terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Mais um atentado terrorista ISLÂMICO no coração da Europa: alemães mortos por serem cristãos!


     Como os meus caros leitores deverão saber por esta altura, «um camião investiu contra a multidão num mercado de Natal em Berlim [Alemanha], na Praça Breitscheid, uma das maiores da parte ocidental da cidade, numa zona pedonal, matando pelo menos nove pessoas e ferindo outras 50». O ataque, já reivindicado pelo Estado Islâmico e classificado como um atentado terrorista pelas autoridades alemãs, faz lembrar o atentado de Nice, a 14 de Julho deste ano.


Os mé(r)dia estão a dizer muito pouco sobre o atentado, mas para nós, Nacionalistas, não é nada difícil adivinhar o que aconteceu. Basta dizer que o local do ataque é um mercado de Natal próximo de uma Igreja. Por outras palavras, estes cristãos europeus foram chacinados em solo europeu, apenas por serem cristãos! Agradeçam aos nossos políticos, elites académicas e me(r)diáticas e também aos líderes das várias denominações cristãs da Europa.

E para quem tiver dúvidas quanto à identidade do terrorista, o Jihad Watch está a reportar informações veiculadas pelo jornal diário alemão Die Welt:
  1. O condutor do camião era um muçulmano paquistanês;
  2. O condutor do camião terá entrado na Europa como refugiado.
Nós, aqui neste rectângulo à beira-mar plantado, temos o hábito imbecil de dizer que os americanos são estúpidos... mas a verdade é que eles elegeram um Presidente que, ao contrário dos líderes europeus, percebeu a realidade da ameaça islâmica e sabe bem o que está para vir:



A propósito, o Colégio Eleitoral dos EUA já confirmou a vitória do Sr. Trump. Como se previa, as mentiras do esquerdalho e da máfia globalista não vingaram e os delegados respeitaram a vontade do povo soberano americano. Honra lhes seja feita! Viva a Democracia!!!

14 comentários:

João José Horta Nobre disse...

Muito honestamente, estou-me nas tintas para cristãos. Só fico comovido por as vítimas serem alemães, não por serem cristãos. Quero que o Cristianismo se foda.

Afonso de Portugal disse...

Faz mal, caro JJHN, porque os cristãos dirão o mesmo quando as pessoas como o JJHN forem massacradas!

Não podemos confundir os cristãos com os líderes cristãos, caro amigo. A maioria dos cristãos são gente boa ou, pelo menos, gente normal. Apenas bebeu o cristianismo desde tenra idade e não consegue conceber uma existência sem a religião que professou durante toda a sua vida. Eu odeio o papa, os padres e os bispos, mas não os cristãos! Os cristãos são nossos irmãos europeus, não podemos virar-nos contra eles só porque foram educados de uma certa maneira!

João José Horta Nobre disse...

Lá está, eu não me virei contra ninguém. Só disse foi que não lamento vítimas por serem cristãs. Lamento-as como pessoas, não como cristãos.

Anónimo disse...

Atencao que os mortos neste ataque nao era so cristãos! Como em qualquer mercado de rua natalicio há ateus, agnosticos, cristaos etc. Resumindo o que haviam eram: OCIDENTAIS. Europeus, provavelmente a maioria das vitimas brancos e alemães sendo que pelo menos um polaco (condutor original do camiao) tambem foi chassinado. "Pequenos" dissabores do pais dele fazer fronteira com os ex-nazis multiculturalistas.

Ass: Filho da Truta

Afonso de Portugal disse...

Caros, por muitas voltas que se queira dar -e eu sou ateu, por isso posso falar à vontade- estas pessoas foram mortas por serem percebidas como cristãs, ao estarem a participar numa festividade cristã. Até podiam ser todas ateias ou agnósticas, mas quem as matou via-as como infiéis cristãs!

O motivo pelo qual esta gente foi atacada é o mesmo motivo pelo qual já não se pode enfeitar as ruas de várias cidades europeias com luzes de Natal ou colocar árvores de Natal nas praças dessas cidades. É o mesmo motivo pelo qual já não se pode dizer doces de Natal, mas sim "doces de inverno". É o mesmo motivo pelo qual, em muitos locais de trabalho pela Europa fora, deixou de haver jantares de Natal para passar a haver "jantares multiculturais".

É evidente que o facto de as vítimas serem ocidentais ajudou à "festa", mas as celebrações religiosas não-islâmicas atraem sempre terroristas muçulmanos!

