sábado, 7 de janeiro de 2017

O Costa nas Índias: "venham todos para Portugal, manos!"


    Como os meus caros leitores certamente saberão, o "nosso" primeiro-ministro monhé está de visita à sua terra natal verdadeira. E que foi ele lá fazer? Visitar a família? Comer um arrozinho de caril? Banhar-se no Ganges? Nada disso, pá, ele foi pedir mais imigração para Portugal, como faz sempre, onde quer que vá!!!

Um muito obrigado! ao Filho da Truta que nos trouxe aqui esta deprimente notícia:

«Na Índia, António Costa diz que a União Europeia tem futuro mesmo sem o Reino Unido. Perante uma plateia de empresários e universitários de Deli, o primeiro-ministro apresentou Portugal como "um país com vocação universalista".

"Vêem, manos? Em Portugal, qualquer um de vós poderia ser primeiro-ministro!"

(...) António Costa aproveitou também para deixar a mensagem de que Portugal está interessado em captar parte da comunidade indiana residente na Grã-Bretanha. "Há uma outra porta para uma presença na União Europeia. Portugal é essa porta e até tem o mesmo fuso horário, continuarão a sentir-se em casa", acrescentou.»

Enfim, do homem que quer criar um "Espaço Schengen da Lusofonia", que foi dizer à Merkel que queria mais "refugiados" para Portugal e que até chegou ao cúmulo pedir aos "pobres coitadinhos" da Grécia que viessem para o nosso país, não se podia esperar outra coisa senão vê-lo pedir aos seus compatriotas que nos invadam!... É que, com todos os seus defeitos, o Costa é fiel ao seu país. Só que esse país não se chama Portugal, chama-se Índia!

____________
Ver também:

O Costa das Índias insiste em querer acolher mais e mais "refugiados"
Insanidade total: o Costa vai mesmo tentar avançar com o tal "Espaço Schengen da Lusofonia"!
O Costa das Índias quer criar um "Espaço Schengen" da lusofonia!
Bosta das Índias diz que "é positivo que o referendo da Hungria seja inválido"
Os "refugiados" e a classe política traidora
O Costa das Índias continua a mentir descaradamente
Costa diz aos "refugiados" num campo grego: «São bem-vindos em Portugal»
Os esforços do Costa das Índias estão a dar frutos!
Tenham medo! Tenham muito medo!!!...
Costa não perde tempo e mostra logo ao que vem...
O PNR denuncia as promessas que Costa cumpre e também as que não cumpre...
Câmara de Lisboa perdoa 1,8 milhões de euros ao Benfica
Mais uma do Costa das Índias!...
PNR identifica o inimigo público nº1 de Portugal e dos Portugueses
PNR denuncia as intenções anti-portuguesas do cada vez mais provável futuro primeiro-ministro
De Lisboa a “Lismá”: PNR denuncia o legado de António Costa
Futuro primeiro-ministro dá 40 mil euros à Fundação Mário Soares

8 comentários:

pvnam disse...

Evocar o crescimento da FN é conversa de pessoal um tanto ou quanto OTÁRIO - a senhora Le Pen é em tudo igual às esganiçadas do Bloco de Esquerda:
- até podem apresentar algumas boas ideias... mas... NÃO TEM
UM PROJECTO DE SUSTENTABILIDADE/SOBREVIVÊNCIA DE LONGO PRAZO.
[ambicionam, no curto-médio prazo, ter acesso a uns 'tachozitos'... mas depois, no longo prazo... os não-nativos naturalizados com uma demografia imparável (ex: islâmicos) irão impor aquilo que muito bem entenderem]

Afonso de Portugal disse...

Anónimo pvnam disse...
«a senhora Le Pen é em tudo igual às esganiçadas do Bloco de Esquerda»

Absurdo! Como é que alguém que se propõe controlar a imigração é igual a alguém que quer escancarar as fronteiras?


«(...) mas depois, no longo prazo... os não-nativos naturalizados com uma demografia imparável (ex: islâmicos) irão impor aquilo que muito bem entenderem»

Sabes, para quem está sempre a dizer mal dos nazis, estás a ficar com um discurso muito parecido ao deles! Para se fazer a diferença neste mundo, é preciso, em primeira instância, tomar o poder. Só depois é que se pode fazer alguma coisa! Nesse sentido, a Sr.ª Le Pen está a fazer o que é necessário para tomar o poder. Já tu -e outros como tu- limitam-se a criticar e a dizer mal, sem nunca apresentarem uma alternativa melhor!

Não basta repetir milhentas vezes que é preciso "um projecto de sobrevivência a longo prazo"! É preciso apresentar uma estratégia consequente para implementar esse projecto! E isso, quer tu queiras, quer não, passa obrigatoriamente pela tomada do poder.

Anónimo disse...

"o "nosso" primeiro-ministro monhé está de visita à sua terra natal verdadeira. E que foi ele lá fazer? Visitar a família? Comer um arrozinho de caril? Banhar-se no Ganges?"

Ehehehehehe

"Nada disso, pá, ele foi pedir mais imigração para Portugal, como faz sempre, onde quer que vá!!!"

O tipo é um obstinado! Em acabar de vez com qualquer traço de verdadeira Portugalidade, ou seja, traços caucasoides na população portuguesa! tanto a nível étnico como cultural. Nunca nenhum primeiro-ministro, pelo menos publicamente, forçou tanto substituição populacional como esta figura indiana. Se não são os negros da CPLP são os da Somália, se não são os da Somália são os árabes que estão retidos na Grécia, se não forem esses vai-se pedinchar a Nova Dehli..

