quarta-feira, 15 de março de 2017

Um breve comentário aos resultados obtidos pelo PVV nas eleições gerais holandesas


       Hoje não tenho tempo para mais, pelo que direi apenas isto: de acordo com as projecções disponíveis à hora a que escrevo esta posta, o Partido da Liberdade de Geert Wilders perdeu. Poderá nem sequer ser o segundo partido mais votado. Infelizmente, eu desconfiei que isto ia acontecer há algumas horas atrás, quando os mé(r)dia reportaram que a taxa de afluência nalgumas estações de voto chegava aos 100%.




Tal como tinha acontecido nas presidenciais da Áustria, os globalistas mobilizaram-se para impedir que o "fenómeno Trump" se repetisse. A elite foi apanhada desprevenida aquando do Brexit e das presidenciais dos EUA, mas aprendeu a lição, intensificando a lavagem cerebral a que temos assistido nos últimos meses e que, pelo visto, está a surtir efeito.

O que quer isto dizer? Que a iminvasão, o multiculturalismo, o multirracialismo, o cosmopolitismo, o mundialismo e o globalismo saíram reforçados das eleições de hoje. Pior do que isso, o projecto totalitário da União Europeia ganhou novo alento. E Marine Le Pen, que já tinha a vida muito difícil, ficou agora com uma  missão praticamente impossível.

A nós, nacionalistas, resta-nos continuar a divulgar as notícias que os grandes mé(r)dia escondem. Aqueles que puderem, devem apoiar os partidos nacionalistas existentes, de preferência comparecendo às suas manifestações e eventos públicos e, se não puderem, pelo menos contribuindo monetariamente para o seu financiamento. O que não temos é o direito de baixar os braços! As gerações futuras merecem que lutemos por elas!!!

19 comentários:

João José Horta Nobre disse...

Bem, já deixei aqui a minha sentença sobre o que aconteceu ontem:

http://historiamaximus.blogspot.pt/2017/03/a-vitoria-pirrica-de-mark-rutte.html

Não sou tão pessimista como o Afonso, apesar de compreender o seu desânimo. O outro animal lá do Bairro do Demente já está a celebrar o sucedido. Pessoalmente, o que eu acho que isto traduz, é que nós nacionalistas, estamos a cada dia que passa, cada vez mais próximos da guerra e de ter de depender da Rússia, quer queiramos, quer não. A circunstâncias assim o determinam...

Afonso de Portugal disse...

«Não sou tão pessimista como o Afonso, apesar de compreender o seu desânimo.»

Sim, apesar do tom negativo desta posta, a noite eleitoral não correu assim tão mal. O PVV ganhou cinco deputados, enquanto o VVD do "grande vencedor" Mark Rutte perdeu 8. Nisso a sua

Quando eu escrevi que o PVV perdeu, referia-me ao facto de que, durante os últimos meses, o partido de Wilders tinha liderado as sondagens... mas depois perdeu terreno nas últimas semanas e acabou por ficar em segundo lugar. Isso leva-me a crer que algo na mensagem dele falhou, embora eu não consiga perceber exactamente o quê, por não ter acompanhado de perto a campanha eleitoral.


«O outro animal lá do Bairro do Demente já está a celebrar o sucedido.»

Bem, não se esperava outra coisa! Nenhum cosmopolita que se preze ficaria triste com o resultado eleitoral de ontem, muito menos um indivíduo que defende o Islão com unhas e dentes, não obstante dizer cobras e lagartos do Cristianismo.


«Pessoalmente, o que eu acho que isto traduz, é que nós nacionalistas, estamos a cada dia que passa, cada vez mais próximos da guerra e de ter de depender da Rússia, quer queiramos, quer não.»

Eu aqui estou bastante mais pessimista do que o Mestre Nobre. A Leitora deixou um comentário excelente há uns dias noutra posta em que dizia, muito resumidamente, que se nunca houve uma guerra racial no Brasil e nos EUA, dificilmente haverá uma na Europa.

Eu concordo com ela: a menos que haja uma situação de grave privação material que leve os europeus ao desespero, dificilmente chegaremos a vias de facto. Ora, a Europa não vai ficar paupérrima do dia para noite, portanto não estou a ver como mobilizar as pessoas para uma guerra nacionalista, muito menos racialista. Aliás, essa é uma das razões pelas quais nunca dei grande crédito aos nazionaliztaz, eles estão apostados na guerra, muitos deles só pensam nisso, mas quase sempre do conforto estéril do seu sofázinho bem quentinho. Só que para se travar uma guerra e ter hipósteses de a vencer é preciso ter-se um exército dispoto a lutar ao nosso lado. Estamos muito longe de ter isso. Mesmo muito longe!

Afonso de Portugal disse...

Já agora, uma nota interessante: o outro blogueiro "tuga" de Macau, o Pedro Coimbra, fez uma posta bastante honesta hoje, sem sair da sua habitual paranóia anti-"populista". Basicamente disse que o Wilders perdeu, mas que não há motivos para celebrar, porque o PVV cresceu e a Marine Le Pen ainda poderá vencer em França.

Pessoalmente, eu não vejo como, já que a diferença entre as intenções de voto nela e em qualquer outro candidato é abismal à segunda volta. Mesma que ela vença a primeira volta (e nem sequer isso é garantido), ela teria de bater as sondagens por cerca 10% no caso do adversário ser Fillon e em cerca de 20% no caso do adversário ser Macron. Não me parece realista pensar que isso vai acontecer.

Dr. No disse...

TURKISH FOREIGN MINISTER is predicting that “a holy war with Islam” will soon begin in Europe

http://www.barenakedislam.com/2017/03/16/turkish-foreign-minister-is-predicting-that-a-holy-war-with-islam-will-soon-begin-in-europe/

Afonso de Portugal disse...

Infelizmente, é só paleio. Se a tal "guerra santa" começasse hoje, os europeus ainda teriam hipóteses de vencer. Mas ela só vai começar quando já não tivermos qualquer hipótese. A menos, é claro, que sejamos nós a começá-la...

Rick disse...

Voçês têm noção que a Holanda é uma das bases do globalismo?(não por acaso o clube Bilderberg foi iniciado lá em 1954 com o alto patrocinio da familia real holandesa e afins)Esperar que por meio de eleições dentro do regime demo-liberal(que é um instrumento do globalismo)a coisa mudasse acho um bocado naive meus caros.

CENSURADO AGAIN disse...

Blogger Afonso de Portugal disse...
Infelizmente, é só paleio. Se a tal "guerra santa" começasse hoje, os europeus ainda teriam hipóteses de vencer. Mas ela só vai começar quando já não tivermos qualquer hipótese. A menos, é claro, que sejamos nós a começá-la...

17 de março de 2017 às 10:50

nenhum dos lados ia se dar muito bem o leste ia levar muitas ogivas e o oeste muitos danos possivelmente a radiação iria escapar tambem pro oeste não so no leste vide chernobyl o sistema de ventos espalhou o lance por todo lado no vazamento do japão do mesmo uma so usina dirá guerra em massa a area é ampla no japão se via indicios no pacifico quase todo na ucrania pegou mais os vizinhos da asia e norte do saara que portugal

CENSURADO AGAIN disse...

mas entre a destruição lenta gradual como alguem numa doença delfinhando aos poucos e algo menos tortuoso qual a maneira mais digna de uma civilização morrer quando o resto ja não tem mais jeito é inviavel e sem redenção

CENSURADO AGAIN disse...

Blogger Rick disse...
Voçês têm noção que a Holanda é uma das bases do globalismo?(não por acaso o clube Bilderberg foi iniciado lá em 1954 com o alto patrocinio da familia real holandesa e afins)Esperar que por meio de eleições dentro do regime demo-liberal(que é um instrumento do globalismo)a coisa mudasse acho um bocado naive meus caros.

17 de março de 2017 às 11:00

a holanda so tem puta e maconheiro fundou a primeira cia de comercio bolsa de valores lower manhatan recife (outro antro multimerdal antes de fugirem pra ny que era o maior porto da america portuguesa e ultramar tomado pelos batavos) vc queria o que?

pvnam disse...