Afonso de Portugal disse...

Mais, vocês atacam frequentemente os cristãos pela mensagem universalista e pelo relativismo cultural dos seus líderes, mas esquecem-se do mais importante: os cristãos não se juntarão a nós se apenas nos limitarmos a insultá-los e a condená-los; os cristãos só se juntarão a nós quando perceberem que estão em guerra com os muçulmanos e que, enquanto houver muçulmanos na Europa, os cristãos não pararão de ser atacados!

Anónimo disse...

"Até podiam ser todas ateias ou agnósticas, mas quem as matou via-as como infiéis cristãs!"

O caro blogueiro está aqui a esquecer-se de um pormenor muito importante: para os muçulmanos, tanto os "moderados" como os "extremistas", bem pior, atente, BEM PIOR, que ser cristão é ser se apóstata, portanto, ser se ateu ou pagão etc. O cristianismo é uma "religião do livro" e (teoricamente, o que nem sempre acontece claro) até se pode tolerar a existência de cristãos desde que fiquem por baixo e paguem um imposto qualquer para viver em terras islâmicas. Não estou certo do que digo mas até aquela malta de bandeira negra na Síria e Levante tolerava alguns cristãos nas terras por eles dominadas desde que paguem o tal imposto, já os que não são povos do livro...

Conheci até já eu um muslo que tinha uma cruz em casa em sinal de respeito por essa religião abraamica, mas ateísmo para ele era tabu.

É verdade que igrejas têm sido alvo mas não só. Muitos ateus têm sido assassinados nos "países muçulmanos" e a maioria dos ataques no Ocidente desde 2001 (torres, metro, concertos de musica, aeroportos, discotecas gay etc) não teve como alvo instituições ou festividades católicas. Diga-se que eles até atacam muçulmanos.

"vocês atacam frequentemente os cristãos pela mensagem universalista e pelo relativismo cultural dos seus líderes, mas esquecem-se do mais importante: os cristãos não se juntarão a nós se apenas nos limitarmos a insultá-los e a condená-los"

Não sei se a mensagem também me incluía, mas pessoalmente meu caro digo-lhe, estou me cagando para os "cristãos" como um todo. A Igreja já perseguiu e assassinou tanto ou mais que os muslos, só não oprimem agora porque perderam força. Sabe tão bem como eu como é que o cristianismo foi imposto na Europa, o que foi a santa inquisição, a opressão de regimes "fascistas" que se apoiavam na Igreja etc

O potencial opressor está todo lá, simplesmente perderam a força e o fanatismo, mas lembro-me bem dos olhos duma amiga minha profundamente cristã quando eu lhe disse na cara que achava que o cristianismo não fazia sentido nenhum, o olhar de ódio meu caro! Olhe que a diferença daquele olhar para o olhar dum fanático sarraceno se eu lhe disse o mesmo sobre a religião dele não deve ser assim tão grande! Acredito que a mulher durante uns segundos teve vontade de me espetar uma faca.

Portanto eu ao cristianismo não quero estar associado até porque não vai ser o cristianismo a resolver nada desta vez. Veja o que está escrito no Afro-Publico:


Líderes católicos pedem cuidado em acusar refugiados de terrorismo

"O secretário da Conferência Episcopal alemã, Reinhard Marx, fez um apelo à calma. “Seria desastroso dizermos que a culpa é dos refugiados”. O arcebispo católico de Munique e Freising fez declarações no mesmo sentido, diz a revista Spiegel: “Era pouco provável que a Alemanha fosse poupada ao terrorismo, mesmo que não tivesse refugiados. Não se deve responder com violência.”

São os próprios cristãos, tanto as autoridades como muitos fieis, que querem esta malta na Europa!

Ass: Filho da Truta

Bilder disse...

Em tese estou de acordo com o Afonso,mas tem um grave problema(além de todos os problemas já graves)que é o facto dos cristãos em geral(e os católicos em particular)serem uma espécie de "ovelhas" que seguem seus pastores sejam eles bons ou maus ou que os levem ao abismo em nome de Cristo(e a religião junto com a ideologia pode mesmo levar toda a Europa para a desgraça completa).

Afonso de Portugal disse...

Filho da Truta disse...
«O caro blogueiro está aqui a esquecer-se de um pormenor muito importante: para os muçulmanos, tanto os "moderados" como os "extremistas", bem pior, atente, BEM PIOR, que ser cristão é ser se apóstata, portanto, ser se ateu ou pagão etc.»

