domingo, 20 de novembro de 2016

Três vídeos que vale a pena ver (30)


    Donald Trump é o presidente-eleito dos EUA, mas os seus inimigos não desarmam! Na última semana, o Sr. Trump tem sido implacavelmente atacado pela máfia me(r)diática, pelos corruptos de Wall Street e, como não podia deixar de ser, pelo inenarrável esquerdalho...


1. Tomi Lahren (The Blaze): «George Soros e os seus peões do caos»; mais um vídeo a denunciar o criminoso genocida George Soros, um dos rostos mais vis da Superclasse Mundialista apostada em destruir as nações, sobretudo as nações maioritariamente brancas da Europa e da América do Norte. Há um número muito importante a reter neste vídeo: Soros já terá gastado mais de 33 milhões de dólares a financiar os "protestos" dos animais do Black Lives Matter.




2. Mark Dice: «Trump necusa salário - escândalo!»; no seu desespero irracional, o esquerdalho norte-americano tem criticado a decisão de Donald Trump em não receber um salário pelo desempenho das suas funções de Presidente dos EUA. O Sr. Dice mostra-nos alguns dos "argumentos" mais patéticos utilizados pelo mé(r)dia norte-americanos para diabolizar a decisão do Sr. Trump. É que não há nada mais revoltante para um parasita esquerdalhista do que alguém que se recusa a chular os contribuintes! 




3. "Dragnet", uma relíquia dos tempos em que a televisão ainda era boa; quem segue este blogue, sabe que eu recomendo  o boicote incondicional à máfia hollywoodesca. Mas atenção, isso não se aplica aos filmes e às séries de TV que foram produzidas até meados da década de 70 (regra geral, há excepções)! Antigamente, a televisão e o cinema não eram maus de todo por várias razões. Desde logo, o cancro do politicamente correcto ainda não tinha infectado os estúdios, as mulheres eram femininas e os homens masculinos e, sobretudo, não havia os apelos ao relativismo e à depravação moral e sexual que vemos constantemente nos filmes e nas séries de TV dos dias de hoje.

Este excerto do 25º episódio da 2ª série de Dragnet é um excelente exemplo daquilo que eu quero dizer. Tratava-se de uma série policial cuja acção decorria na cidade de Los Angeles. Aqui vemos os dois protagonistas, o Sargento Joe Friday e o Agente Bill Gannon a desmontar o modo de pensar e actuar de três adolescentes "modernaços"... a nossa grande tragédia é que, muito provavelmente, muitos dos autoproclamados "tolerantes" e "progressistas" dos dias de hoje considerarão estes dois polícias "fascistas"!

Sem comentários: