quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Sobre as diferenças no tratamento dado pelo Estado "franciú" aos nativos gauleses e aos alógenos


Apesar de ainda haver montanhas de notícias "vibrantes" vindas da Suécia para divulgar, vamos fazer uma pequena pausa para falarmos de outro "paraíso" multicultural e multirracial da Europa: a França!

A Leitora, a quem agradeço, trouxe-nos aqui este caso no mínimo insólito, em que um "jovem" alega ter sido espancado e sodomizado com um cassetete pela polícia francesa, durante uma operação antidroga nos subúrbios de Paris (onde mais poderia ser, senão algures na "cidade do amor"?)

Diz aqui que, no último Sábado Sáturnes (dia de Saturno), houve um "protesto" no subúrbio de Aulnay-sous-Bois, contra o alegado "uso de força excessiva" e "violação" de um "jovem" de 22 anos, de seu nome Théo. O "jovem" terá sofrido lesões anais com 10 cm de profundidade (custa-me a acreditar, mas a notícia original diz "depth"), para além de ferimentos na face e na cabeça.

O incidente gerou protestos e manifestações populares durante o fim-de-semana (veja-se por exemplo este vídeo, também trazido aqui pela Leitora), bem como algumas escaramuças e actos de vandalismo. A polícia antimotim chegou a ser mobilizada, prendendo pelo menos cinco pessoas.

#Primeiro ponto: se isto aconteceu realmente, é absolutamente condenável; o único crime que justificaria um tratamento tão degradante seria o "jovem" ser um violador.
 
Só que a notícia está prestes a tornar-se particularmente revoltante... é que a Leitora -que fez um excelente trabalho- trouxe-nos outro artigo que mostra o que aconteceu a seguir:

«O governo francês procurou acalmar a revolta provocada pela alegada violação de um homem durante a sua prisão: "Eu sei que os agentes da polícia estão muito expostos na luta contra o terrorismo e contra a violência, mas têm de ser exemplares a cada momento!"- disse o Primeiro-Ministro Bernard Cazeneuve, que pediu "a mais alta severidade" caso os agentes, que foram todos suspensos, sejam considerados culpados de terem cometido um crime.»

#Segundo ponto: como a Leitora observou quando me trouxe este caso, alguma vez ouviram este género de discurso político quando os "jovens" violam, agridem e assassinam nativos? Quantas francesas já foram violadas por adeptos da "religião da paz" e outros "enriquecedores" do género sem que nenhum político defendesse "a mais alta severidade"  no castigo dos seus crimes?

E não pensem que o Primeiro-Ministro foi o único a pronunciar-se sobre o caso... o Presidente da República do Francostão, o paspalho do Hollande, fez questão de ir visitar o "jovem" ao hospital!!

 «O Presidente François Hollande foi visitar Théo ao hospital, ficando com ele cerca de meia-hora.»

 A única pessoa que realmente devia ter sido sodomizada é o paspalho mais à direita!

#Terceiro ponto: mais uma vez, quantas vítimas francesas dos "jovens" terceiro-mundistas é que o paspalho do Hollande já foi visitar ao hospital? Porque é que o Théo tem esse direito, quando milhares de mulheres francesas não tiveram?

 «As autoridades dizem que são frequentemente atacadas por delinquentes num "jogo do gato e do rato" com os gangues e traficantes de droga dos bairros multiétnicos do país. Em Outubro de 2016, os agentes das forças de segurança fizeram um protesto para denunciar as suas condições de trabalho na sequência de um ataque contra um carro da polícia que feriu quatro agentes, deixando um deles em coma.» 

#Quarto ponto: e estes polícias que foram atacados com cocktails Molotov e covardemente agredidos? Porque é que estes dois vermes do Cazeneuve e do Hollande não os foram visitar?

É simples, caros leitores. Porque quando um pretinho leva na tromba, aparecem logo um monte de indignados a protestar, fazendo com que os pulhíticos tenham deitar água na fervura. Já quando um branco leva na tromba, os outros brancos ficam bem caladinhos e fechados em casa. E, se for preciso, ainda votam nos Hollandes e nos Cazeneuves da vida...

7 comentários:

João José Horta Nobre disse...

«É simples, caros leitores. Porque quando um pretinho leva na tromba, aparecem logo um monte de indignados a protestar, fazendo com que os pulhíticos tenham deitar água na fervura. Já quando um branco leva na tromba, os outros brancos ficam bem caldinhos e fechados em casa. E, se for preciso, ainda votam nos Hollandes e nos Cazeneuves da vida...»

Essa é que é essa, meu caro Afonso!

É um nojo absoluto o ponto a que isto chegou...

Bilder disse...

O que me admira mais(se é que alguma coisa me admira hoje em dia)é que não tenha ainda havido a vontade/coragem(quando a há para tanta coisa)de "limpar o sebo" aos canalhas/fantoches que se fazem passar por representantes dos povos europeus.

Afonso de Portugal disse...

João José Horta Nobre disse...
«É um nojo absoluto o ponto a que isto chegou...»

Cada vez me convenço mais que a maior vitória da superclasse mundialista foi ter conseguido a "atomização" da raça branca, i.e. ter conseguido separar os homens e as mulheres brancas uns dos outros, não apenas fisicamente, mas sobretudo espiritualmente. A maioria dos brancos tem apenas meia-dúzia de amigos, se tanto... e digo "amigos" num sentido muito lato.

Quando saem e se juntam uns com os outros, limitam-se a falar de minudências e frivolidades, como futebol e automóveis, ou pior, de qualquer merda acéfala que viram na televisão no dia anterior. E a beber uns copos de uma forma resignada. A esmagadora maioria dos homens brancos "modernos" não sabe o que é ter uma irmandade, um grupo de camaradas que luta por um território e os recursos nele contidos. Só que os muslos sabem, os africanos sabem, até os chineses vão sabendo.