Não me estou a esquecer, caro FdT. Eu sei que é assim em termos gerais, mas não acho que seja assim neste caso em concreto. Neste ataque terrorista de Berlim, o alvo eram claramente os cristãos.


«A Igreja já perseguiu e assassinou tanto ou mais que os muslos, só não oprimem agora porque perderam força.»

Mas a Igreja não são os cristãos! É essa distinção que o FdT, o JJHN, o Caturo e outros não fazem. A esmagadora maioria dos cristãos tem vergonha da inquisição e das cruzadas! Muitos apoiam o papa Chico porque têm complexos de culpa em relação à história do Crisitianismo, não porque concordem conscientemente com tudo o que escroque jesuíta diz!


«O potencial opressor está todo lá, simplesmente perderam a força e o fanatismo»

Ainda bem que o perderam, mas eu não acho que haja hipótese desse fanatismo regressar. No que concerne ao Cristianismo, a separação entre Estado e religião está assegurada. Já no que respeita ao Islão...


«(...) mas lembro-me bem dos olhos duma amiga minha profundamente cristã quando eu lhe disse na cara que achava que o cristianismo não fazia sentido nenhum, o olhar de ódio meu caro!»

Eu já fui cristão e também tive muitas experiências dessas... mas não acredito que a esmagadora maioria dos cristãos nos torturassem ou mandassem prender por desafiarmos os seus dogmas. Além de que, como referi acima, não me parece haver grandes hipóteses de a Igreja voltar a ter o poder que teve outrora.


«Portanto eu ao cristianismo não quero estar associado até porque não vai ser o cristianismo a resolver nada desta vez. Veja o que está escrito no Afro-Publico»

Mas eu não estou a defender o Cristianismo! O que a mim me parece, é que há uma tendência muito perigosa, nalguns sectores do movimento nacionalista, para encarar os cristãos como inimigos! Não sei se já pensaram nisto, mas sem os votos dos cristãos é impossível conseguirmos eleger um governo nacionalista!!!

Quanto aos clérigos cristãos, eu tenho-me fartado de os criticar aqui no TU! Se o caro FdT "clicar" nas etiquetas 'padres corruptos' ou 'queda do cristianismo', verificará rapidamente que eu tenho denunciado activamente a traição dos líderes cristãos aos povos da Europa. Mas lá está, eu critico clérigos, não critico fiéis!

Parece-me que aquilo que o FdT, o JJHN e o Caturo estão a fazer equivale a considerar que os portugueses são culpados pelas decisões que o Mário Soares, o Cavaco Silva, o Durão Barros, o José Sócrates e todos os outros corruptos de Abril tomaram ao longo dos anos! Não é bem assim... é evidente que temos uma certa culpa ao termos votado neles (ou ao não termos votado de todo), mas sugerir que todos os portugueses são corruptos seria absurdo!!!

Então porquê sugerir que todos os cristãos amam os refujiadistas e concordam com tudo aquilo que os seus líderes dizem?


«São os próprios cristãos, tanto as autoridades como muitos fieis, que querem esta malta na Europa!»

Quanto a isso, apenas podemos concordar em discordar, meu caro. E olhe que alguns dos melhores e mais eloquentes blogueiros da nossa praça são cristãos: o FireHead, o Lura do Grilo, o Sr. Hamsun, o Orlando Braga...

Mas já agora, peço-lhe que me responda a uma pergunta. Em tempos o FireHead chamou a atenção para o paradoxo dos países do Leste da Europa. Os povos desses países são muito mais cristãos do que os povos da Europa Ocidental... e, no entanto, também são os que mais têm resistido à iminvasão. Eu tenho uma teoria quanto a isso, mas gostava sinceramente de ouvir a sua opinião, uma vez que o FdT conhece bem essas paragens. A pergunta é: como se explica o aparente paradoxo mencionado pelo FireHead?

Afonso de Portugal disse...

Bilder disse...
«Em tese estou de acordo com o Afonso,mas tem um grave problema(...)que é o facto dos cristãos em geral(...)serem uma espécie de "ovelhas" que seguem seus pastores sejam eles bons ou maus ou que os levem ao abismo em nome de Cristo.»

Mas por isso mesmo é que nós temos de falar com eles, mostrar-lhes as provas da traição dos clérigos e convencê-los a mudar de opinião! Não podemos simplesmente cruzar os braços e descartar todas as alianças com as pessoas com quem não concordamos a 100%! Esse tem sido um dos grandes erros do nacionalismo português... e também um dos motivos que explicam a sua reduzida expressão nas urnas.

