segunda-feira, 3 de abril de 2017

Na Alemanha: "alemães" planeavam matar dirigentes da "extrema-direita"


O principal conspirador era descendente de turcos, mas o Correio da Mamã faz questão lhe chamar alemão!

«Um tribunal de Düsseldorf, oeste da Alemanha, condenou hoje a prisão perpétua um alemão que planeou um atentado contra a gare de Bona e a penas até 12 anos três cúmplices que planearam matar dirigentes da extrema-direita.

Marco Gaebel, um cidadão alemão de 29 anos, colocou um engenho explosivo improvisado num saco desportivo na estação de comboios de Bona, capital da antiga Alemanha ocidental, duas semanas antes do Natal de 2012. A bomba não explodiu, mas a sua descoberta levou à declaração de alerta terrorista, o que provocou graves perturbações no tráfego ferroviário.»

 Esta foi a única foto que consegui encontrar do tal 'Marco Gabael'. 
A barba, a vestimenta e o dedo no ar não têm nada a ver com o Islão, pá!

«Gaebel e outros três homens foram considerados culpados de formarem uma organização terrorista e de conspirarem para assassinar dirigentes da organização de extrema-direita Pro-NRW, da Renânia do Norte - Vestfália. Os acusados espiaram os dirigentes e adquiriram armas para os homicídios, acabando por ser detidos pela polícia na véspera da data que tinam marcado para executar os crimes, 13 de Março de 2012.

Os ataques planeados pelos quatro cúmplices pretendiam ser uma resposta a uma manifestação anti-islâmica, em que se viam cartazes com caricaturas do profeta Maomé, realizada pelo Pro-NRW em frente a uma mesquita. Dois dos outros arguidos, Koray Durmaz, um turco-alemão de 28 anos, e Enea Buzo, albanês de 46, foram condenados a 12 anos de prisão, e o terceiro, o alemão Tayfun Sevim, 27 anos, a nove anos e meio de prisão.

Na Alemanha, que foi palco de um ataque terrorista em Dezembro passado num mercado de Natal em Berlim que fez 12 mortos, residem cerca de 10.000 extremistas islâmicos, segundo estimativas dos serviços de informações.»

Que nomes tão giros têm estes "alemães",  "Tayfun Sevim" e "Marco Gabael", olé, olá, devem ser mesmo alemães de gema, então não devem?

15 comentários:

Rick disse...

É preciso prevenir a islamofobia. E a extrema direita é muito perigosa.

Olhando para as gerações que já saíram das universidades com o chip de esquerda e o discurso estereotipado, não vai ser fácil mudar esta miséria a que assistimos e que ainda se irá agudizar.
Em política tudo é possível. Por vezes basta um homem de excepção, como demonstra a História. Mas, creio que as forças do caos ainda vão fazer muitas vítimas e tornar a europa num inferno.

Afonso de Portugal disse...

O problema é que se estivermos à espera de um homem de excepção, corremos o risco de já não irmos a tempo. A vantagem demográfica está largamente a favor dos invasores e essa é uma situação sem precedentes na história do Ocidente. Quando percebemos, como eu percebi esta semana, que Portugal é o país menos iminvadido da UE, só podemos ficar seriamente preocupados quanto ás nossas hipóteses de sucesso.

Ainda somos a maioria an Europa, mas temos de nos mexer mais depressa. Ou percebemos que temos de ser nós a mudar as coisas ou podemos perder o comboio. E este comboio não vai passar outra vez!

João José Horta Nobre disse...

Porra, aquele dedo espetado no ar e a barba são mesmo a imagem de marca de qualquer alemão de gema. Assim como gritar "Allahu Akbar" também é um grito tradicional germânico oriundo das tradições pagãs pré-cristãs.

João José Horta Nobre disse...

«Mas, creio que as forças do caos ainda vão fazer muitas vítimas e tornar a europa num inferno.»