Bilder disse...
«O que me admira mais (...) é que não tenha ainda havido a vontade/coragem (...) de "limpar o sebo" aos canalhas/fantoches que se fazem passar por representantes dos povos europeus.»

Esta situação decorre do tal problema da "atomização" que descrevi ao Mestre Nobre. Os brancos não se juntam em grandes grupos, nem lutam por ideais e valores que transcendam a mera vivência diária. Quando são novos, desperdiçam as suas vidas em bares e discotecas. Pouco depois, habituam-se a ir para o trabalho resignadamente, a picar o ponto e a cumprir os "mínimos olímpicos" para pagar as contas. No início, até parece que a vida mal começou e que ainda há tempo para tudo. Mas depois passam dez anos e é preciso pensar em constituir família. E depois passam outros dez anos e, de repente, há montes de tarefas e preocupações a atender, não sobra tempo para nada.

Quando finalmente se consegue respirar, está na altura de gozar a reforma, se o físico ainda o permitir. É este o trágico destino da raça branca: trabalhar, consumir e morrer. Não há nada de transcendente nas nossas vidas, apenas rotina e conformidade. Pior do que isso, muitas vezes, a ilusão da liberdade e da auto-realização, quando mais não se fez do que seguir o rebanho.

João José Horta Nobre disse...

«O que me admira mais(se é que alguma coisa me admira hoje em dia)é que não tenha ainda havido a vontade/coragem(quando a há para tanta coisa)de "limpar o sebo" aos canalhas/fantoches que se fazem passar por representantes dos povos europeus.»

As populações estão anestesiadas pelos me(r)dia. Isso para mim, explica bastante bem o porquê de ainda ninguém ter "limpado sebos" a traidores. Houve aquele maluco na Noruega que matou os putos, mas isso obviamente que não é exemplo para ninguém e é um acto absolutamente condenável.

Eu sou completamente contra estes tipo de actos violentos, pois só servem para dar má imagem a todos os nacionalistas e prejudicam-nos gravemente. Aliás, é isto mesmo que a esquerda quer. Para a esquerda seria óptimo era que houvessem Breivik's por toda a Europa, de forma a ter assim o argumento do "papão da extrema-direita" do seu lado.

João José Horta Nobre disse...

«Cada vez me convenço mais que a maior vitória da superclasse mundialista foi ter conseguido a "atomização" da raça branca, i.e. ter conseguido separar os homens e as mulheres brancas uns dos outros, não apenas fisicamente, mas sobretudo espiritualmente. A maioria dos brancos tem apenas meia-dúzia de amigos, se tanto... e digo "amigos" num sentido muito lato.»

A atomização da sociedade é um papel essencial para se poder quebrar e dominar essa mesma sociedade. Sem, dúvida, que a atomização social que se vive actualmente no Ocidente, é algo gravíssimo e muito difícil de reverter.

A nossa Civilização já não vai aguentar isto durante muito mais tempo. Recordo-me de ler uma entrevista com o Jaime Nogueira Pinto há uns tempos, em que ele dizia isto mesmo. Estamos no limite. As civilizações não aguentam isto durante muitas décadas. Por isso é que eu acredito que dentro de algum tempo algo vai "estalar". Ou parte, ou racha, mas isto vai ter de haver mudanças radicias, porque a sociedade não consegue aguentar isto muito mais.

João José Horta Nobre disse...

«até os chineses vão sabendo.»

Lool, esses são os mais espertalhões de todos. O Confúcio não falha...

O próprio Hitler, segundo consta, quando percebeu que ia mesmo perder a guerra e pouco antes de se suicidar, terá dito que o futuro do Mundo seria das raças asiáticas. Os asiáticos, devido à sua disciplina, são imbatíveis. Talvez o Hitler tivesse tido mesmo razão nesse aspecto, pois isto os povos caucasianos são fisicamente muito bonitos sim senhora, mas actualmente só têm merda na cabeça e em termos de disciplina, prefiro nem falar...

Afonso de Portugal disse...

João José Horta Nobre disse...
«A nossa Civilização já não vai aguentar isto durante muito mais tempo. Recordo-me de ler uma entrevista com o Jaime Nogueira Pinto há uns tempos, em que ele dizia isto mesmo. Estamos no limite. As civilizações não aguentam isto durante muitas décadas. Por isso é que eu acredito que dentro de algum tempo algo vai "estalar". Ou parte, ou racha, mas isto vai ter de haver mudanças radicias, porque a sociedade não consegue aguentar isto muito mais.»

Infelizmente, receio que o caro JJHN tenha razão. O que se tem passado na Europa nos últimos anos é insustentável. Crescimento económico anémico + importação de gente "vibrante" só pode acabar mal. E a História, que o caro JJHN conhece muito melhor do que eu, mostra que estas coisas são como os terramotos: quanto mais tempo demoram, mais violentos são!


«os povos caucasianos são fisicamente muito bonitos sim senhora, mas actualmente só têm merda na cabeça e em termos de disciplina»

Não tenha dúvidas, caro JJHN! Se os norte-americanos actuais tivessem de enfrentar os japoneses daquela altura, duvido muito que tivessem conseguido vencer a guerra, mesmo com a bomba atómica!

Claro que os japoneses de hoje também deixam muito a desejar... mas os chineses ainda estão aí para as curvas! E com o governo de Pequim a permitir novamente que o pessoal tenha mais de um filho, desconfio que eles vão mesmo acabar por conquistar o mundo!