Diga-se no entanto que antes indianos que outros artistas que por aí andam, no entanto os indianos também se reproduzem como cães e não são brancos, pelo que naturalmente não são o povo que a Europa também NATURALMENTE precisa, nem tão pouco ficarão ao lado de qualquer causa pró-branca, como a existência deste Costa o confirma.

Ass: Filho da Truta

Afonso de Portugal disse...

Filho da Truta disse...
«Nunca nenhum primeiro-ministro, pelo menos publicamente, forçou tanto substituição populacional como esta figura indiana. Se não são os negros da CPLP são os da Somália, se não são os da Somália são os árabes que estão retidos na Grécia, se não forem esses vai-se pedinchar a Nova Dehli..»

É verdade! Aliás, este comportamento é muito típico entre os imigrantes e seus descendentes. Em tempos li, se bem me recordo na Al-Visão, que uma das maiores activistas pró-"refugiados" em Portugal era uma ucraniana que tinha vindo para Portugal em criança. Dá a sensação que os estrangeiros têm como missão de vida destruir os países para onde vão! O mais triste é que, no caso do Costa, já se sabia que as coisas iam ser assim. Aquela ideia do "Espaço Shcnegen da Lusofonia", por exemplo, o Costa teve-a quando aind era presidente da CML. Mas isso não demoveu muitos portugueses de votarem nele! É essa parte que me custa a entender...


«(...) os indianos também se reproduzem como cães e não são brancos, pelo que naturalmente não são o povo que a Europa também NATURALMENTE precisa, nem tão pouco ficarão ao lado de qualquer causa pró-branca, como a existência deste Costa o confirma.»

Exactamente. A Europa só precisa de europeus. O resto está cá a mais.

Anónimo disse...

«...era uma ucraniana que tinha vindo para Portugal em criança...»

Por um lado não é de admirar... sem querer fazer o papel de "advogado do diabo", os imigrantes em geral, nomeadamente os Ucranianos, passam por muitas dificuldades e tratamento abaixo de cão para onde quer que vão...concerteza também muitos portugueses o sentem e sentiram lá fora...portanto não se pode dizer que não estejam a ser coerentes, é a tal coisa "não faças aos outros o que não queres que te façam a ti" e essa gente eventualmente sabe os problemas porque passou. Em todo o caso a luta nacionalista é legitima, sobretudo quando as migrações, nomeadamente as dos locais "vibrantes" colocam em causa a coesão étnica/cultural de um país, a sobrevivência étnica de um povo, e ainda por cima colocam problemas de segurança nacional.

Ass: Filho da Truta

Afonso de Portugal disse...

Pois, mas quem muda de país tem que se sujeitar, não o contrário! Essa tipa ucraniana mete nojo aos cães, porque foi para a terra dos outros e pôs-se a trabalhar contra as pessoas que a acolheram! Se ela está ressabiada, só tem de voltar para a terra dela!

Eu próprio já fui maltratado em muitos lugares, sobretudo na Alemanha. Mas não tem sentido nenhum ficar ressentido com todos os alemães pelo tratamento que alguns deles me deram! Eles estavam na terra deles, eu não estava! Portanto, das duas uma: ou eu saía da Alemanha, ou arranjava estômago e jogo de cintura para lidar com os que não me aceitavam. Optei pela segunda.

Anónimo disse...

"Eu próprio já fui maltratado em muitos lugares, sobretudo na Alemanha. Mas não tem sentido nenhum ficar ressentido com todos os alemães pelo tratamento que alguns deles me deram!"

Eu até me estava a referir mais aos obstáculos burocráticos, exploração patronal etc não tanto á reacção do povo autóctone no dia a dia, até porque os portugueses (mesmo que no interiormente até queiram rejeitar o alogeno) não são de maltratar ninguém gratuitamente só por essa pessoa ser alogena, e em relação aos ucranianos em concreto penso que nunca houve sequer grande "xenofobia" lusitana contra eles (antes pelo contrário). Em relação ás Ucranianas então ainda menos deve haver :D

Em todo o caso aposto que essa Ucraniana, para ser como é, está numa relação com algum monhé ou negro, mas é só uma aposta, pois não conheço a figura em questão nem tenho vontade de conhecer.

Mas veja-se que a voz vinda da Suécia mais conhecida por criticar o Suedistão é um descendente de imigrantes, refugiados até, de leste (o Angry Foreigner).

Ass: Filho da Truta

Afonso de Portugal disse...

«Em relação ás Ucranianas então ainda menos deve haver :D»

LOL! Também estou inteiramente convencido que sim! Aliás, como bom conhecedor da Europa de Leste, o Filho da Truta sabe perfeitamente que a diferença de qualidade em relação às nossas mulheres -e não me estou a referir à parte física, porque se formos por aí nem vale a pena dizer mais nada- é abismal.


«(...)aposto que essa Ucraniana, para ser como é, está numa relação com algum monhé ou negro»

Eu também não sei, mas às vezes nem é preciso isso... basta olhar para as nossas mulheres de esquerda (Joana Amaral Dias, Catarina Martins, Raquel Varela, Isabel, Moreira, Ana Gomes, etc.) para constatarmos rapidamente que o amor suicida para com o imigrante não implica necessariamente abrir as pernas ao imigrante, embora isso certamente ajude. O grande problema é que a formatação ideológica faz a maior parte do trabalho. Eu sei bem disso porque fui criado por Marxistas e tive que ser "enriquecido" para abrir a pestana. Vá lá, que pelo menos tive essa sorte!


«Mas veja-se que a voz vinda da Suécia mais conhecida por criticar o Suedistão é um descendente de imigrantes, refugiados até, de leste (o Angry Foreigner).»

Sim, mas lá está, o Angry Foreigner sentiu na pele os "benefícios" da diversidade e da islamização. Se tivesse saído de um país mais homogéneo, étnica e culturalmente, não sei se pensaria da mesma forma...