terça-feira, 23 de maio de 2017

Esquerdalho mundialista reage ao atentado terrorista ISLÂMICO de Manchester



Aqui temos um exemplo clássico da falácia tu quoque ("tu também"): apontar os crimes dos brancos sem referir proporções (quantos crimes cometem os brancos proporcionalmente aos não-brancos?) nem o contexto em que ocorreram crimes (em cada caso, as crianças foram assassinadas em circunstâncias muito diferentes...). Pior do que isso, sem mencionar o papel da religião islâmica nas mortes (quantos brancos têm matado em nome do seu deus e da sua jihad?)!


Esta Luísa é uma espécie de Fernanda Câncio lá do Reino Unido... só que ainda mais alucinada! 😵 O tuíte só por si já diz quase tudo, de tão delirante que é... mas convém chamar a atenção para a mentira que tem sido constantemente repetida pelas Luísas deste mundo: "é do interesse de ambos terroristas e nazis [sendo que qualquer um que se oponha à imigração é imediatamente rotulado de nazi] dividir as pessoas." Pelo contrário, essa divisão foi criada precisamente pelas Luísas deste mundo, que decidiram importar -sem consultar os povos da Europa- milhões de imigrantes muçulmanos cuja cultura é absolutamente incompatível com a Civilização Ocidental, apenas para ganharem mais votos. O objectivo dos muçulmanos não é dividir, porque nunca houve união. Não, não houve, coexistência forçada não é união! O objectivo dos muçulmanos é precisamente unificar (que é o contrário de dividir) através da conquista e da submissão. Quanto aos nacionalistas, o nosso objectivo também não é dividir, porque não se pode dividir o que nunca esteve junto: os muçulmanos nunca foram, nem nunca serão europeus. Nós queremos manter a Europa europeia, como sempre esteve antes de as Luísas terem decidido escancarar as fronteiras aos iminvasores e aí sim, dividirem a Europa!


Este é outro exercício de contorcionismo mental cretino a que esquerdalho recorre frequentemente: "nós atacámos os seus países, por isso merecemos estes atentados", pá! Para além da falácia de generalização abusiva, ao culpar todos os europeus pelos crimes dos seus líderes não obstante as sondagens dizerem que europeus têm estado contra as guerras no Médio Oriente desde o virar do século, este paspalho do Nathan Hawks reduz tudo a um pretenso acto de legítima retaliação: nós matamos os deles, eles matam os nossos. Só que há aqui um grande problema: tal como a esmagadora maioria dos jihadistas que têm levado a cabo atentados na Europa, este assassino era um imigrante de 2ª geração, um "inglês" de pleno direito! A tese de retaliação não cola, porque a maioria dos islamistas nasce, cresce e mata na Europa sem conhecer a realidade dos países islâmicos. E isso mostra que não estamos perante um caso de mera retaliação, até porque há constantemente atentados islâmicos bem longe do Ocidente (Índia, Paquistão, etc.)

E agora, a cereja em cima do bolo (clicar na imagem para aumentar o seu tamanho):


Portanto, a Katie Hopkins chamou a atenção para o facto de as vítimas do ataque terrorista serem mulheres e crianças e também para a necessidade de os homens ocidentais fazerem alguma coisa (notem que homens ocidentais ≠ homens brancos)... e o que a aconteceu a seguir? Um guerreiro da (in)justiça social, todo indignadinho, queixou-se à polícia por "incitação ao ódio" (ódio contra quem, se a Katie não mencionou ninguém?). E para cúmulo dos cúmulos, a polícia vai mesmo dar seguimento!

É este o novo normal na Europa "moderna" e "progressista"... eu deverei dizer Eurábia?

2 comentários:

Armor King disse...

Seria tão bom pegar em todas estas celebridades, políticos, repórteres, esquerdistas, marxistas, feministas, islamófilos, jornalistas, gerreiros da justiça social e afins e pagar-lhes uma viagem para um destes países muçulmanos e faze-los viver lá por um ano e experiênciarem o Islão e a Lei Sharia em pleno ou então força-los a receber a sustentar os "pobres refugiados" nas próprias casas e terrenos.

Mas infelizmente estamos todos no mesmo barco e eles estão deliberadamente a afudar-nos a todos.


Afonso de Portugal disse...

É facto, caro Armor King. O pior de tudo é que esta gente tem um poder desmedido sobre a sociedade, alguns porque controlam o fluxo de informação (jornalistas, professores universitários,...), outros porque são ídolos de milhões (celebridades) e outros porque tomam decisões em nome de todos nós (políticos e governantes).

Já nós, os dissidentes, não conseguimos chegar nem a uma pequena fracção das pessoas que os seguem. Por exemplo, eu tenho este blogue desde Dezemebro de 2012 e ainda nem sequer alcancei meio milhão de visualizações. Qualquer jogo de futebol da primeira liga ou reality show da moda bate facilmente esse número em apenas duas horas.

É por isso que é muito importante fazermos tudo ao nosso alcance para contactarmos outras pessoas que pensam como nós, não só no ciberespaço, mas também no mundo real. Estas coisas são como as avalanches, começa-se com uma bola de neve pequenina que, ao longo de uma enconsta, vai ganhando volume e massa crítica para depois levar tudo à frente. Infelizmente, poucas pessoas no movimento nacionalista têm percebido isso. A maioria isola-se ou prega apenas para meia-dúzia de autistas, não percebe que isto é um esforço contínuo que tem de ser exercido a longo prazo.