terça-feira, 20 de dezembro de 2016

E ainda a propósito do massacre de Berlim e da guerra ao Natal...


...recomendo vivamente a leitura integral deste artigo da Helena Matos, que é de longe a melhor escriba que anda pelos nossos tristes mé(r)dia. Não deixa de ser curioso que as únicas pessoas que escrevem regularmente contra o politicamente correcto pró-islâmico no Observador da "direitinha" sejam duas mulheres, a Helena Matos e a Maria João Marques. Até nisso se vê o quão feminizados estão os nossos homens! Sinais dos tempos...

8 comentários:

chinatown disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

Sim de facto está muito bem escrito.

Ass: Filho da Truta

Bilder disse...

Estive a ver a rtp3 esta tarde e os homens convidados(inclusive um coronel da academia militar,não admira que os militares também andem a "dormir" com estes oficiais a comandar)foram no mesmo sentido,a mulher apresentadora ainda fez algumas perguntas "fora da caixa" mas as respostas vão sempre na linha habitual,ou seja : O terrorismo veio para ficar e temos de viver com ele e continuar a abrir a Europa(o sr Moedas comissário da UE totalitária disse mais ao menos o mesmo).Seria para rir senão fosse trágico.E nem falo do discurso da dona Merkel de tão surrealista.

Afonso de Portugal disse...

É por isso que têm de ser todos corridos! Há séculos que não havia deste terrorismo na Europa e os europeus não têm nada que se habituar a ele!!! É MENTIRA que este género de ataques seja inevitável! Eles evitam-se de uma forma muito simples, fazendo como os nossos gloriosos antepassados: expulsando todos os muçulmanos da Europa!

Contrariamente ao que nos dizem as elites actuais, as cruzadas não se fizeram porque os nossos antepassados "eram bárbaros" ou porque eram "incivilizados", muito menos porque eram "estúpidos". Elas fizeram-se porque os nossos antepassados perceberam que não havia outra escolha! Com os muçulmanos, a guerra é inevitável, seja a médio, seja a longo prazo! Basta olhar para qualquer lugar do mundo onde eles vivam perto dos "infiéis" para se perceber isso rapidamente! Eles não descansam até conseguirem conquistar tudo!!!

Ou nós reconhecemos que os nossos antepassados tinham razão quando os combateram e expulsaram -e não é por terem passado mil anos que as coisas mudaram-, ou vamos passar à história como a pior geração ocidental que já viveu! Aquela que, depois de 14 séculos de várias gerações a combater e a vencer o Islão, se deixou conquistar e submeter sem sequer ter combatido!

A-24 disse...

Bem visto Afonso! Os homens da nossa praça são de uma demência que dá dó. Este país, com a excepção de algumas mulheres, só produz esquerdistas, ou seja, só produz m*r*a.
Eu republico algumas opiniões de ambas, sobretudo da Helena Matos, da qual nutro uma profunda admiração.

Afonso de Portugal disse...

A Helena Matos é simplesmente fabulosa, caro A-24! Só é pena ela pertencer à tal "direitinha" que apenas consegue ver o mundo e a política em termos da economia. Todos os textos dela são muito bem escritos, mas mais do que isso, são estruturados de uma forma absolutamente irrepreensível. De parágrafo para parágrafo, ela vai juntando, de uma forma ponderada e sistemática, os factos e os argumentos que lhe permitem chegar à conclusão final de uma forma completamente legítima, ao contrário de muitos outros escribas da nossa praça que, não obstante serem considerados intelectuais de primeira linha, partem frequentemente da conclusão em vez de chegarem a ela.

Já a Maria João Marques tem um grande defeito, que é ser estupidamente feminista. E digo estupidamente porque não é defeito nenhum querer direitos iguais para homens e mulheres, mas a partir do momento em que se escreve contra o Islão para depois se apoiar a bruxa Hilária (financiada por islamistas) porque "o Trump é sexista", só podemos concluir que lhe falta clarividência e sentido das prioridades.

Ricardo Amaral disse...

Esse coronel que fala o Bilder é um tal Lemos (se pesquisarem por coronel Lemos e academia militar encontram,inclusive o personagem é formador ao mais alto nível dentro do exército).Os próprios militares que juram defender a nação são os que mais a estão a trair(muitos sabem mas sentem-se incapazes de fazer frente por serem em minoria,outros estão serviço da nato).

Afonso de Portugal disse...

Ricardo Amaral disse...
«Os próprios militares que juram defender a nação são os que mais a estão a trair(muitos sabem mas sentem-se incapazes de fazer frente por serem em minoria, outros estão serviço da nato).»

O grande problema é que, tal como a política, a carreira militar em tempos de paz é tão-somente um jogo de interesses e falsidades. Esse coronel sabe, como todos os oficiais de alta patente sabem, que quem não alinhar com o discurso politicamente correcto corre o risco de sofrer represálias por parte da classe governativa e também por parte de outros militares alinhados com a classe governativa.

Esta é, aliás, uma das situaçãoes que dificulta a mudança de paradigma. Há uma inércia institucional muito grande que favore a continuidade do multiculturalismo. É por isso que, quando eu ouço alguns nacionalistas a falar em fazer revoluções, fico completamente arrepiado! Os militares estão alinhados com a elite, não com o povo! Mais depressa nos matavam ou prendiam a nós do que aos nossos (des)governantes!