O caro Rick ainda não viu nada. Isto está a chegar a um ponto em que eu muito honestamente já começo a deixar de acreditar que seja possível resolver seja o que for pela via democrática. Basta ver o que acabou de acontecer na Holanda e nos Estados Unidos onde Trump só venceu graças ao colégio eleitoral. Depois, mesmo vencendo como venceu, está totalmente bloqueado pelos tribunais controlados pelo "sistema" e rodeou-se de traidores da pior espécie. Em França, será quase impossível Marine Le Pen vencer na segunda volta e mesmo que vença, o "sistema" prontamente colocará em marcha todos os truques para a derrubar ou pelo menos bloquear como parece já ter bloqueado Trump.

Vamos a ver no que isto tudo dá, mas ando com um mau pressentimento nos últimos tempos. Sinto que estamos rapidamente a resvalar para uma situação catastrófica na Europa Ocidental. Algo que eu próprio, de resto, já venho prevendo no meu blog há bastante tempo.

João José Horta Nobre disse...

«Ainda somos a maioria an Europa, mas temos de nos mexer mais depressa.»

Mesmo a combater em minoria, acredito que os europeus podem vencer numa desvantagem até de 5 para 1. A história demonstra que os africanos e árabes são inferiores a nós na arte da guerra. Têm má organização, são bastante indisciplinados e normalmente, não são muito adeptos do treino adequado e como deve ser. Recomendo ao Afonso este artigo que aborda muito bem esta questão:

http://www.meforum.org/441/why-arabs-lose-wars

Numa eventualmente guerra entre autóctones e alógenos na Europa, os turcos são o único inimigo com que seriamente nos teremos de preocupar, porque esses sim, têm uma grande e poderosa tradição militar atrás de si.

Quanto aos judeus, esses na sua larga maioria provavelmente vão fugir para Israel e para os Estados Unidos assim que as primeiras balas começaram a voar por estas bandas. Algo que de resto, também vai ao encontro da história, pois os judeus tradicionalmente mudam de País, como quem muda de casa.

CENSURADO AGAIN disse...

Os ataques planeados pelos quatro cúmplices pretendiam ser uma resposta a uma manifestação anti-islâmica, em que se viam cartazes com caricaturas do profeta Maomé, realizada pelo Pro-NRW em frente a uma mesquita.

sim cucks que so falam em meca são wilders da vida logo vi que não era o npd

Afonso de Portugal disse...

João José Horta Nobre disse...
«Numa eventualmente guerra entre autóctones e alógenos na Europa, os turcos são o único inimigo com que seriamente nos teremos de preocupar, porque esses sim, têm uma grande e poderosa tradição militar atrás de si..»

Não estou tão optimista quanto o caro JJHN, pelas seguintes razões:

(1) Se houver mesmo uma guerra na Europa, coisa que eu duvido muito, os nossos inimigos vão muito provavelmente financiar, treinar e organizar os muslos contra os europeus; nessa altura, até os mais indisciplinados muçulmanos poderão ser integrados num exército islâmico organizado.

(2) Os mouros do califado omíada não era turcos e conquistaram quase toda a península ibérica em menos de uma dúzia de anos.

(3) Talvez mais importante, para que os europeus reajam, têm de estar unidos e organizados; mas a atomização e individaulismo dos europeus está em máximos históricos, é cada um por si e o resto que se f...

(4) Em consequência de (3), os europeus estão praticamente desarmados, efeminados e impreparados na arte da guerra, enquanto os alógenos vão acumulando armas e munições.

(5) As elites "europeias" vão muito provavelmente colocar-se ao lado dos alógenos contra os nativos. Já há alguns precendentes que apontam nesse sentido. Por exemplo, há muita gente que cita o Timothy McVeigh como um exemplo paradigmático de "terrorismo cristão". O que essas pessoas nunca mencionam é que McVeigh foi motivado em grande parte pelo Massacre de Waco, em que o governo federal massacrou dezenas de pessoas sem necessidade.

(6) A demografia e a natalidade favorecem os alógenos; eles podem dar-se ao luxo de ser mortos aos milhões, sem que isso se traduza numa perda de força substancial, uma vez que há muitos mais milhões deles em todo o mundo prontos a vir para a Europa; já nós, europeus, ficaremos em muitos maus lençóis se perdermos milhões de homens; numa situação dessas teríamos não só que vencer a guerra nma Europa como provavelmente fazer a guerra no resto do mundo para controlar os invasores; é que, estando já as nossas taxas de fertilidade abaixo dos níveis mínimos de substituição, sacrificar tantos homens numa guerra e perdê-la significaria deixar milhões das nossas mulheres -e os seus ventres- à mercê dos alógenos.