Não faz sentido andar a perder tempo com bandalhos europeus da laia do senhor Mark Rutte: é pessoal que VAI DESAPARECER E NINGUÉM VAI TER PENA!
Ora o pessoal da laia do senhor Mark Rutte:
- não se interessa por sustentabilidade;
- como a sociedade nativa não é sustentável(média de 2.1 filhos por mulher), ao mesmo tempo que criticam a repressão dos Direitos das mulheres, em simultâneo, para cúmulo, bajulam a 'boa produção' demográfica daqueles que tratam as mulheres como úteros ambulantes - ex: islâmicos;
- são nazis: não só não gostam de povos nativos que procuram sobreviver, como também andam por aí numa constante busca de pretextos para negar o Direito à Sobrevivência de Identidades Autóctones {nota: nazi não é ser alto e louro, blá, blá, blá... mas sim, a busca de pretextos com o objectivo de negar o Direito à Sobrevivência de outros};
- têm um completo desprezo pelos povos nativos (na América do Norte, na América do Sul, na Austrália) que procuraram sobreviver pacatamente, e que, como eram economicamente pouco rentáveis, levaram com um holocausto massivo em cima... porque tiveram o «desplante» de querer ter o SEU espaço no planeta e de querer prosperar ao seu ritmo.
.
.
HÁ, ISSO SIM, é que mobilizar os nativos que se interessam pela sobrevivência da sua Identidade para o Separatismo-50-50.
Leia-se:
- Todos Diferentes, Todos Iguais... ou seja, todas as Identidades Autóctones devem possuir o Direito de ter o SEU espaço no planeta.
[nota: Inclusive as de rendimento demográfico mais baixo... Inclusive as economicamente menos rentáveis...]
Dito de outra maneira: os 'globalization-lovers', UE-lovers e afins, que fiquem na sua... desde que respeitem os Direitos dos outros... e vice-versa.
Explicando melhor:
- Democracia sim; todavia, a minoria de autóctones que se interessa pela sobrevivência da sua Identidade... tem de dizer NÃO ao nazismo-democrático, leia-se: é preciso dizer não àqueles que pretendem democraticamente determinar o Direito (ou não) à Sobrevivência de outros.
---» ver blog http://separatismo--50--50.blogspot.com/.

João José Horta Nobre disse...

«A Leitora deixou um comentário excelente há uns dias noutra posta em que dizia, muito resumidamente, que se nunca houve uma guerra racial no Brasil e nos EUA, dificilmente haverá uma na Europa.»

A notar que o tipo de imigração de que estamos a falar na Europa é radicalmente diferente daquela que foi exportada para as Américas. Em países como a França, Alemanha, Holanda e Suécia, o problema são exactamente as comunidades islâmicas oriundas do Norte de África e do Médio Oriente e isso sim, é extremamente explosivo do ponto de vista social, pois essa gente é quase impossível de integrar.

João José Horta Nobre disse...

«Não me parece realista pensar que isso vai acontecer.»

Sobre as hipóteses de Marine Le Pen, eu já falei aqui e por enquanto e até ver, mantenho o que disse:

http://historiamaximus.blogspot.pt/2017/02/que-hipoteses-tem-marine-le-pen.html

João José Horta Nobre disse...

«nenhum dos lados ia se dar muito bem o leste ia levar muitas ogivas e o oeste muitos danos possivelmente a radiação iria escapar tambem pro oeste não so no leste vide chernobyl o sistema de ventos espalhou o lance por todo lado no vazamento do japão do mesmo uma so usina dirá guerra em massa a area é ampla no japão se via indicios no pacifico quase todo na ucrania pegou mais os vizinhos da asia e norte do saara que portugal»

Quando a guerra começar, vai ser uma coisa ao estilo do que vemos atualmente na Síria. Grupos armados de ambos os lados a lutarem rua a rua pelo controlo de cidades e território. Vai ser violento, vai ser brutal e vai ser extremamente sangrento, mas não penso que haverá armas nucleares envolvidas. No entanto, estou aberto a todas hipóteses pois isto o Mundo dá muitas voltas...

CENSURADO AGAIN disse...

4 dias estamos com saudades kk ok ja sei andas ocupado

CENSURADO AGAIN disse...

Anónimo pvnam disse...

vc não cansa de floodar a mesma coisa desde a década passada?

CENSURADO AGAIN disse...

A notar que o tipo de imigração de que estamos a falar na Europa é radicalmente diferente daquela que foi exportada para as Américas. Em países como a França, Alemanha, Holanda e Suécia, o problema são exactamente as comunidades islâmicas oriundas do Norte de África e do Médio Oriente e isso sim, é extremamente explosivo do ponto de vista social, pois essa gente é quase impossível de integrar.

18 de março de 2017 às 00:41

obvio eles tem milenios de cultura superior sobre o oeste quando o oeste ainda era barbaro ja ca vcs impuseram a de vcs como dominante por que genocidaram os nativos la no indico não tinha como eram bem mais

CENSURADO AGAIN disse...

alem disso os valores nativos eram pouco compativeis com a civilização vide o canibalismo

CENSURADO AGAIN disse...

Quando a guerra começar, vai ser uma coisa ao estilo do que vemos atualmente na Síria. Grupos armados de ambos os lados a lutarem rua a rua pelo controlo de cidades e território. Vai ser violento, vai ser brutal e vai ser extremamente sangrento, mas não penso que haverá armas nucleares envolvidas. No entanto, estou aberto a todas hipóteses pois isto o Mundo dá muitas voltas...

sim pode começar assim mas os pakis tem ogivas o irão idem os países sanoides ja controlam o ciclo nuclear

CENSURADO AGAIN disse...

os eua deixaram os pakis por que a supremacia da india semi comuna era perigosa