...

Ahahahahahaha muito bom, caro Raghnar! A sorte é que não pode haver atentados islâmicos em Portugal! Pelo menos, é que nos garantem os "bem-pensantes" cá do sítio! É que "a nossa comunidade islâmica está muito bem integrada", pá! E apesar de o Estado Islâmico estar sempre a falar no Al-Andalus e alguns terroristas islâmicos comprovados já terem passado por cá (como por exemplo o anormal que tentou fazer um atentado no TGV em França e foi impedido por três marines norte-americanos), o Munir das cotoveladas não vai deixar que nada nos aconteça! ;)

Anónimo disse...

Só me ocorre uma palavra para definir este vil e covarde ataque: NOJO

Mas não se preocupe que o "Businessman" de origem anglo-saxónica, actual presidente dos EUA, já foi vender toneladas de armas ao Estado Islâmico da Arábia Saudita por isso a coisa só pode melhorar.

P.S 1: Aposto que a maioria daquelas mulheres que estavam no concerto, são aquelas "bifas" que adoram elogiar a beleza e talentos dos homens castanhos e pretos e desprezam os "bifes" originais, e para alem disso, são muito "humanas" e querem os "desgraçados" Africanos e Asiáticos todos na ilha.

P.S 2: O Brexit não os salva do terror Islâmico

Ass: FdT

Afonso de Portugal disse...

FdT disse...
«(...) actual presidente dos EUA, já foi vender toneladas de armas ao Estado Islâmico da Arábia Saudita por isso a coisa só pode melhorar.»

LOL! Negócios são negócios, os terrorismos ficam à parte! :P


«Aposto que a maioria daquelas mulheres que estavam no concerto, são aquelas "bifas" que adoram elogiar a beleza e talentos dos homens castanhos e pretos e desprezam os "bifes" originais, e para alem disso, são muito "humanas" e querem os "desgraçados" Africanos e Asiáticos todos na ilha.»

As estatísticas (farei uma posta sobre isso mais tarde) indicam que sim. Nos EUA, por exemplo, há mais mulheres brancas contra o muro de Trump de que mexicanos!


«O Brexit não os salva do terror Islâmico»

Claro, mas esse também não era um dos objectivos do Brexit, pelo menos para alguém com dois dedos de testa. Os muçulmanos entram tanto a partir da Europa como a partir da Commonwealth. Nós aqui em Portugal temos um problema semelhante com a CPLP.

Armor King disse...

O ISLÃO É UMA RELIGIÃO DE PAZ,por isso cada vez que um destes "extremistas" comete um ataque um acto terrorista, o que podemos constatar é uma manifestação extremamente pacífica!

O povo britânico deve ter sido na maioria lobotomizado, não entendo tamanha apatia e desinteresse após verem crianças ou pedaços delas espalhados por toda a parte, sem sentirem uma nesga de ira e revolta não para com os muçulmanos, porque desses já se sabe o que se espera, mas sim pelo fdp do governo de marionetas, que devia como dever supremo zelar pela segurança e bem estar dos seus cidadãos, mas que continua a não fazer nada e a fomentar mais esta situação e importar mais "crianças de Calais" e "refugiados".

Já me estava a esquecer que o terrorismo faz parte do dia a dia, e é uma coisa que temos que aceitar e tolerar como se nada fosse, acho que o motto britânico de "keep calm & carry on" se aplica bem para descrever a população.

Gostaria de apontar também um pequeno detalhe, que é pais levarem crianças de 7,8,9 anos ao concerto de uma "artista" que canta maioritariamente sobre sexo? isto é que são pais com valores morais e responsáveis.

Afonso de Portugal disse...

Armor King disse...
«O povo britânico deve ter sido na maioria lobotomizado, não entendo tamanha apatia e desinteresse após verem crianças ou pedaços delas espalhados por toda a parte»

Esse é de longe o maior problema do Ocidente contemporâneo, o individualismo. E não se limita à Grã-Bretanha, os ocidentais em geral não se importam uns com os outros. Quando um muçulmano é atacado, todos os muçulmanos vêem isso como uma afronta. Quando um hindustânico é atacado, todos os hindustânicos vêem isso como uma afronta. Mas quando um ocidental é atacado, os outros ocidentais encolhem os ombros ou fingem que não viram, porque "não é nada com eles" e "neste mundo é ac«ada um por si".


«Gostaria de apontar também um pequeno detalhe, que é pais levarem crianças de 7,8,9 anos ao concerto de uma "artista" que canta maioritariamente sobre sexo? isto é que são pais com valores morais e responsáveis.»

LOL! O Sr. Hamsun também observou isso num comentário que deixou numa posta mais acima. A falta de moralidade é mais um sintoma do nosso declínio, porque denota uma incompreensão ou, pelo menos, uma percepção distorcida da forma como homens e mulheres se relacionam. A moralidade e a castidade não foram inventadas por acaso. Elas existem para assegurar que os comportamentos sexuais não ficam fora de controlo e que os casamentos tendem a perdurar mais anos. Há uma correlação negativa entre o número de parceiros sexuais de uma mulher e a longevidade do(s) seu(s) casamento:

https://heartiste.wordpress.com/2010/09/16/why-sluts-make-bad-wives/

Os pais que permitem que as suas filhas assistam a estes género de concertos degradantes sendo ainda tão novas estão a incentivá-las, ainda que inconscientemente, a serem mulheres promíscuas quando crescerem.