Por tudo isto, eu preferiria a via democrática à via da guerra. Infelizmente, estou a ficar mais pessimista a cada dia que passa...


Censurado Outra Vez disse...
«sim cucks que so falam em meca são wilders da vida logo vi que não era o npd»

O NPD anda nestas lides há décadas e já foi ultrapassado em número de votos pela AfD, que foi fundado em 2013. Bela merda de partido de incompetentes! Afinal quem é o "cuco", o cara que fala durante anos mas não faz nada acontecer, ou o cara que aparece e consegue resultados?

Você sofre do mesmo mal que a "ala" do Brunácio, Caps. Vocês focam-se na forma, não nos resultados. Infelizmente, o que realmente interessa no combate político é obter resultados, não é "estar certo" ou "denunciar os verdadeiros culpados". Isso vem com o tempo, à medida que se vão trazendo pessoas para o nosso lado.

João José Horta Nobre disse...

«(1) Se houver mesmo uma guerra na Europa, coisa que eu duvido muito, os nossos inimigos vão muito provavelmente financiar, treinar e organizar os muslos contra os europeus;»

Sem dúvida! Foi disso mesmo que falei ontem na minha tasca...

«(3) Talvez mais importante, para que os europeus reajam, têm de estar unidos e organizados; mas a atomização e individaulismo dos europeus está em máximos históricos, é cada um por si e o resto que se f...»

A sociedade europeia está completamente anímica. Basta ver que agora quando Erdogan ameaçou a Europa nas últimas semanas, a resposta dos europeus até meteu dó. Para ameaar os ingleses por causa do Brexit já não lhes falta força, mas para responderem à altura ao Erdogan, aí já se enrolam todos. Mas eu sei porquê. É que as classes políticas europeias estão elas próprias aterrorizadas com os turcos e sabem que se arranjarem algum incidente diplomático com a Turquia, rapidamente poderemos ter o caos nas ruas. É o que dá importar alógenos em massa...

«As elites "europeias" vão muito provavelmente colocar-se ao lado dos alógenos contra os nativos.»

Como é óbvio... Nós vamos deixar de contar seja para o que for. Com a população autóctone a minguar de ano para ano, é normal que quem passe a ditar as regras do jogo sejam os alógenos. Na Grã Bretanha são já muito nítidos os esforços do lobby islâmico para infiltrar e tomar o controlo dos órgãos políticos. Em Londres então, já têm um muslo a mandar e a "coisa" promete piorar...

«Por tudo isto, eu preferiria a via democrática à via da guerra. Infelizmente, estou a ficar mais pessimista a cada dia que passa...»

Estamos todos meu caro, estamos todos. A coisa desta vez está mesmo "a ficar preta" como dizia um célebre cartaz do PNR...

CENSURADO AGAIN disse...

O NPD anda nestas lides há décadas e já foi ultrapassado em número de votos pela AfD, que foi fundado em 2013. Bela merda de partido de incompetentes! Afinal quem é o "cuco", o cara que fala durante anos mas não faz nada acontecer, ou o cara que aparece e consegue resultados?

Você sofre do mesmo mal que a "ala" do Brunácio, Caps. Vocês focam-se na forma, não nos resultados. Infelizmente, o que realmente interessa no combate político é obter resultados, não é "estar certo" ou "denunciar os verdadeiros culpados". Isso vem com o tempo, à medida que se vão trazendo pessoas para o nosso lado.

4 de abril de 2017 às 22:39

do que adianta vendidos como le penn e wilders que so falam em meca e nunca vão agir pra salvar o dna da ruina uma civilização elevada com dna rasco pode se sustentar onde?

CENSURADO AGAIN disse...

resultado com wilders marine é nada eles são so traje tipico sem dna

Afonso de Portugal disse...