Temos de falar com os cristãos. Muitos rejeitarão a nossa mensagem, mas outros tantos acabarão por aceitá-la!

Anónimo disse...

"Em tempos o FireHead chamou a atenção para o paradoxo dos países do Leste da Europa. Os povos desses países são muito mais cristãos do que os povos da Europa Ocidental... e, no entanto, também são os que mais têm resistido à iminvasão"

De facto é uma boa questão, à qual admito não ter um resposta 100% certa e pensada, e talvez o único argumento que as pessoas com a visão do firehead podem puxar para defender a dama do "cristianismo" seja esse, mas deixe-me dizer-lhe uma coisa: isso não é totalmente verdade. Existe um numero cada vez maior de negros e árabes na chamada "Europa de leste", é mais um "Cuckservadorismo" refinado e duro que outra coisa.

Agora também é verdade que a maior resistência, por vezes até em forma de tacanhez contra tudo o que é alogeno há Nação (incluindo contra outros europeus, inclusive contra Europeus do Norte e leste!) vem das pessoas mais conservadoras e não-instruídas enquanto os ateus e progressistas de "Leste" aceitam a imigração seja de onde for. Gente com mentalidade semelhante à do referido blogger Caturo é rara, um achado, tanto em Portugal como em qualquer país da Europa.

Se eu lhe disser que p/exemplo na Polónia existe gente que odeia de morte mais os Ucranianos que os muslos acredita? Pura e simplesmente a malta eslava é mal disposta, antipática e muito desconfiada em relação ao que vêm de fora. Isto não significa que sejam "más pessoas" mas são assim, e pelo menos à custa disso evitam que (para já) aconteçam cenas de enriquecimento como na Alemanha, e que a sua etnia desapareça tão rapidamente.

Eu penso que essa mentalidade tem a ver com o clima e sobretudo com a história. Estar próximo da Alemanha e da Rússia e ainda com os Otomanos no flanco é complicado.

Os alemães por sua vez, muito provavelmente também devido ao "complexo de culpa" são extremamente simpáticos com estrangeiros e basicamente querem ser extintos e deixar de ser germânicos! ao contrários da maioria dos eslavos.

E Diga-se que por cada FireHead existe uma organização cristã na Europa a acolher malta de outros continentes sem olhar a cores e religiões.


"mas não acredito que a esmagadora maioria dos cristãos nos torturassem ou mandassem prender por desafiarmos os seus dogmas. Além de que, como referi acima, não me parece haver grandes hipóteses de a Igreja voltar a ter o poder que teve outrora."

Cuidado meu caro, cuidado. Lá por haver um inimigo não significa que devemos baixar a guarda a outro. Os "cukservadores" bravos ao género dos que rulam em alguns países de "leste", em importantes aspectos, também são perigosos para a liberdade e por vezes têm dificuldade em ser diplomáticos...pode não ser a Igreja em si, mas essa malta é uma vergonha para o espírito de liberdade que caracteriza o verdadeiro espírito Europeu e Ocidental. Veja nas noticias certas e determinadas medidas que os referidos governos tentaram tomar nos últimos meses, e fico-me por aqui.

Ass: Filho da Truta

Afonso de Portugal disse...

Filho da Truta disse...
«Existe um numero cada vez maior de negros e árabes na chamada "Europa de leste", é mais um "Cuckservadorismo" refinado e duro que outra coisa.»

Isso é bastante desanimador, porque significa que a minha teoria estava errada. Eu estava convencido que os europeus do Leste tinham mais anti-corpos em relação à iminvasão em resultado da sua opressão histórica sob os comunistas. A Hungria, por exemplo, sofreu muito às mãos dos soviéticos e eu achava que isso explicava a preferência dos húngaros por governos de direita.

Se se tratar apenas de "conservadorismo de corno manso" então, com o passar dos anos, os países de Leste tenderão a ficar como o resto da Europa...


«Se eu lhe disser que p/exemplo na Polónia existe gente que odeia de morte mais os Ucranianos que os muslos acredita?»

Infelizmente, acredito, porque eu cresci perto da fronteira com Espanha e lembro-me dos tempos em que mais valia um preto da ex-colónias do que um espanhol! Ouvi muitas vezes, quando era miúdo, coisas deste género: "o Eusébio era preto, mas deu-nos muitas alegrias! Já os espanhóis só nos trazem desgraças!" Superar as rivalidades históricas entre nações é muito mais difícil do que reconhecer os perigos da iminvasão.