João José Horta Nobre disse...
«as classes políticas europeias estão elas próprias aterrorizadas com os turcos e sabem que se arranjarem algum incidente diplomático com a Turquia, rapidamente poderemos ter o caos nas ruas. É o que dá importar alógenos em massa...»

Bem, se eles não previram que isto ia acabar assim, então são muito mais estúpidos do que eu pensava! O que eu desconfio é que eles estão com medo que a Turquia quebre o acordo para os refugiados. Apesar dos milhares de milhões de euros que tem recebido da UE, há sempre a possibilidade de a Turquia abrir totalmente as portas e deixar passar todo e qualquer "pobre coitadinho" que entre no país. E aí concretizar-se-ia o maior pesadelo das elites europeias: a ascensão definitiva da "extrema-direita"!


Censurado Outra Vez disse....
«do que adianta vendidos como le penn e wilders que so falam em meca e nunca vão agir pra salvar o dna da ruina uma civilização elevada com dna rasco pode se sustentar onde?»

Adianta muito porque é preciso esgotar primeiro a vida democrática e só depois passar à guerra. Você é brasileiro e por isso não percebe que os europeus, sobretudo os oeste-europeus, têm um trauma muito grande em relação à 2ª Grande Guerra. A esmagadora maioria dos europeus não quer nem ouvir falar de nazismo, muitos nem sequer de nacionalismo. E isso só vai começar a mudar quando os europeus perceberem que, se nada for feito, nós vamos mesmo perder os nossos direitos, liberdade a até nossa própria terra.

Eu tentei explicar isto várias vezes aos compadres da "ala" brunácica, mas eles estão completamente cegos pelo ódio aos judeus. Foi por isso que se deu a ruptura entre mim e eles. Eles não entendem que, devido ao "complexo da 2ª Grande Guerra", o grosso da população europeia não se vai juntar a eles facilmente. Não sem antes ter tentado a via moderada. E é aí que Wilders e Le Pen entram. Eles fazem a ponte entre os partidos do sistema e o Nacionalismo puro e duro. Há um abismo muito grande entre a forma de ver o mundo do europeu médio formatado ao longo de décadas na "tolerância", no "multiculturalismo", no "pluralismo", etc. e a idiossincrasia nazionalista. Esse abismo não pode ser transposto sem pontes.

Ou seja, para chegar a bom porto é preciso ir devagar, passo a passo. Foi isso que as gerações anteriores de nacionalista foram incapazes de compreender. Os marxistas demoraram quase um século a fazer a sua "grande marcha pelas instituições", mas conseguiram. E conseguiram porque souber ter paciência e pensar a muito longo prazo. O grande erro dos nazis foi sempre querem fazer tudo à maneira deles, do dia para a noite, muitas vezes sem quererm sequer participar em eleições porque "a democracia é uma cabala sionista" e outros disparates do género.

Lamento Caps mas, neste momento, a única coisa que partilho com os nazis é o ideal de preservação da raça. E embora eu saiba que Wilders e Le Pen não me podem dar isso, eu não tenho a menor dúvida que os nazis também não, porque jamais chegarão ao poder.

Mais: estou convencido que, aqui em Portugal, o PNR já teria muitos mais votos se não se tivesse associado aos nazis nos seus primeiros anos. Porque os nazis metem MEDO ao cidadão comum. Infelizmente, os nazis são demasiado estúpidos para perceber isso.

CENSURADO AGAIN disse...

compadres da "ala" brunácica,

cuidado ele disse que nós e eles eramos como agua e oleo kk melhor respeitar a posição dele de dizer que está mais longe de nós que dos que diz combater

CENSURADO AGAIN disse...

partilho com os nazis é o ideal de preservação da raça

mas isso ja é muito pois só se sustenta algo grande sob algo elevado eu entendi a parte da guerra pois muitos vieram pra ca refugiados mas aquelas guerras eram imperios essa é sobrevivencia

CENSURADO AGAIN disse...

5 de abril de 2017 às 15:02

bem infelizmente o ns classico realmente decaiu muito é só ver aquela ala hollywood barrosista la

CENSURADO AGAIN disse...

mas muito desse medo veio da midia controlada pelos de sempre mesmo o medo do nacionalismo mais basico