«E diga-se que por cada FireHead existe uma organização cristã na Europa a acolher malta de outros continentes sem olhar a cores e religiões.»

Parece-me, apesar de tudo, que a situação não é assim tão grave. É verdade que a maioria dos cristãos ainda não interiorizou a traição dos seus clérigos. Mas há um potencial muito grande no cristãos para resistir ao invasor, uma vez livres da influência dos padrecos. É aqui que nós entramos, denunciando os casos dos padres islamófilos, xenófilos e outros "filos" do género...


«Lá por haver um inimigo não significa que devemos baixar a guarda a outro.»

Concordo, mas é precisamente por isso que é necessário assegurar que o secularismo e e a laicidade do Estado permanecem inviolados! Enquanto a religião não puder influenciar a governação, estaremos a salvo dos excessos dos credos abraâmicos. Mas se começarmos a permitir que o Estado faça cedências ao Islão, então dificilmente podermos assegurar que essas cendência são revertidas caso o Cristianismo volte a crescer.

Anónimo disse...

"Isso é bastante desanimador, porque significa que a minha teoria estava errada. Eu estava convencido que os europeus do Leste tinham mais anti-corpos em relação à iminvasão em resultado da sua opressão histórica sob os comunistas."

Penso que o caro blogueiro compreendeu mal a minha mensagem. Existe de facto maior resistência á iminvasão na Hungria, Polonia, Servia etc sem duvida! mas no entanto, existem, e cada vez mais, árabes, paquistaneses e negros por essas terras. Nada que se compare há realidade de Inglaterras, Franças etc mas como é óbvio os países de Leste não vão permanecer demograficamente iguais quando todos os países europeus à volta estão cheios de alogenos, a "infecção" acaba por se alastrar. Como eu dizia na brincadeira há uns anos sobre a situação de Portugal "a infeção da Amadora vai acabar por se alastrar ao norte" acho que entende o que eu quero dizer.

E uma coisa que se nota é que para aí 90% ou mais dos alogenos que residem ou visitam esses países de Leste são homens, enquanto por exemplo em França, Inglaterra etc existem também muitas mulheres alogenas. Imagino que seja por eles tal como nós terem olhos na cara e verem que de facto as mulheres desses países eslavos são mais jeitosas que a dos países Anglo-saxónicos e latinos, e também mais recatadas. Alias, e se calhar vai parecer ridículo e não vai concordar comigo, mas considero que uma das razões que leva os eslavos a serem mais nacionalistas que por exemplo os portugueses é mesmo a diferença de qualidade do sexo feminino.

Diga-se também que pelo menos por enquanto a maioria das mulheres eslavas que entram em relações com os alogenos de outros continentes são aquelas gordas que não conseguem arranjar macho na terra delas e como há alogenos que só para terem passaporte europeu não se importam de segurar umas banhas lá fazem família com elas. É triste mas são coisas que acontecem.

Em relação ao comunismo (que também não gosto como é óbvio) não penso que seja razão da aversão daquela malta a alogenos, antes pelo contrário, a cortina de ferro acabou por ter o lado bom de os proteger durante uns tempos desses contactos...já a Europa Ocidental onde a direita neo-liberal se move...

Ass: Filho da Truta

Afonso de Portugal disse...

«Alias, e se calhar vai parecer ridículo e não vai concordar comigo, mas considero que uma das razões que leva os eslavos a serem mais nacionalistas que por exemplo os portugueses é mesmo a diferença de qualidade do sexo feminino.»

Antes pelo contrário, caro FdT, eu concordo totalmente com essa visão! O Black Pigeon Speaks tem dois vídeos fabulosos sobre essa temática, que eu publiquei aqui no TU:

http://totalitarismouniversalista.blogspot.pt/2016/05/tres-videos-que-vale-penar-ver-20.html


«Diga-se também que pelo menos por enquanto a maioria das mulheres eslavas que entram em relações com os alogenos de outros continentes são aquelas gordas que não conseguem arranjar macho na terra delas»

Aqui também começou por ser assim, os pretos só ficavam com as sobras... mas depois, os pretinhos começaram a ser "moda" e hoje quase "o macho" por excelência. Tristes tempos... e triste homem ocidental, que permitiu que isto acontecesse!